Jornalismo

O que esse tal de Twitter tem e como melhorá-loVida Digital: Jack Dorsey (criador do Twitter)CeBit 20092019, segundo a MicrosoftFeira de fotografia em BarcelonaE se a planta do helicóptero do Obama aparecesse num PC iraniano? “E se”, não: apareceu!

Watchmen e a narrativa transmídiaPortabilidade numérica: como funciona?Vida Digital: Danah Boyd2010: o ano em que nos recuperaremos da crise?Saem hoje os finalistas da Orquestra do YouTubeSegue o julgamento do PirateBay

Essa semana estréia Watchmen e aproveitei o gancho do filme para falarmos de narrativa transmídia…

***

Quando uma história é apenas o começo…

Com a cultura digital, surge uma nova modalidade de ficção: a ‘narrativa transmídia’

A carinha sorridente amarela respingada com uma gota de sangue é só o ponto de partida. A partir dela, descortina-se não só um universo de super-heróis decadentes e de superpoderes usados como armas militares, como uma série de pequenas histórias paralelas que acontecem independente umas das outras e em formatos diferentes. Juntas, todas essas narrativas contam uma história complexa e multifacetada, que dificilmente teria o mesmo impacto caso contada de forma linear.

Watchmen, a clássica série em quadrinhos cuja aguardada adaptação finalmente chega aos cinemas na próxima sexta-feira, é um dos muitos exemplos de um novo tipo de ficção – a narrativa transmídia. Nem tudo na história original de Alan Moore e Dave Gibbons era contado em forma de quadrinhos – cada episódio terminava com páginas que poderiam trazer um capítulo de um livro fictício, o prontuário médico de um dos personagens, recortes de páginas de jornal.

Mas com a internet e a digitalização das mídias, essa narrativa que acontece em diferentes plataformas aos poucos vem deixando nichos e tomando conta do mercado de entretenimento. Sites, celulares, redes sociais, games, aplicativos e blogs – peças-chave da cultura digital – são hoje responsáveis por expandir universos criados em livros, filmes, histórias em quadrinhos e programas de TV. Mas eles vão além de simplesmente levar uma grife de entretenimento para outras plataformas. Interligando-se com o produto principal, eles criam tramas paralelas e ações fora da internet que expandem ainda mais a história central. Assim, cria-se um novo vínculo com o antigo leitor/espectador/ouvinte, agora convidado a participar da narrativa.

Mas isso não pressupõe produção de conteúdo ou aquela interatividade em que pode-se mudar o rumo da trama principal. O elemento participativo da narrativa transmídia reside no fato de que a história original pode ser ampliada à medida em que a experiência da mesma possa ser provada em diferentes meios – e isso não quer dizer que esses enredos paralelos tenham que se encontrar num ponto final. “A convergência ocorre dentro dos cérebros de consumidores individuais e em suas interações com outros”, explica o teórico Henry Jenkins, criador do termo “narrativa transmídia” em seu livro Cultura da Convergência, lançado no Brasil. Nessa edição, nos aprofundamos no tema, a começar pela própria campanha de lançamento do filme Watchmen – transmídia por natureza.

***

E a matéria continua:
Como atrair quem não conhece a HQ?
Watchmen original
Narrativa transmídia vai além da mera campanha
J.J.Abrams conecta tudo que faz
Indústria inclui fã como produtor de conteúdo
Exemplos de narrativas transmídia
ARGs em 2009

Ainda sobre o assunto narrativa transmídia, entrevistei o autor do termo, Henry Jenkins, cujo livro Cultura da Convergência foi lançado no Brasil.

***

‘O formato transmídia é irreversível’

Entrevista com Henry Jenkins, escritor, pesquisador e diretor do programa de mídia comparativa no M.I.T.

O pesquisador Henry Jenkins tem um currículo invejável – além de diretor do programa de mídia comparativa no Instituto de Tecnologia de Massachussets (MIT), ele é autor de nove livros que lidam com as relações entre mídia e consumo, entre eles Cultura da Convergência (Aleph, R$ 59), em que cunhou o termo “narrativa transmídia” (transmedia storytelling). Mas prefere ser referido como “aca-fan” – um acadêmico que também é fã do tema que trata. Ele conversou com o Link em entrevista realizada em sua visita ao Brasil, no final do ano passado, sobre as transformações que o universo digital impôs à mídia.

