Show

Pura magia

Mais uma apresentação de tirar o fôlego conduzida por Juçara Marçal no Centro da Terra. Na segunda noite em que trouxe seu Encarnado em versão acústica este ano para o palco do Sumaré, a maior cantora do Brasil hoje não só fechou esta pequena temporada com uma apresentação ainda mais intensa que a da terça anterior, como encerrou outro ciclo, ainda maior, aberto quando realizou a primeira data de uma temporada interrompida no fatídico março de 2020 da pandemia. Acompanhada dos cúmplices de sempre – Kiko Dinucci, Rodrigo Campos e Thomas Rohrer, todos eles empunhando instrumentos sem eletricidade -, ela transformou mais uma vez seu disco de estreia no véiculo perfeito para a expor a intensidade de sua performance ao vivo, quando transforma sua voz e presença de palco em uma passagem para entidades, cada uma em uma canção. E assim ela foi enfileirando sambas de Siba e Paulinho da Viola, Itamar Assumpção e Gui Amabis, Romulo Froes e Chico Buarque, Tom Zè e Douglas Germano cujas histórias e letras misturam causos do cotidiano com casos de polícia, dramas pessoais com traumas íntimos, rezas e cânticos, sempre amparada pela complexa trama formada pelo entrelaçamento ímpar das cordas de Kiko e Rodrigo e coberta pela lânguida rabeca de Thomas. Uma noite que não apenas tirou o fòlego como livrou o encosto dos traumas dos anos recentes. Pura magia.

Assista a um trecho aqui.

#jucaramarcalnocentrodaterra #jucaramarcal #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 116

Mais uma segunda-feira atordoante dentro da temporada Curadoria do Medo que a dupla Test está fazendo no Centro da Terra – e se na primeira noite, João e Barata passearam sua avalanche de ruído acompanhada da surra de imagens aleatórias proposta pela VJ Carol Costa, na segunda sessão foi hora de transitar entre a iluminação, por vezes etérea e difusa e por outras frnética e energizante, conduzida por Mau Schramm e pelos ruídos manipulados por Douglas Leal, que começou a noite com gravações da própria banda antes mesmo de ela subir no palco, para depois misturar e remixar outros ruídos emitidos pela dupla enquanto os dois tocavam, funcionando como um eco de outra dimensão. Foi intenso.

Assista a um trecho aqui.

#testnocentrodaterra #test #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 115

Bem bom o show que o Interpol fez neste sábado no Áudio. Foi o último show que a banda nova-iorquina fez no Brasil nesta vinda, em que passou pelo Rio de Janeiro e fez duas datas em Sâo Paulo, celebrando seus dois primeiros discos, sabidamente a fase clássica da banda. Para não repetir exatamente o show que fizeram na sexta, inverteram a ordem dos discos e começaram com o segundo, Antics, lançado há vinte anos, e essa opção deu uma outra cara à apresentação. Afinal, sua obra-prima é seu disco de estreia, Turn On the Bright Lights, lançado em 2002, e o disco seguinte, apesar de manter o vigor e a energia do anterior, perde nos quesitos tensão e climão, qualidades que tornam o primeiro álbum tão memorável. Assim, a noite começou com um pique mais intenso, mas sem queimar os principais hits, opção que seguiu na segunda metade da noite, quando o grupo, ao contrário do que fez ao tocar seu segundo disco, mexeu na ordem das faixas. No palco, o trio fundador da banda segue firme como ícones do rock do século 21, que mantém alguns dos valores do estilo musical mais popular dos últimos 60 anos, mas sem cair na caricatura roqueira que prende o gênero no passado. O guitarrista Daniel Kessler segue a linhagem da guitarra pós-punk – que ruge mais do que sola – e deixa o ritmo do seu instrumento determinar a intensidade da banda, por vezes mais estridente, outras mais soturno. À frente de todos, Paul Banks encarna a intersecção entre a personlficação do cool e a pose de rockstar, começando o show de jaqueta de couro e óculos escuros e hipnotizando os fãs com seu grave implacável e sua postura ao mesmo tempo distante e quente, trocando pouquíssimas palavras com o público e regendo a multidão apenas com suas cordas vocais. Os outros três músicos – o baixista Brad Truax e o tecladista Brandon Curtis, ambos há mais de uma década na banda, e o baterista Chris Broome, que substituiu Sam Fogarino nesta turnê – não gravaram os discos celebrados na noite, mas estão completamente dentro da vibração do grupo, tornando a dinâmica da banda norte-americana quase inglesa – pouco movimento em cena (à exceção de Kessler, hiperativo), emoções contidas e entrega plena. Entre um disco e outro a banda fez uma pausa, saiu do palco, para retomar o primeiro álbum com a ordem das músicas trocadas – heresia para os fãs mais radicais, mas que fez sentido no decorrer do show. A parte de Turn On the Bright Lights começou com uma música que não está no disco (“Specialist”, lançada no primeiro EP da banda), pulou para a quinta do lado A (“Say Hello to Angels”) e só retomou a ordem original com a terceira faixa (“Obstacle 1”). Daí pra frente o grupo meio que seguiu a versão do primeiro disco (apenas puxando uma faixa do lado B, “Roland”, para depois de “NYC”, do lado A) e deixou claro o motivo de ter alterado o setlist em relação ao disco para deixar o grande hit “PDA” como penúltima música da noite, tocada antes de encerrar mais uma etapa, sair do palco e só aí retornar com a abertura épica do disco, “Untitled”, que neste contexto funcionou como o melhor jeito de encerrar a noite, fazendo o público que cantou todas as músicas o show inteiro, sair sonhando com os versos “Surprise sometime will come around” ecoando na cabeça. Bem bom – só pecou por tirar a música que encerra o disco, “Leif Eriksson”, que tocaram no dia anterior, do repertório da noite.

