Ponto Takara

Maurício Takara foi convidado pela diretora Laura Artigas para compor a trilha sonora de seu segundo documentário, O Ponto Firme, lançado no ano passado, em que ela acompanhou o estilista Gustavo Silvestre na criação do Projeto Ponto Firme, em que desenvolveu sua coleção de roupas em crochê ao lado de detentos de uma penitenciária em Guarulhos para ser apresentada durante o São Paulo Fashion Week de 2018. Só agora a trilha composta por Takara compôs ao lado de seu parceiro de Baobab Club, Henrique Diaz, chega às plataformas digitais e quem conhece o trabalho dos dois vai reconhecer as camadas de ambient e percussão, synths e beats que se entrelaçam como os pontos de crochê do filme. Duas de suas faixas, “O Ponto Firme” e “O Ponto Baixo”, compõem o primeiro lançamento do selo Scream & Yell, do Marcelo Costa, em 2021 (dá pra baixar aqui).

Ouça a trilha e veja o trailer do filme aqui.  

25 anos de Electr-O-Pura

Yo_La_Tengo-1995

Electr-O-Pura não é o clássico do Yo La Tengo que os fãs respondem imediatamente quando perguntados qual o melhor disco da banda nova-iorquina – normalmente a resposta varia entre o disco que a banda lançou antes (o Painful, de 1993) ou o que lançou depois (I Can Hear the Heart Beating as One, de 1997) -, mas é o meu disco favorito do trio. Pode ser por motivos sentimentais (foi o primeiro disco do grupo que escutei) e emotivos (“Blue Line Swinger”, a faixa de nove minutos que encerra o disco, é uma das minhas músicas favoritas – e não só entre as deles), mas é bom vê-lo ganhando o verniz histórico necessário quando a gravadora Matador o incluiu como o novo item de sua série Revisionist History.

electropura-

electropura

A nova edição, que já está em pré-venda e sai apenas em setembro, no entanto, não traz nenhum extra, apenas prensa o disco em vinil duplo, como deveria ter sido anteriormente, com capa gatefold (a versão original do vinil deste disco era simples e a capa não abria), garantindo melhor qualidade sonora para as músicas. Como parte das comemorações do lançamento – o disco fez aniversário no último dia 2 -, a gravadora convidou uma de suas novas artistas, Lucy Dacus, para gravar uma versão para “Tom Courtenay”, ela que também o considera seu disco favorito.

Como se não bastasse, ela nasceu no mesmo dia em que o disco foi lançado e aproveitou para escrever sobre ele, num texto que foi traduzido pelo Marcelo, no Scream & Yell. Um trecho da tradução:

O que me fez voltar ao Yo La Tengo foi a compreensão deles sobre o humor. Ouvi bandas que exprimiam raiva, bandas que exprimiam tristeza, mas não conhecia outras bandas que pudessem expressar uma gama completa de sentimentos da maneira como o Yo La Tengo pode. De música para música, ela podia ser ansiosa, celebratória, triste, contente, confusa, etc. E mesmo quando ficavam barulhentas ou dissonantes, nunca pareciam hostis. Os sons podiam ser severos, até feios, mas eram alegres. Algumas músicas poderiam me fazer chorar, mas eram divertidas e não agressivas. Eu estava assimilando o gosto de outra pessoa e, no processo, descobrindo o meu.

“Tom Courtenay” foi a primeira música do Yo La Tengo que aprendi na guitarra. Eu não sabia o que significava, mas sabia quem Julie Christie era e amava os versos: “As the music swells somehow stronger from adversity / our hero finds his inner peace.” Não sabia o significado, mas não conseguia parar de pensar nisso. Era como qualquer bom poema, deixando um espaço para mim, entre imagens. Agora, acho que a música pode ser sobre obsessão com a mídia, equiparando aos filmes e estrelas de cinema à dependência de drogas. Bom, quem sabe, essa é apenas a minha opinião.

Eventualmente, quando a Matador me convidou para entrar no selo, o fato do Yo La Tengo estar na lista deles foi um componente importante da minha decisão. Eles lançam ótimos álbuns a cada dois anos há mais de três décadas, experimentando e explorando o que parece ser uma criatividade despretensiosa. Vale a pena comemorar, especialmente agora, quando qualquer oportunidade de celebração é uma bênção. Feliz aniversário de 25 anos para o “Electr-o-pura” e obrigado pela música, Yo La Tengo.

Eu também agradeço.

