Repassando 2020 no Brasil

O podcast de acervo musical que Ricardo Alexandre vem tocando desde o ano passado parou de olhar para anos passados para se dedicar a 2020 – e chamou convidados para palpitar sobre os grandes discos do ano passado. Além de mim, ele também convidou Patrícia Palumbo, Leonardo Lichote, Roberta Martinelli e Felipe Rodarte para elencar seus favoritos do ano passado. Confere aqui.  

Jornalismo-Arte: Ricardo Alexandre

jornalismo-arte-01-ricardo-alexandre-1

A primeira novidade da terceira temporada do CliMatias é um programa para discutir, mais que jornalismo e música, seus protagonistas. Ainda não defini se o programa é semanal ou quinzenal, mas começamos com um longo papo com o mano Ricardo Alexandre, o jundiaiense mais prolífico do nosso jornalismo, que já editou o Zap no Estadão, o site da Som Livre, a finada Usina do Som, a última fase da Bizz, a Época São Paulo, a Trip, sem contar seus livros e documentários. Atualmente apostando suas fichas num podcast recém-lançado, aproveitei essa deixa para ouvi-lo contando sobre sua carreira e mostrando o caminho das pedras – se é que existe um – para quem quiser trilhar por esse rumo.

Um mergulho no Álbum Branco

escuta_whitealbum

Camilo Rocha e Guilherme Falcão me convidaram para participar de mais uma edição do Escuta, podcast do Nexo sobre música, que revisita o Álbum Branco, clássico disco duplo dos Beatles que comemora 50 anos neste 2018, com a presença de outros convidados, como Ricardo Alexandre, Tim Bernardes, Lorena Calabria e Regis Damasceno. Ouça abaixo:

Ricardo Alexandre no Centro Cultural São Paulo

ricardoalexandre

O jornalista Ricardo Alexandre lança neste sábado, às 18h, seus dois novos livros sobre crítica cultural em uma conversa gratuita com o público a partir das 18h, na Praça das Bibliotecas do CCSP (mais informações aqui). Tudo é Música e Nem Tudo é Música são lançamentos da editora Arquipélago e reúnem textos de opinião que Ricardo escreveu em sua trajetória profissional e que não são mais encontrados online. Conversei com ele sobre os dois livros e o estado do jornalismo cultural no Brasil neste início de século.

tudoemusica-ricardoalexandre

Por que lançar dois livros de opinião numa época em que todo mundo tem opinião sobre tudo?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-por-que-lancar-livros-de-opiniao-numa-epoca-em-que-todos-tem-opiniao-sobre-tudo

Como você vê a crítica musical brasileira atualmente? O que você lê?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-como-voce-ve-a-critica-musical-brasileira-atualmente-o-que-voce-le

E sobre a crítica cultural?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-e-sobre-a-critica-cultural

Você encerra um dos livros falando sobre as eleições de 2018. A falta de pensamento crítico nos trouxe até aqui?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-este-cenario-nas-eleicoes-de-2018-e-fruto-da-falta-de-pensamento-critico

Como anda o jornalismo musical brasileiro?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-como-anda-o-jornalismo-musical-brasileiro

Fale sobre seus próximos projetos.
https://soundcloud.com/trabalhosujo/ricardo-alexandre-fale-sobre-seus-proximos-projetos

Concertos de Discos: A História do Rock Brasileiro

CONCERTOS-rock-br

Depois do mês de apresentação da série Concertos de Discos, em que cada disco clássico de 1967 foi analisado por um especialista, a partir de julho, o programa continua com um professor por mês. E como o tema do mês é rock – por causa do Centro do Rock -, convidei o Ricardo Alexandre para dissecar a história do rock brasileiro a partir de oito discos, que não são os melhores nem os mais importantes, mas que sintetizam a história do gênero a partir de diferentes épocas. Outra mudança é que iremos testar os concertos semanalmente todo sábado, a partir das 15h30, dentro da Discoteca Oneyda Alvarenga e gratuitos, como sempre. A primeira aula, neste dia 8, é sobre a trilha sonora da novela Estúpido Cupido e o disco Jovem Guarda de Roberto Carlos. A segunda, sábado 15, é sobre o disco-manifesto Tropicália ou Panis et Circensis e o Krig-Ha Bandolo de Raul Seixas. A terceira aula, no sábado 22, é sobre Seu Espião do grupo Kid Abelha e os Abóboras Selvagens e Selvagem?, do grupo Paralamas do Sucesso. E a última, no dia 29, é sobre o disco de estreia dos Raimundos e o terceiro disco dos Los Hermanos, Ventura. Vai ser demais.

