Vida Fodona #726: Tá frio, mas tá tudo bem

Chega aqui.  

John Cale só na preguiça

john-cale-lazy-day

O fundador do Velvet Underground, John Cale, começou o ano preparando-se para lançar seu primeiro disco desde 2016 – até conversamos sobre isso quando ele passou pelo Brasil em março -, mas a pandemia teve de fazê-lo adiar o disco que indefinidamente. Mas isso não o estagnou e ele preparou algo específico para esse período de quarentena: ” então me ocorreu que eu tenho algo para o momento, uma música que eu terminei recentemente…”, explicou em um comunicado. “Com o mundo saindo de sua órbita, eu queria parar a guinada e desfrutar de um período em que podemos tomar nosso tempo e respirar nosso caminho de volta para um mundo mais calmo”, encerra, apresentando seu novo single, “Lazy Day”.

Vida Fodona #668: Festa-Solo (17.8.2020)

vf668

Mais uma segunda-feira, mais um Festa Solo – a versão ao vivo do Vida Fodona no twitch.tv/trabalhosujo, às 21h – este foi o da semana passada…

Thiago França – “São Paulo de Noite”
John Coltrane – “Giant Steps”
Douglas Germano – “ISO 9000”
Rodrigo Campos + Kiko Dinucci – “Clareza”
Siba – “Marcha Macia”
Elis Regina – “Bala com Bala”
Trupe Chá de Boldo – “À Lina”
Vovô Bebê – “Êxodo”
Lulina – “N”
Destroyer – “Kaputt”
Glue Trip – “La Edad Del Futuro”
Stephen Malkmus – “Brainwashed”
Angel Olsen – “Whole New Mess”
Joana Queiroz – “Tempo Sem Tempo”
Josyara – “Solidão Civilizada”
John Cale – “I Keep a Close Watch”
Weyes Blood – “Andromeda”
Serge Gainsbourg – “La Ballade De Melody Nelson”
Gilberto Gil + Jorge Ben + Sergio Mendes- “Emoriô”
Elizeth Cardoso – “Eu Bebo Sim”
Erasmo Carlos – “Mané João”
Curumin – “Tudo Bem Malandro”
Felipe Dylon – “Musa do Verão”
Zombies – “Time of the Season”
XTC – “Mayor of Simpleton”
Paul Simon – “You Can Call Me Al”
Yo La Tengo – “Moby Octopad”
PELVs – “Even When the Sun Goes Down (I’ll Surf)”
Alanis Morrissette – “You Oughta Know”
Alanis Morrissette – “Ironic”
Alanis Morrissette – “Hand in My Pocket”
Green Day – “Welcome to Paradise”
Green Day – “Longview”
Pixies – “Winterlong”
Sonic Youth – “Incinerate”
Courtney Barnett + Kurt Vile – “Over Everything”
Crosby, Stills & Nash – “Suite Judy Blue Eyes”
Fleetwood Mac – “Dreams”
Edwyn Collins – “A Girl Like You”

Vida Fodona #629: Sempre em contato

vf629

Ainda enclausurado.

Dua Lipa – “Break My Heart”
Vovô Bebê – “Aluno”
Childish Gambino – “53:49”
Toro y Moi – “I Can Get Love”
BaianaSystem + Manu Chao – “Sulamericano”
Yuksek + Fatnotronic – “Corcovado”
Disclosure – “Tondo”
Four Tet + Ellie Goulding – “Baby”
Gil Scott-Heron + Makaya McCraven – “New York is Killig Me”
Karnak – “Martim Parangolá”
Chico Science & Nação Zumbi – “Um Passeio No Mundo Livre”
Itamar Assumpção – “Sampa Midnight”
Stephen Malkmus – “The Greatest Own in Legal History”
Can – “Soul Desert”
John Cale + Terry Riley – “The Protegé”
De Leve = “Vai Vendo”

Um papo com John Cale

johncale-2020

Eu nem tô acreditando que vou entrevistar o John Cale em público na próxima quarta, dia 11, no Sesc Vila Mariana, às 16h, mas é isso mesmo – o mestre galês pai do Velvet Underground e um dos nomes mais influentes da música contemporânea, apresenta-se em São Paulo e em São José dos Campos dentro da programação do Nublu Festival deste ano e antes das apresentações musicais, ele bate um papo sobre música e sobre sua carreira numa entrevista comigo (mais informações aqui). Parece que os ingressos online já se esgotaram, nesta quarta, às 17h30, começam a vender nas bilheterias no Sesc.