Os 100 melhores discos dos anos 10

top-100-decada-screamyell

Estive entre a centena de votantes que Marcelo Costa convidou para resumir a década passada em disco em seu Scream & Yellaqui você confere os 50 discos nacionais mais votados e aqui os 100 internacionais. Meus votos seguem abaixo (a lista com todos os votantes e seus votos está neste link), mas em breve publico minha própria lista aqui no Trabalho Sujo (onde você sabe que eu não faço essa separação entre brasileiros e estrangeiros).

Melhores discos nacionais – 2010 a 2019
1) Elza Soares – A Mulher do Fim do Mundo
2) Juçara Marçal – Encarnado
3) Criolo – Nó na Orelha
4) Serena Assumpção – Ascensão
5) Metá Metá – MM3
6) Ava Rocha – Ava Patrya Yndia Yracema
7) Céu – Tropix
8) Siba – De Baile Solto
9) BaianaSystem – Duas Cidades
10) Cidadão Instigado – Fortaleza

Melhores discos internacionais – 2010 a 2019
1) Beyoncé – Lemonade
2) Chromatics – Kill For Love
3) Frank Ocean – Channel Orange
4) Radiohead – A Moon Shaped Pool
5) The Internet – Hive Mind
6) Daft Punk – Random Access Memories
7) Rihanna – Anti
8) Kendrick Lamar – To Pimp a Butterfly
9) Arctic Monkeys – AM
10) Warpaint – Heads Up

Noites Trabalho Sujo 7.12.2018 | A última do ano!

nts-122018

Vamos lá para o último experimento deste turbulento 2018, encerrando as atividades do ano ao mesmo tempo em que celebramos o sétimo aniversário deste acondicionamento de boas vibrações que realizamos mensalmente no centro da maior cidade do hemisfério sul do lado ocidental do planeta. E para friccionar átomos e células subcutâneas, novamente chamamos o centro holístico de pesquisa musical Scream & Yell, capitaneado pelo novo-pai Marcelo Costa, que convida os suspeitos de sempre (Bruno Capelas, Bruno Dias e Renato Moikano), além de novos aliados (Mike, o inglês Kalli Ma e Renan Guerra), para mexer com corações, mentes e quadris ao mesmo tempo que desfilam pérolas de épocas e gêneros musicais diferentes no auditório preto de nosso simpósio. No lado azul, eu e – diz a lenda, caso sobreviva a uma discotecagem anterior – o mestre Danilo Cabral recebemos a maestra psicodélica Gabriela Deptulski, do My Magical Glowing Lens, e o garoto prodígio JP, ambos mostrando facetas menos indie na pista de dança. Não custa lembrar que só entra na festa quem enviar o nome para o email [email protected] até às 21h desta sexta-feira.

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
7 anos de Noites Trabalho Sujo!
Sexta-feira, 8 de dezembro de 2018
A partir das 23h45
No som: Alexandre Matias e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Gabriela Depultski (My Magical Glowing Lens), JP (Live PA), Marcelo Costa, Kalli Ma, Renan Guerra, Bruno Dias, Bruno Capelas, Renato Moikano e Mike (Scream & Yell)
Trackers: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30, só com nome na lista pelo email [email protected] Aniversariantes da semana não pagam para entrar (avise quando enviar o nome no email, por favor), bem como os 20 primeiros a chegar na festa.

Noites Trabalho Sujo | 8.9.2018

nts-092018

Enquanto o frio polar teima e se estender até o fim do inverno, a primavera surge no horizonte com esquentando nossa perspectiva de dias melhores – e as máquinas de boas vibrações das Noites Trabalho Sujo seguem quentes para espalhar alto astral usando frequências sonoras. Mais uma vez dividimos a noite com a equipe do laboratório de bons sons do Scream & Yell, liderada pelo doutor Marcelo Costa, que chamou Bruno Dias, Bruno Capelas, Janaína Azevedo, Tiago Trigo e Tiago Aguiar para mexer com corações e quadris na pista preta da Trackers. Já do outro lado, na pista azul, vamos de formação completa de Noites Trabalho Sujo, comigo, Danilo Cabral e Luiz Pattoli estremecendo pernas e mentes com canções tatuadas em nosso imaginário coletivo. Tudo para disseminar os bons ventos e espantar o frio da alma que assola o planeta. Vamos lá? Só não esqueça de que a entrada na festa só acontece mediante o envio dos nomes dos convivas para o email [email protected] até às 20h deste sábado. Vai ser épico!

