Caetano Veloso, João Gilberto e Gal Costa juntos em 1971

Segunda pérola de João Gilberto que ressurge em 2021 pelas mãos do produtor e pesquisador Pedro Fontes. Ele primeiro foi linkado por André Paste, que mostrou João na França, no fim dos anos 80, tocando sozinho um hino da Mangueira. Agora é o GG Albuquerque que pinça uma gravação feita na TV Tupi no início dos anos 70, quando João se dispôs a gravar com Caetano Veloso e Gal Costa num momento em que Caetano ainda estava no exílio. Ele voltou ao país para o aniversário de 40 anos do casamento dos pais, em um movimento armado por Maria Bethania, que conseguiu autorização com os militares para que ele pudesse retornar, ao menos temporariamente. Além da festa familiar na Bahia, a visita também rendeu um especial feito para a TV Tupi, em São Paulo, quando João, Gal e Caetano gravaram uma hora e meia de clássicos da música brasileira com a participação do guitarrista Lanny Gordin tocando violão. É justamente este material que Pedro teve acesso e disponibilizou em seu canal no YouTube. Infelizmente, a última parte da gravação se perdeu, mas seus dois primeiros terços reúnem pérolas como “Retrato em Branco e Preto”, “Chega de Saudade”, De Noite na Cama”, “Você Já Foi à Bahia?”, “Baby”, “Saudosismo”, “Falsa Baiana”, “Asa Branca”, “Saudosismo”, “Desafinado” e tantas outras.

Clássico é pouco – ouça aqui.  

Vida Fodona #691: Festa-Solo (15.11.2020)

vf691

Começando a discotecar ao vivo em pleno domingo à tarde, para acompanhar a apuração enquanto ponho um som… Cola lá no twitch.tv/trabalhosujo.

Cidadão Instigado – “Contando Estrelas”
Pink Floyd – “Free Four”
Carabobina – “Deixar de Rodear”
Nightmares on Wax – “Les Nuits”
Massive Attack – “Group Four (Mad Professor Remix)”
Baianasystem – “Jah Jah Revolta (Adubada por Buguinha Dub)”
Primal Scream – “Higher Than The Sun (A Dub Symphony In Two Parts)”
Gregory Isaacs – “Night Nurse (Dub 2)”
Augustus Pablo – “Frozen Dub”
DJ Cleiton Rasta – “Cabeça de Gelo”
Lee Perry – “Dub Revolution”
Céu – “Roda (Bombay Dub Orchestra’s Grateful Dub Mix)”
Paralamas do Sucesso – “Marujo Dub”
Anelis Assumpção e os Amigos Imaginários – “Eu Gosto Assim Dub”
EMYND – “Ain’t No Mountain High Enough Shaky Dub”
Bixiga 70 – “Dub di Malaika”
Beastie Boys – “Dub the Mic (Instrumental)”
Quinto Andar – “Queima Dub”
De Leve – “Pode Queimar (Dubrilla Remix)”
Black Sabbath – “Planet Caravan (Poolside Re-work)”
Carole King – “It’s Too Late”
Isaac Hayes – “Never Can Say Goodbye”
Célia – “Para Lennon e McCartney”
João Bosco – “Cobra Criada”
Childish Gambino + Ariana Grande – “Time”
Arnaldo Baptista – “Corta Jaca”
Nação Zumbi – “Nebulosa”
Kinks – “Waterloo Sunset”
Pulp – “Bar Italia”
Syd Barrett – “No Good Trying”
Rita Lee + Tutti Frutti – “Cartão Postal”
Chico Buarque + A Cor do Som – “Hino do Duran”
Funkadelic – “Groovallegiance”
Tulipa Ruiz – “Às Vezes”
Letrux – “Hypnotized”
R.E.M. – “Near Wild Heaven”
Legião Urbana – “Só Por Hoje”
Gal Costa – “Cultura e Civilização”
Andy Clockwise – “Open Relationship”
Air – “People in the City”
Radiohead – “Climbing Up the Walls”
Tame Impala – “Say It Right”
Carly Rae Jepsen – “Run Away With Me”
M83 – “Midnight City”
Spoon – “Hot Thoughts”
Lykke Li – “I Follow Rivers (The Magician Remix)”
Britney Spears + Madonna – “Me Against The Music”
Justice – “D.A.N.C.E.”
Michael Jackson – “Off the Wall”
Missy Elliot – “Gossip Folks”
Modjo – “Lady (Hear Me Tonight)”
Mano Brown + Seu Jorge – “Dance, Dance, Dance”
Will Smith – “Gettin’ Jiggy With It”
Sister Sledge – “He’s The Greatest Dancer”

