Pavement de volta em 2020!

pavement-primavera-2020

O festival catalão Primavera Sound está acontecendo neste fim de semana em Barcelona – e acaba de anunciar a principal atração de suas duas edições do ano que vem: os dois únicos shows dos papas indie Pavement em Barcelona (4 a 6 de junho) e Porto (11 e 13 de junho).

O anúncio vem meses após as especulações sobre uma possível volta do grupo este ano (comemorando 30 anos do início da banda) terem esfriado e logo após seu principal compositor Stephen Malkmus ter voltado ao tema em uma entrevista dada ao podcast Music Now, da Rolling Stone gringa: “Se há interesse, sabe, é sempre uma possibilidade. Se há gente que vai ficar feliz, eu fico feliz também. Vamos ver.”

O festival também acaba de anunciar que irá fazer uma primeira versão norte-americana em Los Angeles (nos dias 19 e 20 de setembro), também no ano que vem, mas assegura que o Pavement só tocará no velho continente. E há ainda a possibilidade do anúncio de uma quarta cidade, pelo que o site deles dá a entender. Veremos.

Boogarins no meio da rua em Barcelona

boogarins-barcelona

Além de passar pelo festival Primavera, na Espanha, os goianos Boogarins também fizeram outras apresentações no velho continente, como esta no Parc de la Ciutadella, em Barcelona, no primeiro dia deste mês.

E a banda fica cada vez melhor ao vivo…

Como foi o show do Caetano Veloso no Primavera em Barcelona

caetano-primavera-2014

Caetano Veloso fez bonito no show que fez neste sábado, no festival Primavera, em Barcelona. E além de desfilar músicas de seu disco mais recente, Abraçaço, também tirou pérolas do baú, revisitando clássicos pessoais como “Baby” e “Triste Bahia”.


Caetano Veloso – “Baby”


Caetano Veloso – “Triste Bahia”

Veja mais abaixo:

 

Invasão brasileira no Primavera Sound 2014

primavera-2014

Vocês viram, né?

Foi bonito: Boogarins, Single Parents, Rodrigo Amarante, Black Drawing Chalks, Móveis Coloniais de Acaju e Caetano Veloso frequentarão os palcos do melhor festival que eu já fui, que acontece no final de maio, em Barcelona. Bonito um front generoso que não peca por favorecer um recorte específico da música brasileira (forçando, daria pra falar em indie-MPB, mas isso nem é um gênero como descarta os Móveis, os Single Parents e os Chalks).

E numa edição com uma escalação memorável – que pode não pecar por ter grandes headliners, mas isso um “problema” mais da indústria e das transformações do mercado que do festival em si (são poucos eventos que conseguem emplacar nomes com grande peso na segunda década do século 21).

Mas tire Arcade Fire, Queens of the Stone Age, Pixies, Nine Inch Nails (oi Lollapalooza Brasil), National, e o Kendrick Lamar da equação e imagine apenas shows de bandas como (ainda seguindo a ordem do cartaz) Neutral Milk Hotel, Disclosure, St. Vincent, Metronomy, Chvchers, Slowdive (!!! – aliás, o !!! também, perdoem-me a infâmia), Darkside, Dr. John, Haim, John Grant, Slint (!!! de novo), Mogwai, Television e Godspeed You! Black Emperor… Bandas se viessem para cá em palcos de médio porte por preços mais decentes (mais de cem dinheiros num show é algo bem pesado pro bolso, ponham na ponta do lápis), não nos obrigariam a cogitar viajar para ir a um festival na Europa ou nos Estados Unidos. E é aí que a música ganha um contrapeso considerável, ao notarmos, além dos shows, a forma como o público destes países é tratado em eventos do tipo. Talvez por isso seja bom vermos como as coisas funcionam em países que já tiveram a era do desbunde consumista que estamos vivendo para entender no que realmente vale pagar. Vai lá, assiste um monte de shows de bandas que quando vierem pra cá vão chegar custando uma bica – e, como você já viu o show, não precisa pagar pra ir.

Eu ainda não sei se vou, mas se você realmente cogitou, faça as contas e boa viagem.

E ficam duas questões no ar: o Caetano vai tocar o Transa na íntegra (como será que surgiu esse boato?)? E será que o Primavera tá querendo vir pro Brasil?

