Quatro filmes sobre os quatro Beatles

Já tivemos Freddie Mercury e Elton John, agora temos Bob Marley e Amy Winehouse e seria inevitável que a nova leva de biografias musicais chegasse nos Beatles. Pois aconteceu: como revelado com exclusividade ao site Deadline, o estúdio Sony e o diretor Sam Mendes (de Beleza Americana, Skyfall e 1917) fará não apenas um, mas quatro filmes sobre a história dos Beatles, contando a biografia e os pontos de vistas de John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr. É a primeira vez que os Beatles dão a algum projeto cinematográfico total acesso às suas biografias e ao seu catálogo e o projeto foi anunciado para 2027, mas ainda não há previsão se os quatro filmes chegarão ao mesmo tempo no cinema ou se terão algum distância entre seus lançamentos. O projeto ainda não tem título oficial nem elenco escolhido e não se sabe se a história da tetralogia será focada apenas no período em que a banda existiu ou se acompanhará as carreiras solo de seus integrantes. Mas o certo é que ainda falaremos muito sobre Beatles até lá – sem contar esses boatos de que uma caixa de discos do Rubber Soul está sendo finalizada e que Peter Jackson conseguiu reunir material sonoro dos Beatles em Hamburgo para lançar um disco dessa época em parceria com a Apple.

Paul n’água

“Well, the rain exploded with a mighty crash…” Caiu um temporal daqueles (você não tá entendendo…) e o show é igualzinho a todos os outros (tirando as infames intervenções de tiozão – ou vovôzão – em português), mas nem por isso menos maravilhoso. O calor no coração de todos aqueceu a alma dos presentes, encharcados mesmo de capa de chuva. É sempre bom ver o Paul McCartney ao vivo, ainda mais agora que os boatos sobre sua aposentadoria têm aumentado consideravelmente, e o show deste domingo não foi diferente: emocionalmente intenso, ainda teve espaço para lágrimas em “Maybe I’m Amazed”, “Band on the Run”, “Something”, “Here Today”, e no dueto virtual com John Lennon em “I’ve Got a Feeling”. Vai Paul!

Assista aqui:  

Vida Fodona #797: Começou quentaço

Esse mês promete!

Ouça aqui:  

E se “Now and Then” abrir a possibilidade de um novo Anthology?

“Now and Then” parecia ser o ponto final que os Beatles colocaram em sua história, como um dia já fizeram ao batizar a última música de seu último disco de “The End”, mas o clipe dirigido por Peter Jackson (que mais uma vez me fez chorar com Beatles) lançado nesta sexta abre uma possibilidade considerável: a de que o próximo projeto do grupo não seja uma caixa de um disco específico ou algum registro ao vivo e sim uma volta ao Anthology que o grupo ergueu em sua própria homenagem nos anos 90. Além de vermos várias imagens que nunca tínhamos visto (quem é beatlemaníaco sabe do que eu tô falando), Jackson ainda comentou que a Apple desenterrou 14 horas de gravações inéditas de George, Paul e Ringo em 1995, incluindo tentativas de fazer “Now and Then” acontecer naquela época, além de ter recebido vídeos caseiros de Sean Lennon e Olivia Harrison com imagens nunca vistas de John e George. É uma possibilidade vaga, mas ela já está no ar, ainda mais se a gente lembrar da cultura cada vez mais audiovisual em que estamos imersos.

Assista abaixo:  

Beatles 2023: “if I make it through It’s all because of you”

Nem faz tanto tempo que eu chorava pelos Beatles (o Get Back foi anteontem, afinal), mas essa “Now and Then” putaqueopariu… Nem é das faixas mais clássicas deles, mas são os quatro ali ❤️

Ouça abaixo:  

Um gostinho de “Now and Then”

Enquanto a “última música dos Beatles” não chega entre nós, dá pra sentir um gostinho de “Now and Then” no minidocumentário que a banda fez para contar a história de como a música deveria ter entrado no Anthology 3 e como foi ressurgir, quase 30 anos depois, como a última canção do grupo a ser registrada oficialmente.

Assista abaixo:  

Quais são as músicas novas das coletâneas vermelha (1962-1966) e azul (1967-70) dos Beatles?

Junto do anúncio da famigerada “última faixa gravada pelos Beatles” que chega na próxima quinta-feira, a banda também anunciou uma reedição ampliada das clássicas coletâneas lançadas no início dos anos 70 que a apresentaram a gerações de fãs que não tinham acesso à sua discografia (pois os discos não eram reeditados constantemente). E apesar de não ter tido tanta repercussão, essas são as faixas novas a entrar nas coletâneas:

Leia abaixo:  

80 anos e dando tudo!

O anúncio da “última canção dos Beatles”, que será lançada na semana que vem com as duas coletâneas clássicas do grupo (a vermelha e a azul) em versões expandidas, é mais um exemplo que a geração baby boom, nascida durante a Segunda Guerra Mundial e responsável por mexer na história da cultura e do comportamento nos anos 60, segue à toda e sem dar sinal de aposentadoria à vista. Nomes como Rolling Stones, Pink Floyd, Roger Waters e os brasileiros Caetano Veloso, Gilberto Gil, Ney Matogrosso e Paulinho da Viola endossam sua vida criativa mesmo entrando na oitava década de vida. Foi sobre isso que escrevi na matéria que fiz nesta quinta-feira para o site da CNN Brasil.

Leia abaixo:  

Lá vem música nova dos Beatles… com inteligência artificial?

O anúncio mais cedo de que nesta quinta pela manhã teremos mais um lançamento dos Beatles ativou a expectativa por aquela que deve ser “a última faixa gravada pelos Beatles”, anunciada por Paul McCartney em junho, que deixou todo mundo nervoso achando que viria uma abominação gerada por inteligência artificial. Contei melhor essa história juntando especulações, o histórico de relançamentos do grupo e o testemunho de alguém que teria ouvido essa nova faixa – seria “Now and Then”, que foi abortada à época do terceiro Anthology? – e ouvido falar que ela anteciparia uma nova versão das clássicas coletâneas azul e vermelha num texto que escrevi para o site da CNN.

Leia abaixo:  

Então quer dizer que a última música gravada pelos Beatles sai amanhã?

Os Beatles atualizaram seu site com uma imagem de uma fita cassete e um campo para deixar seu email para saber as novidades. Depois de enviado, eles retornam o email com uma contagem regressiva que encerra nesta quinta pela manhã, às 10h de Brasília. Ao que tudo indica é a última música que os Beatles gravaram, que seria lançada nos anos 90 (“Now and Then”), e que voltou à baila graças à inteligência artificial. Tem gente que tem calafrios quando ouve falar da mistura desse tema com arte, mas mais tarde eu falo melhor sobre esse acontecimento…