Pop

Era inevitável que entrevistasse o Marcelo Costa, capo do site Scream & Yell, no meu programa dedicado ao jornalismo que cobre música, por isso dediquei o primeiro Jornalismo-Arte de 2021 a repassar sua trajetória, começando nos tempos de quando o site ainda era um fanzine impresso distribuído gratuitamente a partir do interior de São Paulo, a se tornar uma das principais referências do jornalismo independente que cobre música e cultura no país. Marcelo aproveita para falar das aulas que tomou durante a vida, assume que nunca teve iniciativa como gostaria (mas que sempre seguiu as que a vida lhe apresentou), repassa diferentes fases do site e como consegue geri-lo há mais de vinte anos.

Assista aqui. Continue

Finalmente estou tirando um velho projeto da manga: Rádio Trabalho Sujo não é apenas o meu primeiro programa que apresento sozinho no meu canal (além do CliMatias, claro), como também o primeiro que faço sobre música, algo que me cobro faz tempo. Rádio Trabalho Sujo começa como um programa em vídeo, mas seu intuito é incluir músicas e se tornar um programa em áudio que também pode se tornar um podcast – antecipando uma das grandes mudanças que veremos no canal durante 2021. A ideia é sempre contar histórias da história da música – e resolvi começar pelo final de uma das histórias que mais gosto de contar, o dos Beatles. E esta versão em áudio também aparece no Dublab, na primeira parceria que fecho com a rádio online.

Para começar 2021, chamei Chico Barney, um dos grandes profetas do Twitter brasileiro, para tentar prever o que pode acontecer no decorrer deste ano que está começando – e encontrei um arauto do apocalipse, pessimista a longo prazo com o que está acontecendo com o país, tanto do ponto de vista político quanto social e de comunicação. Ao menos ele espera que a próxima edição do Big Brother Brasil consiga tirar parte do país desse abismo de bad vibe.

Assista aqui: Continue

Eis o resultado do prêmio da Associação Paulista de Críticos de Arte, que foi divulgado na noite desta segunda-feira.

Artista do ano: Teresa Cristina
Artista revelação: Jup do Bairro, pelo álbum Corpo sem Juízo
Melhor live: Caetano Veloso
Melhor disco: Rastilho, de Kiko Dinucci

Faço parte da comissão julgadora de música popular, que escolheu os vencedores acima, ao lado de Roberta Martinelli, Marcelo Costa, Adriana de Barros, Pedro Antunes e José Norberto Flesch.

O primeiro DM de 2021 chega logo depois da notícia da vacina quando eu e Dodô discutimos os desdobramentos – políticos e sociais – que poderão ocorrer após esta notícia. E é claro que tudo é motivo para falar de todo tipo de assunto, embora esta edição tenha conseguido ter um foco raro à natureza do programa.

Assista aqui: Continue

Será que este novo ano pode ser bom? Há como ser otimista no meio deste caos que estamos atravessando? Eu e Pablo Miyazawa recepcionamos o novo ano no primeiro Altos Massa de 2021 com um ceticismo duro que pode por vez soar paranoico, mas que também tende a criar uma espécie de rede de segurança. E é justamente neste ponto em que encontramos a chave para encarar o ano com algum otimismo… Será?

Assista aqui: Continue

Phil Spector, produtor que ajudou a definir o som da segunda metade do século, morreu neste sábado, na cadeia. Ele inventou a produção “wall of sound”, que dava um ar grandiloquente e suntuoso para pequenas joias pop – a mais conhecida, deste período, é a imortal “Be My Baby”. Ajudou a parir clássicos como “You’ve Lost that Loving Feeling” e “River Deep, Mountain High”, além de ter produzido o último disco dos Beatles – o único a não ser produzido por George Martin -, o póstumo Let it Be. Também trabalhou com John Lennon, George Harrison, Leonard Cohen e com os Ramones. Junto de sua fama de produtor espartano, vinha junto a péssima reputação como ser humano – misógino e paranoico, ia armado para todas as gravações e apavorava músicos e intérpretes ameaçando-os de morte, além de ter torturado psicologicamente sua esposa Ronnie Spector, uma das Ronettes, que teve de fugir de casa para salvar-se, e ser acusado por dois de seus filhos de tê-los molestados quando ainda eram crianças. Sua carreira terminou a partir da morte de outra esposa, Lana Clarkson, em 2003, que finalmente o levou à cadeia em 2009, onde permaneceria preso até 2024, quando poderia sair sob condicional. Mas foi vítima do covid-19 e morreu devido a complicações após ter contraído a doença.

Como é bom conversar sobre música, não é? Começo o ano com mais uma edição de um programa dedicado a isso, chamando a querida Dora Guerra, da newsletter Semibreve, para conversar sobre Beatles, Fiona Apple, a ascensão do pop e a decadência do rock, o TCC que ela escreveu sobre a Beyoncé, pista de dança, os discos indies da Taylor Swift e a volta da disco, entre vários assuntos que surgiram num programa dedicado a isso.

Assista aqui: Continue

Chamei o autor do melhor disco de 2020, o grande Kiko Dinucci, para discutir a história deste seu Rastilho e sua reconexão com o violão, contando como o disco se materializou de um acidente de skate ao seu lançamento no início do ano. Falamos sobre como o disco capturou o clima da quarentena antes de ela começar, dos bastidores da primeira live deste novo momento e, inevitavelmente, da situação política e social do Brasil.

Assista aqui: Continue

Na primeira edição do ano do Artejornalismo, programa dedicado a falar sobre profissionais que cobrem música já na época da internet, converso com Diego Pessoa, pernambucano que nem mesmo se considera jornalista, mesmo que seu trabalho esteja entre as principais referências online deste século, seja antecipando lançamentos ou fazendo registros não-oficiais no site Hominis Canidae. Também falamos sobre seu interesse original por música e como ele começou no jornalismo, ainda no tempo dos fanzines, sua atuação na revista Mi, a mudança de Recife para Teresina e os planos futuros do site, que agora também é um selo.

Assista aqui: Continue