Discografia do Radiohead na prateleira

radiohead-in-rainbows

O designer Simon James, da Standard Designs, resolveu homenagear sua banda favorita, o Radiohead, transformando cada canção de seus álbuns em um livro de uma coleção específica, reunindo as faixas em prateleiras de volumes que formam cada um dos discos da banda – e está vendendo, online, pôsteres de cada “coleção” (Pablo Honey, The Bends, OK Computer, Kid A, Amnesiac, Hail to the Thief, In Rainbows e The King of Limbs). Reuni todos aí embaixo, saca só:

 

Radiohead: The King of Limbs remixado

O Radiohead avisou que aquele remix feito pelo Caribou era só o primeiro em uma série de seis EPs do King of Limbs remixado. Interessante ver esses remixes como complementos digitais a um disco que, apesar da sonoridade eletrônica, é inteirinho tocado, com instrumentos de uma banda de rock tradicional. Desde a primeira leva que trouxe o do Caribou e do Jacques Greene o grupo já soltou mais duas baciadas de remixes, incluindo nomes como Nathan Fake, Harmonic 313, Lone, Pearson Sound, Mark Pritchard e Four Tet. Destaco o remix do último, para a minha faixa favorita do disco, “Separator”.


Radiohead – “Separator (Four Tet Remix)” (MP3)

E olha o que mais chegou pelo correio…

O vinil do King of Limbs e a coleção de Dodgem Logic, do Alan Moore, chegaram no mesmo dia, antes das férias.

E vocês sabem como eu levo essas coincidências a sério.

Radiohead x Caribou

Dois dos melhores artistas da atualidade se colidem no remix que eu usei pra abrir o último Vida Fodona. Coisa fina.


Radiohead – “Little by Little (Caribou Remix) (MP3)

King of Limbs ao vivo para download

Conseguiu ver o show todo mas queria baixar pra ver em casa? Agradeça ao Hominis Canidae, que ripou e upou tudo.

King of Limbs ao vivo

Na íntegra, com direito a “Daily Mail” e “Staircase” na mistura. Dica do Brancatelli.

Radiohead: The King of Limbs por dentro

E o designer oficial do Radiohead, Stanley Donwood abriu o pacote com a edição completa do King of Limbs para a Creative Review.

“In Rainbows was a great big, solid cardboard thing, if you were determined you could probably kill somebody with it, it was very heavy, and almost like a definitive statement,” he explains. By contrast, Donwood and the band wanted the King of Limbs artwork to express something less conclusive. “It’s not like the news stops when a newspaper comes out,” he continues. “It’s just ‘this is what’s happening today’. So this is released into the world on this day, and this is where this band are right now… it is a continuing thing.”

Tem até LSD!

4:20

Radiohead – “Feral”

É de fã, mas ficou foda.

The King of Limbs: Newspaper-album ou codex?


Arte: Stanley Donwood

Boa teoria da Ana sobre o novo Radiohead: o grande lance do álbum-jornal tem mais a ver com a disposição da ordem das faixas do que qualquer outro conceito temático sobre o The King of Limbs. Fala, Ana:

Ontem estava concentrada no meu trabalho e ouvindo o álbum pelo zilionésima vez em uma semana. Como tenho a estranha habilidade de pensar em mil coisas simultaneamente, um dos meus pensamentos foi “esse disco seria muito melhor com uma seqüência diferente, como eles puderam ser tão desleixados?”. Desleixados nada. Lembrei dessa história toda de álbum-conceito newspaper, todo o papo de que uma música tem ligação com a outra… Só que isso não se percebia no álbum que eu estava ouvindo. Parecia pura balela.

Pois na hora liguei dois e dois e pensei que a sequência do álbum divulgado em mp3 traria a sequência encriptada do álbum físico (que ainda não foi divulgada, e o lançamento vai ser só em maio). Pô, uma das músicas até se chama CODEX*, pelamordedeus!

Foi como uma maçã que caiu na minha cabeça! Aí bolei essa teoria. Mesmo ao acaso, tudo se encaixou como um quebra-cabeças. Mesmo estando semi-aposentada do mundo da música, sempre vou ter o sexto sentido musical. Isso deu uma mãozinha.

A grande diferença entre o álbum em MP3 e wmv e o disco que vai ser lançado em maio é a seqüência das faixas. Toda essa coisa de “newspaper álbum” é a grande jogada de marketing da vez. A última foi o “pague quanto quiser”.

Mas o importante é que o resultado dessa seqüência me surpreendeu. Músicas que me irritaram antes tomaram outra forma, e finalmente senti a tal conexão entre as músicas que eles falaram antes. Tudo fez sentido. Elementar, meu caro Watson!

E ela ainda fez este infográfico para explicar como seria a ordem “certa” do disco:

Demais, hein. Não custa lembrar que *”Codex”, título de uma das músicas do novo disco, são aqueles pequenos cadernos que formam o livro, segurados por uma cordinha (“códice”, em português).

Essa seria a ordem “correta” de The King of Limbs.

1) “Lotus Flower”
2) “Feral”
3) “Little By Little”
4) “Codex”
5) “Give Up the Ghost”
6) “Morning Mr Magpie”
7) “Bloom”
8) “Separator”

E aí, vai testar?