Os indicados a melhores do ano na APCA em 2020

A comissão de música da Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte, revelou nesta semana, os indicados às principais categorias da premiação neste ano. Devido ao ano estranho que atravessamos, reduzimos a quantidade de premiados, focando nas categorias Artista do Ano, Revelação, Melhor Live e Disco do Ano. Além de mim, também fazem parte da comissão Adriana de Barros (editora do site da TV Cultura e colunista do Terra), José Norberto Flesch (do canal JoseNorbertoFlesch), Marcelo Costa (Scream & Yell), Pedro Antunes (colunista do UOL e Tem um Gato na Minha Vitrola) e Roberta Martinelli (Radio Eldorado e TV Cultura). A escolha dos vencedores deve acontecer de forma virtual no dia 18 de janeiro. Eis os indicados às quatro principais categorias:

Os 5 artistas do ano
Caetano Veloso
Emicida
Luedji Luna
Mateus Aleluia
Teresa Cristina

Os 5 artistas revelação
Flora – A Emocionante Fraqueza dos Fortes
Gilsons – Várias Queixas
Guilherme Held – Corpo Nós
Jadsa e João Milet Meirelles – Taxidermia vol 1
Jup do Bairro – Corpo sem Juízo

As 5 melhores lives
Arnaldo Antunes e Vitor Araujo (03/10)
Caetano Veloso (07/08)
Emicida (10/05)
Festival Coala – Coala.VRTL 2020 (12 e 13/09)
Teresa Cristina (Todas as Noites)

Os 50 melhores discos
Àiyé – Gratitrevas
André Abujamra – Emidoinã – a Alma de Fogo
André Abujamra e John Ulhoa – ABCYÇWÖK
Arnaldo Antunes – O Real Resiste
Baco Exu do Blues – Não Tem Bacanal na Quarentena
Beto Só – Pra Toda Superquadra Ouvir
BK – O Líder Em Movimento
Bruno Capinam – Leão Alado Sem Juba
Bruno Schiavo – A vida Só Começou
Cadu Tenório – Monument for Nothing
Carabobina – Carabobina
Cícero – Cosmo
Daniela Mercury – Perfume
Deafkids – Ritos do Colapso 1 & 2
Djonga – Histórias da Minha Área
Fabiana Cozza – Dos Santos
Fernanda Takai – Será Que Você Vai Acreditar?
Fran e Chico Chico – Onde?
Giovani Cidreira e Mahau Pita – Manomago
Guilherme Held – Corpo Nós
Hiran – Galinheiro
Hot e Oreia – Crianças Selvagens
Ira! – Ira
Joana Queiroz – Tempo Sem Tempo
Jonathan Tadeu – Intermitências
Josyara e Giovani Cidreira – Estreite
Julico – Ikê Maré
Jup do Bairro – Corpo sem Juízo
Kiko Dinucci – Rastilho
Letrux – Letrux aos Prantos
Luedji Luna – Bom Mesmo É Estar Debaixo D’água
Mahmundi – Mundo Novo
Marcelo Cabral – Naunyn
Marcelo D2 – Assim Tocam Meus Tambores
Marcelo Perdido – Não Tô Aqui Pra Te Influenciar
Mateus Aleluia – Olorum
Negro Leo – Desejo de Lacrar
Orquestra Frevo do Mundo – Orquestra Frevo do Mundo
Pedro Pastoriz – Pingue-Pongue com o Abismo
Rico Dalasam – Dolores Dala Guardião do Alívio
Sepultura – Quadra
Seu Jorge & Rogê – Seu Jorge & Rogê
Silvia Machete – Rhonda
Tagua Tagua – Inteiro Metade
Tantão e os Fita – Piorou
Tatá Aeroplano – Delírios Líricos
Thiago França – KD VCS
Wado – A Beleza que Deriva do Mundo, mas a Ele Escapa
Zé Manoel – Do Meu Coração Nu

Vida Fodona #658: Festa-Solo (13.7.2020)

vf658

Segunda é dia de Vida Fodona ao vivo no twitch.tv/trabalhosujo, a partir das 21h – Esse foi o programa da semana passada.

