Por Alexandre Matias - Jornalismo arte desde 1995.

Tudo Tanto #132: Gorduratrans

Às vésperas de lançar seu terceiro álbum, Zera, bati um papo com a dupla de shoegaze fluminense Gorduratrans em mais uma edição do meu programa sobre música brasileira. Felipe Aguiar (guitarra e voz) e Luiz Felipe Marinho (bateria e voz) já vinham passando por transformações antes mesmo da pandemia, que foram acentuadas por este momento péssimo que atravessamos nos últimos dois anos, e conversamos justamente sobre como esse período reforçou o caminho que tomaram antes mesmo de 2020.

Assista aqui.  

D’Águas: A Luta é Florescer

As segundas-feiras de junho no Centro da Terra ficam a cargo do coletivo D’Águas, quatro artistas que se reuniram para valorizar os próprios repertórios ao mesmo tempo em que passeiam por diferentes recortes da cultura contemporânea, como o jazz, o samba e o afrofuturismo. Izzy Gordon, Alldry Eloise, Tita Reis e Renato Gama reúnem-se ao produtor e arranjador Ronaldo Gama (que colaborou com os trabalhos solo de todos os envolvidos) para quatro noites em que celebram a própria obra e musicam poetas como Neide Almeida, Débora Garcia e Sérgio Vaz. Os ingressos podem ser comprados aqui.

Primavera Sounds Barcelona 2022: Dia 3 – Nick Cave ao vivo

Exausto depois do terceiro dia do Primavera Sound de Barcelona, nem filmei o Tyler the Creator porque assisti de longe, mas mesmo destruído, foram três dias mágicos que terminaram com uma missa pagã. Pulei o Gorillaz pra fritar numa improvável e soberba pista de drum’n’bass (tocada pelas DJs Crystallmess e Cõvco), pra sacar mais uma vez com o Diiv, meu primeiro show do Beach House e o vocalista do Idles botando o público todo pra sentar no chão. Mas a noite não teve outro dono: Nick Cave com seus Bad Seeds mais uma vez hipnotizou o público de Barcelona num ritual sagrado e profano, dando-se como se fosse a hóstia de sua própria missa. “Este é meu corpo, tomai e comei”, parecia dizer ao se jogar nos braços do público.

Assista aos vídeos aqui.  

Primavera Sounds Barcelona 2022: Dia 2 – Beck e Warpaint

Segundo dia do Primavera Sound fui mais de boa e com dois focos: Beck e Warpaint. Cheguei tarde e perdi o Low, a Weyes Blood e o Wet Leg (férias, né?), mas ser recepcionado pelo senhor Beck Hansen teve suas vantagens: o cara é um showman completo, tem uma cartela de hits invejável e não fica parado um segundo. Vestindo um blaser branco, ele só parava de dançar quando pegava o violão – e passeou por boa parte do Odelay e do Midnite Vultures (dois favoritos meus), além de ir de “Everybody’s Got Love Sometimes” a “Loser”, passando por “One Foot in the Grave” e “Debra”. Showzaço! As Warpaint, por sua vez, estão caminhando cada vez mais firmes para se tornar uma das melhores bandas de hoje em dia, misturando texturas pós-punk, grooves manhosos, lirismo country, melodias hipnóticas e guitarras de fazer qualquer um chorar. Que banda!

Assista aos vídeos aqui:  

Primavera Sounds Barcelona 2022: Dia 1 – Pavement ao vivo

Primeiro dia do Primavera Sound em Barcelona foi fabuloso. Vi a Faye Webster, as Linda Lindas, a MC Carol e a Kacey Musgraves tocando “Dreams” do Fleetwood Mac com a letra passando no telão para o público cantar junto. Não vi a Kim Gordon no Auditório (mor fila), mas teve Dinosaur Jr (que mandou sua versão de “Just Like Heaven”), a Sharonzinha, Yo La Tengo quebrando tudo (Fabio Bianchini surgiu no meio de “Tom Courtenay”) e o Tame Impala no céu (Kevin puxou até “Last Nite”, essa mesma). E, claro, o motivo de eu ter vindo parar aqui: a volta do Pavement, que fez 1h40 do melhor show que já vi deles na vida (já tinha visto 5). A banda tocou cinco músicas de cada disco, Stephen Malkmus é o guitar hero dessa geração e lavou a alma de indies velhos e novos. Nota 10 pra avalanche de shows (já o funcionamento do bar e a má administração daquela quantidade de gente não conseguiu nem nota pra passar de ano). Claro que filmei um monte, seguem os vídeos abaixo:

 

Altos Massa: Férias pra que te quero?

