Luiz Chagas (1952-2024)

Arrasado com a notícia da morte do Chagasm que chegou como uma bordoada no fim desta terça-feira, não só pela perda de um caubói do jornalismo cultural, de um dos compositores mais subestimados de sua geração e de um samurai da guitarra elétrica, mas, principalmente, de um amigo, mistura de mestre zen e cúmplice cultural, que, mesmo nos encontrando rapidamente, era uma fonte de causos, anedotas, ensinamentos e lições de vida, muitas vezes tudo ao mesmo tempo, posto como quem conta uma piada ou revela um segredo, olhando por cima dos óculos com um olhar ao mesmo tempo sério e cínico, e em muitas vezes guardando um sorriso pro final, pra quando a ficha caísse do lado de cá. Sim, ele cobriu cultura em plena ditadura militar, foi guitarrista do Itamar Assumpção e parceiro de tantos monstros sagrados do underground de São Paulo, autor de uma das minhas músicas favoritas (a gigantesca “Às Vezes”), pai da Tulipa e do Gustavo, marido da Mônica e compadre de tantos compadres e comadres, mas a lembrança que fica é de uma das pessoas mais gente boa que conheci na vida, um dos raros “meu” ditos por um paulistano (na verdade, goiano, mas não espalha) que não doía nos meus ouvidos, que por vezes engrenava em papos que duravam horas, à mesa de alguma longa reifeição, passeando pelas ruas do centro, pelos arredores da Paulista ou indo de um lado para o outro de metrô. Não importava o assunto, podia ser uma música nova, uma história velha dos Beatles ou uma fofoca envolvendo alguém famoso da época em que era apenas jornalista – um assunto puxava o outro e era sempre um prazer estar em sua presença. Fico feliz de ter conseguido realizar alguns shows com ele – especialmente a temporada que fizemos no Centro da Terra em agosto de 2019, ao redor de seu ainda não lançado Música de Apartamento – e de ter podido ter umas dicas de guitarra quando comecei a levar mais a sério esse papo de tocar um instrumento: “os Beatles são óbvios, ou melhor, simples. Copiam todo mundo, ótimo para aprender”, disse citando nossa paixão comum como luz para a guitarra elétrica. Lamento imensamente ter perdido sua festa junina de aniversário, há exatamente um mês, mas sei que o Belo estará sempre olhando pela gente, lá do alto. Vai em paz, professor!

Assista abaixo à íntegra dos shows que fiz com ele (cinco no Centro da Terra e um no Estúdio Bixiga), três deles ao lado de sua eterna amiga Suzana Salles e à entrevista que fiz com ele durante a pandemia, em que ele conta parte de sua trajetória.  

Suzana Salles e Luiz Chagas: Rozana e Charles

E quem encanta a primeira terça-feira de abril é uma dupla que celebra uma longa amizade. Chamei a @suzanasalles para voltar ao palco do @centro.da.terra e ela convocou o velho comparsa Luiz @chaguetes para um passeio pela alameda das lembranças no espetáculo Rozana e Charles, batizado com os codinomes que os dois se deram desde o primeiro encontro. As portas do teatro abrem-se pontualmente às 20h, vamos lá? Os ingressos podem ser comprados aqui.

