Livros eletrônicos

Na sexta aula do curso Bibliografia da Música Brasileira, que eu e Pérola estamos dando no Sesc Avenida Paulista, finalmente entramos no século 21 mostrando como a internet ampliou o número de focos e pólos de nossa música ao mesmo tempo em que novas cenas surgiam a partir das novas tecnologias digitais que entravam nas rotinas tanto dos artistas quanto do público. Voltamos um pouco no tempo para falar sobre mangue beat e música brega (citando autores como José Teles, Lorena Calábria, Paulo César de Araújo e Ronaldo Lemos) e como estas duas cenas estavam apontando para as transformações que viriam após a chegada da internet. Com o novo século, puxamos uma tese do livro O Som e o Sentido de José Miguel Wisnik e encaixamos com a do livro Música de Montagem de Sérgio Molina para falar sobre a mudança do formato canção e como a nova cena musical brasileira vem sendo retratada em livros cada vez mais raros.

#bibliografiadamusicabrasileira #sescavenidapaulista

Para além do eixo Rio-São Paulo

Na primeira aula do segundo mês do curso Bibliografia da Música Brasileira, que estamos ministrando no Sesc Avenida Paulista, eu e Pérola encerramos o século 20 ao falar sobre como o sucesso do rock brasileiro dos anos 80 ajudou a pavimentar a sensação de mudança que aconteceu no fim da ditadura militar e como este mesmo período viu o aquecimento do mercado editorial sobre música tanto com a publicação de revistas quanto com a série de Songbooks lançados por Almir Chediak. A partir desta década, o Brasil começa a experimentar músicas que fizeram sucesso nacional que não pertenciam apenas ao eixo Rio-São Paulo, abrangendo tanto a música sertaneja, a música da Bahia, rotulada como axé music e a música do norte do país, enquanto o rap, o funk e o pagode conectavam culturas periféricas do Brasil inteiro boa parte destes movimentos já registrados em livros,, algo que foi potencializado com a chegada da internet, que é o assunto da nossa aula da próxima semana.

#bibliografiadamusicabrasileira #sescavenidapaulista

Uma sigla chamada MPB

Na quarta aula do curso que eu e Pérola estamos ministrando no Sesc Avenida Paulista, Bibliografia da Música Brasileira, avançamos no tempo rumo aos anos 60 e 70 para dissecar a sigla MPB a partir de obras de Zuza Homem de Mello, Nelson Motta, Santuza Cambraia Naves e Ana Maria Bahiana que estabeleceram que aquela segunda geração de bossa novistas seria o futuro da música brasileira (a partir de uma sigla criada inspirada numa expressão forjada no título de um livro de Oneyda Alvarenga e adotada pela referência ao partido de oposição da ditadura militar). Na próxima quinta-feira chegaremos ao fim do século 20 com a ascensão do rock brasileiro dos anos 80, a invenção do pagode, a história da axé music, a popularização do sertanejo e os primeiros passos do rap e do funk no Brasil.

#bibliografiadamusicabrasileira #sescavenidapaulista

Estudando o samba

Na terceira aula de nosso curso Bibliografia da Música Brasileira, que aconteceu nesta quinta-feira no Sesc Avenida Paulista, eu e Pérola nos debruçamos sobre o samba, contando a história de como ele deixou de ser sinônimo de arruaça e tornou-se um dos símbolos de identidade nacional, que chega até o século 21 se transformando constantemente. A partir de obras de Lira Neto, Hermano Vianna, Muniz Sodré, Almirante e José Ramos Tinhorão, entre outros, mostramos como o gênero foi usado por questões políticas, em momentos de ditadura durante o século 20, para justificar a coesão cultural de um país continental ao mesmo tempo em que sempre se reinventou a partir de inovações sônicas e graças a algumas personalidades, que o conectaram com o resto do país. Na próxima aula falaremos sobre a sigla MPB.

