Vida Fodona #737: Tá frio, tá quente

Vem aqui comigo.

Ouça aqui.  

Vida Fodona #686: Festa-Solo (19.10.2020)

vf686

Esse foi o último Festa-Solo na segunda-feira – agora ele acontece sempre nas sextas, às 23h45, na twitch.tv/trabalhosujo.

Beabadoobee – “Care”
Smashing Pumpkins – “Cherub Rock”`
Pavement – “You Are a Light”
Astromato – “Não Sei Jogar”
Pixies – “U-Mass”
Jesus & Mary Chain – “Vegetable Man”
Pere Ubu – “Navvy”
Fall – “C.R.E.E.P.”
B-52’s – “Private Idaho”
Blitz – “Você Não Soube Me Amar”
Pretenders – “Brass in Pocket”
Rolling Stones – “Start me Up”
Led Zeppelin – “The Crunge”
Mutantes – “It’s Very Nice Pra Xuxu”
Yes – ” I’ve Seen All Good People”
Yo La Tengo – “Blue Line Swinger”
Thin Lizzy – “Whiskey in the Jar”
Wilco – “Theologians”
BNegão e os Seletores de Frequência – “V.V.”
De Leve – “Essa É Pros Amigos”
Cassiano – “Onda (Poolside & Fatnotronic Edit)”
Lincoln Olivetti & Robson Jorge – “Eva”
A Cor do Som – “Palco”
Letrux – “Coisa Banho de Mar”
Spoon – “Rhthm & Soul”
Lou Reed – “Vicious”
Eurythmics – “Sweet Dreams”
Human League – “Don’t You Want Me”
Cure – “Let’s Go to Bed”
Daryl Hall & John Oates – “I Can’t Go For That (No Can Do)”
David Bowie – “Cat People (Putting Out Fire)”
Radiohead – “Bodysnatchers”
Dua Lipa – “Pretty Please”
Jessie Ware – “Adore You”
Chromatics – “Twist The Knife”
Tame Impala – “Borderline (Blood Orange Remix)”
Lana Del Rey – “Venice Bitch”
Pelados – “Entalhado na Carteira”
Fleet Foxes + Tim Bernardes – “Going-to-the-Sun Road”
Taylor Swift + Bon Iver – “Exile”
Bonifrate – “100%”
Red Hot Chili Peppers – “Breaking the Girl”
Sebadoh – “2 Years 2 Days”
R.E.M. – “Low”
Nick Cave – “Cosmic Dancer”
Fiona Apple – “Ladies”
PJ Harvey – “Down By The Water (Demo)”
Carabobina – “Pra Variar”
Warpaint – “Whiteout”
Angel Olsen – “Lark Song”
Joni Mitchell – “Day After Day”
Beatles – “Long Long Long”
Beatles – “Cry Baby Cry”

De volta ao New York de Lou Reed

Lou-Reed-1989

Lou Reed passou os anos 80 queimando seu filme com discos irregulares e produções que não tinham nada a ver com a sonoridade que consolidou com sua clássica banda, o Velvet Underground, e em sua primeira década como artista solo. Mas ao chegar no final daquele período, ele finalmente se redimiu lançando um disco batizado com o nome de sua cidade. New York o reabilitou em 1989 e a partir deste álbum, que agora ganha tratamento de luxo graças à gravadora Rhino, ele pode retomar seus trabalhos com dignidade.

Na nova edição, que comemora 30 anos do disco com um ano de atraso, New York vem como uma caixa com três CDs, um DVD e um vinil duplo – a primeira vez que o disco é lançado em vinil 180 gramas. O DVD traz várias faixas do disco em apresentações ao vivo, enquanto os CDs dividem-se em uma remasterização do disco feita este ano, outra versão ao vivo de New York com versões diferentes das apresentadas no DVD e um CD só com raridades, demos e outtakes do período. A única coisa que não dá pra perdoar Lou Reed nessa época é o mullet – mas tudo bem.