Abaixo, as bandas brasileiras que irão para essa edição do festival:

 

13 de 2013: Barcelona e Berlim

berlim-barcelona

De novo usei shows como desculpa para desbravar duas cidades que ainda não conhecia: emendei minha primeira visita ao festival Primavera em sua cidade de origem, Barcelona, a um show de Neil Young cavalgando seu Crazy Horse na capital alemã. Foi minha primeira vez na Espanha e na Alemanha em cidades conhecidas por seu legado histórico e atual movimentação cultural e meu interesse queria saber como uma coisa estava ligada à outra. A chave está no dia-a-dia, nas ruas, no que as pessoas fazem com seu tempo e como o utilizam para viver melhor. Fiquei entre os shows e os inevitáveis passeios turísticos – afinal ir à Barcelona sem passar pela Sagrada Família ou pelo Parque Güell ou não passar por alguns dos prédios que habitam a ilha dos museus de Berlim é perder partes da alma das duas cidades. Entre um e outro, circulei por restaurantes, praças, livrarias, mercados, lojas de discos, centrinhos comerciais, parques e ruas querendo entender o quanto falta para que a gente atinja o nível destas duas cidades.

E a resposta está na forma como seus cidadãos lidam com elas. Cidades não são casualidades que temos que lidar entre a nossa casa e o nosso trabalho. Elas fazem parte da nossa vida de uma forma mais intensa do que pensamos, são continuações não apenas dos espaços que habitamos com freqüência, mas também de nossos corpos. Só uma visão holística sobre arquitetura, urbanismo e cidadania explica o funcionamento e a lógica por trás dessas duas cidades tão distintas. O que as une é justamente a forma como seus habitantes conversam com suas ruas. E tudo passa por educação: não adianta colocar latas de lixo por toda a cidade se as pessoas não sabem que o menor papel atirado no chão é responsável por enchentes ao entupir bueiros. Há uma vivência que não se restringe apenas aos próprios interesses – todos cuidam de tudo e há bem menos serviços particulares do que estamos acostumados. A coleta seletiva de lixo é regra, ninguém tem empregada doméstica, o trânsito respeita os ciclistas, que respeitam os pedestres, que respeitam o trânsito. Todo mundo sabe que tudo está interligado, não adianta querer se dar bem em um determinado aspecto da vida sem que isso acabe acarretando em um problema para outra pessoa. O metrô de Berlim não tem nem catraca e mesmo assim todos pagam o ingresso e o validam antes de subir nos carros. Ninguém tenta dar uma de malandro pra passear de graça.

Foi bem curioso tomar esse banho de civilidade alguns dias antes dos protestos começarem no Brasil – protestos que uniam a população (ao menos a princípio) ao redor do transporte público. Acendeu uma leve esperança de que, após o crescimento econômico, devemos começar a nos preocupar com a nossa educação – e não estou falando de escolas e ensino, e sim com a boa educação, com civilidade e civilização. Ainda temos muito que andar por aqui, mas ao menos me bateu uma sensação de que estamos indo no caminho certo. Tomara.

PS – Os shows foram ótimos: o Primavera em Barcelona funcionou como um relógio, apresentando shows memoráveis do Tame Impala, Blur, Nick Cave, My Bloody Valentine, Chris Owens, Breeders, Bob Mould, Dinosaur Jr. e Jesus & Mary Chain, e o Neil Young fez o melhor show de 2013 com quase três horas de guitarradas na incrível arena de Waldbühne, um dos lugares mais lindos que já vi. Isso sem contar as companhias, foi uma das melhores viagens que já fiz. Saca só os vídeos abaixo:

 

Barcelona 2013

sagrada-familia

O fotógrafo russo Alexandr Kravtsov reuniu 24 mil fotos em um time lapse de Barcelona que nos lembra rapidamente porque a cidade catalã é tão encantadora.

Quando a Sagrada Família ficar pronta

sagradafamilia

Falei de Barcelona e agora pintou esse vídeo.

Esse prédio já é incrível em obras, imagina quando estiver pronto…

Caleidoscópio Barcelona

barcelona-kaleidolapse

Um caleidoscópio de timelapses em uma das cidades mais fodas do mundo.

Blur no Primavera 2013

Em Barcelona e no Porto. Quem vai?

Lana Del Rey apavorando no Sónar de Barcelona

E por falar na aniversariante do dia, viram o que ela aprontou no Sónar? Desceu do palco (de novo) para beijar fãs, e a primeira foi uma brasileira, que desacreditou:

E ela encerrou o show com “National Anthem”, abaixo gravado pela mesma brasileira que ganhou o beijo da Lana: