Noites Trabalho Sujo

Tá achando que tá quente? Nesta quinta-feira as coisas ficam ainda mais calorosas com a segunda edição do Inferninho Trabalho Sujo no mês de aniversário do Trabalho Sujo, quando recebemos duas atrações de peso no Picles: a noite começa com a francesa Laure Briard, que está em turnê pelo Brasil e desembarca nesta quinta em São Paulo, e segue com a banda de MPB-indie (ou seria indie-MPB) das minas do Boca de Leoa. A noite começa ás oito e até às nove ninguém paga pra entrar – e depois dos shows, eu e a Fran atiçamos o público enfileirando hits de diferentes épocas e gêneros com a única premissa: botar todo mundo pra dançar. O Picles fica no coração daquele canteiro de obras chamado Pinheiros, no número 1838 da Rua Cardeal Arcoverde. Vamos?

Neste sábado acontece mais uma edição da nossa festa D E S A N I V E R S Á R I O, nosso encontro de adultos que eu, Clarice, Camila e Claudinho realizamos agora todo mês ali no Bubu. No cardápio, além dos hits de todas as épocas que não faz ninguém sair da pista, ainda tem a vibe deliciosa de uma festa de sábado que termina cedo pra gente conseguir aproveitar o domingo em paz, que reúne gente sintonizada na mesma frequência e só quer estar junto de mais gente legal. Eu, Clarice e Camila ambientamos a noite com aquela sequência de afagos nostálgicos que enfileiramos nas picapes, enquanto nosso anfitrião nos traz para sua ilha da fantasia, em que comes e bebes harmonizam com o alto astral da festa. Começa às 19h e vai até à meia-noite – e o ingresso dá direito a um drinque de boas vindas. O Bubu fica na marquise do Estádio do Pacaembu (Praça Charles Miller, s/n°), do lado do Museu do Futebol e a noite sempre promete… e cumpre! Nos vemos já já?

Sessão atordoo

O Inferninho dessa quinta-feira foi uma sessão atordoo vindo de dois lugares extremos do ruído. A noite começou com o show inacreditável do Monch Monch, overdose de barulho elétrico concentrado e atirado em cima da plateia num ventilador de sujeira, caos cavalgado pelo carisma irrefreável do mentor da bagaça, Lucas Monch, despedindo-se do Brasil antes de embarcar numa temporada sem passagem de volta pra Portugal – e de lá vai saber pra onde. Depois veio a versão quarteto do Test – o QuarTest – e se Barata e João sozinhos já cimentavam uma parede de som extremo apenas com guitarra, vocal e batera ouvido adentro, juntos do Berna no baixo e do Sarine na percussão criavam duas novas camadas de densidade pra apresentação, cada um deles frequência sonora distinta. Depois e eu Fran seguimos na pista, abrindo os trabalhos com a nova dos Beatles e emendando Gilberto Gil com Dua Lipa e terminando a noite só no forró (é, pois é…).

Assista aqui: Continue

E vamos ao primeiro Inferninho Trabalho Sujo deste novembro de aniversário dos 28 anos do Trabalho Sujo (serão três, vai anotando) quando reúno duas atrações incendiárias. A primeira é o último show da Monch Monch, liderada pelo geniozinho Lucas Monch, que vai sair do Brasil ainda este mês sem previsão de retorno breve. Depois vem o Test, a banda mais barulhenta do Brasil, em sua versão quarteto, com Berna no baixo e Mariano na percussão. E há a possibilidade de encontro de forças antes do fim da apresentação das duas bandas. Depois dessa colisão é a vez de retomar a pistinha com a comadre Francesca Ribeiro e vocês sabem o que acontece quando ocorre essa conjunção, né? O Inferninho acontece quinta sim quinta não no melhor buraco de São Paulo, nosso querido Picles, ali no coração moribundo do canteiro de obras chamado Pinheiros, no número 1838 da rua Cardeal Arcoverde. Vem com a gente!

Chegou novembro e com ele as comemorações de aniversário do Trabalho Sujo e o primeiro evento para celebrar este 28 anos (!) acontece nesta quarta-feira, quando realizo mais uma festa Trabalho Sujo All Stars no Bar Alto. O clima você já sabe qual é: músicas de todos os gêneros, épocas e lugares do mundo que partam da premissa de manter todo mundo dançando sem parar. E como reza essa festa, seguro discotecando a noite toda, das 19h até pra lá da meia-noite, sempre dividindo as picapes com amigos queridos. Meus parceiros dessa vez são uma tríade daquelas: Luiz Pattoli, com quem eu discotecava nas Noites Trabalho Sujo desde os tempos do Alberta #3 (mas a parceria no set vem de muito tempo antes); Marcelo Costa, o senhor Scream & Yell, que sempre segurava metade da Trackers em festas homéricas que dávamos há uns dez anos, e a querida Camila Yahn, que também conheço de outros carnavais mas só neste 2023 começamos a tocar juntos, fazendo a festa Desaniversário. Cada um com seu cardápio musical, cada um com seu rosário de hits e uma meta: deixar todo mundo cansado de tanto sorrir e dançar. A festa acontece no Bar Alto (Rua Aspicuelta 194) a partir das 19h e não precisa pagar pra entrar. É só chegar! Vamos?