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
Sábado, 8 de setembro de 2018
A partir das 23h45
No som: Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Marcelo Costa, Bruno Dias, Bruno Capelas, Janaína Azevedo, Tiago Trigo e Tiago Aguiar (Scream & Yell)
Trackers: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30, só com nome na lista pelo email [email protected] Aniversariantes da semana não pagam para entrar (avise quando enviar o nome no email, por favor), bem como os 30 primeiros a chegar na festa.

Noites Trabalho Sujo | 16.12.2017

NTS-122017

Há seis anos, o jornalista e pesquisador Alexandre Matias embarcou em uma viagem noturna: alterar humores e melhorar o sentimento de prazer e completude através da manipulação de ondas de frequência sonora. O experimento Noites Trabalho Sujo começou semanalmente em um pequeno porão ainda ativo na Avenida São Luís, no centro da maior cidade da América do Sul, quando, todas as sextas-feiras, ele convidava personagens da noite, aspirantes a discotecários, amigos e conhecidos para dividir a troca de registros musicais que pudessem provocar a produção de dopamina e adrenalina a partir de referências culturais mútuas. No percurso, convocou os velhos camaradas Luiz Pattoli e Danilo Cabral para realizar experimentações em conjunto e aos poucos o fundiu com outro experimento trimestral que realizava na torre de concreto Trackertower, também localizada nas redondezas do centro daquela metrópole, próximo ao histórico Largo do Paysandu. Aos poucos a celebração migrou para o novo endereço e mudou as frequências – foi da sexta para o sábado e deixou de ser semanal para ter uma periodicidade mensal. No novo ambiente, novas sensações e novos experimentos, sempre alerta para não provocar más sensações, brindando as cobaias voluntárias destas madrugadas com doses consideráveis de boas vibrações. Neste final de 2017, o encontro comemora seis anos de duração, cumprindo grande parte das metas assumidas e para essa passagem, dois titulares da noite (Matias e Pattoli) recebem os doutores do instituto Scream & Yell, liderado pelo sommelier Marcelo Costa: Bruno Capelas, Tiago Agostini, Nat Julio, Tiago Trigo e Bruno Dias, todos trabalhando em prol do alto astral e da celebração da chegada do verão, esse período mágico que aquece o ano e as vidas. Para participar do evento é preciso enviar o nome dos voluntários para o endereço eletrônico noi[email protected] e aguardar a confirmação até o final do dia.

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
Sabado, 16 de dezembro de 2017
A partir das 23h45
No som: Alexandre Matias e Luiz Pattoli (Noites Trabalho Sujo), Nat Julio, Tiago Trigo, Bruno Capelas, Bruno Dias, Tiago Agostini e Marcelo Costa (Scream & Yell).
Trackers: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 40, só com nome na lista pelo email [email protected] Aniversariantes da semana não pagam para entrar (avise quando enviar o nome no email, por favor). Os cem primeiros a chegar pagam R$ 25.

Noites Trabalho Sujo | 8.7.2017: Como foi

Noites Trabalho Sujo | 8.7.2017

nts-julho-2017

Mais uma vez as baixas temperaturas assolam a maior cidade do ocidente no hemisfério sul e nosso experimento psíquico-intrínseco tem suas ondas orgônicas desviadas também para o aquecimento térmico dos voluntários, que ainda poderão desfrutar do mítico quentão produzido por nosso discreto xamã Julião Barata, que perfuma a noite com o aroma característico do inverno brasileiro. E para nosso ritual místico-científico trabalhar em alta voltagem, convocamos mais uma vez a presença dos pesquisadores do laboratório da terapia do grito primal Scream & Yell para conduzir as atividades no auditório preto. Lá, o pós-doutorado em práticas coletivas Marcelo Costa arregimenta experimentos conduzidos pelas duplas Bruno Dias e Tiago Agostini, Bruno Capelas e Ana Clara Matta e Renato Moikano e Natália Julio, além do trabalho de Tiago Trigo e de sua própria apresentação. O volume de energias concentradas também encontra outro polo no auditório azul, onde o centro de pesquisas Noites Trabalho Sujo mais uma vez apresenta-se com a formação completa e os trio sócio-cientista formado por Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral dispara espasmos cerebrais de boas vibrações a partir da reproduções de fonogramas sonoros de diferentes procedências. A transformação acontece, como sempre, quinze minutos antes da virada do sábado para o domingo e prossegue até o próximo raiar do sol, na torre de concreto em frente ao Largo do Payssandu. A presença exige que envie-se o nome para o correio eletrônico [email protected] até às 20h do dia do experimento, caso contrário não é possível entrar no recinto.

