Paulo Freire e uma marcha contra a vontade reacionária histórica do Brasil

paulo_freire

Paulo Freire não pode ver o que estamos vendo hoje, mas as anteviu:

“Eu morreria feliz se eu visse o Brasil cheio, em seu tempo histórico, de marchas. Marcha dos que não tem escolas, marcha dos reprovados, marcha dos que querem amar e não podem, marcha dos que se recusam a uma obediência servil, marcha dos que se rebelam, marcha dos que querem ser e estão proibidos de ser… (…) As marchas são andarilhagens históricas pelo mundo; e os Sem Terras constituem pra mim hoje uma das expressões mais fortes da vida política e da vida cívica desse país. Por isso mesmo é que se fala contra eles, e até gente que se pensou progressista. Que fala contra os Sem Terras como se eles fossem uns desabusados, como se fossem uns destruidores da ordem. Não, pelo contrário, o que eles estão é, mais uma vez, provando certas afirmações teóricas de analistas políticos de que é preciso mesmo brigar para que se obtenha um mínimo de transformação. O meu desejo e o meu sonho, como eu disse antes, é que outras marchas se instalem neste país, por exemplo a marcha pela decência, a marcha pela superação da sem-vergonhice que se democratizou terrivelmente neste país. Quer dizer…, eu acho que essas marchas nos afirmam como gente, como sociedade querendo democratizar-se.”

Dica da Jeanne (valeu!).

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Pois é, vou às ruas contra toda forma de opressão, da superexploração dos banqueiros à falta de zelo da cada um de nós por nós mesmos, por nossos filhos, nossos pais, nossos alunos, nossos professores, nossas cidades e País. Vou às ruas contra o sucateamento das universidades públicas, contra o faz-de-conta na Educação Pública, contra todas as
    mordomias de vereadores, deputados, senadores – muitos dos quais sem nenhuma qualificação, verdadeiros bandidos. Vou às ruas contra a
    impunidade dos torturadores, contra os planos de morte e não de saúde. Vou às ruas contra a PEC 37 e pelo Ministério Público, pelo respeito aos aposentados e por uma medicina preventiva, vou às ruas contra o abuso do imposto de renda sobre salários – crime aperfeiçoado na gestão FHC-M. Maciel; vou às ruas contra todo reacionarismo e entreguismo de cinco séculos, todo analfabetismo funcional…