Altos Massa: O Brasil vale a pena?

Mais uma vez os jogos olímpicos puxam o tema do Altos Massa da vez, mas em vez de falarmos do esporte, resolvemos dissecar o patriotismo, este último recurso dos covardes que sempre, nestes momentos, nos comove. Mas dá para torcer a favor do Brasil neste momento em que parece que o país prefere o suicídio como nação a evoluir para um novo estágio ou esta nova fase já começou e foi justamente isso que acionou esta era de trevas? Eu e Pablo Miyazawa decidimos cruzar esta fronteira.

Assista aqui.  

Altos Massa: Por que o esporte é tão importante?

Resolvemos tirar nossa pecha de gente de humanas e aproveitar o gancho olímpico para falar de nossa vida atlética! Sim, Altos Massa nos esportes – eu e Pablo Miyazawa conversamos sobre como as atividades físicas entraram em nossas vidas e como, mesmo na contramão do clichê que diz que jornalista não se exercita, mantemos nossa saúde também à base de muito esforço.

Assista aqui.  

Altos Massa: Como é a vida pós-vacina?

À medida em que as pessoas começam a ser vacinadas, eu e Pablo Miyazawa dedicamos um Altos Massa ao momento da imunização para falar deste processo como fenômeno pop, examinando a etiqueta e os hábitos que estão ligados a este momento – e será que já dá para pensar em como seria o mundo depois do coronavírus? Será que estamos começando a sentir o gostinho dessa mudança?

Assista aqui.  

Altos Massa: O conflito de gerações é cringe?

A partir da discussão sobre “cringe”, eu e Pablo Miyazawa resolvemos mergulhar no conflito de gerações, quando, a cada quinze ou vinte anos, um grupo etário se sobrepõe sobre outro, colocando em xeque tendências, referências, gírias e outros desdobramentos comportamentais. As mídias digitais – especialmente a internet – foram um elemento determinante nas gerações mais recentes, assunto que também discutimos no decorrer deste programa.

Assista aqui.  

Universidade Trabalho Sujo

Como foi seu primeiro semestre de 2021? Chegando ao fim da metade deste segundo ano pandêmico, cruzamos uma montanha-russa de emoções que ao mesmo tempo em que faz acender uma luz no horizonte com a vacinação contra essa doença maldita e a possibilidade de Bolsonaro não ser reeleito, nos mantém presos em casa, sem saber como essa época está nos transformando.

Por isso, te convido a discutir comigo como foram estes primeiros seis meses do ano no primeiro curso de mais um experimento desta pandemia, a Universidade Trabalho Sujo, que ministrará encontros comigo e meus convidados para falar sobre as transformações que estão acontecendo na cultura e em nossas vidas. O primeiro destes cursos é 2021 – Parte 1 – Discutindo ao vivo a primeira metade do segundo ano do resto de nossas vidas, seis encontros em que podemos conversar sobre como tem sido este início de ano.

O custo do curso é de 300 reais, mas se você colabora com o meu apoia.se/trabalhosujo ​tem 50% de desconto. Os encontros acontecerão entre os dias 5 e 16 de junho, sempre segundas, quartas e sextas, a partir das 19h e duram uma hora, pela plataforma Zoom. As aulas não serão publicadas posteriormente e as vagas são limitadas.

Abaixo, a programação do primeiro curso e o link para fazer as inscrições.

5 de julho
Orientalismo e decolonização, com Dodô Azevedo

O prumo do mundo está mudando para a Ásia e África isso acontece no mesmo momento em que o colonialismo ocidental está finalmente sendo demolido. Como isso mexe com nossas vidas? Será que somos mais apegados ao ocidentalismo do que imaginamos?

7 de julho
O streaming perfeito?, com André Graciotti

A quarentena acelerou o processo de popularização dos canais de streaming ao mesmo tempo em que diminuiu nosso vínculo com as salas de cinema. Mas, em meio à tantas propostas diferente, ainda estamos longe de ter um serviço de filmes e músicas que possa nos satisfazer. Como anda a produção e o mercado de cinema na pandemia?

9 de julho
Como o home-office pode mudar as cidades, com Polly Sjobon

Trabalhar em casa mexeu com a realidade de muitos, a ponto de abandonar carros ou mesmo a moradia nas metrópoles. Mas como esta nova relação com o trabalho pode mudar os nossos hábitos, os dias da semana e até as cidades?

