Eis os melhores de 2023 na categoria Música Popular segundo a APCA

Ludmilla, Jards Macalé, Ana Frango Elétrico, Titãs, Luiza Lian, projeto Relicário e Mateus Fazeno Rock são os vencedores nas categorias de Música Popular da edição de 2023 do prêmio dado pela Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte. Eis os vencedores de cada categoria:  

Os indicados às categorias de melhor artista, melhor show e artista revelação de 2023 segundo a APCA

Depois de divulgar os 50 indicados a melhor disco do ano na semana passada, o júri da comissão de música popular da Associação Paulista de Críticos de Arte (do qual faço parte ao lado de Marcelo Costa, Adriana de Barros, José Norberto Flesch e Pedro Antunes), é a vez de anunciarmos os indicados a outras três categorias da premiação, artista do ano, show do ano e artista revelação. E eles são:  

Os 50 melhores discos de 2023 segundo o júri de música popular da APCA

Estes são os 50 discos mais importantes lançados em 2023 segundo o júri da comissão de música popular da Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte ao lado de Adriana de Barros (editora do site da TV Cultura e apresentadora do Mistura Cultural), José Norberto Flesch (Canal do Flesch), Marcelo Costa (Scream & Yell) e Pedro Antunes (Tem um Gato na Minha Vitrola, Popload e Primavera Sound). A amplitude de gêneros, estilos musicais, faixas etárias e localidades destas coleções de canções é uma bela amostra de como a música brasileira conseguiu se reerguer após o período pandêmico com o lançamento de álbuns emblemáticos tanto na carreiras de seus autores quanto no impacto junto ao público. Além dos discos contemporâneos, fizemos menções honrosas para dois álbuns maravilhosos que pertencem a outras décadas, mas que só conseguiram ver a luz do dia neste ano passado, um de João Gilberto e outro dos Tincoãs. Na semana que vem divulgaremos os indicados nas categorias Artista do Ano, Show e Artista Revelação, para, no final de janeiro, finalmente escolhermos os vencedores de cada categoria. Veja os 50 (e dois) discos escolhidos abaixo:  

Vida Fodona #802: Determinar o próprio ritmo

Já que tá tudo mudando…

Ouça aqui:  

Black Midi, Slowdive, Seun Kuti, Metric e Róisín Murphy: quem toca onde e que dia no Primavera na Cidade

Acabaram de ser anunciados os locais e datas das atrações do Primavera na Cidade, shows que antecedem o festival Primavera Sound São Paulo que acontece no primeiro fim de semana de dezembro. São doze atrações nacionais e internacionais que se dividem entre o Áudio e o Cine Joia e cujos ingressos estarão disponíveis primeiro para quem comprou a opção “passaporte” na hora de pegar os ingressos da edição brasileira do festival catalão. A primeira noite do Primavera na Cidade acontece no Cine Joia, quando o grupo paulistano Pluma abre para o aguardado show do grupo experimental Black Midi, no dia 29 de novembro. No dia 30, são dois lugares ao mesmo tempo: o Cine Joia recebe o mitológico grupo inglês Slowdive, com abertura do grupo curitibano Terraplana, enquanto o Áudio tem shows exclusivos do mais famoso filho de Fela Kuti, quando Seun Kuti e sua banda Egypt 80 encerram uma festa que começa com o DJ carioca Carlos do Complexo e a visceral cantautora mineira Bia Ferreira. No primeiro dia de dezembro, o Cine Joia recebe o grupo indie canadense Metric, com abertura da produtora de música eletrônica colombiana Lucrecia Dalt e o Áudio traz Róisín Murphy fechando uma festa que ainda terá shows da diva Luiza Lian e do DJ Playero, portorriquenho que é um dos papas do reggaeton. Os ingressos para o público que não comprou ingressos para o Primavera começam a ser vendidos a partir do dia 14 de novembro – e tem mais informações sobre isso lá no site do festival.

Outro patamar

Depois de anos com disco e show entalados na garganta, Luiza Lian finalmente está lavando a alma. A chegada surpresa de seu quarto álbum 7 Estrelas / Quem Arrancou o Céu?, que ela vem ruminando desde 2019, mostrou que ela subiu de estágio no que diz respeito à sua criação musical, reforçando com o produtor Charles Tixier uma aliança que expandiu infinitamente as possibilidades latentes daquele encontro nos dois discos anteriores, Oyá Tempo e Azul Moderno.

Leia abaixo:  

Luiza Lian: 7 Estrelas | Quem Arrancou o Céu?


(Foto: Leon Gurfein/Divulgação)

Acompanhei de perto o baque que a pandemia e a quarentena causaram no quarto disco de Luiza Lian, 7 Estrelas | Quem Arrancou o Céu?, que finalmente vê a luz do dia nessa sexta-feira. Éramos vizinhos naquele longínquo 2020 e já acompanhava a movimentação que ela e seu produtor Charles Tixier haviam começado a fazer no ano anterior, a partir do mesmo movimento que gerou a parceria da cantora com o grupo Bixiga 70 (o single “Alumiô”, lançado em dezembro de 2019, fazia parte do repertório original de seu então futuro disco). Veio o novo vírus, o isolamento social e a paranoia daqueles primeiros meses do primeiro ano pandêmico e o questionamento artístico que os dois provocavam parecia colidir e se misturar com a ansiedade e a insegurança daquele ano. Pude encontrá-la pessoalmente naquele primeiro momento em que aprendíamos as novas regras de um novo convívio social, entre aqueles maio e junho, e aos poucos ela foi me explicando o conceito do disco, os diferentes estágios da produção, as minúcias das letras, do título, da proposta de um disco que nos faz pensar neste híbrido de Narciso e Ícaro que estamos nos tornando com a onipresença dos espelhos pretos que dominam e pautam nossas vidas – e como todos essas dúvidas pareciam ter sido potencializadas com aquele início traumático de década. À medida em que saíamos daquele pesadelo – que no caso brasileiro, sabemos, ainda foi temperado com o gosto de enxofre de um governo pró-morte -, pude acompanhar como o disco começou a chegar em sua atual forma, com sua capa, o título das canções e sua ordem no álbum, seus anexos audiovisuais e a concepção de sua versão ao vivo. Mais uma vez Luiza me convidou para escrever o texto de apresentação do disco e reforço o que disse pra ela desde que comecei a ver o disco chegando ao estágio atual: o que ela fez em seu disco anterior, Azul Moderno, era só um ensaio para este novo momento. Discaço.

Leia abaixo:  

Vida Fodona #790: Deu vontade

Chega mais.

Ouça aqui:  

Vida Fodona #788: Tudo como eu quero

Sabe quando as coisas começam a engrenar do jeito certo?

Ouça abaixo:  

Vem cá, Luiza

Vamos começar bem a semana? 7 Estrelas | Quem Arrancou o Céu? é o nome do tão aguardado quarto disco de Luiza Lian, anunciado nesta segunda-feira. Composto em 2019, o disco foi sendo cultivado, gravado, mixado e remixado por ela e seu produtor Charles Tixier no longo período de ruminação a que fomos submetidos desde 2020 e finalmente vê a luz do dia no próximo dia 28, depois de dois singles já anunciados: “Eu Estou Aqui” começa a apresentar o disco na próxima sexta, dia 7, e “Desabriga”, desdobra o disco na semana seguinte, dia 14. E se você achava que o disco de 2018 era foda, prepare-se… A capa é essa aí em cima e o nome das músicas segue abaixo: