Mais uma vez discotecando só Beatles

O Wilsera tá puxando uma festa nesse sábado dedicada à beatlemania e me chamou pra discotecar só Beatles nesse Baile de Eleanor Rigby, que acontece a partir das dez da noite no Cineclube Cortina. Além de mim e do anfitrião da festa, Wilson Farina, também discotecam as DJs Cranmarry e Dina Mesma, e deixaram até tocar músicas do pop britânico dos anos 60, das carreiras solos dos Beatles e até versões, mas quando eu começar a discotecar – lá pelas duas da manhã, porque até a meia-noite estou tocando no Desaniversário – vou tocar apenas músicas gravadas por John, Paul, George e Ringo enquanto eram uma unidade só, entre 1962 e 1970. Os ingressos já estão sendo vendidos neste link.

Quer ouvir o disco novo do The Smile antes que todo mundo?

Lembra que semana passada eu falei que o The Smile, projeto paralelo de Thom Yorke e Jonny Greenwood, ia promover sessões de cinema pelo mundo para divulgar seu próximo disco, Wall of Eyes, e que eles não haviam incluído o Brasil na lista? Pois esse problema foi resolvido pelo Cineclube Cortina, que conseguiu colocar São Paulo na lista de exibições do grupo, na mesma segunda-feira 22 de janeiro em que o filme passará em Paris e em Tóquio. A sessão inclui clipes do Smile e do Radiohead dirigidos por Paul Thomas Anderson, além da possibilidade de ouvir o disco, que sai só no dia 26, quatro dias antes do lançamento. Além do disco e da sessão audiovisual (que também inclui imagens do trio em estúdio, também filmadas pelo PTA), ainda haverá merchandising inédito do grupo à venda, desde camisetas, cassetes e até um fanzine. Ainda não há informações sobre venda de ingressos, mas a sessão já está no site oficial do Smile e deve ser por lá que o link pra comprar os ingressos antecipadamente deve surgir.

Mais uma invasão do Alberta #3 no Cineclube Cortina

Começo 2024 na mesma nota que comecei o ano passado: além de ter passado o réveillon com os mesmos queridos amigos da virada antes da posse de Lula em Brasília, também faço a minha primeira discotecagem em mais uma celebração ao Alberta #3 que a Neiva e a Noemi fazem no Cineclube Cortina. A festa acontece neste sábado e começo a discotecar depois da meia-noite – os ingressos já estão à venda neste link.

Vai um Baile de Carnaval Trabalho Sujo com a Charanga do França em pleno agosto?

Neste sábado discoteco mais uma vez para esquentar a chegada da Charanga do França, repetindo aquele clima de baile de carnaval das Noites Trabalho Sujo do começo do ano. E aproveitando o match musical, chamo mais uma vez a querida Francesa Ribeiro para discotecarmos só música brasileira antes da banda começar no Cineclube Cortina. A noite começa às 21h e vai saber que horas acaba… Os ingressos estão à venda neste link.

“Você quer viver ou quer morrer?”

Para encerrar as comemorações do seu primeiro aniversário, o Cineclube Cortina exibiu o Bacurau de Kleber Mendonça Filho sob o efeito de um poderoso psicodélico: um show dos Boogarins, que toparam o desafio de fazer a trilha sonora ao vivo para o filme de 2019. E qual foi a minha surpresa quando em vez de simplesmente criar uma trilha nova ou de improvisar em cima das cenas, o grupo goiano preferiu costurar suas próprias canções com momentos de viagens instrumentais, realçando algumas falas do filme enquanto elas aconteciam (função que ficou a cargo do guitarrista Benke Ferraz, que aumentava o volume dos diálogos em alguns momentos-chave da apresentação). Não sei se vão repetir esse evento, mas deveriam, pois o grupo conseguiu misturar seus próprios temas com os do filme de maneira muito sagaz – o filme foi pontuado pelas variações de “Lá Vem a Morte”, o herói Lunga é apresentado ao som de “João 3 Filhos” e o “Bichos da Noite”, de Sérgio Ricardo, foi revisitada em outras passagens, com mais de duas horas de transe goiano no pleno sertão verde nordestino. Uma noite histórica, que ainda viu o público do Cortina sentar-se no chão voluntariamente para que todos assistissem bem o filme.

Assista aqui:  

Ana Frango Elétrico entre discos

A carioca Ana Frango Elétrico encerrou o capítulo Little Electric Chicken Heart há pouco tempo, mas enquanto não lança seu tão aguardado terceiro álbum, que sairá em algum momento deste segundo semestre, ela não consegue parar quieta – e nesse sábado juntou-se a Thomas Jagoda para mostrar uma versão “de bolso” de seu show no Cineclube Cortina, fosse acompanhada apenas do teclado do amigo ou tocando sua guitarra ao mesmo tempo, num formato mais enxuto – mas não propriamente intimista. O público reunido, devoto de sua obra, acompanhava as canções de acordo com o clima que Ana as forjava, em alguns momentos quieto e passivo, em outros com seus berros regidos pela própria Ana. No repertório, ela passeou por faixas de seus dois álbuns, algumas músicas alheias que puxou da cartola (a excelente “O Leão e o Asno” do Vovôbebê, “Não Tem Nada Não” do Marcos Valle, “Cara do Mundo” da Gal em seu Recanto, “Debaixo do Pano” da Sophia Chablau), pinçou duas inéditas (“Insista em Mim” e “A Sua Diversão”) e encerrou com a ótima “Mulher Homem Bicho”, single que lançou neste interregno entre seu disco mais recente e seu próximo trabalho, deixando todo mundo querendo mais.

Assista aqui:  

Discoteco nessa sexta-feira no Cineclube Cortina

Tá com vontade de se acabar de dançar, né? Então separa aí na agenda o dia 5 de maio que toco mais uma edição das #noitestrabalhosujo dentro da segunda celebração do Alberta #3 que a Neiva e a Noemi estão puxando no Cine Cortina. Yuri Goo e Marcos Bacon abrem a noite com aquele gostinho de Funhell, deixando depois o som na mão da DinaMesmo do Bailindie, que passa a bola pra eu terminar a noite naquele nível de acabação feliz que você conhece. Os ingressos já estão à venda e a noite vai ser booooowa…

Colando com a Xepa Sounds

Encabeçado pelo músico Thiago França (Espetacular Charanga do França, Metá Metá), a festa Xepa Sounds chega ao Cineclube Cortina numa sessão dupla comigo. Ao lado dos percussionistas Samba Sam e Pimpa, ambos também integrantes da Charanga, França oferece o creme da música pra dançar brasileira que vai da axé music dos anos 90 ao piseiro do século 21, passando por clássicos do samba e hits pop, num repertório totalmente aleatório que, mesmo com a formação reduzida, sem os tradicionais elementos de harmonia na banda, contando apenas com um sopro, percussões e liberdade total, tornou-se um grande bailão-karaokê, dominado pelo calor da pista. Nesta edição, a Xepa me convidou para celebrar meus 48 anos, completos no último dia 13, ao lado do trio. Então trago mais uma vez as Noites Trabalho Sujo para o Cineclube Cortina, atravessando a madrugada por flashbacks do futuro e clássicos radiofônicos, enfileirando hits de todas as épocas, gêneros e lugares desde que faça a massa embalar na mesma onda coletiva, sempre dançando e sempre alto astral. Vamo dançar! Os ingressos podem ser comprados aqui.