Primeiro Altas Massa sem edição, porque Pablo Miyazawa já estava de férias quando gravamos e não quis deixá-lo trabalhar – ainda mais que ele estava em outro continente. A essa altura do campeonato já estamos em solo catalão, onde contamos um pouco do que vamos fazer nestas férias – além de falar tanto da importância de tirar férias quanto da paranoia de viajar para o exterior em tempos pandêmicos.

Assista aqui.  

DM: Você entendeu ou não?

Às vésperas da minha viagem, eu e Dodô conversamos sobre a morte – citando Gilberto Gil falando da própria morte -, sobre o que é a cultura nerd, sua relação com o bullying e como isso está ligado à reinvenção de Hollywood, sobre como os festivais estão se tornando grandes convenções de música e Dodô finalmente fala sobre a série que ele está desenvolvendo para o Netflix.

Assista aqui.  

Aparelho: Mundo Aleluia

Não levamos arte ao povo, não fiscalizamos o tororó alheio nem enriquecemos com dinheiro público, mas também estamos prestes a jogar a toalha. Só não jogamos ainda porque, como ensina o mochileiro das galáxias, nunca se sabe quando se vai precisar de uma. Molhada e enrolada, por exemplo, ela se torna um argumento e tanto para um debate com os fariseus que vilipendiam a pureza do sertão. Em vez disso, porém, preferimos flanar por sinapses que valorizam o que temos de mais holístico, culminando com o grito universal de louvor que virou sinônimo de milagre. Basta acreditar!

Assista aqui.  

Joe Silhueta saindo da noite sem fim


Foto: Thaís Mallon (Divulgação)

“Que noite mais sem fim”, lamenta Gaivota Naves em “Sobressaltos”, música que a banda brasiliense Joe Silhueta lança nesta quinta-feira e que antecipa em primeira mão para o Trabalho Sujo, “é a mais longa estrada por qual já passei”. A faixa, um lamento andarilho que mistura sonoridades ciganas e sertanistas à levada de rock psicodélica característica da banda, é o segundo single que o grupo lança de seu segundo trabalho, Sobre Saltos y Outras Quedas, outro daqueles discos previstos para ser lançado em 2020 e que só agora começa a ver a luz do dia. De alguma forma, o clima do disco, já sentindo o peso da sombra fascista desde antes de sua gravação, também reflete o pesadelo pandêmico dos últimos anos. “Compus ‘Sobressaltos’ em 2018, pouco depois que o Bolsonaro foi eleito e ela acaba traduzindo muito do mal estar e do assombro que isso provocou na gente, a perspectiva terrível de ter que passar quatro anos com toda a corja autoritária e reaça no poder, frustrando qualquer expectativa de saúde mental nacional”, explica o vocalista, guitarrista e compositor Guilherme Cobelo. “Foi algo que literalmente tirou o sono de muita gente, perturbou mesmo. Ficamos cheios de sobressaltos e essa música acabou sendo um grito no meio de todo esse caos, dessa longa noite. Quando a banda começou a criar os arranjos foi muito no sentido de expressar esse peso e essa agonia numa atmosfera sombria, com a Gaivota cantando nas alturas, pairando sobre uma paisagem sonora de semitons e ritmos quebrados.” O disco está previsto para ser lançado no fim do mês que vem e a banda não vê a hora de voltar a cair na estrada. “Produtores, produtoras, galera que programa festival: chama que a gente tá na seca pra tocar”, intima Cobelo. Ouça a faixa abaixo.  

Anaïs-Sylla rumo a um novo lugar

Lindo demais o show que Anaïs-Sylla fez esta segunda-feira no Centro da Terra, revelando um pouco do disco que está fazendo com Caê Rolfsen, que tocou na apresentação ao lado de Bruno Prado e Eddu Ferreira, durante a pandemia. Entre as joias da noite, que contou com viagens musicais ao Mali, ao Haiti e ao Senegal, ela ainda apresentou uma versão maravilhosa para “Lugar Comum”, de Gilberto Gil e João Donato.

Assista abaixo.