12 de julho
A expectativa da vacina, com Pablo Miyazawa

Entramos em 2021 sem nenhuma perspectiva de vacinação à vista, o que mudou logo nos primeiros dias do ano com diversos cronogramas anunciados mas nenhum cumprido de fato. A esperança não apenas pela imunização quanto por um fim mais palpável para a pandemia só pareceu começar a fazer sentido há trinta dias atrás, quando os novos cronogramas foram anunciados e começaram, pelo menos até agora, a ser cumpridos e a atender as faixas etárias mais jovens ou sem comorbidades. Mas o que muda em nossas vidas após a vacinação?

14 de julho
A subversão como protesto, com Vladimir Cunha e Emerson Gasperin

“Cadê o Zé Gotinha?”. Até no discurso que marcou a volta de Lula à vida política, não faltou espaço para rir do governo federal. O deboche, a caricatura, a ironia e o escracho aos poucos dominaram o início do ano, em iniciativas como a campanha #bolsocaro, o raio X das manifestações pró-Bolsonaro e a teatrealização da CPI da Covid. Como a subversão pode ser a alternativa mais eficaz de desmontar o projeto de poder miliciano expondo suas tripas em público?

16 de julho
A multidão e a pandemia: qual é o futuro dos shows?, com Pena Schmidt

Nessa aula que funcionará como um episódio inédito do meu programa Bom Saber para os inscritos nesse curso, eu entrevistarei Pena Schmidt para discutir a volta aos shows. À medida em que a população vai sendo vacinada, encontros começarão a acontecer e isso inevitavelmente nos apresentará a um mundo de festas e shows depois da era Coronavírus. Mas que tipo de shows e precauções teremos no futuro? Como as multidões conviverão com artistas depois de centenas de milhares de mortos?

Para isso, basta fazer a inscrição neste link. As vagas são limitadas.

Polimatias + Altos Massa: Metafísica uma hora dessas?

Em mais um mashup de programas, chamei o Pablo Miyazawa e a Polly Sjobon para transformar o Altos Massa num Polimatias e vice-versa – e neste encontro épico, por sugestão da Polly, conversamos sobre a filosofia do nosso dia-a-dia, a problematização existencial básica, os devaneios que temos sobre nós mesmos, nossa autoterapia contínua. O papo foi longe…

Assista aqui.  

Altos Massa: Você se apega demais às coisas?

Apegar-se ao passado é meio natural do ser humano, mas e manter objetos e coisas que te lembram de épocas determinadas na sua vida é saudável? O quanto acumular vestígios de nossas vidas nos ajuda a entender quem somos nós, mas também tornam um fardo pesado para carregarmos – e será que esse fardo é a gente mesmo? Mais um Altos Massa nostálgico e existencialista em que eu e Pablo falamos sobre o acúmulo dessas coisas em nossas vidas.

Assista aqui.  

Altos Massa: A importância do alto astral

Tanto eu quanto Pablo Miyazawa primamos por olhar o copo sempre cheio, mas isso não é otimismo de almanaque nem uma forma good vibes de fugir dos problemas, e sim um jeito de encarar a vida. Falamos sobre nosso apreço pelas boas novas e como mudamos pessoal e profissionalmente para conseguir levar esses dias – e o resto da vida – sem tantas carga negativa.

Assista aqui.  

Altos Massa: Altas sobras – takes, outtakes & bloopers

De tempos em tempos, eu e Pablo Miyazawa catamos as sobras de vários programas antigos e reunimos neste formato Altas Sobras – papos que não tinham a ver com os contextos dos assuntos dos programas originais, mas que funcionam mesmo sem essas referências. Por isso tome papos sobre Além da Imaginação, Britney Spears x Xuxa, quando Pablo tirou tarô, Hollywood Rocks do passado, o fim do CBGB’s, continuações e prequels de filmes, reboots e remakes, a dublê-aranha do Exorcista, o punk de butique, rodas gigantes em festivais deste século, o bingo virtual para o natal e várias outras conversas fiadas.

Assista aqui.  

Altos Massa: Você tem raiva de quê?

Essa semana pesada obrigou eu e Pablo Miyazawa a pensar no papel que a raiva vem exercendo neste dia-a-dia pandêmico, que mistura frustração, apatia, medo e tristeza com sentimentos que nem conseguimos nomear. O fato é que a raiva pode ter sua função neste momento tão crítico – embora o mais importante seja saber como lidar com ela de forma a não extravasá-la sobre quem não tem a menor culpa disso.

Assista aqui.