Vida Fodona #714: Desanuviar essa vibe

Porque essa última semana foi pesada…

Ouça aqui.  

Os 75 melhores discos de 2020: 15) Neil Young – Homegrown

“Plant that bell and let it ring”

Sete minutos de “Powderfinger” elétrica

neil-young-1975

Neil Young começa a mostrar as joias do segundo volume de sua caixa Archives e acaba de revelar essa versão elétrica com sete minutos de “Powderfinger” gravada logo que Frank “Poncho” Sampedro assumiu o posto de segundo guitarrista do Crazy Horse, após a morte do dono original do cargo, o fiel escudeiro de Young Danny Whitten, de overdose de heroína. Uma canção sobre a chegada da maturidade junto com a morte tem um peso redobrado ao ser lançada em 2020, ano em que Young tornou ainda mais aguda sua verve política, numa versão registrada em 1975, portanto três anos antes de ser apresentada ao resto do mundo no imortal Rust Never Sleeps. Que paulada!

Antes disso, ele já havia mostrado a balada country “Homefires”, gravada em 1974 em seu rancho Broken Arrow…

…e “Wonderin'”, que ele gravou na época do After the Gold Rush em 1970 (que, por sua vez, ganhará uma edição especial em dezembro, em comemoração aos seus 50 anos), mas que só lançaria em 1983, no infame Everybody’s Rockin’, numa versão rockabilly gravada ao lado do grupo vocal Shocking Pinks:

E ainda tem o vídeo mostrando a caixa por dentro:

Mata o velho! A segunda Archives sairá no próximo dia 20 e já pode ser encomendada online.

Abrindo a segunda parte do baú de Neil Young

Atravessando um ano intenso, tanto peitando Donald Trump quanto desenterrando discos de seu passado, o mestre canadense Neil Young libera a ordem das faixas do aguardado segundo volume de sua caixa Neil Young Archives, que será lançada no dia 20 de novembro. A caixa, com dez discos, cobre seus anos 70 e dedica um disco para a virada de 72 para 73, três discos para 1973, três para 1974, um para 1975 e dois para 1976, e também mostra mais uma inédita, a faixa “Come Along and Say You Will”, gravada em dezembro de 1972 no rancho Broken Arrow com a mesma banda que o acompanhou pelos discos Harvest (1972) e Time Fades Away (1973). Formada pelo guitarrista Ben Keith, o baixista Tim Drummond e o baterista Kenny Buttrey, ela era referida como The Stray Gators, ela começa a balada rock com uma bordoada: “Venha junto e diga que faça, seja aquele que muda o sentido do que está escrito na parede”, brada o bardo.

Abaixo, a relação de todas as músicas, que inclui quase uma dezena de faixas nunca registradas oficialmente por Neil.

neil-young-archives-volume-2

Disco 1 (1972-1973)

“Everybody”s Alone”
“Letter From “Nam”
“Monday Morning”
“The Bridge”
“Time Fades Away”
“Come Along And Say You Will”
“Goodbye Christmas On The Shore”
“Last Trip To Tulsa”
“The Loner”
“Sweet Joni”
“Yonder Stands The Sinner”
“L.A. (Story)”
“LA”
“Human Highway”

Disco 2 (1973)

“Tuscaloosa”
“Here We Go In The Years”
“After The Gold Rush”
“Out On The Weekend”
“Harvest”
“Old Man”
“Heart Of Gold”
“Time Fades Away”
“Lookout Joe”
“New Mama”
“Alabama”
“Don”t Be Denied”

Disco 3 (1973)

“Tonight”s The Night”
“Speakin” Out Jam”
“Everybody”s Alone”
“Tired Eyes”
“Tonight”s The Night”
“Mellow My Mind”
“World On A String”
“Speakin” Out”
“Raised On Robbery”
“Roll Another Number”
“New Mama”
“Albuquerque”
“Tonight”s The Night Part II”

Disco 4 (1973)

“Roxy: Tonight”s The Night Live”
“Tonight”s The Night”
“Mellow My Mind”
“World On A String”
“Speakin” Out”
“Albuquerque”
“New Mama”
“Roll Another Number”
“Tired Eyes”
“Tonight”s The Night Part II”
“Walk On”
“The Losing End”

Disco 5 (1974)

“Walk On”
“Winterlong”
“Walk On”
“Bad Fog Of Loneliness”
“Borrowed Tune”
“Traces”
“For The Turnstiles”
“Ambulance Blues”
“Motion Pictures”
“On The Beach”
“Revolution Blues”
“Vampire Blues”
“Greensleeves”

Disco 6 (1974)

