Jornalismo

Garotas Suecas @ Centro da Terra (3.5.2022)

Que beleza o reencontro dos Garotas Suecas com os palcos nesta terça-feira no Centro da Terra – era palpável a emoção que Tomaz Paoliello, Irina Neblina, Marcelo Perdido e Nico Paoliello sentiam ao tocar de novo para seu público, que além de vários hits da carreira da banda ainda pode ouvir músicas do próximo disco do grupo, que já está sendo mixado. E que venham mais shows!

Assista aqui. Continue

Leonard Cohen: Dito e lido @ Centro da Terra (2.5.2022)

Alma lavada após colocar de pé Leonard Cohen: Dito e lido, tributo ao mestre canadense que eu e Juliana Vettore concebemos para o Centro da Terra terra ao lado de um time de primeiríssima. Jeanne Callegari, Michaela Schmaedel, Bárbara Eugenia, Juliana R. José Barrickello se revezaram entre poemas, instrumentos musicais, efeitos sonoros, versos implacáveis, bilhetes tenros e refrães memoráveis numa homenagem cujo tom elegante e solene não impediu experimentações e cruzar algumas fronteiras pouco óbvias de sua vida e obra.

Assista aqui. Continue

Lia de Itamaracá @ Itaú Cultural (30.4.2022)

A presença de Lia de Itamaracá por si só já é um acontecimento. Já havia presenciado sua majestade este mês, na inauguração da #ocupaçãoliadeitamaracá que o Itaú Cultural está realizando, e basta ela estar no mesmo ambiente para que se sinta uma força vibrando todos os átomos do local. Mas quando ela está em seu altar, o palco, empunhando seu cetro, a voz, reúne uma egrégora de almas e ritmos ancestrais que dão as mãos com o público e o faz naturalmente girar, apenas com a força de seu canto – e em vários momentos de sua apresentação no sábado havia apenas a força de seu canto. Amparada pela banda reunida por seu atual produtor musical, o compadre DJ Dolores, ela desfilou sua majestade como de hábito, nos hipnotizando com sua arte sacra.

Assista aqui. Continue

Palco digital

Emicida chega ao Fortnite nesta sexta-feira em mais um passo que o rapper ao desbravar novas fronteiras. Aproveitei o acontecimento para conversar com Benoni Hubmaier, da YB, Thiago Adamo, da Game Audio Academy, e Samuel Ferrari, do estúdio Mdois sobre a relação entre música e games para o jornal Valor Econômico. Além da reportagem (que pode ser lida aqui), ainda fiz uma entrevista só com o rapper, que atravessa um 2022 intenso, que além da volta dos shows e de sua aparição como ator no filme Medida Provisória, ainda lançará documentário e livro, sobre sua relação com os jogos.

Marcelo Cabral @ Centro da Terra (26.4.2022)

Dá pra levar um show no bolso como se fosse um amuleto? Um pequeno portamoedas que bastaria ser aberto por alguns segundos para revelar camadas de microfonia e silêncio, efeitos e canções, ruído e calmaria, melodia e drone, tudo vindo de uma vez só como o ardor de uma pimenta em conserva, o gosto forte de um bitter, um tempero refogado, um bálsamo envolvente. Na segunda apresentação de seu Motor Elétrico no Centro da Terra, ao lado de dois navegadores distintos e complementares Maria Beraldo e Guilherme Held, Marcelo Cabral mais uma vez nos conduziu a um transe de sensações díspares, antagônicas e docemente complementares, espelho e abismo, cosmo e colo, luz e trevas, numa apresentação que podia durar horas. Ou caber no bolso, para abrir sempre que precisássemos sentir aquilo tudo de novo.

Assista aqui. Continue

A voz do vinil

Mesmo em tempos de streaming, o LP vem se consolidando como um dos principais formatos da indústria fonográfica, ultrapassando inclusive, em 2021, o CD (que, por sua vez aumentou suas vendas pela primeira vez em quase 20 anos). Conversei com o João Marcello Bôscoli e o Rafael Ramos em matéria que escrevi para o caderno EU& do Valor Econômico, que pode ser lida aqui.

Ainda sem previsão de lançar seu primeiro disco, o cantor e compositor paulistano Pedro Bienemann lança o clipe de “Ultravioleta”, seu novo single, em primeira mão no Trabalho Sujo. Ele lembra que sonhou com a letra da música ao acordar ouvindo “Babá Alapalá” de Gilberto Gil e ser conduzido a compor a canção cujo clipe acabou materializando a ideia que teve no sonho. “Liguei para meu irmão (o diretor João Paulo Bienemann), contando a história e dizendo que isso poderia dar num clipe, e ele e Manoela Aliperti abraçaram a ideia”, lembra o autor da canção. “Começamos a desenvolver um roteiro a partir daí, com muitos colaboradores e colaboradoras e sem nenhum real no bolso, e conseguimos uma estrutura mínima para realizar o projeto com o apoio de uma produtora audiovisual, a Daquela Produtora, que nos cedeu uma câmera e um computador para que pudéssemos editar o clipe”. O clipe conta com a presença de alguns colaboradores de Pedro, como o baterista Pedro Lacerda, o tecladista Leon Perez e a cantora Yma, que assina a direção de arte do clipe. “‘Ultravioleta’ é um devaneio em um dia de calor, sol e suor, é tato e cheiro de pele quente com água doce de rio, sem margem”, continua Pedro, “é o trabalho com mais mãos que já fiz, um aprendizado gigante e um processo lindo e enorme na minha carreira como artista solo.” Assista ao clipe abaixo: Continue


(Foto: Thaysa Paulo/Divulgação)

A dupla fluminense Gorduratrans finalmente sai do casulo criativo que se meteu depois de lançar seu segundo álbum, Paroxismos, em 2017. “Demos uma pausa nas atividades da banda num período crítico pra nós, ali pelo final de 2018”, lembra o guitarrista e vocalista Felipe Aguiar. “Nossos outros trampos consumindo todo nosso tempo, desânimo, Luiz saindo da Baixada Fluminense até a Gávea, na zona sul, todo dia de manhã pra tentar terminar a faculdade. Começamos a compor algumas coisas ainda em 2019 e logo veio a pandemia. Também não tínhamos a infraestrutura pra produzir um trampo novo com a cara que queríamos e foi a soma dessas coisas todas que fez com que passasse tanto tempo até conseguirmos as condições ideais pra produzir e gravar nosso terceiro disco.”

A primeira amostra é “Enterro dos Ossos”, que traz a dupla, que é um dos melhores grupos de indie rock brasileiro atualmente, apontando para um caminho ainda mais tenso e dolorido que o que já percorria – com a inclusão de um novo adjetivo: pesado. “Essa música carrega muito a nossa essência, da linguagem e da nossa identidade sonora até aqui”, continua o guitarrista. “Achamos que ela seria um bom primeiro single por ter esse espírito jovem que sempre foi uma das assinaturas da banda, tem suas diferenças, como a temática, mas, ao mesmo tempo, dá pra visualizar muito do nosso primeiro disco ali.” Assista abaixo: Continue


(Foto: Bel Gandolfo/divulgação)

Uma felicidade encontrar todo o grupo Glue Trip na segunda segunda-feira da temporada que Zé Nigro está fazendo no Centro da Terra – exatamente na mesma semana em que a banda liderada pelo paraibano Lucas Moura começa a mostrar seu novo disco, Nada Tropical, que será lançado ainda neste semestre. Nigro foi o produtor do novo disco do grupo psicodélico, que depois de uma temporada urbana e eletrônica do disco Sea at Night, de 2018, retoma seu calor latino-americano em Nada Tropical, cujos trabalhos são abertos a partir desta quinta-feira quando o single “Lazy Dayz”, que foi arranjado por ninguém menos que Arthur Verocai, chega às plataformas digitais. O grupo antecipa a colaboração histórica em primeira mão aqui no Trabalho Sujo, ouça abaixo: Continue


(Foto: Victor Caldas)

Conhecidos na cena musical paulistana por integrar o grupo Música de Selvagem e trabalhos com outros artistas, o trompetista Amílcar Rodrigues e o baterista Guilherme Marques reuniram forças e a experiência de quinze anos trabalhando com improviso livre num duo que mostra a cara pela primeira vez aqui no Trabalho Sujo, onde eles lançam em primeira mão o primeiro single do projeto chamado (i)miscível, que conta com a participação de Juçara Marçal na faixa “Experimento_14_17.17”. Assista abaixo: Continue