Singrando na própria canção

Meno Del Picchia começou a mostrar seu próximo disco no espetáculo Mar Aberto nesta terça-feira, no Centro da Terra, quando reuniu-se à Bianca Godoi (bateria), Batataboy (guitarras, piano e beats) e e Gabriel Milliet (teclados, flauta e percussão) para mostrar a quantas anda o disco que lançará no meio do ano, Maré Cheia. Entre canções de seu projeto Amarelo e do disco Pompeia Lo-Fi, ele ainda contou com a presença de dois cantores suavíssimos, João Menezes e Tori, que ajudaram a adoçar ainda mais um projeto em que ele de vez em quando deixa seu baixo de lado para dedicar-se apenas ao vocal.

#menodelpicchianocentrodaterra #menodelpicchia #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 24

Assista a um trecho aqui.

Meno Del Picchia: Mar Aberto

Encerramos a programação de música de fevereiro no Centro da Terra com a apresentação Mar Aberto, em que o cantor, compositor e contrabaixista Meno Del Picchia começa a mostrar o material de seu próximo álbum, Maré Cheia, previsto para este ano. Para esta apresentação, ele montou uma senhora banda, composta por Bianca Godoi, Batata Boy e e Gabriel Milliet, além de contar com as participações do alagoano João Menezes e da sergipana Tori. O espetáculo começa pontualmente às 20h e os ingressos podem ser comprados neste link.

O melhor de dois mundos

Que maravilha a apresentação que Paula Tesser fez no Centro da Terra nesta segunda-feira, revisitando suas raízes culturais – Fortaleza e Paris – com uma banda irrepreensível e convidadas de ouro. O espetáculo Alumia foi dirigido por seu compadre Dustan Gallas (vou te chamar, hein!), que assumiu o piano à frente do baixo de Zé Nigro e da bateria de Samuel Fraga e os três passaram o show inteiro esmerilhando entre si, mas sem tirar o foco da estrela da noite, completamente à vontade no palco. E depois de passar por canções francesas, inclusive a fatal “La Chanson de Prévert” de Serge Gainsbourg, e outras de seu primeiro disco, Paula voltou-se para o Ceará ao visitar Fagner (“Cebola Cortada”), Fausto Nilo (“Tudo Blue”) e Amelinha (“Depende”) e ainda chamou duas divas para dividir momentos específicos do show, como quando pôs Kika para enveredar por “Ingazeiras”, faixa de abertura do disco mitológico do Pessoal do Ceará, Meu Corpo Minha Embalagem Todo Gasto na Viagem, que Téti, Ednardo e ‎Rodger Rogério lançaram há 50 anos, ou quando convidou Soledad para dividir a pulsante “Galope Rasante”, de Zé Ramalho. A apresentação já tinha uma carga mágica considerável, que transcendeu quando, acompanhada apenas do trio que reuniu, passeou por “Beira Mar”, numa versão de chorar.

#paulatessernocentrodaterra #paulatesser #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 23

Assista a um trecho aqui.

Paula Tesser: Alumia

Nesta segunda-feira, quem brilha no palco do Centro da Terra é a cantora Paula Tesser, que aproveita a oportunidade para misturar os sotaques e influências culturais das duas cidades de sua formação: Paris e Fortaleza. Nascida na Cidade-Luz filha de pais brasileiros, ela passou sua vida no Ceará, também conhecido como Terra da Luz, e a junção destas duas raízes fazem nascer Alumia, espetáculo em que ela passeia por um repertório que mistura clássicos franceses e cearenses, além de músicas de seu disco de estreia Valha e do novo trabalho que está em fase de gestação. Ela vem muito bem acompanhada ao reunir uma banda formada por Dustan Gallas (piano), Kika Carvalho (guitarra), Zé Nigro (baixo), Samuel Fraga (bateria), além de luzes da Cris Souto. O espetáculo começa pontualmente às 20h e há ingressos à venda neste link.

Centro da Terra: Março de 2024

Fevereiro está terminando e com o fim do mês sempre anunciamos a programação do mês seguinte no Centro da Terra. E temos o maior prazer de receber a mineira Luiza Brina que toma conta da primeira temporada de 2024 no teatro, quando ela começa a mostrar o que será seu próximo disco na série de shows Aprendendo a Rezar. Durante as segundas de março (dias 4, 11, 18 e 25) Luiza recebe diferentes convidados para dar vida no palco às suas novas canções – ou, melhor dizendo, orações – que ganham corpo e movimento ao lado de nomes como Charles Tixier, Iara Rennó, Jadsa, Batataboy e Castello Branco, além de fazer uma das apresentações sozinha no palco. Na primeira terça do mês, dia 5, recebemos o multiinstrumentista Juliano Abramovay que mora no exterior e traz para os palcos brasileiros pela primeira vez seu projeto Amazonon, em que funde música brasileira com música do leste europeu (mais especificamente da Grécia, Turquia e Oriente Médio com uma superbanda arregimentada apenas para esta ocasião. Na terça seguinte, dia 12, o cantor e baterista carioca Pedro Fonte e a cantora e guitarrista sergipana Tori se unem para apresentar um espetáculo em dupla, O Instante do Derretimento, em que ambos revezam-se em seus instrumentos para mostrar músicas de seus repertórios conjuntamente. Na outra semana, dia 18, é a vez de Lorena Hollander mostrar seu projeto Ushan funde misticismo, rituais ancestrais e improviso livre às canções tocadas no instrumento japonês koto no espetáculo Ao Redor da Lua. E fechando o mês, no dia 25, temos a satisfação de apresentar o primor que são as canções e a voz da novata Manda Conti, que montou uma bandaça para um espetáculo único e delicado chamado Um Segredo Meu, em que funde folk, MPB mais melancólica e música eletrônica. As apresentações começam sempre às 20h, pontualmente, e os ingressos já estão à venda neste link.