Vida Fodona #676: Festa-Solo (14.9.2020)

vf676

Começando mais uma semana, lembrando que segunda sempre nos encontramos online no Festa-Solo na twitch.tv/trabalhosujo a partir das 21h – o último foi assim…

Paul McCartney – “Hot as Sun”
David Bowie – “Speed of Light”
Walter Franco – “Mamãe D’Água”
Fabio Goes – “Amor na Laterna”
Letrux – “Ninguém Perguntou Por Você”
Daft Punk – “Get Lucky”
Daryl Hall & John Oates – “I Can’t Go For That (No Can Do)”
Depeche Mode – “Enjoy the Silence”
Roxy Music – “Love Is The Drug (Todd Terje Disco Dub)”
Chemical Brothers – “Hey Boy Hey Girl”
Salt-N-Pepa – “Push It”
Laid Back – “White Horse”
Talking Heads – “Crosseyed and Painless”
Rage Against the Machine – “Killing in the Name”
Smiths – “Heaven Knows I’m Miserable Now”
Duffy – “Mercy”
Radiohead – “Bodysnatchers”
Tulipa Ruiz + Lulu Santos – “Dois Cafés”
Spoon – “Do You”
Unknown Mortal Orchestra – “Ur Life One Night”
MC Carol + Karol Conka – “100% Feminista”
Flora Matos – “Preta de Quebrada”
Tim Maia – “Márcio Leonardo e Telmo”
Clarice Falcão – “Survivor”
Painel de Controle – “Black Coco”
Harmony Cats – “Margarida (Felicidade)”
Lincoln Olivetti & Robson Jorge – “Eva”
Gal Costa – “Meu Bem Meu Mal”
Djavan – “Samurai”
Stevie Wonder – “Isn’t She Lovely”
Luiza Lian – “Mira”
Quartabê – “Morena do Mar”
High Llamas – “The Sun Beats Down”
Beach Boys – “Surf’s Up”
Mutantes – “O Relógio”
Zombies – “Beechwood Park”
Beatles – “I’m Only Sleeping”

Vida Fodona #662: Festa-Solo (27.7.2020)

vf662

Segunda é dia de Festa-Solo, sempre às 21h no twitch.tv/trabalhosujo, vamos lá? Esse foi o da semana passada…

A Cor do Som – “Palco”
Caetano Veloso – “Queixa”
Gal Costa – “Meu Bem Meu Mal”
Secos & Molhados – “Sangue Latino”
Rita Lee – “Esse Tal de Roque Enrow”
Fiona Apple – “Under The Table”
Haim – “The Steps”
Letrux – “Cuidado Paixão”
Fleetwood Mac – “Dreams”
Itamar Assumpção – “Sampa Midnight”
R.E.M. – “Electrolite”
Raul Seixas – “Para Noia”
Daft Punk – “Something About Us”
Arcade Fire – “Reflektor”
Beck – “Lord Only Knows”
INXS – “Mistify”
Doors – “Roadhouse Blues”
Clash – “Rock the Casbah”
Velvet Underground – “We’re Gonna Have A Real Good Time Together”
Beatles – “I Saw Her Standing There”
Mutantes – “Trem Fantasma”
Pato Fu – “Rotomusic de Liquidificapum”
Pedro Pastoriz + Fausto Fawcett – “Faroeste Dançante”
Phoenix – “Lisztomania”
B-52’s – “Legal Tender”
Police – “Can’t Stand Losing You”
Feelies – “Crazy Rhythms”
X – “Johny Hit and Run Pauline”
Sebadoh – “Pink Moon”
Pixies – “Broken Face”
Tame Impala – “Feels Like We Only Go Backwards”
Unknown Mortal Orchestra – “From the Sun”
Ruído/mm – “Índios”
Àiyé + Vítor Brauer – “O Mito e a Caverna”
Negro Leo – “Eu Lacrei”
Ana Frango Elétrico – “Torturadores”
Alessandra Leão + Mateus Aleluia – “Ponto pra Preto Velho”
Angel Olsen – “Special”