“The Old Homestead”
“Love/Art Blues”
“Through My Sails”
“Homefires”
“Pardon My Heart”
“Hawaiian Sunrise”
“LA Girls And Ocean Boys”
“Pushed It Over The End”
“On The Beach”
“Vacancy”
“One More Sign”
“Frozen Man”
“Give Me Strength”
“Bad News Comes To Town”
“Changing Highways”
“Love/Art Blues”
“The Old Homestead”
“Daughters”
“Deep Forbidden Lake”
“Love/Art Blues”

Disco 7 (1974)

“Homegrown”
“Separate Ways”
“Try”
“Mexico”
“Love Is A Rose”
“Homegrown”
“Florida”
“Kansas”
“We Don”t Smoke It No More”
“White Line”
“Vacancy”
“Little Wing”
“Star Of Bethlehem”

Disco 8 (1975)

“Dume”
“Ride My Llama”
“Cortez The Killer”
“Don”t Cry No Tears”
“Born To Run”
“Barstool Blues”
“Danger Bird”
“Stupid Girl”
“Kansas”
“Powderfinger”
“Hawaii”
“Drive Back”
“Lookin” For A Love”
“Pardon My Heart”
“Too Far Gone”
“Pocahontas”
“No One Seems To Know”

Disco 9 (1976)

“Look Out For My Love”
“Like a Hurricane”
“Lotta Love”
“Lookin” For A Love”
“Separate Ways”
“Let It Shine”
“Long May You Run”
“Fontainebleau”
“Traces”
“Mellow My Mind”
“Midnight On The Bay”
“Stringman”
“Mediterranean”
“Ocean Girl”
“Midnight On The Bay”
“Human Highway”
Disco 10 (1976)
“Odeon Budokan”
“The Old Laughing Lady”
“After The Gold Rush”
“Too Far Gone”
“Old Man”
“Stringman”
“Don”t Cry No Tears”
“Cowgirl In The Sand”
“Lotto Love”
“Drive Back”
“Cortez The Killer”

Neil Young sozinho, numa madrugada de 1974

thebottomline

Nem bem nos atualizou com uma série de lançamentos ao vivo que está sendo lançada neste ano – além de finalmente agendar a data do segundo volume de sua caixa Archives -, Neil Young acaba de anunciar que seis de seus clássicos discos piratas serão lançados oficialmente pelo seu próprio selo, Shakey Pictures Records. A série Official Bootlegs começa a ser lançada no início de 2021 e ele abre os trabalhos com um registro de uma apresentação solo que fez no clube nova-iorquino The Bottom Line, no Village nova-iorquino, às duas da madrugada do dia 16 de maio de 1974. A apresentação, que será oficializada com o título The Bottom Line — Citizen Cane Jr. Blues, trouxe pela primeira vez ao vivo músicas que Neil Young lançaria dois meses depois, com a chegada de On the Beach às lojas. Além de músicas inéditas e versões para standards do folk como “Greensleeves” e “Roll Another Number”, traz versões tocantes para clássicos pessoais como “Helpless” e “Dance, Dance, Dance”. Como é um disco pirata, ele já pode ser ouvido online, embora sua versão oficial tenha uma qualidade fonográfica que faz jus às expectativas do autor.

Abaixo, a ordem das músicas desta apresentação – e Young ainda não revelou quais são os outros títulos desta sua nova série…

“Citizen Cane Jr. Blues”
“Long May You Run”
“Greensleeves”
“Ambulance Blues”
“Helpless”
“Revolution Blues”
“On The Beach”
“Roll Another Number”
“Motion Pictures”
“Pardon My Heart”
“Dance, Dance, Dance”

A segunda caixa de Neil Young

neil-young-box

É verdade! A segunda caixa dos arquivos de Neil Young já havia sido anunciada para este ano, mas agora o bardo canadense detalha o conteúdo de Neil Young Archives Vol. 2: 1972-1976, que em dez CDs atravessa a fase mais prolífica do mestre. Além de 50 faixas conhecidas em versões alternativas, ela ainda reúne doze músicas que nunca foram ouvidas, como “Letter From ‘Nam”, “Come Along and Say You Will”, “Goodbye Christmas on the Shore” e “Sweet Joni”, do início daquela década, uma versão para “Raised on Robbery” da Joni Mitchell que deveria ter entrado no disco Tonight’s the Night, “Homefires”, “Frozen Man”, “Daughters” e possivelmente sua versão para o standard “Greensleeves” vêm do período do meio da década, a faixa “Born to Run”, que deveria ter entrado no Zuma, e “Mediterranean” foi gravada e arquivada em 1976. As vendas da caixa começam em outubro no site do Neil Young e ela prossegue o levantamento minucioso que Neil vem fazendo em sua carreira a partir dos dez primeiros CDs do primeiro volume, lançado em 2009. A caixa é essa aí embaixo e logo a seguir vem a ordem das músicas dos dez discos. E não custa lembrar que não é nem a primeira nem a última raridade que ele lança esse ano, sem contar o EP The Times que lançou exclusivamente pela Apple Music.