Da bossa aos livros

A segunda aula de Bibliografia da Música Brasileira, curso que estou ministrando com a Pérola Mathias no Sesc Avenida, aconteceu nesta quinta-feira quando escolhemos a bossa nova como ponto de partida para falar sobre como nossa música é representada por nosso mercado editorial. Começamos pela onda do final dos anos 50 que tomou o mundo na década seguinte pois, desde sua incepção, ela inspirava não apenas a discussão sobre sua natureza como via isso traduzido em livros, a começar pelo clássico O Balanço da Bossa e Outras Bossas, de Augusto de Campos. Também mostramos como os livros acabaram, num segundo momento, colocando o baiano João Gilberto no centro deste período, algo que antes era difuso como um movimento que não era propriamente um movimento, mas que foi crucial para que pensássemos em nossa música de forma ensaística, jornalística, crítica, acadêmica e cronista, usando justamente os livros como ponto de partida. Esqueci de tirar foto, então fica aí a lombada de alguns livros que discutimos nesta aula. A próxima é sobre samba.

#bibliografiadamusicabrasileira #sescavenidapaulista

Música em livros

Começamos o curso Bibliografia da Música Brasileira nesta quinta-feira no Sesc Avenida Paulista. Eu e Pérola vamos atravessar março e abril falando de livros que nos ajudam a compreender o papel da música brasileira em nossa história, mas nessa primeira aula, em vez de falarmos sobre livros e autores específicos, preferimos falar sobre como o mercado editorial brasileiro praticamente dava de ombros para esse tipo de literatura e como a partir da redemocratização esse cenário foi mudando com a publicação de vários livros que questionam a história oficial da música no Brasil ao trazer novos pontos de vistas para diferentes épocas da música no país.

Bibliografia da Música Brasileira

Fevereiro chegando ao fim e começo com as novidades de março, quando faço mais um curso no Sesc Avenida Paulista, desta vez em parceria com a minha comadre Pérola Mathias. No curso Bibliografia da Música Brasileira, apresentamos livros básicos para o entendimento da nossa história musical. Desde obras publicadas no início do século passado a livros que começaram a ser publicados no final do século 20 a partir do fim da ditadura militar que se dedicam a pesquisas mais profundas sobre a música brasileira e seus principais artistas e agentes sociais, vindas de profissionais de diferentes áreas de atuação, como jornalistas, historiadores, sociólogos e pesquisadores. São oito aulas que abordarão diferentes momentos de nossa identidade musical a partir de livros como O Samba Agora Vai… de José Ramos Tinhorão, Nada Será Como Antes de Ana Maria Bahiana, Samba – O Dono do Corpo de Muniz Sodré, Chega de Saudade de Ruy Castro, Eu Não Sou Cachorro Não de Paulo César de Araújo e Da Lama ao Caos de Lorena Calábria, entre outros. As inscrições podem ser feitas neste link.

Eis os melhores de 2023 na categoria Música Popular segundo a APCA

Ludmilla, Jards Macalé, Ana Frango Elétrico, Titãs, Luiza Lian, projeto Relicário e Mateus Fazeno Rock são os vencedores nas categorias de Música Popular da edição de 2023 do prêmio dado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte. Eis os vencedores de cada categoria:  

Trabalho Sujo All Stars | 12.1.2024

E sigo as comemorações do meu aniversário este ano com mais uma festa, dessa vez na sexta-feira, no Bar Alto, quando reúno outros capricornianos para celebrar juntos na primeira Trabalho Sujo All Stars de 2024. Começo tocando às 19h e depois recebo, a cada hora, as digníssimas presenças de Pérola Mathias, Tomaz Paoliello e Bamboloki, todos filhos de janeiro no verão que me ajudam a tornar essa noite memorável, como sempre. A festa acontece ali no Bar Alto (Rua Aspicuelta, 194), na Vila Madalena, e não paga nada para entrar. Vamos?

Os melhores de 2023 pinçados por Guilherme Werneck

O compadre Guilherme Werneck passou por um 2023 intenso e uma das novidades deste período foi o estabelecimento de sua newsletter Ladrilho Hidráulico como uma das melhores agendas culturais de São Paulo. E já entrando no ritmo de fim de ano, em vez de falar de programação cultural, ele chamou compadres e comadres para dar dicas de discos que mais gostaram neste ano que está chegando ao fim. E lá estou eu dando meus pitacos ao lado de bambas como Juçara Marçal, Acauam Oliveira, Barbara Scarambone, Pérola Mathias, Carla Boregas, Gaía Passarelli, Romulo Fróes, Gilberto Monte e Thiago Cury. Valeu, Gui!