Vida Fodona #226: Dias bonitos da nossa vida

Que dia bonito é o de hoje!

Kylie Minogue – “Slow (Chemical Brothers Remix)”
Les Rhytmes Digitales – “Music Makes You Lose Control”
Primal Scream – “Rocks (Jimmy Miller Remix)”
Pulp – “Monday Morning”
N*E*R*D – “She Wants to Move (DFA Remix)”
Pacific – “Hot Lips”
Chromeo – “Call Me Up”
Phoenix – “Long Distance Call”
Mutantes – “Rita Lee”
Joy Division – “Transmission”
Robbie Revenge – “Love-Hate Done Gun Connection”
New Order – “Round and Round”
Beck – “I Think I’m in Love”
Céu – “Bubuia”

Acompanhe-me, por favor.

Screamadelica ao vivo

Alô produtores do Brasil. Sei que muita gente pode não se impressionar com a notícia pelo simples fato do Primal Scream ter acabado de vir para o país, onde fez um show horrível no Terra – culpa do festival, não da banda. Mas garanto que o Primal Scream tocando o Screamadelica inteiro ao vivo enche fácil fácil, pelo menos, o Auditório Ibirapuera – essa programação, por enquanto, tá só pra Londres, em novembro, mas não custa dar esse toque.


“Movin’ on Up” em 1991


“Higher than the Sun” em 2009


“Come Together” em 2010


“Loaded” em 2009


“Damaged” em 1994

Os 100 melhores discos dos anos 00: Primal Scream / Beth Gibbons & Rustin

69) Primal Scream – XTRMNTR (2000)

70) Beth Gibbons & Rustin Man – Out of Season (2002)

Chuva elétrica

Era o Sonic Youth sendo o Sonic Youth

Duas coisas me fizeram escolher assistir ao Planeta Terra em vez de ir ao Maquinária – a primeira, crucial, foi a localização de ambos. Enquanto o festival do portal de internet acontecia num inusitado Playcenter, o outro ocorria na mesma Chácara do Jóquei que viu o fiasco de organização que foi o show do Radiohead em São Paulo. Só a lembrança da zona que foi este lugar no início do ano já me faz ter bode de qualquer evento que se disponha a montar sua tenda por lá. O segundo motivo foi a confirmação do show do Sonic Youth. Embora muita gente estivesse esperando bandas mais novas ou inéditas no Brasil, fiz parte de turma que sorriu quando anunciaram que Thurston, Kim, Lee e Steve voltariam a tocar por aqui. Sou fã dos quatro, fazer o quê – suportei até a última apresentação de Merce Cunningham em vida só pelo fato de saber que o Sonic Youth era a banda que faria o som da apresentação de dança. Faith No More, Jane’s Addiction, Primal Scream, Iggy Pop… As duas primeiras bandas ficaram presas num passado que não faço questão de revisitar, quando, no início dos anos 90, o heavy metal se descobriu tão esquizofrênico quanto os desenhos animados de Chuck Jones (o Jane’s Addiction tem uma pegada menos palhaça que a banda de Mike Patton, mas esse L.A. blues soa melhor quando o Farrell monta o Porno for Pyros – e todo mundo sabe que o melhor momento do Dave Navarro em disco é no One Hot Minute, do Red Hot). O Primal Scream já tinha passado por aqui em 2004 (foi isso? Ou foi 2005? Preguiça de olhar no Google) e eu já tive o meu momento com o Iggy Pop.

Por isso, o festival dos festivais que ocorreu no fim de semana, para mim, se resumia a assistir ao show do Sonic Youth. Cheguei no Terra um pouco antes do Primal Scream entrar no palco, mas nem precisava ir tão cedo (embora o evento já estivesse cheio de gente desde as 5 da tarde, segundo relatos, devido aos brinquedos do parque), porque o show foi bem ruim. Não por culpa da banda, visivelmente aborrecida com uma série de problemas – a ausência de luz no palco nas primeiras músicas, a ausência do som de uma das guitarras, “XTRMNTR” teve de ser recomeçada duas vezes. Quem estava mais perto do palco viu o vocalista Bobby Gillespie de cara fechada, nada satisfeito com o show, que até teve seus bons momentos – como uma versão krautrock para “Shoot Speed Kill Light” e a seqüência final do show que começou com “Moving on Up”.

