Missa de rock gaúcho

“Nossa, Bidê ou Balde? Ainda existe? Que flashback!”, foram algumas das reações que ouvi ao comentar que iria discotecar (ao lado do Fabrício Nobre, que trouxe CDs de fábrica pra tocar!) no show de 25 anos da banda que seu vocalista, Carlinhos Carneiro, montou para celebrar a banda nesta quinta-feira, no Cine Joia. Muita gente desconfiada que não ia dar certo, que a Bidê não tem mais público e que ficou no passado ou que a apresentação fosse um mero caça-níqueis – desconfianças que não poderiam estar mais distantes da realidade. O que se viu no show do grupo redivivo foi uma mistura de baile da saudade rock com culto às canções do grupo que é um marco no rock gaúcho – aquele momento em que o indie rock suplantou as referências sessentistas que tomavam conta do gênero desde que Júpiter Maçã puxou a sardinha pra psicodelia, nos anos 90. A Bidê puxou uma geração de artistas do sul que conectou-se ao resto do Brasil naqueles primeiros anos da web, quando as próprias bandas disponibilizavam seus discos online pra que fossem ouvidas pelo mundo, enterrando de vez a era dos fanzines e da fita demo (que ressurgiriam 20 anos depois). A banda em si nem existe mais e a noite desta quinta, como aconteceu no final do ano passado em Porto Alegre, foi um mais momento de celebração de Carlinhos à velha Bidê e seu legado, cantado com força pelo público quarentão que encheu o Joia. Embora não seja um show da Bidê em si (o vocalista montou um grupo para essas apresentações, formado por Guilherme Schwertner, Lucas Juswiak, Pedro Petracco, Maurício Chaise e Fu_k The Zeitgeist), a noite contou com participações históricas de vários ex-integrantes da banda, como Katia Aguiar, Rodrigo Pilla, Rafael Rossato e Guri Assis Brasil. Mas o centro da noite é o carisma esparramado de Carlinhos Carneiro, que se joga em diversos níveis em todas as músicas, até nas menos conhecidas, como é de praxe nas apresentações da banda. Parte do público não se via desde os tempos em que a Bidê existia, por isso o fator congregação subiu a um nível de catarse próximo do religioso, uma missa sobre paixões e acabação rock’n’roll. Noitada!

Manu Chao em São Paulo!

Em fevereiro Manu Chao vem mais uma vez para São Paulo fazer shows e como os ingressos para as duas datas anunciadas anteriormente (dias 1° e 3) evaporaram logo que foram anunciados, o Cine Joia anunciou mais uma data com o camarada clandestino, que agora também toca no dia 6 de fevereiro – e os ingressos começam a ser vendidos nesta terça-feira, a partir das 11h, neste link. Não dê mole!

25 anos do Bidê ou Balde!

E a festa não para! Nesta quinta-feira vou discotecar antes e depois do show que o compadre Carlinhos Carneiro está agitando no Cine Joia ao reunir sua clássica banda Bidê ou Balde para celebrar os 25 anos desta instituição do rock gaúcho. Toco ao lado de outro velho camarada, Fabrício Nobre, e juntos vamos fazer um flashback da fase clássica do indie rock brasileiro – num tempo em que o velho boca-a-boca impulsionava artistas do anonimato ao estrelato sem precisar seguir as infames regras das redes sociais e das plataformas digitais – e outras pedradas de várias épocas do rock. A farra acontece neste dia 18 de janeiro, no Cine Joia, a partir das nove da noite e os ingressos já estão à venda! Vamo?

Uma pequena comunidade

Que maravilha ver o Cine Joia cheiaço neste domingo para assistir ao show de lançamento do segundo disco dos Sophia Chablau e Uma Enorme Perda de Tempo, Música de Esquecimento. Com abertura do Jonnata Doll e os Garotos Solventes e participações do próprio Jonnata, Negro Leo, Vítor Araújo e Felipe Vaqueiro (vocalista da banda Tangolo Mangos, tocando gaita em “O Pato Vai Ao Brics”, do Leo), o show mostrou como o grupo está cada vez mais coeso musicalmente e como as músicas novas se contrapõem às antigas de forma radical, embora encarada pelo público como uma enorme saudação coletiva. Foi muito bom vê-los tocar a mesma “Idas e Vindas do Amor” que a Sophia me mostrou quando a banda ainda engatinhava cantada por um público completamente inebriado pela sensação indescritível de estar com sua banda favorita, transformando o grupo e os fãs numa pequena comunidade. Isso infelizmente foi posto à prova num incidente tenso, quando um fã subiu no palco e se atirou de cabeça no chão, sem tempo para alguém pudesse segurá-lo, fazendo-o perder os sentidos em um dos grandes momentos do show, quando tocavam “Delícia Luxúria”, do primeiro disco. E a banda, mesmo abalada (era possível ver nos rostos deles), foi precisa ao lidar com a situação: Sophia parou o show na hora, pediu para o público abrir espaço para que os médicos da casa pudessem retirá-lo e logo todos deixaram o palco avisando que dariam um tempo até saber como estava o fã. A banda voltou minutos depois com a notícia de que o enfermo estava melhor (tanto que até voltou para o público no final do show) e encerrou a apresentação tocando duas músicas além do previsto. Foi um momento crítico que podia comprometer ainda mais o show (e até a carreira do grupo), mas eles souberam lidar com a situação como muitos artistas com mais tempo de carreira talvez não soubessem, embora tenha encerrado uma apresentação que estava com a energia muito pra cima num tom acridoce. Felizmente foi só um susto.