Arnaldo Baptista – “Vou Me Afundar na Lingerie”
Haim – “Up From A Dream”
Blind Melon – “Three is a Magic Number”
Deee-Lite – “Good Beat”
Antonio Carlos & Jocafi – “Kabaluerê”
Wado – “Alagou As”
Mundo Livre S/A – “Bolo de Ameixa”
Def – “Alarmes de Incêndio”
Lulu – “The Man Who Sold The World”
Video Hits – “(Vo) C”
Beck – “Sexx Laws”
Pedro Pastoriz – “Fricção”
Ana Frango Elétrico – “Promessas e Previsões”
Bruno Schiavo – “Orégano”
Trupe Chá de Boldo – “Jovem-Tirano-Príncipe-Besta”
Unknown Mortal Orchestra – “So Good At Being In Trouble”
Sá, Rodrix & Guarabyra – “Mestre Jonas”
Roxy Music – “Love is the Drug”
Ben Hughes – “You Stood Me Up”
Legião Urbana – “A Montanha Mágica”
Sexy Fi – “Keep Cooler”
Imperial Teen – “Imperial Teen”
Lou Reed + John Cale – “Style it Takes”
LCD Soundsystem – “Never as Tired as When I’m Waking Up”
Lulina – “Nós”
Stereolab – “Metronomic Underground”
Gil Scott Heron – “The Revolution Will Not Be Televised”
Curtis Mayfield – “Superfly”
Bill Withers – “Everybody’s Talking”
Stevie Wonder – “All Day Sucker”
Booker T. & The MGs – “I Want You (Shes So Heavy)”
Blues Brothers – “She Caught the Katy”
Tim Maia – “Batata Frita, o Ladrão de Bicicleta”
Miguel de Deus – “Black Soul Brother”
Funkadelic – “One Nation Under A Groove”
Rapture – “Get Myself Into It”
Cut Copy – “Hearts on Fire (Holy Ghost Remix)”
Daft Punk – “Get Lucky”
No Doubt – “Hella Good”
Sister Sledge – “We Are Family”
Aretha Franklin – “Rock Steady”
Kylie Minogue – “Slow”
Queens of the Stone Age – “Make it Wit Chu”
Spandau Ballet – “True”
Chromatics – “Into the Black”

Vida Fodona #578: 23 anos do Trabalho Sujo

vf578

23 em quase sete horas.

Red Hot Chili Peppers – “One Hot Minute”
Linguachula – “Língua”
Karnak – “Cala A Boca Menina(o)”
Beck – “Novacane”
DJ Shadow – “What Does Your Soul Look Like, Pt. 4”
Olivia Tremor Control – “Define a Transparent Dream”
Legião Urbana – “Leila”
Blur – “Look Inside America”
Yo La Tengo – “Autumn Sweater”
Grenade – “Rubber Maid Heart”
Chemical Brothers – “Elektrobank”
Radiohead – “Electioneering”
Racionais MCs – “Tô Ouvindo Alguém Me Chamar”
Beastie Boys – “Three MCs and One DJ”
Massive Attack – “Exchange”
Pulp – “This is Hardcore”
Suede – “Everything Will Flow”
Flaming Lips – “The Spark That Bled”
Built to Spill – “Center of the Universe”
Planet Hemp – “12 Com Dezoito”
Mundo Livre S/A – “O Mistério do Samba”
Avalanches – “Since I Left You”
Wado – “Uma Raiz, Uma Flor”
Los Hermanos – “Retrato pra Iaiá”
Playgroup – “Number One”
N*E*R*D – “Run to the Sun”
Casino – “Samba-Dada”
Daft Punk – “Something About Us”
De Leve – “Essa é pros Amigos”
Marcelo D2 – “A Maldição do Samba”
BNegão + Seletores de Frequência – “V.V.”
Gabriel Muzak – “Estética Terceiro Mundo”
Danger Mouse – “My 1st Song”
Outkast – “Roses”
Curumin – “Solidão Gasolina”
Mombojó – “Absorva”
Hurtmold – “Chuva Negra”
Wilco – “At Least That’s What You Said”
Nação Zumbi – “Na Hora De Ir”
Supercordas – “3000 folhas”
Kassin + 2 – “Futurismo”
Gnarls Barkley – “Crazy”
Spoon – “Rhthm & Soul”
National – “Brainy”
Apples in Stereo – “Energy”
Vanguart – “Semáforo”
Benji Hughes – “You Stood Me Up”
Cut Copy – “Hearts on Fire”
Midnight Juggernauts – “Into the Galaxy”
Ladyhawke – “Paris is Burning”
Miami Horror – “Sometimes”
Xx – “Crystalised”
Cidadão Instigado – “Contando Estrelas”
Céu – “Bubuia”
Nina Becker – “Toc Toc”
Tulipa Ruiz – “A Ordem das Árvores”
Breakbot + Irfane – “Baby I’m Yours”
Metronomy – “The Bay”
Washed Out – “Eyes Be Closed”
Destroyer – “Kaputt”
Lana Del Rey – “Video Games”
Rapture – “Miss You”
Chromatics – “Lady”
Sexy Fi – “Looking Asa Sul, Feeling Asa Norte”
Frank Ocean – “Lost”
Poolside – “Harvest Moon”
Sambanzo – “Capadócia”
Arcade Fire – “Porno”
Glue Trip – “Elbow Pain”
My Bloody Valentine – “New You”
Unknown Mortal Orchestra – “So Good at Being in Trouble”
Lorde – “Royals”
Kendrick Lamar – “Bitch Don’t Kill My Vibe”
Sia – “Chandelier”
Criolo + Juçara Marçal – “Fio de Prumo (Padê Onã)”
Bixiga 70 – “100% 13”
Taylor Swift – “Blank Space”
Siba – “O Inimigo Dorme”
Ava Rocha – “Transeunte Coração”
Boogarins – “6000 Dias (Ou Mantra Dos 20 Anos)”
Tame Impala – “Let It Happen (Soulwax Remix)”
Emicida – “Mandume”
Beyoncé – “Formation”
Rihanna – “Needed Me”
Solange – “Cranes in the Sky”
BaianaSystem – “Cigano”
Otto – “Soprei”
Don L – “Eu Não Te Amo”
Flora Matos – “10:45”
Thundercat – “Friend Zone”
Angel Olsen – “Special”
Courtney Barnett – “Need a Little Time”
Stephen Malkmus + The Jicks – “Kite”
Karol Conká – “Fumacê”
Baco Exu do Blues + Tuyo – “Flamingos”
Luiza Lian – “Mira”

