Quinta desnorteante

Uma sexta em plena quinta-feira! Essa foi a vibe do último Inferninho Trabalho Sujo do semestre, que contou com duas atrações musicais desnorteantes, cada uma à sua maneira. A noite começou com o quarteto indie-prog-jazz Cianoceronte, ainda mais azeitados do que da última vez que os vi ao vivo, justamente quando estrearam o novo baterista Demian Verano. Com o novo integrante completamente sincronizado com os outros três (a tecladista e vocalista Eduarda Abreu, o baixista Victor Alves e o guitarrista Bruno Giovanolli), a banda nem precisa trocar olhares para acompanhar as trocas de andamento e tempo que seu som quase todo instrumental propõe, numa apresentação que ainda contou com a participação do saxofonista Gabriel Gadelha. Showzão.

Assista a um trecho aqui.

Depois foi a vez da dupla Desi & Dino fazer sua estreia oficial, segundo os próprios. Juntos, Desirée Marantes e Dinho Almeida reuniram eletrônicos e pedais para, cada um com seu instrumento, puxar vibes espaciais e oníricas: Dinho com a guitarra cheio de efeitos e o vocal completamente à solta e Desi com seu violino hipnótico, empilhando camadas de drone com melodias improvisadas. Os dois colocaram a plateia do Picles – que, mais uma vez, reunia boa parte da cena independente cheia de curiosidade – em um transe bem específico, por poucos minutos que abriam portais nas cabeças dos presentes. Puro delírio. Depois pude receber de volta a querida Francesca de volta à nossa pistinha e foi uma noite daquelas, quem foi sabe. E te prepara porque o julho do Inferninho Trabalho Sujo, comemorando um ano na ativa, vai pegar fogo! Aguarde e confie.

Assista a um trecho aqui.

#inferninhotrabalhosujo #picles #desiedino #dinhoalmeida #desireemarantes #cianoceronte #noitestrabalhosujo #trabalhosujo2024shows 128 e 129

Inferninho Trabalho Sujo apresenta Cianoceronte e Desi & Dino

O último Inferninho Trabalho Sujo do mês de junho acontece excepcionalmente numa quinta-feira, mas com o mesmo fogo da sexta. A noite começa temperada pela psicodelia indie-prog do grupo Cianoceronte, que mistura rock clássico com música brasileira e está produzindo seu primeiro álbum. Depois deles é a vez da dupla Desi & Dino, formada pela violinista e produtora gaúcha Desirée Marantes ao lado de seu compadre goiano Dinho Almeida, dos Boogarins, que conduz a noite numa viagem daquelas. Depois recebo de volta a querida Francesca Ribeiro, que nos presenteia com o calor de quem acabou de voltar de sua primeira turnê internacional para inflamar ainda mais as temperaturas madrugada adentro. Quem conhece sabe… O Picles fica no número 1838 da Cardeal Arcoverde e a primeira banda entra às dez da noite, por isso chega cedo pra sentir todo o calor dessa noite junina…

Dois tipos de melancolia

Fechando o fim de semana, programa duplo no Bar Alto reuniu dois tipos de melancolia indie quando Manuella Julian dividiu a noite com o quarteto Cianoceronte. A vocalista dos Pelados vem azeitando a carreira solo que acalenta desde o ano passado em parceria com o guitarrista Thales Castanheira. Entre teclados, bases pré-gravadas e guitarras, ela está cada vez mais solta (como à frente de suas bandas) e além das primeiras músicas solo e de versões de músicas de suas duas bandas (além do Pelados, ela também é vocalista do Fernê), Manu mostrou mais duas inéditas neste domingo, ainda com os títulos de trabalho “Copo Vazio” e “Gato Preto” e visitou ainda as versões que já havia feito para músicas da banda argentina El Príncipe Idiota (“Novedades”) e Ava Rocha (“Você Não Vai Passar”), saindo da introspecção das primeiras apresentações e expandindo seu show para um novo patamar. Bem foda.

Assista a um trecho aqui.

Depois da Manuella Julian foi a vez do grupo Cianoceronte fechar a noite de domingo no Bar Alto. São quatro músicos de primeiríssima – Duda Abreu nos teclados e voz, Bruno Giovanolli na guitarra, Victor Alves no baixo e o novato Demian Verano na bateria – que vão para além do virtuosismo em canções em sua maioria instrumentais que flertam tanto com o jazz (há uma música chamada “01jazz”) e a MPB clássica (citando “Samba de Verão” de Marcos Valle e tocando uma versão para “Na Boca do Sol”, de Arthur Verocai) quanto com o rock progressivo e o indie rock mais cabeçudo, passeando por um outro tipo de melancolia diferente da do show de abertura, mais expansiva, dividida em partes meticulosamente ensaiadas, com mudanças de tempo e uma boa dose de ruído. Fizeram bonito.

Assista a um trecho aqui.

#manuellajulian #cianoceronte #baraltosp #trabalhosujo2024shows 109 e 110