Assista a um trecho aqui.

#interpol #audiosp #trabalhosujo2024shows 114

Os Smashing Pumpkins começaram nesta sexta-feira uma turnê ao lado do Weezer que para muitos é uma espécie de turnê dos sonhos, mas a mensagem subliminar desse novo contexto do grupo é apagar a imagem de pessoa insuportável que o dono da banda Billy Corgan tem cultivado desde o início do século. Isso começou desde antes da pandemia, quando Corgan readmitiu o guitarrista James Iha e o baterista Jimmy Chamberlin de volta à formação, e seguiu desde então, passando pelo lançamento da ópera rock ATUM (na linha musical de discos importantes pra carreira da banda, como Mellon Collie and the Infinite Sadness e Machina: The Machines of God), por uma anunciada turnê pelos EUA com o Green Day, Linda Lindas e Rancid no segundo semestre e essa turnê atual em que dividem a noite com a banda de Rivers Cuomo. E isso inevitavelmente mexe com o repertório do grupo, que começa a incluir mais músicas próprias da década de 90 e, pela primeira vez nesta sexta-feira, uma versão para uma música do U2 – uma versão bem boa para “Zoo Station”, faixa de abertura do clássico eletrônico do grupo irlandês Achtung Baby. Abaixo, além da versão citada, ainda dá pra asistir à íntegra do show: Continue


(Foto: Stela Handa/Divulgação)

No ano passado recebemos no Centro da Terra duas sessões com Arrigo Barnabé e o trio Trisca celebrando a obra de Itamar Assumpção num espetáculo que agora virou o disco Arrigo Visita Itamar, o primeiro gravado no teatro, que está sendo lançado em partes a partir de hoje. Nessa sexta-feira, surgem nas plataformas as faixas “O Que Tem Nesa Cabeça?” (de Arrigo, que virou uma espécie de vinheta que atravessa as faixas), “Quando Eu Me Chamar Saudade” (de Nelson Cavaquinho), “Fico Louco” e “Tristes Trópicos”. A segunda parte surge no dia 5 de julho e o a íntegra do disco chega ao público dia 9 de agosto. O Trisca é um trio formado pelo baixista Paulo Lepetit, pelo guitarrista Jean Trad e pelo baterista Marco da Costa, músicos que tocaram com Itamar em seu grupo Isca de Polícia, e seu nome vem desta contração. Abaixo dá pra ver o vídeo desta primeira parte, que também chega ao YouTube nessa sexta-feira, além de um comentário de Arrigo explicando faixa a faixa: Continue