Mas foi no Sonic Youth que as coisas engrenaram. No show que o grupo fez no Claro que é Rock (2006?) muitos reclamaram da ausência de hits e do som baixo. Sobre os hits, não reclamo – gosto da banda mesmo quando ela toca só músicas do disco novo. O som parece que estava baixo, mas eu não percebi porque me enfiei no meio do público e cheguei pertinho do palco. Para não correr o risco de pegar um show baixo, repeti a tática – e, depois do show, descobri que nem era preciso, pois o som tinha sido o melhor no palco principal do evento.

E veio a chuva. Constante sem ser pesada, ela atravessou todo o show do Sonic Youth como uma espécie de textura para a noite. E mesmo com a banda se recusando a voltar a seus hits dos anos 90, o público não largou do pé do palco e se deixou levar pelo transe da eletricidade que, por vezes, vinha de três guitarras – o baixista do Pavement, Mark Ibold, revezava-se entre o baixo e a guitarra no papel de quinto integrante da banda, talvez mais feliz do que todo o público por estar tocando ao lado de seus ídolos (o sorriso vinha ao rosto do cara durante várias músicas).

As únicas exceções que fizeram ao passado levaram o público ao meio dos anos 80, com três faixas do Daydream Nation (“The Sprawl”, “‘Cross the Breeze” e “Hey Joni”), uma do Sister (“Stereo Sanctity”) e “Death Valley 69”. E aí estava o principal trunfo do show deste ano – sem apelar para as músicas mais conhecidas, eles envolveram o público com riffs, dedilhados, palhetadas, acordes tortos e microfonia, tirando-o das referências fáceis de um show de rock, como solo, refrão e letra fácil de ser lembrada, e levando-o para seu próprio universo onde som, ruído, música e canção são indistintos entre si, partes de um mesmo processo. Neste contexto, pouco importou o fato das músicas do novo disco, The Eternal, serem conhecidas ou não. Era o Sonic Youth sendo o Sonic Youth – e não apenas um show de rock.

Perdi quase todos os outros shows (lamento mesmo não ter visto o Metronomy, a melhor atração nova da noite, na minha opinião), mas ainda consegui ver o Iggy Pop se esgoelando como um zumbi que teima em não morrer (e isso é um elogio, como foi bom ouvir “Search & Destroy” ao vivo) e dar uma passada no Ting Tings a ponto de vê-los tocar “Great DJ”. E perceber que o Playcenter, por mais inusitado que podia parecer, não só funcionou e bem para um festival desse porte como contagiou parte do público com a alegria infantil de voltar a um parque de diversões. Tomara que o do ano que vem continue lá – além de o fato de chegar em casa em menos de meia hora depois de sair do show contar pontos extra para o evento.

PS – E pra quem queria saber o setlist do SY, ei-lo:

“No Way”
“Sacred Trickster”
“Calming The Snake”
“Hey Joni”
“Leaky Lifeboat”
“Anti-Orgasm”
“Antenna”
“Stereo Sanctity”
“The Sprawl”
“Cross the Breeze”
“Poison Arrow”
“What We Know”
“Jam Runs Free”
“Pink Steam”
“Death Valley ’69”

Sublime x Beatles x Primal Scream

Ringo pra dançar, duas vezes. É o verão 2010, bicho… Será que o Mutlei ainda tá contando os dias?

Os dois são do DJ Magnet – e o segundo tem Primal Scream (que tá vindo aí…).