Centro da Terra: Abril de 2022

Seguimos felizmente a nova safra de espetáculos que está reativando o palco do Centro da Terra e depois de um março caloroso é hora de assistirmos a um abril em que artistas exploram novas possibilidades de seus trabalhos, sempre às segundas e terças-feiras (e os ingressos já estão à venda aqui). A temporada de segunda-feira fica a cargo do Zé Nigro, mais conhecido por ter produzido discos de Curumin, Francisco El Hombre e Anelis Assumpção (além de estar finalizando o novo de Russo Passapusso), que finalmente lançou seu primeiro trabalho solo no ano passado e o expande pelas quatro segundas do próximo mês, sempre esmiuçando diferentes aspectos de seu álbum de estreia, Apocalip Se, na temporada Görjeios. Na primeira segunda, dia 4, ele convida Anna Zêpa, Eveline Sin e Dandara Azevedo que declamam poemas que conversam com músicas compostas ao lado de Zé, apresentando-as nesta mesma noite. No dia 11, ele convida Saulo Duarte e Anais Sylla, que também participaram do disco, em uma noite mais intimista e tropical. No dia 18 é a vez de Zé receber o produtor Beto Villares e a cantora Alessandra Leão e seu mês termina no dia 25 antecipando a instalação que batiza a temporada, em que convida o público para uma imersão nas questões ambientais tão ameaçadas atualmente. Na primeira terça do mês, dia 5, é a vez de receber a dupla Suzana Salles e Luiz Chagas, que apresentam o espetáculo Rozana e Charles, uma homenagem que os dois fazem à duradoura amizade que começou nos ensaios da banda Isca de Polícia. Na segunda terça-feira, dia 12, recebemos a querida Anna Vis, que mostra suas primeiras composições e o início de seu primeiro disco solo ao lado de Marcelo Cabral, Eduardo Climachauskar e Rômulo Froes. Marcelo Cabral retorna nas duas terças do final do mês ao lado de Gui Held e Maria Beraldo para mostrar uma outra versão de seu primeiro disco solo, chamada Motor Elétrico. Vai ser um mês e tanto, preparem-se!

Tudo Tanto #093: Luiz Chagas

No papo do Tudo Tanto da vez, chamei o mestre Luiz Chagas para uma viagem no tempo que começa antes da primeira aparição dos Beatles, atravessa os anos 60 sob a sombra do quarteto de Liverpool, entre nos anos 70 entre a nata do rock brasileiro da época, vai para o Festival de Iacanga ao lado de Arnaldo Baptista, toca em trios elétricos – inclusive no Rio de Janeiro -, entra na primeira encarnação da Isca de Polícia ao lado de Itamar Assumpção, ao mesmo tempo em que escreve na Amiga e na Contigo, traduz livros do Bukowski, entre outros, para a Brasiliense, e gera a dupla de irmãos Tulipa e Gustavo Ruiz, que acompanhou literalmente desde o berço. Um papo incrível sobre guitarras, redações, bandas, shows lotados, roubadas e momentos inacreditáveis.

Assista aqui.  

Sexta Trabalho Sujo #002: Luiz Chagas

sts-002-chagas

Que satisfação poder receber o mestre Luiz Chagas nesta segunda Sexta Trabalho Sujo, no Estúdio Bixiga – quando ele convida ninguém menos que Suzana Salles para se juntar às suas Músicas de Apartamento a partir das 21h30 (mais informações aqui).

Sexta Trabalho Sujo: Novembro de 2019

sexta-trabalho-sujo-11-2019

Tenho o prazer de anunciar, como parte das comemorações dos 24 anos do Trabalho Sujo, que acontecem neste mês de novembro, que a curadoria das sexta-feiras no Estúdio Bixiga está sob os meus cuidados. A Sexta Trabalho Sujo trará sempre shows de artistas consagrados ou em ascensão para o palco da casa que fica em frente à praça do Bixiga, sempre às sextas, a partir das 21h30. E os nomes que começarão este primeiro mês são cinco: Kiko Dinucci, dia primeiro, mostrando sozinho novidades que deverão resultar em seu próximo disco (mais informações aqui); Luiz Chagas, que recebe Suzana Salles e outros convidados no dia 8; dia 15 é a vez da rapper mineira de ascendência chilena Brisa Flow; depois temos a ótima banda nova Crime Caqui para finalmente fechar o mês com os queridos Garotas Suecas, dia 29. Mais um ciclo que começa, vamos lá! O Estúdio Bixiga fica na rua Treze de Maio, 825, e os ingressos custam R$ 30 (R$ 15 antecipado aqui).