Os 25 melhores discos brasileiros do início de 2018

apca-2018-primeirosemestre

2018 tem sido um ano conturbado – mas não para a música brasileira, como dá para perceber por essa lista dos 25 melhores discos de música popular escolhida pelo júri da Associação Paulista dos Críticos de Arte, da qual faço parte ao lado de Marcelo Costa, Roberta Martinelli, Lucas Breda e José Norberto Flesch. Estes são os discos escolhidos, lançados entre o primeiro dia do ano e o último dia de junho, antecipados no blog do Pedro Antunes, do Estadão.

Almir Sater & Renato Teixeira – AR (Universal Music)
André Abujamra – Omindá (Independente)
Anelis Assumpção – Taurina (Pomm_elo / Scubidu)
Autoramas – Libido (Hearts Bleed Blue)
Ava Rocha – Trança (Circus)
Cólera – Acorde, Acorde, Acorde (EAEO Records)
Cordel do Fogo Encantado – Viagem ao Coração do Sol (Fogo Encantado)
Craca e Dani Nega – O Desmanche (Independente)
Dingo Bells – Todo Mundo Vai Mudar (Dingo Bells / Natura Musical)
Djonga – O Menino Que Queria Ser Deus (CEIA Ent.)
Elza Soares – Deus É Mulher (DeckDisc)
Erasmo Carlos – Amor É Isso (Som Livre)
Gui Amabis – Miopia (Independente)
Iza – Dona de Mim (Warner)
Jonas Sá – Puber (Selo Risco)
Juliano Gauche – Afastamento (EAEO Records)
Kassin – Relax (LAB 344)
Malu Maria – Diamantes na Pista (Independente)
Marcelo Cabral – Motor (YB Music)
Maria Beraldo – Cavala (Selo Risco)
Maurício Pereira – Outono No Sudeste
Rashid – Crise (Foco na Missão)
Romulo Fróes – O Disco das Horas (YB Music)
Silva – Brasileiro (SLAP)
Wado – Precariado (Independente)

Wado ao vivo

wado2018

Completando dezessete anos de carreira neste ano, o compositor e cantor Wado decidiu capturar um balanço de sua carreira em um show gravado ao vivo que será lançado na próxima sexta-feira. Ao Vivo no Rex reúne catorze faixas e depoimentos de amigos e parceiros, como Zeca Baleiro, André Abujamra, Curumin, entre outros, além da participação de Otto em uma das músicas. Nascido em Santa Catarina e morador das Alagoas desde antes da virada do século, Wado é um dos principais nomes da nova música brasileira e aproveita o registro ao vivo como uma entressafra entre seu disco mais recente (Ivete, em que pesquisava as células de ritmo da axé music) e o próximo álbum (um disco de sambas, que ainda vai ser gravado). A capa e a ordem das músicas está embaixo, logo após o papo que tive com ele sobre este novo momento de sua carreira.