Discutindo o Festival da Record de 1967

uma-noite-em-67

Como parte do evento Invenção 67, Roberta Martinelli e Ricardo Alexandre discutem o mítico festival da Record em 1967 (aquele que revelou Caetano Veloso e Gilberto Gil, além de consolidar as carreiras de Edu Lobo e Chico Buarque) este sábado, no CCSP. O debate acontece às 17h, logo após a exibição do filme Uma Noite em 67, de Ricardo Calil e Renato Terra (que foram convidados para participar do evento mas não tinham disponibilidade de agenda). Tanto a exibição do filme quanto o debate são gratuitos – e a lotação está sujeita à capacidade da Sala Paulo Emílio. Os ingressos estão disponíveis uma hora antes do evento – mais informações aqui.

Invenção 67 no CCSP

invencao67

A partir desta quarta até domingo, começamos mais uma atividade multicuratorial no Centro Cultural São Paulo – o evento Invenção 67 disseca o cinquentenário do mítico ano de 1967 medindo seu impacto na cultura em diferentes áreas. Há debates, show, filmes, exposição e encontros que prometem ser célebres, como o de Renato Borghi com Zé Celso Martinez Correa (um apresentou a peça O Rei da Vela para o outro, que a tornou célebre), Andrea del Fuego e Nelson de Oliveira falando sobre Cem Anos de Solidão de Gabriel Garcia Márquez, Miriam Chnaidermann e André Sant’Anna falando sobre o Panamérica de José Agrippino de Paula e Ismail Xavier e Rubens Machado falando sobre Terra em Transe. Da parte que me toca (a curadoria de música), teremos na quinta o Vanguart tocando na íntegra o clássico Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band dos Beatles – que faz aniversário no mesmo dia -, uma conversa com Roberta Martinelli e Ricardo Alexandre sobre o festival da Record daquele ano, quando as sementes do tropicalismo e do que chamamos hoje de MPB foram lançadas e a série de audições comentadas Concertos de Discos, que joga luz em clássicos daquele mítico ano, esta com início na semana que vem (falo mais disso depois). Maiores informações sobre o evento aqui e, abaixo, a programação geral dos próximos dias. Tudo de graça! Vai ser demais!

Invenção 67 no CCSP

Que ano! Em 1967, os Beatles lançavam o álbum Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band, marco da vanguarda pop. Ainda naquele chamado Verão do Amor, Jimi Hendrix lançou seu primeiro disco, bem como The Doors, Velvet Underground e Pink Floyd. Enquanto isso, no Brasil houve certa noite em 1967, transmitida pela TV, que revelou uma geração de garotos geniais: Gilberto Gil, Caetano Veloso, Edu Lobo, Chico Buarque. Um pouco mais cedo neste ano incrível, Hélio Oiticica criava a obra Tropicália. No cinema, 67 foi o ano em que estrou Terra em Transe, de Glauber Rocha. E que estreou também a peça O Rei da Vela, de Oswald de Andrade, levada ao palco de forma barulhenta por José Celso Martinez Correa. No teatro ainda nasceria Cordélia Brasil, de Antonio Bivar. Foi o ano de PanAmérica, o romance de pura invenção escrito por José Agrippino de Paula, do impactante Quarup de Antonio Callado e de Tutameia, último livro de Guimarães Rosa. A América Latina iniciava um boom literário com Cem Anos de Solidão, de Gabriel García Márquez, e na Europa Milan Kundera lançava A Brincadeira.

Por tudo isso o Centro Cultural São Paulo resolveu homenagear esse ano extraordinário de invenção e imaginação com debates, filmes, música, teatro e cinema. Em 1967 a juventude ainda sonhava alto. E no CCSP este sonho revive. Todos os eventos são gratuitos.

PROGRAMAÇÃO

31/5 quarta

TEATRO
17h Encontro O Rei da Vela
Mediados pela crítica teatral Beth Néspoli, José Celso Martinez Correa e Renato Borghi falam de O Rei da Vela. Peça escrita por Oswald de Andrade, permaneceu inédita até ser montada por Zé Celso em 1967, tendo Borghi como protagonista. Um dos pilares do tropicalismo, a peça simboliza a contracultura dos anos 60 – hoje parte da cultura brasileira. Na Sala Paulo Emílio Salles Gomes.