Luiz Chagas: Música de Apartamento – Vizinhos

chagas-centro-da-terra

Como o próprio diz, é um prazer “inenahagen” receber a lenda viva do guitarra paulistana Luiz Chagas como anfitrião das segundas-feiras de agosto, no Centro da Terra. Ele segue trabalhando seu interminável disco solo Música de Apartamento e o transforma em uma temporada com quatro momentos distintos, chamada de Música de Apartamento – Vizinhos (mais informações aqui). A cada segunda-feira, ele recebe convidados diferentes e vai mudando o repertório e os arranjos a partir da chegada de suas visitas. A primeira delas acontece neste dia 5, quando ele recebe uma de suas parceiras musicais mais constantes, a cantora e compositora Suzana Salles, nesta data que ele chama de Belo Visita Meninas. A terça seguinte, dia 12, ele recebe Gustavo Galo, Danislau – do Porcas Borboletas – e Júlia Rocha para a apresentação Luiz Visita Meninos. No dia 19, ele recebe Tulipa Ruiz e Chicão Montorfano na noite que batizou de Chagas Visita Músicos, encerrando no dia 26, quando se reúne aos guitarristas Gustavo Ruiz e Kiko Dinucci na noite Normal Visita Malucos. Bati um papo com ele sobre estas diferentes noites e personalidades musicais que tomam conta das segundas de agosto no Centro da Terra.

Porcas Borboletas: Banheiro Químico

porcasborboletas-centrodaterra

O grupo mineiro Porcas Borboletas apresenta um desdobramento de seu disco mais recente, Momento Íntimo, em única apresentação no palco do Centro da Terra, na próxima segunda-feira, dia 1° de outubro. Banheiro Químico parte dos dilemas do homem moderno apresentados no disco do ano passado para se aprofundar num aspecto ainda mais épico desta questão – “sondar a beleza deste ícone da modernidade”, como diz o vocalista Danislau. Para isso, a banda formada por Danislau TB (voz), Enzo Banzo (voz e guitarra), Moita Matos (guitarra), Chelo Lion (baixo), Ricardo Ramos (Synth e MPC) e Pedro Gongom (bateria), convidou nomes de peso para participar da única apresentação, como Tulipa Ruiz, Luiz Chagas, Nath Calan e Rafael “Chicão” Montorfano, além de iluminação de Gabriela Luiza e a trupe da Panamá Filmes. Conversei com Danislau e Enzo sobre o que eles irão aprontar nesta segunda.

O que é Banheiro Químico?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/porcas-borboletas-o-que-e-banheiro-quimico

Como este espetáculo se relaciona com o disco mais recente de vocês?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/porcas-borboletas-como-este-espetaculo-se-relaciona-com-o-disco-mais-recente-de-voces

Qual a diferença de apresentar este show num teatro?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/porcas-borboletas-qual-a-diferenca-de-apresentar-este-show-num-teatro

Como esse espetáculo pode se refletir nos próximos passos da banda?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/porcas-borboletas-como-esse-espetaculo-pode-se-refletir-nos-proximos-passos-da-banda

Chagas chegando

chagas

Pai de Tulipa e Gustavo Ruiz e guitarrista do Isca de Polícia, a mítica banda de Itamar Assumpção, o mestre Luiz Chagas finalmente começa a revelar seu faceta solo a partir das 20h desta quinta-feira, no Itaú Cultural, quando mostra músicas que vinha guardando na gaveta num show chamado Música de Apartamento acompanhado de uma banda que conta com Fábio Sá no baixo, Biel Basile na bateria, o filho Gustavo no violão e Chicão Montofarno nos teclados, além da presença de Ná Ozzetti, Suzana Salles, Gustavo Galo, Juliana Perdigão, Tulipa Ruiz, Felipe Cordeiro e Manoel Cordeiro (mais informações aqui). Conversei com o seu Luiz sobre esta nova fase de sua carreira.

Como surgiu a ideia de começar um novo trabalho a partir de um show?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-como-surgiu-a-ideia-de-comecar-um-novo-trabalho-a-partir-de-um-show

O que é “Música de Apartamento”?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-o-que-e-musica-de-apartamento

Quem é a banda que tocará contigo neste show?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-quem-e-a-banda-que-tocara-contigo-neste-show

Você já irá gravar o disco ou é um processo que está sendo maturado ao vivo?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-voce-ja-ira-gravar-o-disco-ou-e-um-processo-que-esta-sendo-maturado-ao-vivo

A volta do Isca de Polícia foi determinante para este novo trabalho?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-a-volta-do-isca-de-policia-foi-determinante-para-este-novo-trabalho

Como este trabalho conversa com o seu trabalho com a Tulipa e o Isca de Polícia?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-como-este-trabalho-conversa-com-o-seu-trabalho-com-a-tulipa-e-o-isca-de-policia

Quais os próximos passos a partir deste show de quinta-feira?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/luiz-chagas-2018-quais-os-proximos-passos-a-partir-deste-show-de-quinta-feira