Planeta Terra x Maquinária

E aí, já definiu pra qual dos dois festivais você vai? Planeta Terra ou Maquinária?

Eu já: vou pro Planeta Terra. Primeiro porque o festival vem provando há duas edições que dá pra fazer um festival decente, cobrando um único preço razoável para assistir a várias atrações na mesma e única noite. Segundo porque estou curioso pra saber como fazer funcionar um festival no Playcenter às vésperas do renascimento da Barra Funda. O bairro está passando por uma evolução imobiliária de larga escala e é questão de anos para vermos aquela região dos galpões transformar-se em um dos melhores lugares de São Paulo. E terceiro porque mesmo sem fechar as atrações principais (por enquanto, além do Maximo Park, do Metronomy e do Primal Scream, a especulação caía sobre a possibilidade de trazer Neil Young – imagina… -, Snow Patrol ou Sonic Youth – e acho que essa última leva), o festival ainda me parece mais interessante do que o Maquinária.

Esse, por sua vez, me parece acumular defeitos – quase todos vindo pela via pessoal. Não estou entre as viúvas do Faith No More, muito menos das do Jane’s Addiction, dois shows facilmente perdíveis (embora esteja cogitando pegar o FNM em outra praça), mas um festival que inclui estas duas bandas e ainda adiciona o Evanescence à mistura me parece o oposto de uma boa noite. Junte isso ao fato do evento acontecer na mesma Chácara do Jóquei que viu o fiasco de produção pós-show do Radiohead esse ano e já tenho ingredientes para deixá-lo fora da minha mira.

Há quem diga que um dos festivais vai dar com os burros n’água. Exagero. São Paulo é uma cidade grande o suficiente para comportar dois – ou mais – eventos de tais proporções no mesmo dia. Fora que eu acho que, além de não competir diretamente, os dois festivais ajudam a fazer uma separação que não diz respeito especificamente a gênero musical ou a faixa etária, mas a uma combinação dos dois misturada com o momento atual do pop no Brasil.

Não são dois festivais de música pop e pronto. Um soa mais pesado e tem apelo mais juvenil, o outro soa mais indie e tem um enfoque um pouco mais adulto. O problema é que, no Brasil, não existe a possibilidade de se encarar música pop e idade adulta ao mesmo tempo. Aqui ou você gosta da Alta Cultura ou é apenas um moleque. É uma piada de mau gosto que faz com que aconteça alguns absurdos que já nos acostumamos: a ausência de uma revista de música num país essencialmente musical, a insistência de artistas juvenis de outrora em continuar insistindo no mesmo hit do passado, a existência da MPB como gênero musical (e chancela instantânea de bom gosto), o melhor da cultura brasileira dos últimos 30, 40 anos sendo tratado como descartável e passageiro, até ser descoberto por algum gringo desavisado.

E você, vai em qual dos dois?

Vida Fodona #174: Hoje eu tou devagar

Começando a semana em ritmo de dub, preguiçoso e sonolento, mas, aos poucos, pegando o ritmo. Mais um Vida Fodona Soundsystem aê!

Phil Pratt – “Star Wars”
Chalawa – “So Much Things to Say”
Céu – “Cordão da Insônia”
Primal Scream – “Higher than the Sun (Higher than The Orb Extended Mix)”
Franz Ferdinand – “The Vaguest of Feeling”
Massive Attack – “Inertia Creeps”
Public Image Ltd. – “Religion I”
Gang of Four – “To Hell with Poverty”
Cidadão Instigado – “Homem Velho”
Mundo Livre S/A – “Negócio do Brasil”
Hurtmold – “Sapers”
Yoko Ono – “Walking on Thin Ice”
La Roux – “In it for the Kill (Lifelike Remix)”
Delorean – “Deli”
Gossip – “Love Long Distance (Fake Blood Remix)”
Amanda Blank – “A Love Song”
Xx – “Crystalised”

Vamo lá?