New York: Deluxe Edition será lançado em setembro e as pré-vendas já estão ativas – quem comprar o pacote agora ainda ganha uma versão em cassete do disco.

newyork-boxset

CD1: Original Album (2020 Remaster)
“Romeo Had Juliette”
“Halloween Parade”
“Dirty Blvd.”
“Endless Cycle”
“There Is No Time”
“Last Great American Whale”
“Beginning Of A Great Adventure”
“Busload Of Faith”
“Sick Of You”
“Hold On”
“Good Evening Mr. Waldheim”
“Xmas In February”
“Strawman”
“Dime Store Mystery”

CD2: “New York” – Live
“Romeo Had Juliette”
“Halloween Parade”
“Dirty Blvd.”
“Endless Cycle”
“There Is No Time”
“Last Great American Whale”
“Beginning Of A Great Adventure”
“Busload Of Faith”
“Sick Of You”
“Hold On”
“Good Evening Mr. Waldheim”
“Xmas In February”
“Strawman”
“Dime Store Mystery”

CD3: Works In Progress/Singles/Encore
“Romeo Had Juliette (7” Version)”
“Dirty Blvd. (Work Tape)”
“Dirty Blvd. (Rough Mix)”
“Endless Cycle (Work Tape)”
“Last Great American Whale (Work Tape)”
“Beginning Of A Great Adventure (Rough Mix)”
“Busload Of Faith (Solo Version)”
“Sick Of You (Work Tape)”
“Sick Of You (Rough Mix)”
“Hold On (Rough Mix)”
“Strawman (Rough Mix)”
“The Room (Non-LP Track)”
“Sweet Jane (Live Encore)”
“Walk On The Wild Side (Live Encore)”

DVD
“Romeo Had Juliette”
“Halloween Parade”
“Dirty Blvd.”
“Endless Cycle”
“There Is No Time”
“Last Great American Whale”
“Beginning Of A Great Adventure”
“Busload Of Faith”
“Sick Of You”
“Hold On”
“Good Evening Mr. Waldheim”
“Xmas In February”
“Strawman”
“Dime Store Mystery”
“A Conversation with Lou Reed” (apenas áudio)

Vinil

Lado A
“Romeo Had Juliette”
“Halloween Parade”
“Dirty Blvd.”
“Endless Cycle”

Lado B
“There Is No Time”
“Last Great American Whale”
“Beginning of a Great Adventure”

Lado C
“Busload of Faith”
“Sick of You”
“Hold On”
“Good Evening Mr. Waldheim”

Lado D
“Xmas In February”
“Strawman”
“Dime Store Mystery”

Máquina do Tempo: 27 de outubro

paganini

Na viagem da Máquina do Tempo neste 27 de outubro, visitamos o nascimento do primeiro músico que teria vendido sua alma ao diabo, o casamento de Sonny & Cher e a morte de Lou Reed – saiba mais lá no Reverb.

Capas de discos via Adventure Time

adventuretime-play

Adventure Time talvez seja um dos grandes trunfos culturais dessa década, ainda crescendo lentamente rumo ao topo do pop. A popularização do desenho já está em estágio avançado de massificação e se você não sabe do que se trata, faça-se o favor de se informar e cair na melhor psicodelia do século até agora. Os personagens do programa do Cartoon Network aos poucos estão se embrenhando em nosso inconsciente e não duvide se 2015 assistir ao momento em que eles se tornarão mais populares que o Mickey, o Snoopy ou o Super Mario para todas as faixas etárias. Essa compilação de capas de discos clássicos mashupadas com o imaginário do título, reunida por este blog, já dá uma vaga noção de que o desenho não é mais um segredo entre crianças apaixonadas, pais vidrados e doidões deslumbrados:

adventuretime-tomwaits

adventuretime-who

adventuretime-whitestripes

adventuretime-vu

adventuretime-stooges

adventuretime-pumpkins

adventuretime-cure

adventuretime-trex

adventuretime-clash

adventuretime-sunra

adventuretime-spoon

adventuretime-sonicyouth

adventuretime-slint

adventuretime-inrainbows

adventuretime-radiohead

adventuretime-pinkfloyd

adventuretime-mbv

adventuretime-milesdavis

adventuretime-mgmt

adventuretime-loureed

adventuretime-ledzeppelin

adventuretime-lcd

adventuretime-kingcrimson

adventuretime-joydivision

adventuretime-jamc

adventuretime-huskerdu

adventuretime-gorillaz

adventuretime-godspeed

adventuretime-franz

adventuretime-zappa

adventuretime-fleetwoodmac

adventuretime-elliotsmith

adventuretime-djshadow

adventuretime-descendents

adventuretime-can

adventuretime-cake

adventuretime-bjork

adventuretime-beck

adventuretime-air

Lá no blog tem muito, muito mais.