Os papas do trip hop Massive Attack voltaram aos palcos nesta quarta-feira, quando apresentaram-se no Gothenburg Film Studios, na cidade de Gothenburg, na Suécia, dando início à turnê europeia que irão fazer até setembro, passando por festivais como o Montreux Jazz Festival e o Rock en Seine, entre outros. É a primeira vez que o grupo toca ao vivo desde 2019 e para esta primeira apresentação, trouxe algumas armas secretas: além do mestre do reggae Horace Andy (que cantou “Girl I Love You”, “Angel” e “Hymn of the Big Wheel), dos novatos Young Fathers (que cantaram em “Voodoo in My Blood”) e da diva Deborah Miller (que cantou em “Safe from Harm” e “Unfinished Sympathy”), o grupo ainda trouxe ninguém menos que Elizabeth Fraser, vocalista dos Cocteau Twins, que participou do terceiro disco da banda, o clássico Mezzanine. E não bastasse ter cantado “Black Milk” e a imortal “Teardrop”, o grupo ainda acompanhou Liz em uma versão para o hino de Tim Buckley “Song to the Siren”, que ela havia gravado no grupo This Mortal Coil em 1983, em uma versão que, gravada ao lado do guitarrista Robin Guthrie, funcionou como embrião para o surgimento dos Cocteau Twins. E não foi a única versão da noite: o grupo ainda tocou “ROckwrok” da banda pós-punk Ultravox e “Levels” do falecido produtor sueco Avicii. Não encontrei a íntegra do show online ainda, mas abaixo seguem alguns trechos que cacei por aí, além do repertório inteiro da noite: Continue

Douglas Germano só não é integrante oficial do grupo Encruza porque trilha sua carreira solitário, à distância, mas sempre que se encontra com quaisquer dos cúmplices que pertencem ao coletivo informal do atual samba torto paulistano, a liga é imediata. Como vimos nesta quarta-feira quando o sambista, por pouco mais de uma hora, tornou-se o quarto integrante do Metá Metá – e conectar-se com o trio, por mais abertos que sejam Juçara Marçal, Kiko Dinucci e Thiago França, exige um certo fôlego criativo e de palco que não é pra qualquer um. Mas com o Douglas não teve mistério e na apresentação que aconteceu na Casa de Francisca ele parecia ter fez parte do grupo desde o início. Tà certo que sua irmandade musical com Kiko e o fato de sambas clássicos de Douglas serem parte considerável do repertório do Metá já deixa claro que esta simbiose é mais que inevitável, é fato – são artistas univitelinos. Mas vê-la desdobrando-se à nossa frente, transforma aquele encontro aparentemente trivial em um momento único para todos os presentes. O quarteto passeou por momentos centrais do Metá Metá que foram compostos por Douglas (“Orunmilá”, “Oranian”, “Canção pra Ninar o Oxum”, “Sozinho”, “Obá Iná” e “Damião”) e outros (“Oyá” e “Rainha das Cabeças”) feitos em parceria com Kiko, seu irmão de voz e instrumento, com quem dividiu não apenas as fileiras de seu Bloco Afromacarrônico como o clássico Duo Moviola, visitado três vezes nesta noite (“”Cio”, “Premiére Deja Vu” e “Por Favor” – esta com Thiago no cavaquinho -, volta Duo Moviola!). Os quatro também visitaram o repertório de Douglas e músicas como “Àgbá”, “Golpe de Vista” e “Tempo Velho” ganharam uma nova dimensão visitadas naquela formato. A noite ainda teve clássicos do Metá compostos por Kiko (“Cobra Rasteira” e “São Jorge”) que carregam o DNA dos sambas de Douglas e Juçara lembrou que aquele encontro havia acontecido há pouco numa apresentação que os quatro fizeram em Porto Alegre pouco antes da tragédia climática que abateu-se sobre o Rio Grande do Sul, revelando que a renda daquela noite iria para o coletivo RS Música Urgente, que está ajudando a cena musical gaúcha a se reerguer. Uma noite histórica.

Assista a um trecho aqui.