neil-young-archives-vol-2

Disco 1 (1972-1973) Everybody’s Alone
“Letter From ‘Nam”
“Monday Morning”
“The Bridge”
“Time Fades Away”
“Come Along and Say You Will”
“Goodbye Christmas on the Shore”
“Last Trip to Tulsa”
“The Loner”
“Sweet Joni”
“Yonder Stands the Sinner”
“L.A. (Story)”
“LA.”
“Human Highway”

Disco 2 (1973) Tuscaloosa
“Here We Go in the Years”
“After the Gold Rush”
“Out on the Weekend”
“Harvest”
“Old Man”
“Heart of Gold”
“Time Fades Away”
“Lookout Joe”
“New Mama”
“Alabama”
“Don’t Be Denied”

Disco 3 (1973) Tonight’s the Night
“Speakin’ Out Jam”
“Everybody’s Alone”
“Tired Eyes”
“Tonight’s the Night”
“Mellow My Mind”
“World on a String”
“Speakin’ Out”
“Raised on Robbery (Joni Mitchell song)”
“Roll Another Number”
“New Mama”
“Albuquerque”
“Tonight’s the Night Part II”

Disco 4 (1973) Roxy: Tonight’s the Night Live
“Tonight’s the Night”
“Mellow My Mind”
“World on a String”
“Speakin’ Out”
“Albuquerque”
“New Mama”
“Roll Another Number”
“Tired Eyes”
“Tonight’s the Night Part II”
“Walk On”
“The Losing End”

Disco 5 (1974) Walk On
“Winterlong”
“Walk On”
“Bad Fog of Loneliness”
“Borrowed Tune”
“Traces”
“For the Turnstiles
“Ambulance Blues”
“Motion Pictures”
“On the Beach”
“Revolution Blues”
“Vampire Blues”
“Greensleeves”

Disco 6 (1974) The Old Homestead
“Love/Art Blues”
“Through My Sails”
“Homefires
“Pardon My Heart”
“Hawaiian Sunrise”
“LA Girls and Ocean Boys”
“Pushed It Over the End”
“On the Beach”
“Vacancy”
“One More Sign”
“Frozen Man”
“Give Me Strength”
“Bad News Comes to Town”
“Changing Highways”
“Love/Art Blues”
“The Old Homestead”
“Daughters”
“Deep Forbidden Lake”
“Love/Art Blues”

Disco 7 (1974) Homegrown
“Separate Ways”
“Try”
“Mexico”
“Love Is a Rose”
“Homegrown”
“Florida”
“Kansas”
“We Don’t Smoke It No More”
“White Line”
“Vacancy”
“Little Wing”
“Star of Bethlehem”

Disco 8 (1975) Dume
“Ride My Llama”
“Cortez the Killer”
“Don’t Cry No Tears”
“Born to Run”
“Barstool Blues”
“Danger Bird”
“Stupid Girl”
“Kansas”
“Powderfinger”
“Hawaii”
“Drive Back
“Lookin’ for a Love
“Pardon My Heart
“Too Far Gone”
“Pocahontas”
“No One Seems to Know”

Disco 9 (1976) Look Out for My Love
“Like a Hurricane”
“Lotta Love”
“Lookin’ for a Love”
“Separate Ways”
“Let It Shine”
“Long May You Run”
“Fontainebleau”
“Traces”
“Mellow My Mind”
“Midnight on the Bay”
“Stringman”
“Mediterranean”
“Ocean Girl”
“Midnight on the Bay”
“Human Highway”

Disco 10 (1976) Odeon Budokan
“The Old Laughing Lady”
“After the Gold Rush”
“Too For Gone”
“Old Man”
“Stringinan”
“Don’t Cry No Tears”
“Cowgirl in the Sand”
“Lotto Love”
“Drive Back”
“Cortez the Killer”

Neil Young com sangue nos olhos

neil-young-lookin-for-a-leader

Em franca batalha contra Donald Trump, o mestre canadense Neil Young já processou o presidente norte-americano por usar suas músicas em propaganda de campanha e recentemente desplugou as redes sociais de seu site como uma forma de protesto contra o papel destas redes na destruição das democracias no mundo (mesmo que isso lhe custe 20 mil dólares). E agora ele volta a um passado recente e recria “Looking for a Leader”, que fez reclamando contra George W. Bush em 2006, mirando agora no agente laranja que infectou a Casa Branca. “Convido o presidente a tocar esta música em seu próximo discurso”, desafio Young. “Uma canção sobre os sentimentos que muitos de nós sentimos sobre os EUA hoje, que faz parte de The Times, EP que sairá em breve pela Reprise Records – meu lar desde 1968.”