John Cale: Um ano sem Lou Reed

cale-reed

No aniversáro de primeiro ano da morte de Lou Reed, seu velho parceiro John Cale sente a dor da perda na bela “If You Were Still Around”, lançada com um clipe que mistura imagens de Lou com de outros amigos daquele círculo que já se foram – o guitarrista do Velvet Underground Sterling Morrison, a cantora Nico, o papa Andy Warhol e a modelo Edie Sedgwick. A faixa foi lançada com uma declaração que resume a relação espinhosa entre Lou e John, que brigaram e voltaram a se conversar por várias vezes em suas vidas:

“A Moth and a Candle met. They decided to become friends. Everyone enjoyed watching their discourse – especially the risk takers. Then one day a big rain came. The Moth couldn’t fly and the Candle puttered out. Everyone laughed in bitter awe and blamed the rain. Most however knew the deeper truth – the Candle remains lit and the Moth will stay close.”

O disco perdido do Velvet Underground

vu-iv

O processo de devassa nos arquivos do Velvet Underground nos tem garantido várias caixas de disco com material inédito além das quatro obras-primas que o grupo lançou em vida e dos vários discos ao vivo lançados posteriormente. O próximo álbum a entrar nessa brincadeira é o terceiro disco da banda, lançado em 1969 com apenas o nome do grupo de título. É o disco que marca a saída de John Cale da banda, trazendo o guitarrista e baixista Doug Yule para a formação, e deixando Lou Reed mais à vontade para compor canções em vez de tratados de estética ou afrontas pop art.

Sussurrando na maioria das música, Reed buscava uma qualidade musical que soasse muito mais íntima que as canções dos anos 60, “como se o disco estivesse sentado contigo em uma mesa”, como disse certa vez. E mesmo que traga arroubos artsy como “The Murder Mystery” e desfile de guitarras em “Beginning to See the Light” e “What Goes On”, o disco de 1969 soa doce e delicado, com faixas como “Candy Says”, “Pale Blue Eyes”, “That’s the Story of My Life” e “After Hours”, esta última a primeira vez que a baterista Mo Tucker assume os vocais. O crítico norte-americano Lester Bangs, um dos primeiros fãs da banda, notou a mudança radical de rumo do grupo ao questionar “como se define um grupo desses, que vai de ‘Heroin’ a ‘Jesus’ em menos de dois anos?”

A gravadora inglesa Polydor irá lançar a caixa The Velvet Underground 45th Anniversary Super Deluxe Edition (já em pré-venda online), com seis CDs que dissecam diversos aspectos do disco. Os três primeiros CDs são variações do mesmo tema: o primeiro traz o disco de 1969 remasterizado pelo técnico da MGM Luis Pastor “Val” Valentin, o segundo traz o mesmo disco no chamado “closet mix” (que soa como se fosse gravado num armário e antecipa em três décadas a estética lo-fi) e o mix promocional em mono (mais as versões mono do single “What Goes On” e “Jesus”) é o terceiro CD.

O filé da caixa, no entanto, é seu quarto disco. Ele é o mais próximo do que poderia ter sido o quarto disco do Velvet Underground caso eles continuassem na MGM. São 14 faixas gravadas no estúdio Record Plant e que veriam a luz do dia em discos seguintes, como o quarto e último disco do Velvet Underground, o Loaded (lançado pela Atlantic) e o disco Transformer de Lou Reed, além de aparecerem remasterizadas em duas coletâneas nos anos 80, V.U. e Another V.U. O disco é tido como um álbum perdido pelos fãs da banda também por não haver consenso histórico sobre se aquele disco teria sido lançado de fato ou não – uns lembram ser apenas demos gravadas mais profissionalmente, outros (Lou Reed, entre eles) falam que de fato havia planos de se lançar esse disco. Muitas das versões originais dessas gravações apareceram também em discos piratas, o que motivou muitos fãs a tentar reconstruir um disco que não tinha nome, capa nem ordem das músicas definidas (como a imagem que ilustra esse post, saído do blog Albums That Never Were.