On the run #168: A Home Away from Home

A-Home-Away-From-Home

Que mixtape maravilhosa essa A Home Away from Home, selecionada pelo jornalista e DJ Allen Thayer para o sensacional blog norte-americano Aquarium Drunkard. O subtítulo da seleta, Brazilian Covers of International Pop & Rock Hits, entrega seu intuito: pinçar clássicos do pop internacional que foram regravados por artistas brasileiros. Allen não se restringe a uma época específica e mistura as versões de Caetano, Elis Regina, Rita Lee, Bossa Rio, Bola Sete e Edu Lobo pra músicas dos Beatles, passando por várias versões de Sérgio Mendes, Gal cantando Dylan, Gil revisitando Blind Faith, Nara Leão cantando Cat Stevens, Seu Jorge cantando David Bowie e pérolas como Erlon Chaves visitando Quincy Jones, Agnaldo Timóteo cantando Procol Harum, Carmindo Trio tocando Elton John, Manito tocando Blood Sweat & Tears e muito mais. No blog, ele comenta, em inglês, a escolha de cada uma das músicas. E como ele anuncia que é o volume 1, fico à espera do próximo. Dicaça da Ju, valeu <3

Studio Rio Presents with Bill Withers – “Lovely Day”
Sivuca – “Ain’t No Sunshine”
Walter Wanderley – “Just the Two of Us”
MPM Propaganda (com Erlon Chaves) – “Tatuzinho e Leite Glória”
Erlon Chaves – “I Say A Little Prayer”
Elizeth Cardoso – “Primavera (We Could Be Flying)”
Sergio Mendes & Brasil ’66 – “Scarborough Fair”
Zimbo Trio – “Bridge Over Troubled Waters”
Nara Leão – “Pai e Filho (Father & Son)”
Agnaldo Timóteo – “Esse Amor Que Eu Não Queria (A Whiter Shade of Pale)”
Seu Jorge – “Rebel Rebel”
Gimmicks – “It’s Too Late”
Gal Costa – “Negro Amor (It’s All Over Now, Baby Blue)”
Leno e Lilian – “Dias Iguais (Day After Day)”
Salinas – “Atlantis”
Caetano Veloso – “Medley: Nega Maluca/Billie Jean/Eleanor Rigby”
Bola Sete – “Polythene Pam/She Came In Through The Bathroom Window”
Elis Regina – “Golden Slumbers”
Bossa Rio – “Blackbird”
Sergio Mendes & Brasil ’65 – “All My Loving”
Caetano Veloso – “For No One”
Rita Lee – “And I Love Him”
Sergio Mendes & Brasil ’66 – “With a Little Help From My Friends” (1968)
Edu Lobo – “Hey Jude”
Sergio Mendes & Brasil ’66 – “Chelsea Morning”
Astrud Gilberto – “Beginnings”
Sergio Mendes & Brasil ’66 – “For What It’s Worth”
Manito – “You’ve Made Me So Very Happy”
The Gentlemen – “Não Sei Quem Sou (Baby, I’m – A Want You)”
Carmindo Trio – “Goodbye Yellow Brick Road”
Gilberto Gil – Can’t Find My Way Home

Vida Fodona #628: Em tempo de quarentena

vf628

É sério.

Letrux – “Vai Brotar”
Bruno Schiavo – “Havaianas Déja Vu”
Billie Elliot – “No Time to Die”
Talking Heads – “Life During Wartime”
Gal Costa – “Cultura e Civilização”
Walter Franco – “Partir do Alto / Animal Sentimental”
Pavement – “Gold Soundz”
Lulina – “Cantor Pop dos Sonhos”
Ana Frango Elétrico – “Torturadores”
Spoon – “Rhthm & Soul”
Jupiter Apple – “Exactly”
Ultramagnetic MCs – “Ease Back”
Kaytranada + Kali Uchis – “10%”
Isaac Hayes – “I’ll Never Fall In Love Again”
Pulp – “Dishes”
Massive Attack – “Dissolved Girl”

Vida Fodona #626: Hábito que as pessoas perderam

vf626

E as novidades deste mês.