Não são as únicas novidades do velho Neil. Depois de desenterrar o ótimo Overgrown, que arquivou em 1975 para ressuscitá-lo 45 anos depois, ele segue vasculhando seus arquivos e preparando discos novos com material histórico inédito. A principal notícia é o anúncio do segundo volume de sua caixa Neil Young Archives, que cobre o período entre 1973 e 1982 e que não tínhamos mais notícias desde 2014, cinco anos depois do Volume 1. Há especulações que ela contenha outros discos inteiros engavetados à época por Young, como Chrome Dreams, de 1976, e Oceanside-Countryside, de 1977. Mas não há mais nenhuma informação oficial sobre esta caixa, a não ser que será lançada no dia 6 de novembro.

No mesmo dia, Young lança também o primeiro dos dois discos ao vivo ao lado de sua banda Crazy Horse que desenterra neste ano. Return to Greendale volta ao disco de 2003 do grupo, Greendale, reunindo versões ao vivo do disco em diferentes shows da mesma turnê. Exatamente um mês depois, ele mostra Way Down in the Rust Bucket, show gravado com o grupo na casa Catalyst Club, na Califórnia, em novembro de 1990.

Não bastasse tudo isso, ele também anuncia que está trabalhando em material novo, um filme chamado The Timeless Orpheum. “É um filme de show com várias reviravoltas, contando a minha história e a sua, nossa história juntos”, escreveu em seu site.

Vida Fodona #654: Festa-Solo (29.6.2020)

vf654

Mais uma segunda, mais um dia de Vida Fodona ao vivo no twitch.tv/trabalhosujo, a partir das 21h – o na semana passada foi assim.

Pink Floyd – “Wots … Uh The Deal”
Neutral Milk Hotel – “Oh Comely”
Nick Drake – “Hazey Jane II”
Neil Young – “Separate Ways”
Belle and Sebastian – “Is It Wicked Not to Care”
Erasmo Carlos – “Gente Aberta”
Paralamas do Sucesso – “Romance Ideal”
Chet Faker – “No Diggity”
Rihanna – “Consideration”
Frank Ocean – “Nikes”
Prince – “When Doves Cry”
Sandra Sá – “Olhos Coloridos”
Tim Maia – “Márcio Leonardo e Telmo”
Thiago França – “Bolero de Marly”
Rolling Stones – “100 Years Ago”
Letrux – “Saúde”
Eduardo Dusek – “Rock da Cachorra”
Labelle – “Lady Marmalade”
Jessie J + Nicki Minaj + Ariana Grande – “Bang Bang”
Destiny’s Child – “Jumpin’, Jumpin'”
Fagner – “Cartaz”
Lizzo – “Juice”
Chromeo – “Clorox Wipe”
Falco – “Der Kommissar”
Blondie – “Rapture”
5th Dimension – “Aquarius” / “Let The Sunshine In”
Sly & the Family Stone – “If You Want Me To Stay”
Cardigans – “Lovefool”
LCD Soundsystem – “Daft Punk Is Playing at My House”
Titãs – “Diversão”
Babe Ruth – “The Mexican”
Paul McCartney – “Coming Up”
Dani Siciliano – “Walk the Line”
Kiss – “Sure Knows Something”
Evinha – “Esperar pra Ver (Poolside + Fatnotronic Edit)”
Roxy Music – “Love is the Drug”
Queen – “Killer Queen”
Music Go Music – “Warm in the Shadows”
Pulp – “A Little Soul”
David Bowie – “Life on Mars?”
Beatles – “Old Brown Shoe”
Cream – “Wrapping Paper”

Vida Fodona #652: Festa-Solo (22.6.2020)

vf652

Segunda-feira é dia de Vida Fodona ao vivo no twitch.tv/trabalhosujo, às 21h – este foi o programa da semana passada.