Assista aqui:  

Peter, Bjorn & John no Brasil

O trio sueco Peter, Bjorn & John acaba de confirmar mais uma vinda ao Brasil, depois de mais de dez anos sem dar as caras por aqui. Donos do inevitável hit indie do assobio “Young Folks”, o grupo toca no Cine Joia no dia 17 de novembro e quem fará a abertura do show são os paulistanos do Holger. Os ingressos já estão à venda neste link.

De dentro de um sonho

Me acordem que ainda não sei se estava sonhando. A apresentação que os Yeah Yeah Yeahs fizeram nesta sexta-feira no Cine Joia foi um dos melhores shows do ano e prova que não é preciso muito mais que três músicos num palco para encantar uma plateia devota. Tudo bem que o grupo usou de elementos cênicos durante sua apresentação, como o gigantesco balão em forma de globo ocular e os lança-confetes disparados pela vocalista Karen O, mas bastava a presença do trio para fazer nossas personalidades grudarem na parede de trás do cérebro, tamanho impacto ao vivo. Eles são certamente a banda de sua geração que melhor envelheceu (a cena dos Strokes, Interpol, Liars etc), em grande parte por conta da presença magnética da vocalista. Karen O é um espetáculo, uma aula de estética misturada com uma sedução sobrenatural, e apesar de ser a mais baixa do trio (fui checar no seu google), ela se agiganta de forma soberba. Vestindo um maravilhoso vestido cheio de franjas brilhantes que, junto com seu cabelinho la garçonne, remetia imediatamente às melindrosas dos anos 20 do século passado, Karen dominava o público como se tivesse combinado uma coreografia com todos os presentes – e se divertindo demais. “É noite de sexta-feira em São Paulo com os Yeah Yeah Yeahs!”, gritava sorrindo. Mas esses momentos pedestres logo desapareciam quando ela começava a cantar e sua voz hipnótica vinha acompanhada de um domínio corporal que transformava o show no surgimento de um personagem mitológico, como se assistíssemos uma lenda secular descortinando em frente aos nossos olhos. E mesmo que as músicas do disco do ano passado não sejam memoráveis, a parede instrumental, sendo demolida entre tambores rufando e eletrochoques de microfonia, só emoldurava a imagem transcendental da deusa. Um show curto, pouco mais de uma hora, mas que pareceu durar eras dentro da bolha mágica inflada pelo trio – ainda estou preso no momento em que o grupo enfileirou “Gold Lion”, “Maps” e “Heads Will Roll”. E sem contar que esses shows de bandas indies deste século que já podem ser consideradas clássicas são sempre oportunidades perfeitas de encontrar TODO MUNDO. Uma noite perfeita.

Assista aqui:  

Yeah Yeah Yeahs no Brasil

A essa altura do campeonato você já deve saber que o Queens of the Stone Age cancelou sua participação no festival The Town, quando tocaria antes dos Foo Fighters, por motivos de saúde – e que seu substituto foi o trio nova-iorquino Yeah Yeah Yeahs. Mas a boa notícia mesmo é que quem quiser ver o grupo liderado por Karen O não vai precisar encarar a maratona de um festival, porque o Cine Joia acaba de confirmar que o grupo fará um show só seu no dia 8 de setembro – os ingressos podem ser comprados aqui. Que beleza, hein.

Sem mistério

Showzaço do Mundo Livre S/A nesta quinta-feira no Cine Joia. O grupo liderado por Fred Zeroquatro aproveitou o gancho dos 30 anos do mangue beat para revisitar canções da Nação Zumbi – e não só as com Chico Science, mas também algumas da fase sem o clássico vocalista – e retomar algumas de suas próprias pérolas. E ao reunir “Musa da Ilha Grande”, “Meu Esquema”, “Mistério do Samba”, “Bolo de Ameixa” e tantos outros clássicos que infelizmente não estão tão presentes em nosso dia-a-dia como deveriam a uma formação consistente, o Mundo Livre S/A atravessou quase duas horas fazendo o público cantar tudo junto. Melhor do que eu esperava.

Assista aqui:  

E cês viram que o José González tá vindo pro Brasil de novo?

O sueco José González acaba de anunciar mais uma passagem pelo nosso continente, com datas no México, Colômbia, Uruguai, Chile, Argentina e Brasil, quando passa por São Paulo (no Cine Joia) no dia 20 de setembro e pelo Rio de Janeiro (no Circo Voador) no dia 21. Os ingressos começam a ser vendidos nesta quinta-feira – tem os links certinhos lá no site dele.

Psicodelia garageira em câmera lenta

Quinta passada o Cine Joia recebeu o tão aguardado show do Brian Jonestown Massacre, que lotou o lugar com sua psicodelia garageira em câmera lenta que hipnotizou os fãs – e mesmo que o som estivesse mais baixo que muitos esperavam, dava pra discernir cada um dos vários instrumentos que estavam no palco.

Assista aqui.