Bruno Bruni: N64

Nesta terça-feira, o palco do Centro da Terra recebe um desafio autoimposto pelo músico Bruno Bruni: tocar ao vivo a trilha sonora do jogo Super Mario 64 com uma banda de nove músicos. Mas N64 não é uma mera transposição do game para o palco e mistura as influências de jazz e música brasileira do músico e arranjador costurando-as com suas canções próprias. O espetáculo acontece pontualmente a partir das 20h e os ingressos – que já estão quase esgotando – podem ser adquiridos aqui.

Centro da Terra: Agosto de 2022

E a programação deste agosto no Centro da Terra está daquele jeito que a gente gosta. Começamos no primeiro dia de um mês com cinco segundas-feiras com uma apresentação única na segunda, já que nossas temporadas contam com quatro datas, e a primeira delas vem com a carioca Raquel Dimantas, que acaba de lançar um dos discos mais divertidos deste ano, o ótimo 8 Hits, que apresenta no palco do teatro do Sumaré. No segundo dia do mês é a vez de Bruno Bruni voltar para o Centro da Terra desta vez com sua homenagem a uma das trilhas de videogame mais clássicas que existe, do jogo Super Mario 64. Na outra segunda, dia 8, é a vez do querido Biel Basile, baterista d’O Terno, apresentar sua safra de shows chamada Temporada de Praia, em que começa a burilar sua própria obra autoral, trazendo convidados que ainda irá anunciar – mas a primeira apresentação ele faz sozinho com seu instrumento. No dia 9 é a vez do grupo a capella Gole Seco, formado pelas cantoras Loreta Colucci, Claudia Dantas, Nathalie Alvim e Giu de Castro, mostra o início de seu primeiro disco, que ainda está sendo gestado. Na terça seguinte, dia 16, é a vez do Amarelo, grupo de Meno Del Picchia e Allen Alencar, apresentar o espetáculo Síntese e Máquina, que seria apresentado em junho, mas que por questões de saúde teve de ser adiado. Dia 23 recebemos o encontro de dois cariocas da nova geração, Gabriel Ventura e Vovô Bebê, que apresentam-se juntos músicas de suas carreiras solo. E no penúltimo dia do mês, 30, recebemos uma das melhores bandas novas de rock de São Paulo, Eliminadorzinho Jr., que fará um espetáculo mostrando músicas de seu próximo álbum. As apresentações musicais no Centro da Terra acontecem sempre nas segundas e terças, os espetáculos começam pontualmente às 20h e os ingressos podem ser comprados antecipadamente aqui. E o café do teatro voltou a funcionar – inclusive com drinks e refeições -, por isso se quiser chegar um pouco antes ou ficar um pouco depois, não faça cerimônia…

Vida Fodona #625: Às vésperas de uma pandemia

vf625

Um sexto do ano que se foi.

Yo La Tengo – “Blue Line Swinger”
Bruno Bruni – “Space Time”
Alceu Valença – “Extra II (O Rock Do Segurança)”
Céu – “Baile da Ilusão”
Otto – “Soprei”
Destroyer – “Kaputt”
Led Zeppelin – “Ten Years Gone”
Angel Olsen – “New Love Cassette”
Lulina – “Banheiros Produtivos”
Radiohead – “Treefingers (Extended Version)”
Milton Nascimento – “Nuvem Cigana”
Pedro Pastoriz – “0800 Previsões”
Itamar Assumpção – “Prezadíssimos Ouvintes”
Sexy-Fi – “Plano”
Huey Lewis & the News – “Heart and Soul”

Bruno Bruni: Tocantins

bruno-bruni-centrodaterra

Imensa satisfação em trazer para o palco do Centro da Terra o multiinstrumentista paulistano Bruno Bruni, que mostra seu espetáculo Tocantins nesta terça-feira, dia 8 de outubro (mais informações aqui). O músico começa a mostrar as músicas do sucessor de seu disco de estreia, Broovin’, lançado no ano passado, e explora o formato big band, caminhando entre o jazz e a música pop com a mesma desenvoltura sem deixar que ambos se estranhem. Bati um papo com ele sobre o que podemos esperar desta apresentação.

