Dois tipos de melancolia

Fechando o fim de semana, programa duplo no Bar Alto reuniu dois tipos de melancolia indie quando Manuella Julian dividiu a noite com o quarteto Cianoceronte. A vocalista dos Pelados vem azeitando a carreira solo que acalenta desde o ano passado em parceria com o guitarrista Thales Castanheira. Entre teclados, bases pré-gravadas e guitarras, ela está cada vez mais solta (como à frente de suas bandas) e além das primeiras músicas solo e de versões de músicas de suas duas bandas (além do Pelados, ela também é vocalista do Fernê), Manu mostrou mais duas inéditas neste domingo, ainda com os títulos de trabalho “Copo Vazio” e “Gato Preto” e visitou ainda as versões que já havia feito para músicas da banda argentina El Príncipe Idiota (“Novedades”) e Ava Rocha (“Você Não Vai Passar”), saindo da introspecção das primeiras apresentações e expandindo seu show para um novo patamar. Bem foda.

Assista a um trecho aqui.

Depois da Manuella Julian foi a vez do grupo Cianoceronte fechar a noite de domingo no Bar Alto. São quatro músicos de primeiríssima – Duda Abreu nos teclados e voz, Bruno Giovanolli na guitarra, Victor Alves no baixo e o novato Demian Verano na bateria – que vão para além do virtuosismo em canções em sua maioria instrumentais que flertam tanto com o jazz (há uma música chamada “01jazz”) e a MPB clássica (citando “Samba de Verão” de Marcos Valle e tocando uma versão para “Na Boca do Sol”, de Arthur Verocai) quanto com o rock progressivo e o indie rock mais cabeçudo, passeando por um outro tipo de melancolia diferente da do show de abertura, mais expansiva, dividida em partes meticulosamente ensaiadas, com mudanças de tempo e uma boa dose de ruído. Fizeram bonito.

Assista a um trecho aqui.

#manuellajulian #cianoceronte #baraltosp #trabalhosujo2024shows 109 e 110

Manuela Julian: Sentimental

Maior satisfação receber o primeiro show solo da Manuela Julian no Centro da Terra nesta terça-feira. Vocalista das bandas Pelados, Fernê e Pequeno Cidadão, ela já vinha mostrando umas músicas novas em suas redes sociais quando perguntei se não tinha um show dela ali. Ela pediu tempo pra pensar e logo depois retornou topando e chamou o compadre Thales Castanheira para acompanhá-la ao violão e apresenta o espetáculo Sentimental, em que mistura suas referências artísticas, composições próprias e alheias aos poucos moldando esta sua nova faceta musical. A apresentação começa pontualmente às 20h e os ingressos estão à venda neste link.

Centro da Terra: Outubro de 2023

Vamos à segunda metade do semestre, o que nos leva à fase final deste forte 2023, que nos trouxe tantos pensamentos e emoções sempre de forma intensa. E como neste outubro temos cinco segundas-feiras, a primeira delas (dia 2), foge da temporada e é uma apresentação única, em que o herói indie Lê Almeida revela em primeira mão, no palco, o disco que lançará este mês, I Feel in the Sky, que o aproxima de uma sonoridade jazz e espiritual. No dia seguinte, na terça-feira (dia 3), o músico e pesquisador Paulo Beto transforma sua banda eletrônica em uma orquestra e sob o título de Anvil FX Orchestra visita a obra Cosmos, de Carl Sagan, num espetáculo audiovisual que contará com as participações do vocalista Rodrigo Carneiro e do videoartista Jodele Larcher. Na segunda segunda-feira do mês começa a temporada de outubro, quando a cantora, compositora e musicista Paula Rebellato atravessa quatro segundas-feiras em suas Ficções Compartilhadas. Na primeira delas (dia 9), ela reúne-se aos saxofonistas Mari Crestani e Thiago França para mostrar suas novas composições. ERm sua segunda data (dia 16), ela dedica-se ao improviso com os velhos compadres Bernardo Pacheco, Cacá Amaral e Romulo Alexis. Depois (dia 23), ela mostra a avalanche kraut de seu Madrugada (ao lado de Otto Dardenne, Raphael Carapia e Yann Dardenne), para finalizar a temporada (dia 30) revisitando o clássico Desertshore da Nico ao lado de João Lucas Ribeiro, Mari Crestani e Paulo Beto. Haja coração! As duas terças seguintes ficam por conta da percussionista Nath Calan, que divide suas apresentações em duas partes: na primeira faz (dia 10), sozinha, sua apresentação de percussão cênica, área que se especializou, mostrando diferentes abordagens para seus instrumentos em cena em canções e temas de peças das quais fez parte. Na segunda (dia 17), entrega-se à música pop, cantando canções de artistas com quem já tocou bateria, de Fernanda Takai a Maurício Pereira, passando por Porcas Borboletas, Malu Maria, entre outros, acompanhada do guitarrista Carlos Gadelha e do baixista Eristhal. Na terça seguinte (dia 24), a cantora e compositora Manuella Julian, que apresenta-se como Manu Julian à frente de grupos como Pelados, Pequeno Cidadão e Fernê, começa a mostrar sua carreira solo, em canções inéditas e versões para músicas já conhecidas, com a guitarra de Thales Castanheira. E encerrando o mês na última terça-feira de outubro (dia 31), Maurício Pereira sobe ao palco do Centro da Terra mais uma vez acompanhado de seu compadre Tonho Penhasco, revisitando o repertório de seu disco mais recente, Micro, à luz de novidades que vem preparando para esta apresentação. Os espetáculos começam pontualmente sempre às 20h e os ingressos podem ser comprados antecipadamente neste link.