Cover de capa

O designer Little Pixel remixou capas de discos como se elas fossem capas de livros da Pelican. Ficou classe – e aqui tem mais.

Vida Fodona #117: Uma brasileira só

Neutral Milk Hotel – “In the Aeroplane Over the Sea”
Upsetters – “Popcorn”
Primal Scream (feat. Lovefoxxx) – “I Love To Hurt (You Love To Be Hurt)”
Blur – “This is a Low”
Whitest Boy Alive – “Golden Cage (Fred Falke Remix)”
Elastica – “Smile”
White Stripes – “The Hardest Button To Button”
Digitalism – “Zdrlt Rwnd”
Midnight Juggernauts – “Into the Galaxy (Grandmaster Flash Remix)”
Kraftwerk – “Das Model”
Paper Scissors – “I Can’t Go For That”
Bronski Beat – “Smalltown Boy (The Missiles Remix)”
Adventure Kid – “Safety Dance”
Olivia Tremor Control – “Tropical Bells”
Mercury Rev – “Senses on Fire”

Can you hear me?

Você sabe como RSS funciona? Tá bom, eu quebro seu galho nessa:

VF 22 – Curtis Mayfield, três “Come Together”, hip hop, Demian Marley, Stones, RATM, De Leve de novo, Mario Bros. do rap, Nação e pós-punk brasiliense.

– “Superfly” – Curtis Mayfield
– “Caô Fudido” – De Leve
– “100 Years Ago” – Rolling Stones
– “Killing in the Name” – Rage Against the Machine
– “Na Hora de Ir” – Nação Zumbi
– “Welcome to Jamrock” – Demian Marley
– “Super Brooklyn” – Cocoa Brovas
– “Shame on a Nigga” – Wu-Tang Clan
– “Gin & Juice” – Dr. Dre & Snoop Doggy Dogg
– “Get it Together” – Beastie Boys
– “Come Together” – Primal Scream
– “Come Together” – Spiritualized
– “Come Together” – Annie
– “Leve Desespero” – Capital Inicial

VF 23 – Jack Johnson, Racionais, Sublime, “Billie Jean”, beatle George, D2 velho, “Crazy” crazy, Little Quail, Pink Floyd e Black Alien.

– “Crazy (Live at the Top of the Pops)” – Gnarls Barkley
– “Summer ‘68? – Pink Floyd
– “Let it Down” – George Harrison
– “Hoje Eu Tive Um Sonho” – Marcelo D2
– “Vida Loka (Volume II)” – Racionais MCs
– “Mr. Niterói” – Black Alien
– “Meu Maracatu Pesa Uma Tonelada” – Nação Zumbi
– “Times Like These (Live)” – Jack Johnson
– “Get Ready” – Sublime
– “Billie Jean” – Michael Jackson
– “I Feel Love” – Curve
– “Get Ready for Love” – Nick Cave & the Bad Seeds
– “Monkey Man” – Rolling Stones
– “Elvis Não” – Little Quail & the Mad Birds

VF 24 – Gal árabe, Chambaril, “Same different day”, Nick Drake tocando Bob Dylan, lição quatro, amigos venezuelanos, “A Lenda”, Delicia Keys, D2, Aowri e Marechal, Incredible Bongo Band, Deltron 3030, Madonna e Britney, Ganja Baby, Gorillaz, Love, Patsy Cline e and the beat goes on.