Como surgiu a ideia de gravar um disco ao vivo?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-como-surgiu-a-ideia-de-gravar-um-registro-ao-vivo

Como você idealizou o show? Por que escolheu o Rex?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-como-voce-idealizou-o-show-por-que-escolheu-o-rex

Como foi a escolha do repertório? E as participações especiais?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-como-foi-a-escolha-do-repertorio-e-as-participacoes-especiais

Qual balanço de sua carreira até aqui que você faz a partir deste disco?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-qual-balanco-de-sua-carreira-ate-aqui-que-voce-faz-a-partir-deste-disco

Como você vê a atual fase da música brasileira?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-como-voce-ve-a-atual-fase-da-musica-brasileira

Há algum novo trabalho em andamento?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/wado-2018-ha-algum-novo-trabalho-em-andamento

wado-vivo

“Sexo”
“Um Passo à Frente”
“Sotaque”
“Estrada”
“Alabama”
“Filhos de Gandhi”
“Terra Santa”
“Com a Ponta dos Dedos”
“Rosa”
“Crua” (participação de Otto)
“Surdos de Escolas de Samba”
“Tarja Preta/Fafá”
“Cidade Grande”
“Fortalece Aí”

Os 75 Melhores Discos de 2016 – 50) Wado – Ivete

50-wado

Viagem ao centro da axé music.

As 10 músicas mais importantes do indie brasileiro para o Mancha

foradacasinha-2016

Neste domingo acontece a segunda edição do festival Fora da Casinha, que o compadre Mancha Leonel – o Mancha, da Casa do Mancha – levanta na raça e na unha, sem patrocínio e reunindo o filé da produção musical brasileira independente. Na edição do ano passado ele bateu na tecla do indie rock brasileiro, crucial em sua formação e na história da casinha. Na edição 2016, ele aponta para o perfil atual do estabelecimmento e seus passos futuros, incluindo ícones do rock independente nacional e novos sabores da atual cena pop brasileira, reunindo dez apresentações (Hurtmold, Jaloo, Mauricio Pereira, Cidadão Instigado, Anelis Assumpção & Dustan Gallas, Luiza Lian, Kiko Dinucci, Maglore, As Bahias e a Cozinha Mineira, Ventre e Juliana Perdigão) em três palcos a partir das quatro da tarde. Como no ano passado, eu, Luiz e Danilo representamos a SUSSA – Tardes Trabalho Sujo, tocando apenas música independente brasileira na área comum, que conta com área de alimentação, feirinha de publicações independentes, lançamento do livro Cena Musical Paulistana dos Anos 2010, do Thiago Galletta, e exibição do documentário Música ao Lado” sobre as pequenas casas de shows em São Paulo. O evento acontece na Unibes Cultural, do lado do metrô Sumaré (mais informações aqui), e eu pedi pro Mancha escolher as dez músicas do indie brasileiro que foram mais importante em sua formação. Sugiro dar play no vídeo e abaixar o volume para ouvir a música comentada ao fundo da explicação da escolha para cada faixa.

mancha-2016

Bonifrate – “Cantiga da Fumaça”

Pullovers – “Tudo Que Eu Sempre Sonhei”

PELVs – “Even if the sun goes down”

Astromato – “No Macio, No Gostoso”

Bazar Pamplona- “Faixa Bônus”

Thee Butchers Orchestra – “Sugar”

Motormama – “Coração Hardcore”

Wado e o Realismo Fantastico – “Tormenta”

Apanhador Só – “Não Se Precipite”

Superguidis – “Malevolosidade”

Ivete sobre “Ivete”

ivete

Musa indireta do ótimo novo disco de Wado, Ivete Sangalo reverencia o álbum que leva seu nome.

