Os 75 melhores discos de 2019: 48) Larissa Luz – Trovão

discos-2019-48-larissa

“Não vou deixar pra depois”

Os 25 melhores discos brasileiros do início de 2019

apca-2019-1-semestre

Eis os 25 melhores discos brasileiros do primeiro semestre de 2019 de acordo com o júri de música popular da Associação Paulista de Críticos de Arte, do qual faço parte.

Alessandra Leão – Macumbas e Catimbós
Ave Sangria – Vendavais
BaianaSystem – O futuro não demora
Black Alien – Abaixo de Zero: Hello Hell
Boogarins – Sombrou dúvida
China – Manual de Sobrevivência Para Dias Mortos
Clima – La Commedia é Finita
Djonga – Ladrão
Dona Onete – Rebujo
Douglas Germano – Escumalha
Fafá de Belém – Humana
Hamilton de Holanda – Harmonize
Jair Naves – Rente
Jards Macalé – Besta Fera
Jorge Mautner – Não Há Abismo Em Que o Brasil Caiba
Larissa Luz – Trovão
Nômade Orquestra – Vox Populi
O Terno – Atrás / Além
Odair José – Hibernar na Casa das Moças Ouvindo Rádio
Pitty – Matriz
Rakta – Falha Comum
Tássia Reis – Próspera
Thiago Pethit – Mal dos Trópicos
Tiago Iorc – Reconstrução
Yma – Par de Olhos

Além de mim, votaram Marcelo Costa (Scream & Yell), José Norberto Flesch (Destak) e Lucas Brêda (Folha de São Paulo).

Spotify Talks na Sim São Paulo

Spotify-Talks-sim-sao-paulo

A última edição do ano do Spotify Talks, ciclo de discussões que concebi ao lado do Spotify, acontece nesta quinta no CCSP, dentro da programação da Sim São Paulo. O tema da edição é Um Gênero Chamado Bahia e joga foco na produção musical atual do estado baiano, com as participações de Baco Exu do Blues, Larissa Luz e Giovani Cidreira e mediação feita pelo jornalista Luciano Matos, idealizador e produtor do programa Radioca e do festival de mesmo nome. O evento acontece no jardim suspenso do CCSP a partir das 13h e é gratuito para o público. A apresentação da discussão é minha. Eis a sinopse da discussão:

A música produzida na Bahia sempre foi fundamental em todos momentos de nossa história. Samba, bossa nova, tropicália, axé e até o rock nacional tiveram dedo de baianos – e muitas vezes as duas mãos. Nos últimos anos, um novo cenário de artistas, produtores e festivais vem ganhando força. Ofuscado por muito tempo pela indústria do axé, finalmente, esse universo fértil e criativo ganha atenção fora do estado. Diversos nomes mostram que novamente a Bahia tem algo novo e forte a dizer. Mais uma vez, a música baiana aparece tendo a diversidade e o diálogo como marcas. pop, samba reggae, mpb, rock, eletrônica, reggae, funk, dub, pagode, afro se frequentando e misturando. A tradição sendo visitada, mas não como algo intocável e imutável, muito menos apenas como uma revisita. Um olhar para o passado, mas apontando para o futuro. Espontaneamente, nos guetos, nas ruas e nos palcos. Os ritmos afros assumidos sem pudor, jazz com toques afros, rap com candomblé, rock com atabaques, eletrônica com samba reggae, orquestra com quebradeira, tudo junto de forma natural e autêntica. Samba de roda virando pagode e avançando ainda mais com trap, beats e sintetizadores. Uma Bahia meio misteriosa, meio sedutora, sempre cantada, mas pouco compreendida, que andava carregada de estereótipos e se mostra novamente viva, criativa e ativa. Um estado ainda muito pobre e muito desigual. Negro por essência, mas totalmente aberto e receptivo. Marcado por festas populares, pelo sincretismo, mas historicamente vanguardista. É um pouco dessa Bahia que artistas como BaianaSystem, Orquestra Rumpilezz, OQuadro, ÀttooxxÁ, Luedji Luna, Lívia Nery, IFÁ, Africania, Josyara, Opanijé, Maglore, Vivendo do Ócio e também Baco Exu do Blues, Larissa Luz e Giovani Cidreira, que participam deste último Spotify Talks do ano, que terá a mediação feita por Luciano Matos, do festival baiano Radioca.

Como sempre, apresento o painel, que faz parte da série de debates que concebi junto ao Spotify desde o ano passado.