Em seu livro, quando o sr. se refere a convergência, não está falando especificamente de aparelhos, mas de mídias e narrativas.
Acho que estamos vendo que existe uma série de intersecções entre as diferentes mídias ao mesmo tempo em que há uma proliferação de novas tecnologias. Não acho que existe – ou que existirá – uma caixa mágica para onde todas as mídias convergirão. O ponto central é que as pessoas estão criando novas relações com a mídia e ela está se fragmentando. Meus estudantes carregam mais dispositivos e aparelhos de comunicação do que um soldado no Vietnã – a mídia é tão central em suas vidas, mas ao mesmo tempo eles têm ferramentas e plataformas diferentes ao ponto de duas pessoas sentadas uma ao lado da outra terem opções bem distintas para cada coisa. Não acho que isso vá parar em um futuro próximo, vejo o processo da convergência seguindo cada vez mais contínuo e mais dispositivos, configurações e aparelhos surgirão e não acho que aparecerá um dispositivo definitivo tão cedo.

O mesmo acontece com a mídia?
Hoje a mídia habita diferentes plataformas com o mesmo conteúdo. Logo todo o conteúdo nessas diferentes plataformas conversarão entre si e se completarão, tornando-se transmídia.

Mas estamos falando em nichos?
Ainda. As estratégias transmídia começaram primeiro em programas de TV que têm apelo entre nerds e geeks, que são os primeiros entusiastas desse formato. Agora estamos vendo isso para programas de TV para adolescentes, como Gossip Girl. Ainda não vemos estratégias como essas para programas de TV que mirem nos adultos porque ainda não encontraram um público que possa se relacionar com isso, mas quando a geração Pokémon chegar à idade adulta, isso terminará, pois tudo se tornará transmídia.

As pessoas terão tempo para consumir esse tipo de narrativa?
Boa pergunta. O cidadão comum terá tempo e disposição para ir no site, jogar o game, ler o anime ou será que eles só quer ver um filme ou um programa de TV? Hoje isso ainda é uma opção, as pessoas ainda podem conhecer histórias de um jeito ou de outro, mas na medida em que essa nova opção torna-se mais frequente, veremos que a resistência a ela diminuirá e esse formato será irreversível.
O que eu acho que vai acontecer – na verdade, já está acontecendo – é que aquilo que não for transmídia vai se tornar transmídia nas mãos do público. Falando apenas sobre programas de TV, se você reparar, vai perceber que os melhores produtos transmídia não foram criados pelas empresas que produzem os programas, mas pelos fãs. Veja a Lostpedia, que é uma Wikipedia feita por fãs de Lost, e você terá uma quantidade de informações sobre o seriado que seus produtores nunca produziram ou lançaram.

Isso não acena para cenários apocalípticos do tipo ‘o fim da TV’?
Se você analisar historicamente, não existe mídia morta. Há tecnologias que ficam velhas, mas não mídia morta. Veja o som gravado, por exemplo. Nós partimos do cilindro de cera rumo aos arquivos de MP3, mas desde que o som começou a ser gravado, ele segue sobrevivendo. O teatro não foi superado pelo cinema, como o cinema não foi ultrapassado pela televisão, da mesma forma como a TV também não vai ser banida pelo digital. Todos ainda estão lá. O que estamos vendo é o acréscimo de camadas na paisagem midiática e assim ocorrem mudanças nas relações entre essas camadas. E da mesma forma a estrutura da indústria tem mudado: o rádio já teve um papel central na sociedade, mas hoje ele vem sendo posto de lado, como o teatro já foi um dos principais temas da mídia e hoje é literalmente um nicho. Isso não quer dizer que a TV irá acabar. Por mais que as pessoas se divirtam ou usem o computador para uma série de coisas, a TV faz coisas que nenhuma outra mídia faz e isso vale para todas as mídias. O que muda é a importância delas para a sociedade.

Mas podemos imaginar um cenário em que, por exemplo, Hollywood se torne um nicho?
Sim, como aconteceu com a ópera, Hollywood pode sim se tornar um nicho, que precise de subsídios do governo para continuar existindo. Mas essa indústria tem tentado se posicionar na nova paisagem de mídia e explorá-la de forma eficaz, conectando-se com outras mídias, como quadrinhos. O mesmo tem acontecido com a TV, que está se adaptando muito rapidamente à distribuição digital. Meus alunos no MIT assistem cada vez mais televisão fora da televisão – seja baixando programas ilegalmente em torrents, comprando de forma legal pelo iTunes ou assistindo aos programas nos sites das emissoras. Mas ainda é TV, ainda é uma narrativa episódica.