Feelies – “Everybody’s Got Something To Hide (Except Me And My Monkey)”
Thurston Moore – “Hashish”
Can – “Vitamin C”
Ultramagnetic MCs – “Give The Drummer Some”
Zapp & Roger – “More Bounce to the Ounce”
Dr. Dre + Snoop Dogg – “The Next Episode”
Usher + Ludacris + Lil’ Jon – “Yeah”
Christina Aguillera – “Genie in a Bottle”
Flight Facilities + Giselle- “Crave You”
Dexy’s Midnight Runners – “Come On Eileen”
Malu Maria – “Diamantes na Pista”
Bárbara Eugenia – “Perdi”
Chromeo – “6 Feet Away”
Angel Olsen – “New Love Cassette (Mark Ronson Remix)”
Beastie Boys – “Gratitude”
Cream – “Swlabr”
Mutantes – “Mágica”
Paul McCartney – “Check My Machine”
Erasmo Carlos – “Mané João”
Tim Maia – “O Caminho do Bem”
Bob Dylan – “False Prophet”
Neil Young – “Homegrown”
Norah Jones – “To Live”
The Band – “Orange Juice Blues (Blues For Breakfast)”
Supercordas – “6000 Folhas”
Boogarins + O Terno – “Saídas e Bandeiras No. 1”
Maria Bethania – “Estácio, Holy Estácio”
Paulinho da Viola – “Falso Moralista”
Gilberto Gil – “Back in Bahia”
Itamar Assumpção – “Prezadissimos Ouvintes”
Lô Borges – “Canção Postal”
Chico Buarque – “Caravanas”
Criolo + Milton Nascimento – “Cais”
Josyara – “Mansa Fúria”
Metá Metá – “Trovoa”

Estranhamente familiar

Neil-Young-1975

Homegrown, o disco que Neil Young lançaria no inicio de 1975 mas preferiu engavetar para só lançar agora, começa com um solavanco brusco, como se fosse uma porta emperrada de uma casa de fazenda que não visitamos há décadas. Ela abre no primeiro empurrão, revelando um ambiente sonoro reconhecível, que vai sendo desenhado primeiro pelo baixo, violão e bateria, que são seguidos por uma guitarra pedal-steel que nos ajuda a nos acostumar com a escuridão. Quando o mestre canadense começa a cantar “Separate Ways” abrem-se as janelas e o sol finalmente pode entrar no disco, depois de anos. Os timbres dos instrumentos – a bateria delicada conduzida por ninguém menos que Levon Helm, a guitarra chorosa de Ben Keith, o baixo truculento e calado de Tim Drummond, o violão e a gaita de Young – pairam no ar como uma névoa de poeira, erguida do chão pela luz e pelo movimento. É o lugar que esperávamos encontrar, mas há algo diferente.

Engavetado pois lembrava do relacionamento que Young estava terminando na época (junto à atriz Carrie Snodgress), Homegrown perdeu-se com o tempo e algumas de suas canções apareceram em outros seus discos, mas seu lançamento nos leva àquele momento dos anos 70 em que o cantor e compositor canadense estava vivendo seu auge musical. O artesanato de suas canções segue intacto como se estivéssemos ouvindo as gravações de Harvest ou Tonight’s the Night, mas há uma sensação caseira e confortável que torna o novo velho disco mais despretensioso e tranquilo, mesmo com as presenças mágicas de nomes como Helm, a cantora Emmylou Harris e Robbie Robertson.

O disco apresenta uma coleção de canções que nos faz lembrar de um passado que mal lembramos, mas que é estranhamente familiar. É como revirar fotos de um casamento passado, encontrar pertences de um parente morto, anotações pessoais de outros anos. Há uma tristeza daquilo ter se perdido, mas ao mesmo tempo um calor ao lembrarmos de como era, algo que Neil traduz em três grupos distintos de canções: baladas melancólicas (“Separate Ways”, “Try” e “Mexico” abrem o disco com essa sensação, que volta ao final, com “Little Wing” e “Star Of Bethlehem”), canções do campo (“Love is a Rose”, “Kansas” e “White Line”), faixas country com algum sabor rock (a faixa-título, “We Don’t Smoke It No More” e “Vacancy”), apenas a falada “Florida” destoa destes grupos, mas acaba funcionando como uma longa e estranha introdução para “Kansas”.

Ao cancelar o lançamento de Homegrown, Neil Young decidiu tirar da gaveta o disco Tonight’s the Night, que havia gravado em 1973 mas não estava certo de lançá-lo por ser uma homenagem ao guitarrista Danny Whitten, que havia falecido há pouco. Ao adiar Homegrown indefinidamente, o canadense abriu espaço para o disco anterior, que logo que saiu foi consagrado como uma de suas obras-primas. O disco relançado este ano não tem a força e o sentimento profundo dos grandes clássicos de Neil, mas seu despojo e intimidade o tornam um belo retrato do artista longe das pressões que o atravessavam à época. Discaço.