Entre o transe e a melodia

O espetáculo que Ivan Vilela, Bernardo Pacheco, Mariana Taques e Paulinho Fluxuz anunciaram para o Centro da Terra já prometia uma considerável intensidade cênica devido ao encontro destes quatro artistas – cada um à sua maneira dispostos a se jogar no vazio do improviso livre. Mas Rastros, a apresentação que fizeram nesta terça-feira teve uma carga emotiva que aumentou ainda mais o vigor da noite, com a exibição de um curta que registrava a apresentação que a saudosa Wanessa Dourado fez no ano passado em nosso teatro, quando participou de uma noite de improviso ao lado do mesmo Berna e de Chicão e Barulhista. A dor de assistir à vivacidade de Wanessa tanto tocando seu violino quanto falando da experiência que estava sendo submetida naquela sessão de liberdade sonora fez a pujança daquelas performances subir alguns degraus em emoção, que acabou contagiando os presentes. Enquanto Vilela desfraldava sua viola de dez cordas tanto em frases melódicas quanto em passagens rítmicas, suas frases eram processadas pelos efeitos de Berna, ganhando cores improváveis que contrastavam com os lasers impetuosos e exuberantes de Fluxuz, deixando Mariana livre para literalmente se jogar no palco do teatro. Uma noite única, carregada de emoção.

#ivanvilelamarianataquesbernardopachecoepaulinhofluxuznocentrodaterra #ivanvilela #marianataques #bernardopacheco #paulinhofluxuz #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 22

Assista a um trecho aqui.

Ivan Vilela + Bernardo Pacheco + Mariana Taques + Paulinho Fluxuz: Rastros

Nesta terça-feira recebemos a apresentação Rastros no Centro da Terra, um espetáculo de improviso livre que reúne luz, dança, música e ruído. Quase que didaticamente representando cada um dessas áreas, Rastros é composto no palco pelos lasers de Paulinho Fluxuz, pelo corpo em movimento de Mariana Taques, pela viola de dez cordas de Ivan Vilela e pelos efeitos e baixo elétrico de Bernardo Pacheco. Este último aproveita a oportunidade para exibir o curta Estilo Livre #4, produzido pelo canal Choloz, que registrou a última apresentação da temporada que Chicão Montorfano fez no Centro da Terra, quando reuniu-se com o próprio Berna, o produtor Barulhista e a saudosa instrumentista Wanessa Dourado, que nos deixou há pouco, como uma homenagem póstuma à musicista. A apresentação começa pontualmente às 20h e os ingressos estão sendo vendidos neste link.

Entrelaçando canções

Bem bonito o encontro dos alagoanos João Menezes e Marina Nemésio no palco do Centro da Terra nesta segunda-feira. Entrelaçando doces joias de seus repertórios com músicas de Joyce (“”), Luiz Vagner (“”, eternizada por Evinha) e Gilberto Gil (“”), os dois deram ênfase à sutileza de seus timbres de voz com a maciez com que tocam seus instrumentos, contando com o auxílio luxuoso de Meno Del Picchia, que fez algumas dessas canções ganhar um brilho especial graças ao seu piano, violão e contrabaixo acústico. Uma bela amostra da nova geração de cancioneiros brasileiros que vem surgindo nesta terceira década do novo século.

#joaomenezesemarinanemesioocentrodaterra #joaomenezes #marinanemesio #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 21

Assista a um trecho aqui.

João Menezes + Marina Nemésio: 12 Metros Terra Adentro

Mais dois alagoanos que vêm mostrar sua face nesta primeira segunda-feira pós-carnaval no Centro da Terra, quando o compositor João Menezes recebe a comadre cantora e compositora Marina Nemésio para o espetáculo 12 Metros Terra Adentro, em que ambos mostram músicas de seus respectivos repertórios. Os dois vêm apenas com suas vozes e seus instrumentos (João toca violão e baixo, Marina toca violão) e com o compadre Meno del Picchia, que os acompanha no piano e no baixo em versões intimistas de suas músicas, incluindo inéditas. O espetáculo começa pontualmente às 20h e os ingressos podem ser comprados neste link.

Intensa e delicada

Maravilhosa a apresentação que Nina Maia fez nesta terça-feira no Centro da Terra. Mostrando parte do repertório que estará em seu disco de estreia, que ainda está sendo gravado, ela mostrou-se intensa e delicada na mesma medida, indo da introspecção à explosão sonora sempre com sua bela voz como fio condutor. Com poucas pausas e interação mínima com o público, ela suspendeu a expectativa dos presentes ao alternar momentos sutis e sensíveis – seja somente ao piano, cantando sobre bases eletrônicas pré-gravadas ou em dupla com sua eterna parceira Chica Barreto – com outros mais expansivos, que levam sua musicalidade rumo ao jazz e à MPB com a cozinha formada pelo baixo de Valentim Frateschi e a percussão de Thalin com acréscimos do cello de Chica e do violão de Yann Dardenne na última música da noite, “Amargo”, que será seu próximo single. A luz da dupla Retrato (Ana Zumpano e Beau Gomez) também ajudou o clima de introspecção e expansão entre luzes e sombras — e um espelho no palco.Cheia de si e com plena confiança da firmeza de sua voz e composições, ela está pronta para acontecer. E isso que foi só primeiro show do ano.

#ninamaianocentrodaterra #ninamaia #centrodaterra2024 #trabalhosujo2024shows 14

Assista a um trecho aqui.