Jenny Lee – “I’m So Tired”
Tom Zé – “Fliperama”
Bruno Schiavo – “Amores Incríveis”
Gal Costa + Caetano Veloso – “Sorte”
Rupa Biswas – “Aaj Shanibar”
Classixx – “Whats Wrong With That?”
Gilberto Gil + Jeru Banto – “Refavela (Digitaldubs Remix)”
Brockhampton + Dua Lipa + Ryan Beatty + Jon B – “Sugar (Remix)”
Dur-Dur Band – “Dooyo”
Whitest Boy Alive – “Serious”
Mahmundi – “Sem Medo”
Junior Mendes – “Toque Tropical”
Rolling Stones – “Jigsaw Puzzle”
Quartabê – “Maré Alta”
Matt Berninger – “Holes”

Vida Fodona #603: Essa vibe de épico de ficção científica

vf603

“Que roupa é essa, menino?”

Sérgio Ricardo – “Bichos da Noite”
Spandau Ballet – “True”
Gal Costa – “Não Identificado”
David Bowie – “Life on Mars”
Gilberto Gil – “Futurível”
Tim Maia – “Sentimental”
Massive Attack – “Blue Lines”
Racionais MCs – “Capítulo 4, Versículo 3”
Beastie Boys – “Root Down”
Yo La Tengo – “Moby Octopad”
Warpaint – “Heads Up”
Cure – “Lovesong”
Cidadão Instigado – “Como as Luzes”
Gabriel Muzak – “Estética Terceiro Mundo”
Ana Frango Elétrico – “Tem Certeza?”
Siba – “Caracará de Gaiola”

Tudo Tanto #26: Satélite 061

elzasoares-galcosta-2016

Continuando o resgates das minhas colunas da Caros Amigos para o Trabalho Sujo, segue o texto que escrevi para a edição de dezembro do ano passado sobre o festival brasiliense Satélite 061, que reuniu Elza Soares e Gal Costa debaixo da mítica torre de TV da capital do país.

Duas estrelas sob a Torre
Festival brasiliense Satélite 061 superou os problemas de produção com dois shows históricos de Elza Soares e Gal Costa

“Vida dura de quem trabalha acreditando na arte independente e que faz na raça mesmo”, ri Marta Carvalho, presidenta da Ossos do Ofício, associação multicultural que realiza o festival Satélite 061, a cuja quinta edição pude comparecer no final do mês de setembro, em Brasília. Ela ri quando peço para que ela conte a história de que ouvi falar, sobre como ela conseguiu pagar os artistas que se apresentaram em seu festival dois anos antes. “No ano de 2014, o festival contava somente com um pequeno patrocínio da Petrobras e para que acontecesse eu tinha que utilizar verba da Secretaria de Cultura para estruturas e cachês artísticos”, conta.

“Logo após o festival, o governo contingenciou as verbas para cultura inclusive vetando os pagamentos de eventos já executados. Sem opção, me uni a vários artistas do movimento cultural do Distrito Federal e fi zemos um plano radical: entramos na Secretaria de Fazenda do DF e nos acorrentamos. Só sairíamos de lá após termos as datas concretas da liberação dos recursos. Foi difícil, mas necessário para que pudéssemos honrar com os nossos compromissos.”

O festival também passou por maus bocados na edição deste ano, quando uma improvável tempestade no início da primavera – época em que não chove em Brasília –, danificou o equipamento no primeiro dia, atrasando a programação. “Com o atraso, tivemos que cancelar o show do BaianaSystem, mas que já marcamos nova data para acontecer. Será dia 18 de novembro, no Museu da República, dentro da programação do Festival Favela Sounds, que eu contribuo com a direção artística”, explica Marta. A queda do BaianaSystem da programação foi um baque num elenco maravilhoso.