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
Sabado, 8 de julho de 2017
A partir das 23h45
No som: Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Bruno Dias, Tiago Agostini, Ana Clara Matta, Bruno Capelas, Natalia Julio, Renato Moikano, Tiago Trigo e Marcelo Costa (Scream & Yell).
Trackers: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 40, só com nome na lista pelo email [email protected] Aniversariantes da semana não pagam para entrar (avise quando enviar o nome no email, por favor). Os cem primeiros a chegar pagam R$ 25. O preço da entrada deve ser pago em dinheiro, toda a consumação na casa é feita com cartões. Chegue cedo para evitar filas.

Noites Trabalho Sujo | 13.08.2016

noites13agosto2016

O frio que paira sobre o mês de agosto acabou funcionando como uma materialização do marasmo e da rotina pessimista que tem dominado este 2016, o que urge a necessidade de mais um ritual psíquico-científico para promover o descarrego de almas e a desintoxicação dos corações. Em nosso encontro mensal tecnopagão no centro de uma das maiores megalópoles do hemisfério, reunimos um time de estudiosos da harmonia e acadêmicos do ritmo para elevar espíritos e conectar neurônios apenas com o poder de frequências sonoras. O laboratório que batiza o evento, chefiado pelo cientista-orgânico Alexandre Matias, tem uma baixa na formação devido à perigosa incursão que o metaexplorador e galã Danilo Cabral tem feito no mundo da bruxaria pré-adolescente, fazendo que o cônsul do naturismo hormônico, o ministro Luiz Pattoli, acumule a função de copiloto e navegador durante a expedição para o interior da mente. O sarau idílico no auditório azul néon ainda conta com as presenças ilustres do casal formado pela historiadora em tempo real Liv Brandão e antropólogo comportamental Arnaldo Branco, ambos em visita fulminante fugindo do balneário carioca que sedia os Jogos Olímpicos. A dupla de pesquisadores Missin Link, formado pelos analistas de frequencias Daniel Prazeres e Vanessa Gusmão, também dominam o público pagante com seu transe emocional. Do outro lado daquele andar, um verdadeiro time de sociólogos, analistas de sistemas, bon vivants, exploradores e notívagos reunidos no instituto de filosofia Scream & Yell, liderado pelo anfitrião Marcelo Costa, que recebe as duplas Bruno Dias & Tiago Agostini e Nat Julio & Renato Moikano, além de Bruno Capelas e Tiago Trigo no auditório preto, dispostos a derreter corações e quadris com uma sequência emblemática de registros sonoros de afeição emocional. À entrada, outra dupla, esta formada pelo escultor de luz Fabs Grassi e pela viajante temporal Priscila de Castro Faria, recebem os que chegam num transe sensual para aquecer glândulas pineais. A presença neste encontro precisa ser confirmada através do endereço eletrônico [email protected] até às 20h do dia da realização do evento, quando as confirmações começam a chegar de volta. Ouça seu coração e se aqueça neste inverno, começando por essa amostra que disponibilizamos na rede:

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
Sábado, 13 de agosto de 2016
A partir das 23h45
No som: Alexandre Matias e Luiz Pattoli (Noites Trabalho Sujo), Liv Brandão e Arnaldo Branco, Daniel Prazeres e Vanessa Gusmão (Missin Link), Fabs Grassi e Priscilla de Castro Faria (no lounge), Marcelo Costa, Bruno Capelas, Bruno Dias, Tiago Agostini, Nat Julio, Renato Moikano e Tiago Trigo(Scream & Yell)
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email [email protected] O preço da entrada deve ser pago em dinheiro, toda a consumação na casa é feita com cartões. E chegue cedo – os 100 que chegarem primeiro na Trackers pagam R$ 20 pra entrar.

A segunda parte do tributo indie a Milton Nascimento

miltom-2

E tá aí a segunda banda do tributo que o Marcelo Costa organizou à eminência barroca Milton Nascimento, que depois de reunir Tono, Letuce, Bruno Souto, Rashid, Karol Conká com Bo$$ in Drama, Aláfia, Bárbara Eugênia e Pélico e mais uma galera no primeiro volume agora junta Blubell, Felipe Cordeiro, Tibério Azul, Los Porongas e outros tantos num disco que pode ser baixado gratuitamente no Scream & Yell. Separei aqui a reverente versão que os Selvagens à Procura de Lei fizeram pra uma das minhas músicas favoritas do compositor, a mágica “Nuvem Cigana”.