Sofisticação pop

Fazia tempo que eu não via o show da Yma e, vou te contar, tá melhor do que nunca. A banda está redondíssima e esta característica é imprescindível à apresentação proposta pela cantora e compositora, deixando-a à vontade para deslizar sua voz e seu carisma arrebatadores sem se preocupar, colocando o público na palma de sua mão. E vê-la tocando no Inferninho Trabalho Sujo dessa quinta-feira teve um sabor especial, justamente pelo fato de ser no Picles. O astral underground da casa parece paradoxal em relação à sofisticação pop conduzida pela banda, mas acabou sendo complementar, algo que foi traduzido no momento em que um dos senhores Picles, o grande Rafael Castro, subiu no palco para dançar com a Yma (olha o palco te chamando de volta, Rafa!), num equilíbrio entre leveza e força, dia e noite, céu e terra. Foi bonito demais – e depois só lembro que emendei “Velvet Underground” do Jonathan Richman com “The Chain” do Fleetwood Mac quando já eram quase quatro manhã…

Assista aqui: Continue

E a felicidade de ter ninguém menos que Yma como atração da edição desta semana do Inferninho Trabalho Sujo? Um dos grandes nomes da cena independente paulistana, a cantora e compositora está aos poucos burilando o que deverá ser seu segundo disco solo, mas mostra músicas do excelente Par de Olhos e outras novidades nesta noite de quinta-feira, que tem entrada livre até às 21h. O show deve começar pelas 22h e logo após a apresentação da Yma eu e a Fran atacamos uma saraivada de hits para não deixar ninguém parado! O Picles fica no número 1838 da Cardeal Arcoverde, na meiota de Pinheiros, e a noite vai longe… Vamos?

Pouca festa? Pois neste sábado tem mais, quando eu, Camila e Clarice baixamos no Bubu com a benção do mister Claudinho pra mais um Desaniversário: você sabe, nossa festa para adultos que começa cedo e acaba cedo pra todo mundo dançar até não aguentar mais e ainda ter disposição para encarar domingo. Prepare as solas dos pés e os quadris porque é dia de dançar sem parar!

Tem coisas que só no Inferninho Trabalho Sujo… No meio do showzaço que a Grand Bazaar fez nessa sexta-feira do Picles, alguém da plateia chega nos saxofonistas João Barisbe e Fernando Sagawa. Conversa vai, conversa vem, o sujeito parece se entender com os dois e sai da frente do palco. Logo depois surge com um case, puxa um sax de dentro e rasga um solo no meio da folia balcânica do sexteto, que dominava a plateia sem a menor dificuldade, fazendo todo mundo agachar e pular, terminando a apresentação botando o público do Picles numa roda que tomava conta de todo o lugar. Depois da banda, eu e a Fran botamos a casa abaixo, como de praxe (ainda mais quando a festa cai na sexta, afff). E fica aqui o registro das ideias que brotaram no camarim: o show Grand Bazaar toca Skank (me chama que eu dirijo hahahah) e o bloco carnavalesco Grand Blooco. Pra ninguém dizer que esqueceu, hein.

Assista aqui: Continue

Enquanto o tempo não se decide entre chuva, calorão ou frio, uma coisa a gente garante: a temperatura no Inferninho Trabalho Sujo é sempre quente! E em mais uma edição na sexta-feira, eu e Francesca Ribeiro estamos dispostos a fazer todo mundo se acabar de dançar ao chamado da renascença beyonceística, desbravando todas as fronteiras musicais que façam as pessoas sair do chão. Mas antes disso temos o prazer de começar a noite com o galope desenfreado do Grand Bazaar, hidra de multicabeças que também não deixa ninguém parado, seja canalizando energias dançantes do leste europeu ou do bom e velho rock’n’roll. E você já sabe: chegando antes das 21h não paga para entrar! O Picles fica no número 1838 da Cardeal Arcoverde, ali no coração de Pinheiros, e a noite sempre vai atéééé altas. Vamos?