Noites Trabalho Sujo

Quando reuni a sofrência pernambucana ao dance desconstruído paulistano no último Inferninho Trabalho Sujo de maio sabia que, por mais díspares que fossem as experiências ao vivo dos novos discos do Tagore e do Lauiz, havia um ponto em comum nessa formação. Algo que misturava uma sensibilidade fora do comum à necessidade de explorar novos caminhos sonoros atrairia públicos distintos (inclusive no quesito etário), mas prontos para aceitarem-se mutuamente. Dito e feito. Tagore começou a noite celebrando lembranças de sua juventude no início dos anos 90, mostrando principalmente as novas canções do disco Barra de Jangada, feito em homenagem a duas figuras importantes em sua formação que o deixaram recentemente: seu pai, o artista plástico Fernando Suassuna e o guitarrista Paulo Rafael, que tocou no Ave Sangria e acompanhou boa parte da carreira de Alceu Valença. Acompanhado de uma banda formada pelo guitarrista Arthur Dossa, o baixista e principal parceiro musical João Cavalcanti e pelo baterista Arquétipo Rafa, Tagore não só passou o disco recém-lançado como visitou pérolas de seu repertório como a já clássica “Movido a Vapor” e a bela “Olho Dela”, tocada num bis improvisado, como convidou o vocalista do Mombojó, Felipe S, para dividir os vocais do maior hit do mestre Alceu Valença, “Morena Tropicana”. Que vibe boa.

Assista a um trecho aqui.

Depois foi a vez de Lauiz mostrar – a caráter, vestido de caubói – o repertório de seu disco lançado nessa sexta, Perigo Imediato. Cantando canções irônicas que perdem o cinismo ao serem desconstruídas num formato indie dance, o produtor dividiu-se entre piadas sem graça (como de praxe), vocais com vocoder e um keytar enquanto seu dupla, o DJ Marquinhos Botas-de-Ferro, disparava bases e tocava guitarra, sempre mantendo a seriedade que contrapunha à autodepreciação promovida pelo vocalista. Com timbres sintéticos que soam simultaneamente cafonas e modernos, os dois mantiveram o público sempre animado, mesmo quando zoavam da própria postura no palco. O show só pecou por ser curto e durou apenas meia hora. Mas o foi o suficiente para deixar o Picles em ponto de bala para que eu e Bamboloki, que estava completando seu primeiro aniversário como DJ, fizéssemos um dos nossos melhores sets, misturando Kasino e Siouxsie & The Banshees, Yo La Tengo e Arrigo Barnabé, Gang of Four e Jonata Doll e os Garotos Solventes. Quem foi sabe.

Assista a um trecho aqui.

#inferninhotrabalhosujo #tagore #lauiz #picles #noitestrabalhosujo #trabalhosujo2024shows 107 e 108

Temos que dar um jeito nesse frio polar que só entristece a vida das pessoas – e esse jeito chama-se Inferninho Trabalho Sujo, que acendemos em mais uma sexta-feira no Picles, a última antes do mês de junho e uma fogueira de boas vibrações. A começar pelos shows, que materializam não só um, mas dois lançamentos quentinhos que acabaram de sair do forno. Quem abre a noite é o produtor Lauiz, mostrando pela primeira vez ao vivo seu recém-lançado Perigo Imediato, que vem acompanhado do grande Tagore, este lançando seu belo Barra de Jangada. E depois dos shows assumo a pista ao lado da minha intrépida parceira de alucinações musicais coletivas Bamboloki, ambos disposotos a esquentar por dentro os corpos que se entregarem à nossa discotecagem. O Picles fica no número 1838 da rua Cardeal Arcoverde e a noite começa a esquentar a partir das dez. Venham!

Vamos a mais uma sexta infernal, ateando chamas nos corações e mentes que abandonarem todas as expectativas ao adentrar no portal chamado Picles. E neste dia 17 vai ter ritual de descarrego, quando recebemos ninguém menos que Ava Rocha para uma celebração quente no palco do Inferninho Trabalho Sujo, logo depois de mais uma apresentação pegando fogo das queridas Boca de Leoa. E como após os shows a temperatura auemnta ainda mais, chegamos eu e a Fran despejando gasolina para transformar a pista em nossa panela de pressão alto astral. Venha e não se arrependerás – o Picles fica no número 1838 da Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, e a primeira banda começa às 22h. Queima!

Sábado é dia de continuar com essa vibe boa, quando eu, Clarice, Camila e Claudinho nos reunimos mais uma vez para transformar o Bubu em nossa querida pista de dança. Você conhece o riscado: a festa começa cedo e termina cedo pra que possamos aproveitar tanto o sábado se acabando de dançar quanto o domingo, seja emendando com outra madrugada adentro, seja dormindo cedo pra curtir o dia seguinte desde a manhã. No som, aquela mistura boa de músicas atuais que você conhece com músicas antigas que você nem lembrava da existência, sempre chacoalhando quadris e corações desde o início. O Bubu fica na Praça Charles Miller s/n° (no estádio do Pacaembu) e a festa começa a partir das sete da noite – e termina meia-noite. Vem dançar com a gente!

