Você pode gostar...

10 Resultados

  1. Doug disse:

    Disse tudo!

  2. @Jackmout disse:

    O interessante desses “momentos de ‘revolução” é que os mesmos que condenam antes louvam depois. Típico comportamento de massa, típico senso comum, típico de venda, sono e de louvadores das rodas quadradas.

  3. @brunogiovanella disse:

    Essa é a diferença entre um ideal puramente dito e a visão de um líder.

  4. Martins disse:

    Ah se fosse simples assim.
    O feto que você mata poderia ser eu ou o do Einstein.Fere o meu ou o direito se alguém a vida. No Brasil a droga que você usa ainda faz levar metralhadoras para as mãos de narcotraficantes. Estes que por sua vez viciam mais pessoas que passam a cometer crimes para cheirar crack.Você comprou maconha e um viciado tenta roubar a bolsa da minha mãe. Você está ferindo o direito da comunidade de ter segurança.

  5. Ah, coitado do Einstein abortado… E se a droga fosse legalizada, todo esse papo de arma pra traficante caia por terra.

  6. Ulysses Dutra disse:

    O pobrema é esses cheiradô de maconha vagabundo

  7. @de_malungo disse:

    o poblema é desses doido que cheira crack… entope as narina ai ja viu…

  8. Juca disse:

    @Martins: Esse argumento é ridículo, o feto se não fosse abortado poderia ser tanto um Einstein quanto um assassino serial ou um chefe do tráfico.

  9. Filipe Flanders disse:

    Cada punheta que bati foi um Einstein embora, tenho certeza.
    Sou ameaçado diariamente pelos traficantes sem arma, porque planto a minha maconha e não dou dinheiro para que eles comprem armas.
    Argumentos “Martins” são de uma complexidade que só a novela da Globo dá conta de traduzir para geral.

  10. Rodrigo disse:

    Parei no “Cheirar crack”
    Eu planto o que fumo,cade o seu argumento agora??