– “Desculpa Aí” – Chambaril
– “Blue” – Elastica
– “Karma” – Alicia Keys
– “Groundhog Day” – Mayday (feat. Cee-lo)
– “Ganja Baby” – Queen Omega
– “Virus” – Deltron 3030
– “Tuareg” – Gal Costa
– “And the Beat Goes On” – Buddy Rich
– “Fatalmente” – Mombojó
– “Dare!” – Gorillaz
– “Don’t Think Twice (It’s Allright)” – Nick Drake
– “Orange Skies” – Love
– “Venezuelan Zinga Son” – Los Amigos Invisibles
– “Sábado Zoeira (com MC Awori)” – Marcelo D2
– “Lesson 4? – Double Dee + Steinski
– “A Lenda” – Quinto Andar
– “Me Against the Music” – Madonna e Britney Spears
– “Signs” – Justin Timberlake, Snoop Doggy Dogg e Pharrell
– “Goodies” – Ciara (feat. Petey Pablo)
– “Apache” – Incredible Bongo Band
– “Three Cigarrettes in an Ashtray” – Patsy Cline

VF 25 – Seqüência do Bruno conta com Cidadão Instigado, Gnarls Barkley, Ellen Allien & Apparat, “Baranga”, LCD, M.I.A., Lucas Santtana, Yeah Yeah Yeahs, Mombojó, Bugz in the Attic, Arctic Monkeys, Echo Sound System remixado pelo Turbo Trio e Bob Esponja.

– “Ghettochip Malfunction (Hell Yes remixed by 8-Bit)” – Beck
– “Black Tongue” – Yeah Yeah Yeahs
– “Dancing Shoes” – Arctic Monkeys
– “Os Urubus Só Pensam em Te Comer” – Cidadão Instigado
– “Do Not Break” – Ellen Allien & Apparat
– “The Last Time” – Gnarls Barkley
– “Baranga” – João Brasil
– “Booty La La” – Bugz in the Attic
– “Rookie Rock (Turbo Trio Mix)” – Echo Sound System
– “Tijolo a Tijolo, Dinheiro a Dinheiro” – Lucas Santtana
– “Saborosa” – Mombojó
– “Oh Word” – Beastie Boys
– “Tribulations (Tiga Mix)” – LCD Soundsystem
– “10 Dollar” – M.I.A.
– “Closing Theme” – Spongebob Squarepants

VF 26 – Mogwai novo, Pulp velho, Belchior, Thom Yorke, Kon Kan, Noel e Petshopba, jazz beatle, Chico Buarque, Lily Allen, Floyd com Barrett, João Gilberto canta Caetano e Gang of Four remixado pelo Ladytron.

– “Natural’s Not In It (Ladytron Remodel)” – Gang of Four
– “LDN” – Lily Allen
– “Sujeito de Sorte” – Belchior
– “Lucifer Sam” – Pink Floyd
– “The Trees” – Pulp
– “Glasgow Mega-Snake” – Mogwai
– “Things We Said Today” – London Jazz Quartet
– “Avarandado” – João Gilberto
– “Bye Bye Brasil” – Chico Buarque
– “Nega” – Gilberto Gil & Jorge Ben
– “Left to My Own Devices” – Pet Shop Boys
– “Silent Morning” – Noel
– “I Beg Your Pardon (Mix)” – Kon Kan
– “Cymbal Rush” – Thom Yorke

VF 27 – Pipodélica com Jorge Ben, Outkast novo, rap francês, Hot Chip, Transformer, Stevie Wonder, “Catador de Latinha”, seqüência do Six, Breakstra e Elis & Tom.

– “You don´t need a dance (funkstrumental)” – Breakestra
– “Águas de Março” – Elis Regina & Tom Jobim
– “Bad Luck” – Hot Chip
– “Parepluie” – Le Klub des 7
– “Não Vou Embora (Leo D & William Mix)” – Eddie
– “Morte e Vida Stanley (Originais do Sample Mix)” – Cordel do Fogo Encantado
– “Variant (34 a Mix)” – Variant
– “Mojo (Feat. Rahzel & Dan The Automator)” – Peeping Tom
– “Walk In The Park” – Oh No! Oh My!
– “Loop Duplicate my Heart” – Suburban Kids with Biblical Names
– “Zagueiro” – Xuxu
– “We Can Work it Out” – Stevie Wonder
– “Catador de Latinha” – Galo
– “Mighty O” – Outkast