10 anos de Rafael Castro

rafaelcastro-dezanos

O cantor e compositor paulista Rafael Castro – outro integrante da classe de 2012 do Prata da Casa, quando fui curador do projeto do Sesc Pompéia – repassa a primeira década de sua carreira em uma temporada de shows na Casa do Mancha a partir dessa quarta-feira (maiores informações na página do evento no Facebook). São três shows diferentes, cada um refletindo uma fase – e um disco – de sua carreira, em ordem invertida: o primeiro show é da fase dance eletrônica do disco Um Chopp e um Sundae, o da semana que vem é voltado ao seu disco rural e no final do mês ele recorda os primeiros sucessos com a velha roupagem de rock brasileiro que lhe fez fama. Pedi pra ele descrever cada uma dessas fases:

Um Chopp E Um Sundae
“É meu trabalho mais fresquinho, rodamos bastante em 2015 e o show está tinindo. Pessoalmente me sinto muito realizado com esse trabalho onde assumo uma nova persona pop com maquiagem, glitter, leggings e muita sensualidade. Menos cabeça e mais quadril. Diversão garantida por um show que tem duas partes: primeiro tocamos apenas com sintetizadores, dando aquele clima new wave brega pra galera dançar, depois fazemos a transição paras as guitarras mais na pegada deusinhos do rock.”

Raiz
“Esse é o meu disco de música caipira que embora o pessoal goste bastante eu tive poucas oportunidades de tocar ao vivo. Lancei em 2008 no mesmo dia do Estatuto do Tabagista onde fazia um contraponto entre os discos. O discurso do Raiz é daquele cara pacífico, o caipira do interior de SP que leva a vida como pode e que vi muito na cidade que eu nasci, Lençóis Paulista. Convidei o Maurício Pereira para esse show. Vamos ver se ele pode ir, tomara que dê certo!”

“Sucessos do passado”
“Sabe que eu sofro um bullying nos meus shows parecido com aquele do bordão ‘toca Raul’, só que de músicas antigas que faz anos que eu não toco. Sempre tem aquele cara que grita ‘toca Canapés!’ ou ‘toca Foi Porque Eu Bebi’, ‘toca Ai Paulo!’ Quando possível eu até toco, mas nem sempre dá pra atender os pedidos. Esse show é pra você amigo que me conheceu nos anos 10 lá no MySpace vestindo aquele capacete.”

Você pode gostar...

1 Resultado

  1. Eu tenho até hoje um CD “feito em casa”, gravado pelo próprio Rafael e banda, da época em que tocavam músicas como Super- Quase, Professora Lúcia, Coração Trouxa, Quando A Gente Acha A Tampa Da Própria Panela….
    Fui ver o show mais novo em Ribeirão Preto e consegui matar a saudade da presença. Eu não o via de perto desde um bar em Barra Bonita/SP, acho que em 2006.
    Sucesso sempre meu caro! Grande abraço!