Tatá Aeroplano 2020: “Calma eu vou te explicar”

Luiz Romero (Divulgação)

Luiz Romero (Divulgação)

“Abro a caixa de Pandora com os dedos”, Tatá Aeroplano canta acompanhado só do violão em “Alucinações”, música que abre seu novo álbum, como se estivesse prestes a nos contar um segredo. Mas o devaneio apenas nos conduz para além do fluxo de palavras original à medida em que sua banda cria um clima ao mesmo tempo épico e onírico. “Nos pratos, nas prateleiras, o veneno escorre”, cantam Bárbara Eugenia e Mallu Maria acompanhadas do trio que Tatá se cercou desde seu primeiro álbum: Junior Boca na guitarra, Dustan Gallas no baixo e Bruno Buarque na bateria. Delírios Líricos, gravado no ano passado, finalmente começa a ver a luz do dia. Ele antecipa a nova música em primeira mão para o Trabalho Sujo.

“‘Alucinações’ abre os caminhos do novo álbum batizado de Delírios Líricos, quando decidi lançar uma música antes do disco cheio, pensei de cara nela, por ser uma canção automática, daquelas que vem de um vez só com algumas sensações vividas nesses tempos de retrocessos que vivemos”, me explica o cantor e compositor por email. “A maior parte das canções que entraram pro álbum, foram compostas um mês antes de entrar em estúdio. Eu tinha um disco pronto e acabei gravando outro. Então, não tenho ainda muita ideia do que aconteceu, segui meu inconsciente conectado com as entidades que me habitam. Me realizei regravando ‘Ressurreições’ do Jorge Mautner e Paulo Jacobina e trouxe duas músicas do início dos anos 2000, época ia ao cinema com o Júpiter Maçã e estávamos filmando o Apartment Jazz. A gente conversava muito sobre o lance de compor, escutávamos muito som, foi um época que eu compus bastante e aos poucos nos próximos discos, vou trazer sempre uma ou duas músicas das antigas; Esse novo som tem um lance de criar seis músicas em dois dias, bem perto de gravar e mudar todo o roteiro, foi muito natural e ao mesmo tempo instigante.” Delírios Líricos será lançado no final do mês que vem.

Você pode gostar...