O fim dos Supercordas

, por Alexandre Matias
Foto: Beatriz Ribeiro de Sena

Foto: Beatriz Ribeiro de Sena

A notícia já estava meio no ar e os mais próximos da banda já sabiam o que os cariocas dos Supercordas oficializaram neste sábado em sua página no Facebook: o fim de suas atividades. A data escolhida foi a de de aniversário de lançamento de seu primeiro álbum, o já clássico Seres Verdes ao Redor, e a despedida não macula a amizade dos quatro integrantes, que seguem trabalhando com música, mas deixaram um senhor legado tanto para o rock independente brasileiro quanto para nosso cânone psicodélico. Abaixo, a íntegra da nota de adeus:

Hoje, dia 26 de novembro de 2016, faz exatamente dez anos que lançamos nosso primeiro LP com um concerto memorável no Centro Cultural São Paulo.

Desde então, nos mantivemos rodando o Brasil, fazendo shows, gravações, filmagens, experimentos, conhecendo novas bandas, fazendo novas amizades e nos apaixonando.

Todas as pessoas que acompanharam a banda neste tempo puderam ver o quanto fomos felizes fazendo tudo isso, e o quanto fomos transparentes e comprometidos com a cultura alternativa.

Nunca fomos o tipo de grupo que “estoura” e atinge grandes públicos em pouco tempo, construímos nossa historia com perseverança e em desencontro aos caminhos mais fáceis do mercado musical.

É complexo se manter como uma “entidade underground” por tantos anos. E é cada vez mais difícil estarmos abertos e disponíveis à experiência da viagem roqueira e da nossa criação musical em grupo, ainda que estejamos vivendo um ponto alto da nossa trajetória em muitos aspectos.

Acreditamos, então, ser um bom momento para anunciar que estamos encerrando nossas atividades como Supercordas.

Continuaremos tocando nossos demais projetos, e outros que ainda estão por vir.

Nunca deixaremos de existir através da música e militar em defesa de toda esta doideira que é sonhar.

Ficam aqui intensos raios de psicodelia e amor para todas e todos que nos acompanharam nesses 13 anos, pelo carinho e pela recepção. E para todos que pela banda passaram ou com ela trabalharam e contribuíram com música e dedicação, particularmente: Regis Argüelles, Eduardo Ps, Katia Abreu, Kauê Ravaneda, Sandro Rodrigues, Rodrigo Lariú,Pamela Leme, Francine Ramos, Ynaiã Benthroldo, Luccas Villela, Marcelo Callado, Caca Amaral, Wil Son, Giuliano Gerbasi, Gui Jesus Toledo e Bernardo Pacheco.

Abaixo, dois shows da banda que filmei, o da primeira edição do Fora da Casinha…

…e o show que fizeram ao lado dos Boogarins no início deste ano.

Grande banda.

Tags: ,

Um comentário para “O fim dos Supercordas

  1. É uma pena. Tenho ouvido sem parar o último disco. E inclusive sito o primeiro em uma postagem de meu blog. http://blogodofranciscoaguas.blogspot.com.br/2015/05/5-bons-discos-de-rock-nacional.html

Comentários fechados.