Vida Fodona #807: Demorei, né?

Muita coisa acontecendo.

Ouça abaixo:  

As consequências de mudar o Inferninho Trabalho Sujo pras sextas

Inferninho Trabalho Sujo sextou e sextou BONITO. Depois de pouco mais de um semestre esquentando as quintas-feiras, mudamos a festa pra sexta e não poderia ser em melhor companhia. Pra começar, pelo fato de sermos a sede pra primeira Paixão de Castro em anos, este evento de proporções bíblicas que não acontecia literalmente há anos pois seu protagonista esteve fora dos palcos. Não mais! Tal Jesus dois dias depois, Rafael Castro está de volta, mostrando que não morreu e segue vivão vivendo vívido, dedicando o repertório de seu grande retorno unicamente ao disco que compôs e gravou em fevereiro deste ano, o sensacional Vaidosos Demais, um clássico contemporâneo desde o dia de seu lançamento. E reuniu no palco os mesmos cúmplices, tanto banda quanto convidados, que o ajudaram a erguer o disco, uma das vantagens do calor da hora. Outra era que todos os presentes bem sabiam da importância daquele momento. Além da reunião de dinossauros proporcionada por este instante único (praticamente uma Santa Ceia da Casa do Mancha, repleta das santidades da cena independente dos anos 00), todos sabiam cantar todas as músicas, o que deu uma profundidade emocional a hits instantâneos como “A Esquerda Errou Nesse Sentido” (uma crítica mais profunda que a do Vladimir Safatle), “O Algoritmo Te Escolheu”, “Pessoal da Claro”, “Fiscal de Foda”, “Nunca Em Nome de Satã” e a já imortal “Bar e Lanches”, que abriu o show e voltou no bis, como seu próprio protagonista! Que noite!

Assista a um trecho aqui.

E depois recebemos o quarto show da carreira solo da vocalista dos Pelados e do Fernê. Manuela Julian subiu mais uma vez aos palcos acompanhada pela guitarra de Thales Castanheira e desfilou canções novíssimas, músicas de suas duas outras bandas e uma versão excelente para “Você Não Vai Passar” da Ava Rocha. Bom ver que, mesmo pilotando teclado e guitarra às vezes na mesma música, ela está se soltando e vindo pra frente, como faz em seus outros trabalhos, deixando de usar os instrumentos como escudo cênico e encarando – e hipnotizando – o público com sua voz grave e seu domínio de cena, fazendo todos acompanharem seu show melancólico atentamente (ou “pianinho”, como ela pediu no começo) mesmo depois da catarse que foi o show do senhor Picles. E a festa começou quando eu e Fran assumimos a discotecagem logo após seu show, fazendo o público dos shows tornar-se a pista fervida que pede toda sexta-feira – e foi só a primeira! E vem mais novidades por aí!

Assista a um trecho aqui.

#inferninhotrabalhosujo #rafaelcastro #manuelajulian #picles #noitestrabalhosujo #trabalhosujo2024shows 49 e 50

Inferninho Trabalho Sujo apresenta Rafael Castro e Manuela Julian

Agora o sextou subiu alguns degraus quando nosso efervescente Inferninho Trabalho Sujo deixa as quintas-feiras para atingir um novo patamar ao abrir o fim de semana. E a primeira festa no novo dia não podia ser mais ilustre, pois marca o retorno aos palcos de Rafael Castro, o senhor Picles ele mesmo, lançando seu vigésimo disco, Vaidosos Demais. A noite ainda tem mais uma apresentação da vocalista das bandas Pelados e Fernê, Manuela Julian, aos poucos moldando sua carreira solo e, claro, depois da meia-noite, eu e Fran incendiamos a madrugada com hits pra não deixar ninguém parado – inclusive músicas do disco novo da Beyoncé, claro! Vamos nessa? O Picles fica no número 1838 da Cardeal Arcoverde, em Pinheiros, e a noite vai ser booooa…

Rafael Castro de volta!

Que maravilha isso tudo: Rafael Castro está de volta! Desde que se estabeleceu como empresário da noite paulistana, a usina de ideias musicais do músico e compositor de Lençóis Paulista ficou em segundo plano. Ele põe a culpa na pandemia: “Rapaz, negócio de transtorno mental mesmo”, me explica o idealizador do Picles, coração pulsante da vida noturna da zona oeste de São Paulo. “Pandemia bugou a cabeça, era crise de ansiedade e pânico o tempo inteiro. Tentei fazer uns showzinho quando as casas voltaram a funcionar e tive que parar no meio. Parecia que ia morrer, desmaiar, sei lá. Era horrível. Aí até tentei inventar que não queria mais, que não tinha tempo, que estava enjoado, mas foi só tomar uns remédios e fazer uma terapiazinha que tudo voltou a ser possível. Viva a medicina!”.