A ordem definitiva do tal “disco perdido” ficou assim na nova caixa:

“Foggy Notion (original 1969 mix, unreleased)”
“One of These Days (new 2014 mix, unreleased)”
“Lisa Says (new 2014 mix, unreleased)”
“I’m Sticking With You (original 1969 mix, unreleased)”
“Andy’s Chest (original 1969 mix, unreleased)”
“Coney’s Island Steeplechase (new 2014 mix, unreleased)”
“Ocean (original 1969 mix)”
“I Can’t Stand It (new 2014 mix, unreleased)”
“She’s My Best Friend (original 1969 mix, unreleased)”
“We’re Gonna Have a Real Good Time Together (new 2014 mix, unreleased)”
“I’m Gonna Move Right In (original 1969 mix)”
“Ferryboat Bill (original 1969 mix)”
“Rock & Roll (original 1969 mix)”
“Ride Into the Sun (new 2014 mix, unreleased)”

Os discos 5 e 6 que completam a caixa trazem dois shows que a banda fez na casa The Matrix, em San Francisco, nos dias 26 e 27 de novembro daquele ano, que foram remixadas a partir das fitas originais do dono do estabelecimento, Peter Abram. Há, inclusive, uma versão de 37 minutos para “Sister Ray”.

Ótima notícia!

13 de 2013: Lou Reed

loureed

A primeira vez que ouvi a voz de Lou Reed foi quando um professor de história me emprestou uma fita cassete com o terceiro disco do Velvet de um lado, algumas músicas do Loaded do outro e “Venus in Furs” no final. Eu era adolescente em Brasília no início dos anos 90 e o acesso à informação em geral (principalmente se comparado a hoje em dia) era praticamente nulo. Comecei a gostar de música com uns 10 anos de idade e descobri o rock clássico ao mesmo tempo em que o rock brasileiro dos anos 80 paria um de seus principais representantes na minha cidade-natal – e enquanto os Beatles puxavam toda uma linhagem clássica e estabelecida (Stones, Cream, Hendrix, Doors, Led, Pink Floyd), o Legião Urbana citava toda a geração pós-punk (Smiths, Joy Division, Cure, Echo & the Bunnymen, Jesus & Mary Chain) além dos próprios punks ingleses (Sex Pistols, Clash, Buzzcocks) e americanos (Patti Smith, Talking Heads, Ramones). O raro contato com esse universo acontecia através da única revista regular de música (a Bizz) e especiais esporádicos de outras editoras (em geral, as revistas-pôster da Somtrês), em programas específicos de rádio (uns contrabandeados do Rio e de São Paulo em fitas cassete) e discos que raramente entravam no circuito, seja através do relançamento em CD (a novidade da indústria fonográfica da época) ou de amigos que traziam discos importados em raríssimas viagens ao exterior. Haviam duas dezenas de livros sobre música nas prateleiras das livrarias (dois do Nelson Motta, dois da Ana Maria Bahiana e vários Songbooks do Almir Chediak) e não existia internet.

Nesse garimpo de informações musicais começou a pintar, vez por outra, o nome do Velvet Underground. Sempre apresentado com excesso de estranheza, o grupo nova-iorquino não estava preso a nenhuma cena musical específica e era cria da mente de dois cérebros pervertidos – o estudante de música John Cale e o estudante de literatura Lou Reed. Os dois universitários negavam suas origens acadêmicas num projeto musical que misturava sexo, drogas e rock’n’roll sem um pingo do hedonismo bicho-grilo de seus contemporâneos. O clima do Velvet Underground era sujo e noturno, quase sempre barra pesada, com alguns ecos sentimentais funcionando como clareiras emocionais no meio do caos ali representado. Além da fita do professor de história, meu outro contato com a música de Lou Reed havia sido no disco VU, lançado em 1984, com as gravações daquele que deveria ter sido o terceiro disco do Velvet ainda com John Cale. Umas músicas do terceiro disco, outras do quarto, a íntegra do VU, “Venus in Furs”, algumas poucas fotos e muitos textos sobre a ruptura provocada pelo primeiro disco, as performances nos shows, os temas tabu, a baterista unissex, a viola elétrica, a microfonia de duas guitarras histéricas, a associação com Andy Warhol, a vocalista Nico vindo direto da Europa para ganhar três músicas-chave no primeiro disco. A biografia do Velvet é uma lenda sedutora para qualquer fã de rock’n’roll e o mínimo glamour combinado ao excesso sonoro e cênico até hoje é uma das matrizes do que chamamos de punk rock.