Não ouviu? Conversei com ele sobre o disco, uma celebração à música baiana, antes de seu lançamento – e agora dá pra baixar no site dele e ouvir aqui:

A viagem de Wado ao coração da axé music

ivete

“Sempre digo que quando faço uma canção, na minha cabeça, eu sou a Ivete”, me explica Wado sobre o título de seu novo disco, uma viagem ao coração da axé music. “No sentido que acho que aquilo pode tocar a todos. Depois, com uma distância, vejo o que às vezes é e o que não é tão pop assim. Quando percebi que estava compondo muitos axés e que aquilo daria um disco veio o clique. Fiquei rindo por dentro sozinho. Sem modéstia, acho o nome genial, ganchudo, engraçado, foi sorte ter chegado nele. O disco é Ivete, mas em nenhum momento isso é jocoso ou cínico, é axé na vera, acreditando nele, um pouco esquisito porque eu sou um pouco esquisito né?” O cantor e compositor catarino-alagoano resolveu dedicar um disco à música de festa baiana, uma conclusão de uma veia que já havia atravessado seu trabalho em outros discos. A primeira música de divulgação é a faixa que abre o disco, “Alabama”, e a capa, acima, ele antecipa em primeira mão para o Trabalho Sujo.

O disco será lançado no dia cinco do próximo mês e o show de lançamento acontece em São Paulo, no Sesc Bom Retiro, dia 8, e ele segue uma tendência recente de tocar o disco novo na íntegra. “O show é balançadasso, juntei todos os axés de todos os discos e tocamos o novo inteiro, tá muito divertido e pra cima”, fazendo referência à banda com quem toca há mais de oito anos: Vitor Peixoto, Rodrigo Peixe, Bruno Rodrigues, Pedro Ivo e Dinho Zampier. Wado despontou na entressafra entre a geração dos anos 90 e atual cena musical do país e ajudou a consolidar uma ponte entre fãs de música pop e a diversidade da música brasileira. Ele comemora antes de listar os nomes que tem acompanhado: “Acho que a galera sem gênero tá botando pra fuder, o Jaloo, o Rico Dassalam, adoro a Alice Caymmi, Curumin, Felipe De Vas, Cícero, Lucas Santtanna, Silva, Magary Lord, Suinga, Totonho e os Cabra, Criolo, Maira Andrade, Cris Braun, Junior Almeida, Mopho, Jeneci… Tanta gente boa né?” Abaixo, outros trechos da entrevista:

wado-2016

Como esse disco se relaciona com seu trabalho anterior? Tem uma ponte com o Atlântico Negro, mas não só…
Esse disco é uma volta a uma coisa que sempre norteou os discos que faço, que é a paixão pela música brasileira, é um disco brasileiraço, ele conversa muito com o Atlântico Negro, mas o axé e ijexá aparecem aqui e ali desde 2002, como por exemplo, na canção “Sotaque” ou em 2007 em “Fortalece Aí” no disco Terceiro Mundo Festivo. É uma coisa que consumo muito: música festiva da Bahia. Acho que o Ivete conversa muito com esses discos mais sacudidos, isso acaba dando uma leveza boa ele fica perto do Samba 808 também.

Você define axé music como um gênero musical?
O Maestro da Letieres Leite diz que o termo axé music é extrativista e que aquilo são ancestralidades do diálogo África/Bahia. Concordo com as ancestralidades, mas vejo com mais otimismo o gênero, acho que tem uma sonoridade que determina ser um gênero sim. Ele sofre um pouco por ser recentíssimo e, ao mesmo tempo, massivo, tem muita coisa maravilhosa ali. Costumamos ir de carro tocar na Bahia, são oito horas de Maceió, e geralmente vamos ouvindo Luis Caldas, Margareth Menezes, Caetano, Moraes, Reflexus, Gerônimo, Magary Lorde, muita coisa massa. O disco novo do Saulo também tem percussoes super inteligentes, foi produzido por um brasileiro que já tocou com Maira Andrade, o Munir Hossn.

Qual a sua relação com a Bahia? Você já morou lá?
Eu queria tanto morar na Bahia mas nunca consegui, vivo indo pra lá. Pra tu ter uma ideia, em Maceió morei na rua Bahia, na Cruz das Almas. Gosto de ficar por lá, pela Bahia, tenho muitos amigos na cidade, é a nossa New Orleans, O Rio é San Francisco, e São Paulo é Nova Iorque, acho um dos lugares mais divertidos do Brasil.

De onde veio o nome Ivete? Você conhece Ivete Sangalo?
Não conheço ela não, tenho amigos que conhecem, como Zeca Baleiro e o Camelo. O disco chama Ivete porque é meu disco de axé, é o Wado sendo a Ivete, a tentativa disso né, esse é o grande barato, tentar ser sabendo que nunca vai chegar lá, vamos chegar em outro lugar talvez, até mais divertido, sou fã dela, adoro o disco Pode Entrar, é um puta som.

Os 50 melhores discos de 2013: 31) Wado – Vazio Tropical

31-Wado