Assim, Rafa volta a tocar sua extensa discografia, que foi interrompida ainda na década passada, nesta sexta-feira, quando lança Vaidosos Demais, cuja capa ele antecipa em primeira mão para o Trabalho Sujo, bem como a faixa que abre o disco, a sensacional “Bar e Lanches” (prima-irmã de “Restaurante Lótus”, do gaúcho Pedro Pastoriz). Gravado ao lado de alguns de seus comparsas de sempre (como o baixista Fabiano Boldo e o baterista Arthur Kunz), Vaidosos Demais começou a ser gravado no fim do ano passado, mas começou a tornar-se disco no último fevereiro. “Encafifei que o show da Paixão de Castro ia ter que ser com música nova e fiz o resto tudo esse mês”, contou.

O disco ainda tem dois duetos, um com Vanessa Bumagny (“O Algoritmo Te Escolheu”) e André Mourão (“Quando Essas Canções Não Existirem Mais”), além de faixas que conseguem ser ainda melhores que seus títulos fazem parecer, como “Fiscal de Foda”, “Pessoal da Claro”, “A Esquerda Errou Nesse Sentido” e “Nunca Em Nome de Satã”. E o melhor de tudo, pra mim, é que Rafael Castro volta aos palcos na próxima sexta, dia 29, quando será a principal atração da minha noite Inferninho Trabalho Sujo que faço em sua casa de shows e com abertura da querida Manuella Julian. Vai ser lindo e os ingressos já estão à venda neste link.

Ouça abaixo:  

Vida Fodona #675: Mais puxado pra pista

vf675

Da sexta pra sábado.

Isley Brothers – “That Lady (Parts 1 & 2)”
Jessie Ware – “Read My Lips”
Dua Lipa – “Love Again”
Paramore – “Hard Times”
Little Dragon – “Cat Rider (Poolside Remix)”
Letrux – “Vai Brotar”
Disclosure – “Tondo”
Brockhampton + Dua Lipa + Ryan Beatty + Jon B – “Sugar (Remix)”
Tame Impala – “Lost In Yesterday”
Les Rhytmes Digitales – “Sometimes”
Daft Punk + Julian Casablancas – “Instant Crush”
Adamski + Seal – “Killer”
New Order – “Temptation”
Bárbara Eugênia + Rafael Castro – “Vou Te Atazanar”
Queen – “Don’t Stop Me Now”
Commodores – “Brick House”
Pelados – “Tragédia Inventada”

Vida Fodona #664: Festa-Solo (3.8.2020)

vf664

Mais uma semana começando e você sabe que segunda é dia de Festa-Solo, sempre às 21h no twitch.tv/trabalhosujo – o da semana passada foi assim….

Jessie Ware – “Ooh La La”
Dua Lipa – “Hallucinate”
New Order – “Blue Monday”
Madonna – “Music”
Chromatics – “You’re No Good”
LCD Soundsystem – “Sound of Silver”
MGMT – “Kids”
Caribou – “Odessa”
Gorillaz – “Empire Ants (Miami Horror Remix)”
Hot Chip – “Flutes”
Hercules and Love Affair – “Blind”
Breakbot – “Baby I’m Yours”
Mayer Hawthorne – “A Long Time”
Ariana Grande – “Thank U, Next”
Sade – “Paradise”
Michael Kiwanuka – “You Ain’t The Problem”
Curtis Mayfield – “Move On Up”
Sharon Jones & The Dap-Kings – “Better Things to Do”
Sam & Dave – “Soul Man”
Blues Brothers + Aretha Franklin – “Think”
Ray Charles – “I Got a Woman”
Beatles – “I Got a Woman”
Ritchie Valens – “Come On, Let’s Go”
Buddy Holly – “That’ll Be the Day”
Big Bopper – “Chantilly Lace”
Don McLean – “American Pie”
David Bowie – “Ziggy Stardust”
Stealers Wheel – “Stuck In The Middle With You”
Heart – “Barracuda”
Led Zeppelin – “Trampled Under Foot”
Rita Lee & Tutti Frutti – “O Toque”
Ira! – “Manhãs de Domingo”
Garotas Suecas – “Manchetes da Solidão”
Flora Matos – “Perdendo o Juízo”
Letrux – “Coisa Banho de Mar”
Céu – “Nada Irreal”
Curumin – “Boca de Groselha”
Bárbara Eugenia + Rafael Castro – “Te Atazanar”
Boogarins – “6000 Dias”
Ava Rocha – “Doce é o Amor”
Tulipa Ruiz – “Oldboy”
Gilberto Gil – “O Sonho Acabou”

Nocauteado pela pandemia

rafael-castro-adrian

O inquieto Rafael Castro não conseguiu se conter e lança “Adrian”, música inspirada na namorada do protagonista do filme Rocky – Um Lutador, que consagrou Sylvester Stallone, canção inspirada pelo nocaute que a pandemia nos deu: “No meio da pandemia tudo quanto é artista tá sobrevivendo no vermelho, se ferrando legal e cortando um dobrado pra se manter com o auxílio mixaria do Paulo Guedes”, ele explica no texto que acompanha o novo clipe, em que sai de skate e máscara pela noite nas ruas de São Paulo.