1º/6 quinta

LITERATURA
19h30 Ponto de encontro: Invenção 67
Com peculiar verve e larga erudição, o crítico e ensaísta Manuel da Costa Pinto, autor de Literatura Brasileira Hoje, analisa os principais lançamentos literários do mundo naquele ano. No Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)

MÚSICA
21h Liverpool em Cuiabá
Em apresentação inédita, a Vanguart, banda matogrossense famosa nacionalmente pelo folk rock energético e lírico, revisita o álbum Sergeant Pepper’s Lonely Hearts Club Band, dos Beatles. Na Sala Adoniran Barbosa

2/6 sexta

LITERATURA
19h30 Cem anos de solidão, 50 anos depois
Destacados pela escrita que tangencia o fantástico, os autores Andrea del Fuego e Nelson de Oliveira, mediados pelo diretor do CCSP, Cadão Volpato, tratam da imortal obra de Gabriel García Márquez. No Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)

3/6 sábado

TV/MÚSICA/CINEMA
15h Aquela noite em 67
Exibição do filme Uma Noite em 67, dirigido por Renato Guerra e Ricardo Calil, sobre o famoso festival de música da TV Record que catapultou uma talentosa geração da música brasileira, seguido de debate entre os jornalistas Ricardo Alexandre e Roberta Martinelli. Filme na Sala Paulo Emílio Salles Gomes, debate no Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)

LITERATURA
19h30 PanAmérica vezes 50
A psicanalista e cineasta Miriam Chnaidermann e o escritor André Sant’Anna, especialistas na obra de José Agrippino de Paula, mediados por Ronaldo Bressane, abordam o cinquentenário de PanAmérica – romance central para a criação da Tropicália. No Espaço Mário Chamie (Praça das Bibliotecas)

TEATRO
20h30 Cordélia Brasil
Para sustentar seu marido Leônidas, Cordélia, além de trabalhar como auxiliar de escritório, passa a se prostituir. Ela traz para casa um jovem cliente de 16 anos, Rico, que acaba morando com o casal – o triângulo tem desfecho trágico. Direção: Francisco Medeiros. Elenco: Paula Cohen, Marat Descartes e Chico Carvalho. Sonoplastia: Aline Meyer. O autor Antonio Bivar comenta a peça após a apresentação. Na Sala Leon Hirzman

4/6 domingo

CINEMA
16h Terra em Transe, 50 anos depois
Exibição do clássico do cinema novo Terra em transe, de Glauber Rocha (em cópia nova), seguido de debate entre Ismail Xavier e Rubens Machado, os professores de cinema da ECA/USP que formam a linha de frente do ensaio cinematográfico brasileiro. Na sala Paulo Emílio Salles Gomes

De 26/5 a 5/6

Mostra Revista Comando
Exposição das obras em serigrafia realizadas na Folhetaria do CCSP, em ateliê público, pelos artistas Frederico Heer e Guilherme Boso (Revista Comando). Foyer

Conversando sobre música nova

ricalex-matias

Participei do programa Ouve Essa, que o Ricardo Alexandre está apresentando na 89 FM toda segunda-feira à meia-noite e, como o mote do programa é mostrar como tem música nova boa sendo feita hoje em dia (que é quase um lema aqui no Trabalho Sujo), fui lá mostrar velhos conhecidos de quem me acompanha por aqui – então tome My Magical Glowing Lens, Cidadão Instigado, Unknown Mortal Orchestra, Lana Del Rey, Tame Impala e Letuce.

Falando de cultura pop com o Ricardo Alexandre

Novo Mercado Musical  -

Eu e o compadre Ricardo Alexandre fomos convidados para falar sobre a história da cultura e da música pop na primeira aula do ciclo de debates “O Novo Mercado Musical“, que acontece nessa segunda-feira, dia 13. O ciclo é promovido pelo Centro de Pesquisa e Formação do Sesc. Nomes como Ricardo Rodrigues, Carlos Eduardo Miranda, Maurício Bussab, Juliano Polimeno, Coy Freitas, Pena Schmidt e Flávio “Scubi” de Abreu participarão das próximas aulas. As inscrições, no entanto, já foram encerradas.

Um papo com Ricardo Alexandre

ricardoalexandre

Aproveitei o lançamento do documentário sobre o Banguela para continuar a conversa com o diretor do filme, meu amigo Ricardo Alexandre, lá no meu blog do UOL.