Mas o disco como conhecíamos, o álbum, não morreu?
A indústria da música está voltando para as canções, que sempre foi a unidade básica na história do som gravado. O álbum é um capítulo específico dessa história, um experimento que falhou. Podemos imaginar que, no futuro, teremos um espaço sonoro, que seria um ambiente virtual em que você pode passear por ele e aí ouvir diferentes músicas dentro de um mesmo contexto – que é a ideia por trás de um álbum, só que adaptada à realidade digital. Já podemos dizer que games já estão fazendo isso, afinal o Guitar Hero e o Rock Band já são esse tipo de ambiente em que é possível encontrar diferentes canções organizadas por níveis de dificuldade. Haverá novos padrões para configurar e organizar o conteúdo, que ainda é baseado em canções. Não que a canção seja a única estrutura possível, mas agora é ela que parece funcionar melhor.

MWC em BarcelonaFabricantes não querem internet na TVPirateBay transforma julgamento em espetáculoNão dê mole com os seus CDsA criação do Partido Pirata do BrasilO Twitter é o novo Google?As “Apple Stores” da MicrosoftVida Digital: Cia. Barbixas

Lips e a nova era do karaokêSegurança digitalTestes com novos celularesAntivírus online e de graçaVida Digital: Neil GaimanOlhando a crise de outro ponto de vista

O site do Link teve problemas essa semana (novidades vêm aí!) por isso as matérias só entraram no ar hoje, sexta. Mal aê.

RPGs ocidentais amadurecemO novo Google EarthO novo SkypeAs crianças e a internetUm chip gráfico minúsculoO YouTube pode ultrapassar o Google como principal buscador?Latitude permite que você seja encontrado onde estiverVida Digital: Rafael Sica

A nota oficial:

O programa do ‘Link’ na Rádio Eldorado passará por uma reformulação e deixará de ir ao ar a partir dessa semana. O programa, que mesclava música e comentários sobre tendências na área de tecnologia de forma acessível e bem-humorada, era exibido no domingo à noite desde outubro de 2004, com boletins diários na Eldorado AM e FM. A equipe responsável pelo projeto ‘Link’ deverá analisar possíveis alterações no programa de rádio.

Você é pirata?Vida Digital: Lawrence LessigEntrevista: Matt Mason (The Pirate’s Dilemma)Wi-Fi sem roteadorO futuro dos jornais

Entrevista que fiz com o Lessig junto com o Rodrigo pro Link de hoje.

***

‘O problema não são os piratas – é a lei’

Uma das maiores autoridades do mundo em direitos autorais na era digital, ele concorda: ‘Sim, somos todos piratas’

“A lei é o problema”, Lawrence Lessig sequer titubeia ao ser perguntado sobre direitos autorais e o mundo digital, “ela é muito radical”. O mesmo não pode ser dito sobre Lessig, professor de direito na universidade de Stanford, nos EUA. O criador do Creative Commons, proposta para flexibilizar o sistema legal, tem uma preocupação que vai além do copyright: “Temos toda uma geração de garotos que acha que a lei é um saco, que ignoram a lei. Quão difícil será para nós fazer eles também obedecerem leis fiscais, ou outras leis? Há dez anos, violar a lei não era tão fácil.”

A cerne da questão, para Lessig, está na mudança da relação das leis com a sociedade e a incorporação da cultura do remix não apenas na produção de conteúdo como nos negócios. O advogado, que foi cogitado para o cargo de ministro da justiça do governo de Barack Obama (de quem foi professor), está lançando um novo livro, Remix: Making Art and Commerce Thrive in the Hybrid Economy (editora Penguin, sem previsão de lançamento no Brasil, leia ao lado), em que dá um passo além da discussão dos direitos autorais.

“O foco nesse livro não é a criatividade. Embora ela seja importante, o livro tem uma preocupação maior com uma cultura que criminaliza atividades que deveriam ser normais. Essa é uma lição que os soviéticos aprenderam, quando faziam todas as atividades criminosas.”

No livro, Lessig propõe que a cultura do remix – em que conteúdos de naturezas diferentes são misturados por produtores e consumidores – deve também ser comercializados. Nada mais é que a ampliação da ideia de Creative Commons.