Mas não só. Lou Reed é desses marcos do rock que expandem suas fronteiras. Depois dos Beatles, talvez apenas o Velvet Underground tenha ampliado tanto os horizontes de uma música que nasceu como som do inconformismo adolescente norte-americano para tornar-se a trilha sonora do século 20. Tudo bem que o pacto feito com John Cale antes da banda existir (fazer música para agradar apenas a si mesmos) tenha suas raízes em bases opostas: Lou Reed não aguentava mais escrever músicas sob encomenda na gravadora Pickwick e John Cale havia chegado à conclusão de que a música erudita contemporânea o limitava. Mas o acordo entre os dois mudou completamente o rumo do rock – e da históra. Fodam-se os fãs, a indústria, os pais, o país. A única coisa que realmente importava era fazer barulho com outros amigos em uma garagem qualquer e falar do que viesse à cabeça. Esse é o principal legado do Velvet Underground.

Já a principal contribuição de Lou Reed veio da aspiração erudita em elevar a carpintaria do gênero às esferas da alta literatura – e para isso, contou com o submundo. A noite eterna, que se arrasta por bares, puteiros, ruas mal iluminadas e frequentadas por trambiqueiros, estelionatários, marginais e outras almas que se perderam na ingenuidade de um dia ser alguém. Contraposto ao mondo pop criado ao redor do padrinho do Velvet, Andy Warhol, aquele cenário fora habitados séculos antes por personagens de Shakespeare, Dostoiévsky, Dickens e agora vinha colidir-se com o mundo das artes do século 20. De repente prostitutas e viciados tornavam-se modelos e atores e a desolação do gueto era combustível para letras e riffs que cantavam as dores de Janes, Candys, Bills e Lisas e a transformavam em poesia mudana, suja, cantada com um sorriso irônico e um olhar perdido.

Sua morte é a mais importante no pop de 2013, pois vivemos num mundo que um dia só existiu na imaginação de Lou Reed. Poucos podem gabar-se de fazer a própria criatividade ter dado origem a uma mudança de comportamento que se espalhou pelo planeta. Lou Reed era um desses.

Uma música inédita do Velvet Underground

White-Light_White-Heat-deluxe

Que tal começar a semana ouvindo uma música inédita do Velvet Underground, gravada ainda na fase clássica do grupo, com John Cale na formação? “I’m Not A Young Man Anymore” foi gravada ao vivo no Gymnasium, em Nova York, no dia 30 de abril de 1967, e só havia aparecido em um disco pirata. Mas a versão abaixo, pinçada pelo Dangerous Minds a partir do material da edição tripla do White Light/White Heat que chega às lojas este mês, veio direto da coleção do próprio John Cale, que participou da reedição do disco tão bem como Lou Reed, pouco antes de morrer. Falando sobre a morte de Lou Reed à revista Rolling Stone, nosso amigo sonic youth Thurston Moore comentou sobre a canção que finalmente será lançada oficialmente:

“I was at South by Southwest in 2008, playing at a Lou Reed appreciation concert. I’d just heard “I’m Not a Young Man Anymore,” which had just surfaced on a Velvet Underground bootleg. It was this powerful song I’d never heard before. Before we went on, I was talking to Lou and told him about it and he said, “How the hell do you know about that song?” I said, “It just surfaced on a bootleg on the Internet.” I said I thought it would be a good song to play since I just turned 50. And when I said that, he looked at me, half smiled and embraced me. It was wonderful and completely unexpected.”

Sem mais conversa: eis “I’m Not a Young Man Anymore”. Boa semana.

Hot Chip e Yo La Tengo celebram Lou Reed, com “Pale Blue Eyes”

hotchip

Eis a íntegra do show do Hot Chip na versão parisiense do festival Pitchfork, que aconteceu no início do mês. Mas se você pular para quando o relógio do vídeo abaixo virar a primeira hora, verá o casal Ira Kaplan e Georgia Hubley celebrando Lou Reed em “Pale Blue Eyes”.

Demais. Dica da Taís.