Bruno Bruni no Centro Cultural São Paulo

bruno-bruni-ccsp

Feliz ano novo! E a primeira apresentação de 2019 no CCSP é o músico paulistano Bruno Bruni, autor de um dos melhores discos do ano passado, que sobe ao palco da Adoniran Barbosa com uma big band de dez músicos (mais informações aqui). Um gostinho do pop torto do garoto-prodígio pode ser visto nesta versão ao vivo para sua “Uh Ah Oh”, nesse vídeo de um show que ele deu em agosto do ano passado.

Os 75 melhores discos de 2018: 71) Bruno Bruni – Broovin’

75-2018-71-brunobruni

“Já não sei mais quem sou pra dizer te amo, baby”

Mais aqui.

Vida Fodona #580: Clima de retrospectiva

vf580

A música mais uma vez como metáfora.

Lupe de Lupe – “Midas”
E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante – “Se Fosse Assim, Onde Iríamos Parar?”
Josyara – “Solidão Civilizada”
Gilberto Gil – “Sereno”
Edgar – “Adorno”
Teto Preto – “Pedra Preta”
Against All Logic – “Some Kind Of Game”
The Internet – “Roll (Burbank Funk)”
Kali Uchis – “Your Teeth in My Neck”
Karol Conká – “Vogue do Gueto”
Nill – “Bessie Coleman”
Bruno Bruni – “Linda”
Djonga – “Junho de 94”
Mestre Anderson Miguel + Juçara Marçal – “O Cirandeiro”
Stephen Malkmus + The Jicks – “Rattler”

Grassmass: Coisas2018

coisas-2018-centrodaterra

É com imensa satisfação que anuncio que o último show do Centro da Terra em 2018 é a primeira apresentação paulistana de um ousado projeto que finalmente é lançado. Depois de anos recriando em estúdio Coisas, disco clássico que o músico e arranjador pernambucano Moacir Santos lançou em 1965, o produtor conterrâneo Rodrigo Coelho, que apresenta-se sob a alcunha de Grassmass, por fim lança seu Coisas2018, em que revisita uma das mais importantes obras do jazz brasileiro à luz da música contemporânea, injetando elementos de música eletrônica e de pós-produção. Nesta primeira apresentação, que acontece nesta terça-feira, dia 4 (mais informações aqui), ele contará com as presenças de Bruno Bruni e Thomas Harres para transpor este monumento a um dos maiores – e infelizmente ainda pouco conhecido do grande público – nomes da música brasileira para o palco. Conversei com Coelho sobre este projeto e a primeira incursão ao vivo no ano de seu lançamento – e ele antecipa uma das faixas em primeira mão para o Trabalho Sujo.

https://soundcloud.com/uivorecords/grassmass-coisa-n-5/

Como você conheceu o Coisas?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/rodrigo-coelho-como-voce-conheceu-o-coisas

Como surgiu a ideia de fazer um tributo a este disco?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/rodrigo-coelho-como-surgiu-a-ideia-de-fazer-um-tributo-a-este-disco

Como foi o desafio de recriar o Coisas neste outro contexto?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/rodrigo-coelho-como-foi-o-desafio-de-recriar-o-coisas-neste-outro-contexto

Como é o Coisas2018 ao vivo?
https://soundcloud.com/trabalhosujo/rodrigo-coelho-como-e-o-coisas2018-ao-vivo

Fora da Casinha mudou de lugar

foradacasinha2018-novo

A quarta edição do festival da Casa do Mancha teve um imprevisto com sua localização anterior mas segue firme em novo endereço, neste sábado, começando na Void e terminando no Z Carniceria, pertinho do Largo da Batata, aqui em São Paulo. São treze bandas e cinco DJs trazendo apenas o melhor da nova música indie brasileira – e eu estarei lá, mais uma vez ao lado do compadre Danilo Cabral (Luiz está viajando) começando os trabalhos no Z Carniceria a partir das 18h, antes do show do patrono Maurício Pereira. Confira os horários abaixo:

Palco Void
16h – Abertura
16h20 – Goldenloki
17h20 – Betina
18h20 – Bruno Bruni
19h20 – Terno Rei
20h20 – Molho Negro
21h20 – DJs Rafa e Joyce

Palco Z Carniceria
18h – Trabalho Sujo
19h – Mauricio Pereira
20h – Juliano Gauche
21h – Laura Lavieri
22h – Yma
23h – Dingo Bells
0h – Garotas Suecas
1h – Ozu
2h – Strobo
3h – Alex Correa (Caverna)

Mais informações sobre o evento aqui.