Quando foram criadas em 2001, as licenças CC deram um passo crucial no entendimento dos direitos do autor na época da reprodução eletrônica, apresentando o conceito de que o autor poderia permitir a reprodução livre de sua obra, colocando ressalvas para seu uso. Mas mais do que funcionar como uma solução, as licenças Creative Commons se aprofundaram nessa discussão que flexibiliza o rígido copyright para uma época em que qualquer um pode produzir e distribuir conteúdo.

“Precisamos atualizar a lei, para que ela faça sentido no mundo digital”, explicou em entrevista durante sua última visita ao Brasil, no ano passado. “Há muitas iniciativas nos EUA, como licenças coletivas, licenças voluntárias, que propõem mudanças para fazer a lei fazer sentido na era digital. É isso o que deve ser feito, ao invés dessa guerra extrema contra quem usa as tecnologias digitais”.

“Se somos todos piratas?”, Lessig repete a pergunta para responder categoricamente e dar uma pequena aula sobre a natureza do copyright. “Sim. A razão pela qual todos são piratas hoje é porque a lei atual é baseada na reprodução de cópias. É uma que fazia sentido nos séculos 18 e 19, pois elas lidavam com cópias feitas por meio de novas tecnologias, que não estavam ao alcance de todos. Se você foca a lei de direitos autorais em cópias, você tem um modelo de negócios que incentiva o trabalho criativo. Fazia sentido”.

E continua: “Mas estamos nos movendo para uma era em que todo mundo que acessa a cultura tecnicamente faz cópias. Faz tanto sentido regular isso como regular o ato de respirar – copiar é algo tão comum que qualquer um pode fazer. Ao invés de invocar essa lei insana toda a vez que um garoto liga o computador, a lei deveria parar de focar na cópia e se focar em atividades que façam sentido comercialmente”.

E conclui citando nosso ex-Ministro da Cultura: “Se eu faço um remix de uma música do Gil e compartilho com meus amigos, ele não deve se preocupar com isso, porque não irá canibalizar seu valor de marketing. Mas se eu monto um site e coloco todo o trabalho do Gil e dou para as pessoas de graça, acho que o Gil pode – e deve – reclamar”.

Mas isso não quer dizer o fim dos direitos autorais, Lessig é enfático também nisso. “Há pessoas falando nisso, que as tecnologias digitais acabaram com qualquer possibilidade de controle. Não sou tão radical. A minha visão é que os direitos autorais têm um papel importante, só que precisam mudar para que possam continuar a funcionar.”

Lessig, no entanto, reconhece que a briga não é fácil, pois os interesses do passado defendem valores do século 20, que Lessig considera difíceis de ir contra. “Olhe para as estrelas do cinema. Elas podem dizer as coisas mais idiotas apoiando a cultura do passado e não reconhecer o futuro. Por exemplo, nos EUA, a Sony entrou em 1998 com uma ação para estender os direitos autorais por mais 20 anos. E chamou Bob Dylan como testemunha, que disse que criou o melhor de sua obra já pensando que ela só cairia em domínio público depois de 70 anos e não 50, sugerindo que, se não esse período fosse de 50 anos, ele não teria criado sua obra. Imagina o Bob Dylan nos anos 60 pensando: ‘Será que escrevo uma música? Ah, tudo bem, porque ela só vai cair em domínio público depois de 70 anos e não 50’; Nesse mundo atual coisas ridículas como essas são consideradas normais.”

E conclui fazendo uma previsão séria sobre a pirataria: “Acho que ela se tornará cada vez mais uma bandeira política.”

***

Uma cultura dividida em duas

“O que antes era impossível e ilegal, hoje é apenas ilegal”, explica Lessig logo ao início de seu novo livro, Remix, cujo subtítulo pode ser traduzido como Fazer Arte e Comércio Florescer em uma Economia Híbrida. Tal economia é a mesma provocada pela remistura sugerida no título e que diz respeito justamente a duas culturas que coexistem neste nascimento da era digital que vivemos hoje.

Lessig divide a cultura atual em duas vertentes: a cultura que apenas lê (RO, do inglês “read-only”) e a que lê e escreve (RW, “read/write”). Ele define a primeira como passiva e alfabetizada, em que a fonte de informação é profissional. Já a segunda, nascida com a internet, é mais ativa, é mais audiovisual do que letrada e produz conteúdo com a mesma facilidade e voracidade que consome. Lessig explica como ambas podem coexistir, mas que a mudança na legislação é crucial nesta nova realidade.

Seus próximos livros são sobre a constituição americana e sobre corrupção, seu atual foco de trabalho.