O festival, que reunia várias bandas da cidade, entre grupos de rap, bandas de rock e sambistas, tinha escalado uma seleção de artistas que fazia a ponte entre a tradicional música brasileira e a atual música independente moderna, fazendo um contraponto ao outro grande festival da cidade, o Porão do Rock, por não se basear no rock como gênero-base. Assim, tínhamos o veterano Di Melo ao lado do novato Fióti, o irmão de Emicida, que agora lança sua carreira como soulman (com direito a participação do irmão como percussionista e vocalista de apoio ele só foi rimar em “África Nossa”, versão para o hino da diva caboverdiana Cesária Évora). O rock dos Autoramas – que agora é um quarteto – e o rap / R&B de Drik Barbosa. O free jazz elétrico do trumpetista Guizado e a MPB teatral de As Bahias e a Cozinha Mineira.

O raggatech samba-reggae do BaianaSystem seria a liga perfeita para misturar estes diferentes gêneros ancestrais e modernos, principalmente pelo fato do grupo estar lançando um dos melhores discos deste ano, o elétrico Duas Cidades. Mas as duas maiores estrelas do festival foram dois monstros sagrados de nossa música popular, duas divas de histórias díspares que vivem momentos semelhantes nesta segunda década do século 21.
“Elza Soares e Gal Costa têm biografias distintas, mas nunca tiveram seus títulos colocados em xeque, estrelas de dois Rios de Janeiros e de dois Brasis de épocas diferentes, encarnações de mulheres fortes relativas a recortes específicos de nossas culturas”

Elza Soares e Gal Costa têm biografias distintas, mas nunca tiveram seus títulos colocados em xeque, estrelas de dois Rios de Janeiros e de dois Brasis de épocas diferentes, encarnações de mulheres fortes relativas a recortes específicos de nossas culturas. As duas tiveram um ótimo 2015 quando, cercadas de novos músicos, fizeram álbuns ousados para suas carreiras: Elza Soares cercou-se da nova vanguarda paulistana (Rômulo Froes, Kiko Dinucci, Marcelo Cabral, Rodrigo Campos, Celso Sim, José Miguel Wisnik, Thiago França, Douglas Germano, os metais do Bixiga 70 – todos sob a batuta do percussionista Guilherme Kastrup) para lançar o poderoso Mulher do Fim do Mundo, talvez o disco brasileiro mais importante desta década.

Gal fez seu Estratosférica um oposto solar, diurno e carioca do disco paulista de Elza, reunindo composições de Céu, Mallu Magalhães, Marcelo Camelo, Lirinha, Alberto Continentino, Antônio Cícero, Arnaldo Antunes e Caetano Veloso, sob a produção de Kassin e Moreno Veloso. Elza trouxe seu espetáculo pleno, inclusive o cenário de Anna Turra que a coloca central, num trono, cantando a íntegra de seu disco intenso, além de músicas clássicas de seu repertório, como “A Carne” e “Malandro”. Gal foi intimista e, em vez da apresentação de seu novo disco, preferiu desfi lar seu rosário de clássicos ao lado do músico Guilherme Monteiro, no espetáculo Espelho D’Água. É uma sequência de clássicos sem par na música brasileira – “Baby”, “Vaca Profana”, “Tigresa”, “Negro Amor”, “Coração Vagabundo”, “Passarinho”, “Folhetim”, “Sua Estupidez”, “Meu Nome é Gal”, “Dom de Iludir”, “Tuareg” – todas entre a guitarra e o violão e voz intacta da cantora, que completava 71 anos (“54”, brincou) naquele mesmo 26 de setembro.

O público, entregue à sua majestade, não acreditava no que assistia e cantou parabéns para a baiana no palco mais de uma vez. Satisfeita com o resultado da quinta edição do festival, que mesmo com o tropeço do sábado conseguiu reunir 50 mil pessoas aos pés da monumental Torre de TV de Brasília, um dos cartões postais da cidade, a organizadora Marta nem acredita o quanto já conseguiu neste tempo, mas esquiva-se da modéstia. “Esse ano eu fui bem além e vi que é possível ir cada vez mais”, comemora, cravando a sexta edição do festival para o ano que vem, sonhando com dois grandes nomes: o rapper ganês Blitz The Ambassador e o cantor Ney Matogrosso. “Afi nal sonhar não me custa nada”, conclui, rindo.

Vida Fodona #546: E segue o baile

vf546

Pedra que rola…