Ancient Aliens: o melhor seriado hoje em dia

Sim, o melhor seriado atual (em julho de 2011, perceba que estamos no hiato entre as duas temporadas de Fringe) é um programa do History Channel. E Ancient Aliens é só aquilo que aparenta ser: um monte de pseudocientistas, a maioria filhote do Erich von Däniken (autor de Eram os Deuses Astronautas?, também onipresente no documentário), questionando verdades históricas para mexer em velhas perguntas, que linkam Stonehenge aos maias, máquinas voadoras indianas e os tapetes voadores do Oriente Médio, alienígenas, Ilha da Páscoa, Antártida, Atlântida, siderúrgicas portáteis na Bolívia, pirâmides espalhadas pelo mundo, anjos, OVNIs e esse monte de mistério que sempre atiça a curiosidade.

O bom é que a série (cujos episódios têm uma hora e meia) funciona como se tivesse sendo produzida por Fox Mulder – e por mais que costure diferentes aspectos, épocas, ciências e culturas, quase sempre volta para o raciocínio central: de que a civilização moderna é só mais uma das civilizações humanas altamente avançadas tecnologicamente que já habitaram esse planeta e de que sempre contamos como uma mãozinha dos nossos amigos extraterrestres pra chegarmos lá.

Independentemente de ser crível ou não, o ruim desse tipo de teoria é que ele sempre menospreza a capacidade humana, que é sempre vista como júnior demais para conceber projetos arquitetônicos e mecanismos tecnológicos complexos demais em outro momento da história que não fosse depois da revolução industrial.

Mas, por outro lado, eu sempre curto aquela piração do Timothy Leary, que ele diz que todo tipo de aparição que vemos e não conseguimos compreender (espíritos, ETs, assombrações, santos, aliens, anjos, fantasmas) são, na verdade, manifestações de nós mesmos, no futuro, querendo entrar em contato com nós mesmos, no passado. Assim, toda a tecnologia humana teria sido avançada graças ao envolvimento dos próprio humanos do futuro na rotina de seu passado – um clichê em loop, uma fita de Möbius narrativa clássica da ficção científica.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Rodrigo Aguiar disse:

    Fala Matias, realmente esse seriado é muito foda. Assisti no ano passado a temporada Número 1 e semanas atrás passou em um domingo a maratona da segunda temporada. Não consegui achar para comprar aqui no Brasa, assim fiz o download da primeira inteira.
    Curto muito os argumentos expostos no seriado, se são uma verdade universal, não sabemos ao certo, mas para quem curte umas teorias conspiratórias (ou não) vale a pena ver, pois revela algumas informações que algumas pessoas preferem deixar “adormecidas”.
    Fora o cientista central o Giorgio A. Tusoukalos, quem tem o cabelo mais esdrúxulo que já vi……

  2. YCK disse:

    Que piração essa do Timothy Leary, mas do cara que chapou harvadianos em pleno campi, não me surpreende.

    Quando era criança, escrevia bilhetes pra mim no futuro.

  3. arlen disse:

    O problema desta série é colocar lado a lado coisas factíveis e outras que já foram refutadas e ridicularizadas tempos atrás como os crop circles. Mesmo assim tem muita coisa legal ali que eu já conhecia de livros e que realmente merecem a atenção dada. Apesar da aparência e o jeito meio “gurizão” aconselho fortemente os livros do David Childress este sim um cara q realmente pesquisou e mostra fatos reais e não súplicas e suspeitas como o Von Daniken que, na minha opinião devia ser apenas citado nos documentários, a aparição dele e os relatos tiram um pouco a credibilidade do programa.

    • João Santos Neto disse:

      Caro Arlen,

      Não há referências aos “crop circles”.
      Será que você viu o programa?

  4. carlos meneses disse:

    acho a série muito interessante por levantar questões fundamentais para a recuperação do nosso passado histórico. Vivemos na era da informação, as descobertas arqueológicas são disponibilizadas muito rapidamente hoje em dia. Quanto ao comentário anterior sobre os crop circles serem ridicularizados, na verdade, somente 5% destes circulos tiveram seus autores indentificados, os demais não, e os circulos que foram criados por um grupo de pessoas, são muito simples comparados com os demais. Como disse antes, vivemos na era da informação, e devemos sempre buscar outras fontes. O seriado é muito bom, e se tivermos um pouquinho de coragem de largamos as raízes cristas, enxergaremos bem melhor e com mais clareza de onde viemos.

  5. Doglo disse:

    Pseudocientistas? Pelo que vi a maior parte tem doutorado e sabe o que fala, agora se vc acredita num livro que fala de um super-herói que cura as pessoas e anda em cima da água acho melhor vc rever seus conceitos

  6. Luiz Gustavo disse:

    Concordo plenamente, Doglo.
    As pessoas tendem a serem céticas, mesmo nunca tendo visto Deus, mas cremos nela com uma fé e força incontestáveis. Santa ignorância e audácia de nós mesquinhos crermos serem únicos num lugar onde nós mesmos chamamos de Universo. Sem falar nas provas comprobatórias destas visitas de nossos irmãos celestes no passado que foram caçadas (desde a época dos cavaleiros do templário) e destruídas ou ainda aprisionadas em entidades religiosas e até mesmo governamentais. Continuem crendo que o iPhone é o suprassumo de nossas faculdades capazes.

  7. MJ disse:

    Rulou com a do Iphone Gustavo.

    Certamente… “Santa ignorância e audácia de nós mesquinhos crermos serem únicos num lugar onde nós mesmos chamamos de Universo.”

    Somos um grão de areia nisto que chamamos de universo e ainda sim essa de Adão e Eva persiste para bilhões…
    Quanta medíocridade..