#metameta #douglasgermano #casadefrancisca #trabalhosujo2024shows 113

Ano passado comentei que a RTP, o canal público de TV em Portugal, havia disponibilizado em seu site a íntegra do clássico programa Discorama que em 1969 recebeu os Mutantes em Lisboa, um dos principais registros audiovisuais de uma das principais bandas da história do Brasil, que já circulava por outros meios em versões de baixa qualidade. Além de tocar ao vivo quatro músicas (“Panis et Circensis”, “A Minha Menina”, “Caminhante Noturno” e “Banho de Lua”, além de uma versão criminosamente cortada pela metade de “Trem Fantasma”), o programa ainda acompanha o grupo passeando pela capital portuguesa ao som de músicas do disco Tropicália ou Panis et Circensis, além de entrevistar Arnaldo Baptista e Rita Lee. E era inevitável que o programa fosse parar no YouTube, como dá para ver abaixo: Continue

Conheci o trabalho de Maxim Ludwig graças à estrela Angel Olsen, que vinha fazendo turnê a seu lado e o inclusive o chamou para cantar junto em sua participação no recém-lançado tributo a Lou Reed, quando cantaram juntos “I Can’t Stand It”, do Velvet Underground. E essa semana mais uma vez ela chamou atenção de seu compadre ao fazer a segunda voz para o single “Mercury Avenue”, que ele acaba de lançar. “Quando Maxim tocou a demo de ‘Mercury Avenue’ pela primeira vez pra mim, eu timidamente perguntei se ele não se importava que eu a cantasse com ele em seu próximo show”, escreveu Angel em seu Instagram, “o verso ‘eu sei como é estar vivo, estive aí antes’ lembrou das tantas vezes que eu me descolei completamente de mim mesma, anestesiada e em busca do mínimo sinal de mudanças ou força. As palavras bateram em mim imediatamente”. Abaixo separei tanto o clipe dessa música lindíssima que os dois acabaram de lançar como o vídeo em que ela menciona sua participação no show de Maxim, assista abaixo: Continue

Encarnado e desencantado! Como Juçara falou logo no começo da primeira das duas apresentações que está fazendo no Centro da Terra neste começo de mês, retomar seu primeiro disco solo em formato acústico fecha a tampa de um alçapão que nos foi aberto bem quando ela começava uma temporada de shows no teatro revisitando seu primeiro disco (que naquele março de 2020, que viu o começo da pandemia, completava seis anos) sem instrumentos elétricos – e sem microfones ou amplificadores, só no gogó e na unha, como ela mesma disse. A nova versão acústica de seu Encarnado, que agora completa 10 anos, foi diferente daquela antes de entrarmos na tragédia pandêmica, pois além de microfone e instrumentos plugados também contava com a iluminação de Olívia Munhoz, que já havia feito no primeiro aniversário do disco esse ano, no Sesc Vila Mariana. Ao seu lado, os suspeitos de sempre (Kiko Dinucci, pela primeira vez tocando violão com cordas de aço num show, Rodrigo Campos e Thomas Rohrer) a ajudavam a conduzir-nos a um território cru e direto, sem meios termos passando por novos (“A Velha da Capa Preta” de Siba, “Ciranda do Aborto” – o momento mais intenso do disco e do show – e “João Caranca” de Kiko, “Pena Mais Que Perfeita” de Gui Amabis, “Velho Amarelo” de Rodrigo, “Presente de Casamento” de Romulo Froes e Thiago França e “Canção Pra Ninar o Oxum” de Douglas Germano, entre outras) e velhos (“E o Quico?” de Itamar Assumpção e “Não Tenha Ódio no Verão” de Tom Zé) clássicos da música brasileira. Dois destes últimos surgiram nessa versão ao vivo, primeiro “Xote de Navegação”, de Chico Buarque (em que Juçara foi acompanhada apenas por Rohrer tocando um fuê!), e depois “Comprimido” de Paulinho da Viola (em que trocou “um samba do Chico” por “um samba do Kiko”). Com a luz de Olívia perseguindo os silêncios e esporros do som (indo da penumbra quase completa aos faróis na cara do público), a apresentação terminou com um bis intenso, quando ela voltou a música do Tom Zé e pediu para que o público a acompanhasse seus gritos do refrão, fazendo com que todos exorcisassem, aos berros, o pesadelo dos últimos quatro anos, transformando o teatro numa câmara de descompressão de frustrações do período pandêmico. Irretocável. E terça que vem tem mais.

Assista a um trecho aqui.

#jucaramarcalnocentrodaterra #jucaramarcal #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 112