“Nessa situaçãozinha é inevitável não lembrar do Rocky Balboa: o lutador fracassado que acaba lutando contra o campeão e tem como único objetivo ficar em pé até o final da luta, e quando consegue, completamente arrebentado, tudo que ele precisa é de um carinho da sua mina. Assim, ele grita ‘Adriaaaan’ e a audiência vai às lágrimas com essa ressignificação doída e doida do paradigma de vitória”, ele continua. “A música lembra desse Rocky e assunta com as vitórias, derrotas, apostas e lutas da nossa vida, da infância de maloqueiragem até hoje, de pobre contra pobre, desde quando cheirávamos cola e tentávamos tirar manobras no skate. Em 2020, todo dia é uma luta contra o Apollo Creed, mas a Adrian vai cuidar de tudo. Ela dá o backflip.”

Vida Fodona #619: Só música brasileira

vf619

No clima da primeira edição das Noites Trabalho Sujo no Cine Joia.

Rita Lee – “Agora é Moda”
Secos & Molhados – “Sangue Latino”
Tulipa Ruiz – “Às Vezes”
Mano Brown + Seu Jorge + Don Pixote – “Dance, Dance, Dance”
Flora Matos – “Igual Manteiga”
Letrux – “Coisa Banho de Mar”
Boogarins – “Benzin”
Bárbara Eugenia + Rafael Castro – “Te Atazanar”
Erasmo Carlos – “Jeep”
Maria Bethânia – “Festa”
Eduardo Araújo – “Kizumbau”
Marcelo D2 – “A Maldição do Samba”
Antonio Carlos & Jocafi – “Simbarerê”
Elis Regina – “Bala com Bala”
A Cor do Som – “Razão”
Sabotage – “Rap é Compromisso”
Tim Maia – “Márcio Leonardo & Telmo”
Metá Metá – “Corpo Vão”

17 de 2017: 4) Segundamente

042017-segundamente

A primeira curadoria que exerci em 2017 começou no ano anterior, quando a Keren me chamou para assumir o papel de curador de música do Centro da Terra. Para mim o desafio era simples mas ao mesmo tempo complexo: chamar artistas para valorizar o espetáculo e criar novos projetos a partir do próprio local (ele mesmo uma viagem para dentro, como o próprio tom do meu 2017). Uma matemática irracional me fez criar o projeto Segundamente, em que artistas têm quatro segundas-feiras para criar um projeto próprio, de preferência inédito. Assim, tivemos os 15 anos de carreira do Tatá Aeroplano em março, o Chega em São Paulo de Negro Leo em abril, o Mergulho de Tiê em maio, o Depois a Gente Vê de Thiago França em junho, o Na Asa de Luísa Maita em julho, o Música Resiliente em Camadas Lentas do Maurício Takara em agosto, o Mete o Loco de Rafael Castro em setembro, o Persigo SP de Saulo Duarte em outubro e o Enfrente de Alessandra Leão em novembro, além dos shows individuais de Iara Rennó (Feminística), Luiza Lian (Oyá: Centro da Terra) e Papisa (Tempo Espaço Ritual), nos meses com cinco segundas-feiras. Foram meses de aprendizado e preparo, intensos e emocionantes, com o desafio de fazer o público da região do Sumaré sair de casa nas segundas-feiras para ver shows que não veria em nenhum outro lugar. Ainda teve o sensacional encontro com todos estes artistas na primeira segunda de dezembro, provando que a música vibra sem precisar de regras ou planos. É só deixar rolar. Agradeço imensamente a todos os artistas que convidei e também a todos que foram convidados por estes artistas, transformando o Centro da Terra em um núcleo de produção musical avançada numa época em que fazer cultura parece ser subversivo – porque talvez o seja.

Vida Fodona #560: Novembro vai ser mais tranquilo

vf560

Começando as comemorações dos 22 anos do Trabalho Sujo.

Flora Mattos – “Perdendo o Juízo”
Tommy James & The Shondells – “I Think We`re Alone Now”
Rakta – “Memória do Futuro”
Baco Exu do Blues – “Te Amo, Desgraça”
Letrux – “Coisa Banho de Mar”
Smith – “Baby It’s You”
Boogarins – “Camadas”
Tiê + Luan Santana – “Duvido”
Lorde – “In the Air”
Spoon – “WhisperI’lllistentohearit”
War on Drugs – “Strangest Thing”
Rimas + Melodias – “Origens”
Alexandre Basa + Lurdez da Luz – “Liri Sista”
A Tribe Called Quest – “We the People”
Tulipa Ruiz – “Game”
Beta Band – “Dry the Rain”
Ventures – “Walk Don’t Run”
Cream – “Lawdy Mama”