Os primeiros grandes shows internacionais de 2020

nublu-wutang

Falei sobre as atrações do Nublu Festival deste ano (John Cale, Mos Def, Femi Kuti e as atrações nacionais de abertura) e sobre a vinda do Wu-Tang Clan no programa Metrópolis, marcando o início dos grandes shows internacionais de 2020.

John Cale, Mos Def e Femi Kuti em São Paulo!

johncale-femikuti-mosdef

O Nublu deste ano começou pesado ao anunciar que trará para São Paulo e São José dos Campos, entre 12 e 15 de março, nada menos que John Cale, Mos Def e Femi Kuti, que dispensam apresentações. E lembrando que o festival organizado pelo clube nova-iorquino que o batiza – que acontece por aqui no Sesc Pompéia e no Sesc São José dos Campos – sempre traz mais do que três atrações, então pode esperar que vem mais coisa aí! Vi na Monica Bergamo.

17 de 2017: 6) John Cale

062017-johncale

John Cale é outro destes meus padrinhos espirituais: a descoberta do Velvet Underground na adolescência veio quase simultânea à compreensão que aquele seu fundador também era um dos principais produtores da história (Stooges, Modern Lovers, Patti Smith, Nico), parceiro de monstros sagrados (Brian Eno, Nick Drake, Replacements e, claro, Lou Reed) e um dos artistas mais ousados deste século. Já havia assistido um show com o mestre em São Paulo, em 1999, quando ele revezava-se entre a viola e o piano para tocar seus clássicos e de sua primeira banda sozinho no palco e dezoito anos depois me reencontrei com ele na cidade-natal dos Beatles tocando o mítico disco da banana com uma série de convidados. Vestindo um terno meio listrado meio liso, Cale mostrou que é audaz mesmo quando vislumbra a nostalgia e fez um show memorável. Uma das grandes noites do meu 2017 – e desta década, tranquilamente.

Entre o pop e o clássico

matias-dahmer

Transformei minha viagem para a Inglaterra no meio do ano (com direito a Beatles, Velvet e Pink Floyd) num ensaio que escrevi para a ótima revista Helena, da Biblioteca Pública do Paraná. O texto pode ser lido online e há uma versão estendida que deverá ser publicada dia desses… As ilustrações são do Dahmer.

Velvet Underground & Nico ao vivo, com John Cale

cale-reed

Um dos únicos sobreviventes de um dos álbuns mais emblemáticos da história do rock, John Cale anunciou semanap passada que fará um show em homenagem ao disco de estreia do Velvet Underground no ano que vem, quando The Velvet Underground & Nico completa meio século de existência. O disco, composto principalmente pelo encontro do poeta e hitmaker norte-americano Lou Reed com a erudição contemporânea do galês John Cale, é um dos registros mais importantes da história do rock por ter dado suas costas às expectativas da música pop, abraçando novas possibilidades sônicas e líricas sem necessariamente ter de agradar ao público. O mestre publicou em sua página no Facebook esta velha foto ao lado do parceiro e explicou:

“Eu quase sempre sou relutante em passar muito tempo voltando no passado – até que aparece um marcador de tempo – e The Velvet Underground & Nico completa 50 anos! Como tantas bandas podem confirmar, é a realização do sonho definitivo de gravar seu primeiro disco. Éramos uma marca hostil, imersos em um mundo de letras desafiadoras e estranheza sônica que não se encaixava na playlist de ninguém na época. Ao nos mantermos ferozmente fiéis aos nossos pontos de vista, Lou e eu nunca duvidamos em nenhum momento que poderíamos criar algo que poderia dar voz a coisas que não eram comumente exploradas pelo rock da época. Aquela bizarra combinação de quatro músicos distintamente díspares e uma relutante e bela rainha resumia perfeitamente o que significava o Velvet Underground.”

O show comemorativo acontece em maio do ano que vem, em Liverpool, e contará com participações especiais que ainda não foram definidas – e os ingressos já estão à venda. É pouco provável que a única outra sobrevivente do disco – a baterista Maureen “Mo” Tucker – participe do show, devido à sua recente inclinação política rumo à direita norte-americana do Tea Party, mas vai saber…