Que Clã?

Caí de paraquedas no show da banda portuguesa Clã no sábado passado e tive uma boa surpresa. Lançando a coletânea Catalogue Raissoneé pelo selo Allegro Discos no Brasil, o quinteto fez dois shows no Sesc Pompéia que contaram com participações especiais: o de sexta contou com as presenças de Arnaldo Antunes e Zeca Baleiro e no que eu fui o casal John e Fernanda, do Pato Fu, eram os convidados. Se fosse brasileiro, o Clã provavelmente seria uma banda indie que, além de tocar no Studio SP, no Inferno e em alguns festivais independentes do Brasil, também conseguiria datas no Sesc para lançar seu disco. Talvez não contasse com as presenças da primeira noite, devido ao abismo que existe entre a música pop brasileira e a MPB (as coisas estão mudando aos poucos, vide a presença de Arnaldo no disco do Cidadão Instigado). O Pato Fu está mais próximo da realidade indie do que daquela da MPB, por isso as bandas conversaram bem – a ponto do próprio Clã ter gravado “Depois” da banda mineira (que eles tocaram no show). Mas se existe uma lacuna enorme entre a música pop feita no Brasil e em Portugal, ela aumenta ainda mais pela distância entre dois “gêneros” que insistem em separar adultos de adolescentes, como se faixa etária determinasse gosto musical. Felizmente, como eu disse, as coisas estão mudando.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. o Clã gravou “Carrossel dos Esquisitos” que é do John (Pato Fu) e o Pato Fu trouxe a voz da Manuela Azevedo para o Brasil no seu disco “Toda Cura Para Todo Mal” (2005) em que Fernanda Takai divide os vocais de “Boa Noite, Brasil” com a vocalista do Clã. Nunca ouvi a versão de “Depois” feita pelo Clã. Procurarei 😉
    Abraço

  2. O Clã também contou com a participar da Fernanda em “Amuo”, no disco “Cintura” (2007)