La Maroquinerie, Paris

Esse La Maroquinerie que eu linkei no post sobre a Céu e o Martinho da Vila é uma casa noturna exemplar em Paris, onde assisti ao show do Bloody Red Shoes (vídeo acima) que eu falei na terça. Fica num minicomplexo todo bonitinho (ah, Paris…) escondido numa rua que parece uma Teodoro Sampaio que fica bem vazia de noite. Num corredorzinho de nada, você entra numa espécie de vilinha que tem uma área de convívio a céu aberto e um lugar em que dá pra comer um lanche rápido, tomar um café ou comer um prato pequeno. Os shows começam cedo (às oito) e às dez e meia o lugar já está vazio. O palco fica em uma portinha pequena que leva a um enorme porão, que tem sua base inclinada – de forma que os artistas ficam no centro de uma espécie de teatro grego (imagine a metade do teatro do Sesc Pompéia só que com a metade da lotação). Todas as luzes ficam no palco – os artistas estão quase em cima do público. É um lugar feito para artistas de pequeno e médio porte, perfeito para os novos tempos. Achei uns showzinhos filmados na casa pra dar uma idéia do clima… Gente do tamanho do Datarock, Battles, General Elektrics, Bon Iver, Janelle Monàe, Why?, Radio 4, Joakim, J-Rocc, Little Joy, e até artistas que depois cresceram, como o Peter Doherty e a Katy Perry. Saca só:

Isso tudo pra falar três coisas: 1) São artistas deste porte que irão movimentar o mercado de música do futuro, quem crescer muito mais do que isso vai ter que lidar com publicidade, marketing e contas que vão além da música – de vez. 2) Por que São Paulo não tem mais espaços deste tipo? e 3) Quando for a Paris, dê um pulo no Maroquinerie. Depois conta.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Monsores disse:

    Alexandre,

    Ótimo post. Mas cara, reclamar que tem pouco espaços assim em Sãp Paulo? Conselho. Continue aí. Aqui em Joinville não tem espaço algum. Na verdade, não há praticamente nenhum ao sul e ao norte de SP.

    Agora, uma dica de som. Ouve aí, acho que você vai gostar:
    http://www.youtube.com/watch?v=5J-WpgOzW9A

    Depois ouça “I break horses”.

  2. GusRio disse:

    Eu estava nesse show do Little Joy! Foi incrível! E é uma pena que o Rio não tenha casas (ou público….) pra esse tipo de show….

  3. Gustavo disse:

    Matias, to indo pra Paris em breve. Tem mais lugares como esse pra indicar? Ouvi dizer muito bem desse glazart.com também, teve show das dum dum girls lá há pouco.
    Valeu (:

  4. Camila disse:

    Oi, meu nome não é Matias, há, mas, se fosse, eu indicaria La Bellevilloise, Point Ephémère (os espaços mesmos já são uma onda, como La Maroquinerie) e Les Disquaires – pra ver o que o povo de lá tá fazendo de música. Tem também la Flèche d’Or, me disseram que é bom ficar de olho na programação de lá…….

  5. Boa, Camila! Mais alguem?

  6. Gustavo disse:

    muito boa! valeu Camila! 😀

  7. Diego disse:

    Ah, que afudê. Eu que fiz esse vídeo do Little Joy. Não sei se choro agora por lembrar do show, da cidade, do La Maroquinerie, ou se é por ter que me contentar agora com os espaços e pessoas de Porto Alegre. Sinto falta do respeito demonstrado em forma de silêncio que tanto vi por lá. A Cat Power passou há pouco por aqui no Bar Opinião, um lugar equivalente em tamanho. Coitada.

  8. Gustavo disse:

    Me indicaram esse lugar também: http://www.nouveaucasino.net
    A agenda deles tá muito boa! (:

  9. Gustavo disse:

    E mais um Le Bataclan http://www.myspace.com/bataclanparis

    Tava vendo a lista de shows marcados…. até novembro favoritei uns 10… terei que viver de sanduiche de atum.