Nessa sexta-feira tem mais uma Trabalho Sujo All-Stars, aquela festa em que convido amigos pra discotecar comigo noite adentro. Mais uma vez ela acontece no Bar Alto e mantemos a entrada gratuita, só que dessa vez tenho algumas novidades: a festa vai até às quatro da manhã e vou encarar um long set como há tempos não faço – acho que desde antes da pandemia não toco sozinho uma noite inteira. Quer dizer, pode ser que convidados surjam no meio da noite, sem aviso, vai saber… O Bar Alto fica no número 194 da rua Aspicuelta, na Vila Madalena, e abre a partir das sete da noite, mas a festa começa mesmo das dez em diante… Vamo?

Duas produtoras líderes de bandas que estão começando experimentaram pela primeira vez o palco do Picles neste fim de semana, quando Tiny Bear e Grisa apresentaram seus trabalhos no Inferninho Trabalho Sujo. Com muita emoção à flor da pele, as bandas passeiam por camadas sonoras tensas e hipnóticas para cantar músicas com sensibilidade à flor da pele. Liderado por Bia Brasil, o grupo Tiny Bear derramou seu drama posicionando-se em algum lugar entre as baladas de anime, o trip hop e o indie rock e mesmo com um integrante a menos não fez feio, com sua cabeça e vocalista entregando-se às canções.

Assista a um trecho aqui.

O clima já estava quente e quando chegou a vez da Grisa de Giovana Ribeiro Santos, de Juiz de Fora, a temperatura manteve-se firme, abrindo outras possibilidades dramáticas. Calcadas num soul pesado, no rock psicodélico e no shoegaze, o grupo fez seu primeiro show em São Paulo, mostrando músicas já lançadas e algumas de seu primeiro álbum, Geografia de Lugar Nenhum, prometido ainda para esse ano. Entre a guitarra e o theremin, Giovana mostrou a que veio – e deixou tudo no jeito pra que eu e a Bamboloki, que discotecou comigo dessa vez, levássemos a pista do Picles para um universo de rock, dance music e esquisitices desenfreada. Discotecar na sexta-feira é outro nível, né…

Assista a um trecho aqui.

#inferninhotrabalhosujo #tinybear #grisa #picles #trabalhosujo2024shows 85 e 86

De novo às sextas, abrimos o mês de maio no Inferninho Trabalho Sujo com duas bandas conduzidas por produtoras – Tiny Bear e Grisa – que encontram um ponto de conexão musical nessa primeira sexta do mês no palco do Picles. Depois quem me acompanha madrugada adentro desta vez é a arquiteta do caos Bamboloki, que me ajuda a atravessar da sexta pro sábado entre o êxtase e a esquisitice. Vamo que a noite promete!

O Inferninho Trabalho Sujo dessa semana acontece na quinta-feira mas é por um bom motivo, afinal receberemos ninguém menos que o senhor Di Melo, que completa 75 anos muito bem vividos no palco do Picles! Ele vem como atração principal de uma movimentação feita pelo coletivo Jazz no Limoeiro, que ainda apresenta Fernanda Ouro na abertura e ainda convidou outro mestre, o trombonista Bocato, para participar do show do guru pernambucano imorrível. E é inevitável que a minha discotecagem com a Fran, que começa logo em seguida dos shows penda mais pra música brasileira, mas você sabe o grau de imprevisibilidade dessa nossa festa, né? Aguarde e confie!

Aquele sábado está chegando… No próximo dia 20, eu, Clarice, Camila e Claudinho nos reunimos para mais uma sessão de celebração intensa e acabação saudável quando transformamos o amplo espaço do nosso querido Bubu em uma das pistas mais felizes da cidade. É o dia do Desaniversário, em que enfileiramos hits de todas as épocas para fazer todo mundo dançar sem parar. Você já sabe que além do astral altíssimo, nossa pista também é a favor da redução de danos para nós jovens adultos que queremos aproveitar o domingo, por isso começamos cedo – às 19h – para acabarmos cedo também – por volta da meia-noite. O Bubu fica na marquise do Estádio do Pacaembu (Praça Charles Miller, s/n°) e estaremos te esperando nesse sábado pra se acabar de dançar com a gente!

Outra sexta-feira, outro Inferninho Trabalho Sujo no Picles – e a noite tá naquela condição ideal de temperatura e pressão. Começamos os trabalhos com dois shows de duas bandas novíssimas, Celacanto e Ondas de Calor, cada uma delas com uma proposta diferente, mas que encontram pontos em comum em vibes distintas. Depois eu e Fran incendiamos a madrugada adentro como aquela saraivada de hits que faz a pista do Picles suar as paredes! Vamos lá? O Picles fica na Cardeal Arcoverde, 1838, e o primeiro show começa às 21h30.