“Onde começam queimando livros…”

A notícia que um livro foi apreendido como se fosse arma no Rio de Janeiro (e justo o Mate-Me Por Favor!) é outro indício de autoritarismo latente que ronda esses dias estranhos que estamos vivendo e mais do que motivo para ficarmos atento à tomada de nossas liberdades. O próprio Ivan Pinheiro Machado, dono da L&PM que publicou o livro apreendido, dá o tom de indignação frente uma situação dessas no blog de sua editora:

“Meu pai era um inimigo da ditadura militar de 1964. Por isso nossa família sofreu vários tipos de intimidações e perseguições. Minha casa foi invadida várias vezes pela repressão. A que mais me marcou foi o dia em que a polícia política (DOPS) invadiu nossa casa e prendeu centenas livros da grande biblioteca do meu pai. “Vamos queimar esta imundície comunista”, dizia o delegado, jogando ensaios de Marx e Schopenhauer numa caixa de lixo.

Ontem eu vi um delegado exibindo na TV um livro publicado pela L&PM Editores: Mate-me por favor dos jornalistas e críticos musicais Legs McNeil e Gillian McCain apreendido na casa de um suposto vândalo.

Não me interessa o que o rapaz fez. Mas o que me chamou a atenção foi a naturalidade com que o delegado apreendeu o livro. Um delegado que não serve a uma ditadura e apreende um livro é porque tem a vocação do autoritarismo. E nenhum respeito por um livro. Mate-me por favor é um livro maravilhoso, editado por minha indicação. Não faz a apologia da violência. Muito pelo contrário. Ele trata de jovens que foram abandonados pelo sistema e elegeram a música como uma forma de protesto. E esta música foi uma bofetada no sistema. Esta música fez com que os delegados e os políticos voltassem os seus olhos para uma enorme legião de jovens sem futuro e sem emprego nos idos dos anos 80. A L&PM Editores, meu caro delegado, já foi vítima durante sua história nos anos sombrios da ditadura de vários delegados que odiavam livros.

O que me surpreende é que um bom livro seja alinhado junto a facas e correntes e exibido na TV como se fosse uma arma. E ninguém diz nada. Lembrou-me o tira ignorante que invadiu a casa do meu pai nos anos 70 para prender os “livros comunistas”. Ele não teve dúvidas; atirou-se na estande e pegou o O vermelho e o negro de Stendhal como um símbolo desta “corja vermelha que quer tomar conta do país…”

Inevitável lembrar não apenas da ditadura militar brasileira, mas na viagem que fiz à Berlim há pouco me deparei com uma frase de uma peça de 1821 citada em uma placa no meio da Bebelplatz, a praça alemã que serviu de palco para a fogueira de livros promovida pelos nazistas em maio de 1933:

“Das war ein Vorspiel nur, dort wo man Bücher verbrennt, verbrennt man am Ende auch Menschen.”

Onde começam queimando livros, terminam queimando gente. Não dá pra aceitar isso numa boa.

Você pode gostar...

6 Resultados

  1. ronaldo disse:

    pode se preparar pra vender mais Sr. Ivan. Por esse “marketing” o senhor não esperava…

  2. Liana Lessa disse:

    na era digital…

    como farão para queimar os e-books?
    como deletar o_capital.pdf?

    • YCK disse:

      Busca por padrões de frases, por isso a importância da criptografia no século que se inicia. Outra coisa é a diluição dos originais em cópias, até que a cópia perca todo significado e se torne diferente do que foi o original.

  3. Tiago disse:

    Vi a mesma matéria publicada e tentei entender os porques do livro estar como ‘prova”. Inevitavel não lembrar do clássico do Truffault: Fahrenheit 451 (http://www.imdb.com/title/tt0060390/?ref_=fn_al_tt_1)

  4. Paulo Diógenes disse:

    Quem é que vai “apreender” este delegado? Cuzão, filha da puta, inimigo público. Qual o nome do cara, quem é??? Precisamos usar a rede pra “divulgar” e expor esses imbecis, botar pressão e dizer que aqui (nesse país, esse século que vivemos) não vamos aceitar mais absurdos como esse…

  1. 01/07/2013

    […] que por acaso chegue nesta publicação. Basta assistir o video, refletir um pouco sobre tudo o que aconteceu nas últimas semanas e comemorar a vitória da nossa seleção brasileira de futebol, porque afinal de contas é para […]