Interferir, mexer, remixar

Ilustração: Babee Scarambone

Ilustração: Babee Scarambone

Colaboro mais uma vez com a ótima Revista Helena, desta vez escrevendo o ensaio “Interferir, mexer, remixar“, que versa sobre como a tecnologia moderna está destruindo o conceito de indústria cultural para reinventar um novo parâmetro de cultura, com a ascensão do prosumer – produtor e consumidor – antevisto por Marshall McLuhan (sempre ele). O texto vem ilustrado pelas belas colagens da querida Babee Scarambone e esta edição da revista ainda conta com um papo de Kamille Viola com Rogerio Skylab, uma entrevista com José Ramos Tinhorão, Roberto Mugiatii lembrando do inverno de 1962 em Londres, uma linda HQ do Guazzelli, um conto de Carol Bensimon, a celebração no aniversário do romance Avalovara, de Osman lins, entre outras ótimas pautas – confere lá.

Como foi a edição de maio de 2016 das Noites Trabalho Sujo

Sussa apresenta My Magical Glowing Lens

sussa14fevereiro2016

Depois de quase dois anos hibernando, as Tardes Trabalho Sujo estão de volta. A festa Sussa – diurna, tranquila e favorável – volta a funcionar na ressaca do carnaval, trazendo uma das melhores pérolas da atual renascença psicodélica brasileira, a banda capixaba My Magical Glowing Lens. Filhote da cabeça da guitarrista Gabriela Deputlski, a banda, que agora é um trio, passeia por pairagens sessentistas mas com forte influência das tempestades de microfonia sussurrada do final dos anos 80 – psicodelia shoegaze, para ser mais exato. Transe ruidoso pra fazer cérebros derreterem com música. Ela mostra a ótima “Windy Streets” em um vídeo exclusivo para o Trabalho Sujo.

Filmei o show que ela fez na Casinha no ano passado, quando tocava com outra banda de apoio:

A primeira Sussa do ano começa a partir das 16h20, no próximo domingo, e além do show do MMGL ainda discoteco ao lado da Babee, do Danilo e do Luiz. E dizem que vai rolar participação especial no show do My Magical Glowing Lens, vamos ver…

SUSSA – Tardes Trabalho Sujo apresenta My Magical Glowing Lens
Domingo, 14 de fevereiro de 2016
Show: My Magical Glowing Lens
Com discotecagem de Alexandre Matias, Luiz Pattoli, Babee e Danilo Cabral
Casa Do Mancha
R. Felipe de Alcaçova – Pinheiros. São Paulo.
Telefone: (11) 3796-7981
A casa aceita cartões de débito.
Ingresso: R$ 20
Horário: a partir das 16h20

Como foi a festa de 20 anos do Trabalho Sujo

Nossa… Nem te conto.

Noites Trabalho Sujo | 20 anos do Trabalho Sujo | 21.11.2015

trackers21novembro2015face

Novamente nosso experimento acontece na mesma Associação Brasileira de Empresários de Diversões no centro histórico da maior cidade da América do Sul e desta vez celebra duas décadas de pesquisas em musicoterapia, neurometereologia, psiconarrativas e comunicações interdisciplinares do estudioso brasiliense Alexandre Matias, que convida seus velhos colegas do laboratório Noites Trabalho Sujo e os doutores em frequências rítmicas e explorações psíquico-harmônicas para a realização de um novo congresso Analógicodigital, que também celebra também a primeira realização do simpósio, há cinco anos. No auditório azul, trabalhando com equipamentos eletrônicos, discos rígidos, memórias portáteis e registros de diferentes épocas de gravações sonoras deste e do século passado, o experimento emocional Noites Trabalho Sujo também conta com a precisão cirúrgica do perito em física do movimento Danilo Cabral, especialista em frequências graves e autocontrole da mente que desembarca direto de uma pesquisa de campo no estado do Maranhão, e a abordagem termossociológica do doutor Luiz Pattoli, que traz em sua bagagem estudos norte-americanos que apontam uma série de motivos para abandonar os trajes de forma inconsciente. A atração desta edição fica com o retorno da estudiosa independente Babee, que abandonou as pesquisas com cobaias voluntárias para dedicar-se à composições de harmonia ótica e excepcionalmente retorna ao seu reduto intelectual para felicidade de seus colaboradores e admiradores. No auditório preto, o trio de antropólogos psíquicos formado por Ronaldo Evangelista, Maurício Fleury e Peba Tropikal do instituto Veneno Soundsystem traz seus raros suportes circulares de petróleo para demonstrar que justaposições de diferentes frequências provocam forte atação química e transe cerebral conexo. E próximo à recepção, o jovem cientista Wilson Farina lida com suas ondas de calor de forma experimental. Como de praxe, a presença no experimento deve ser confirmada por correio eletrônico horas antes de sua realização, que acontece no dia 21 de novembro de 2015, pouco após às 11 horas da noite. Venha com a cabeça aberta, pés descansados e o coração quente.

Noites Trabalho Sujo @ Trackers | 20 anos de Trabalho Sujo
Sábado, 21 de novembro de 2015
No som: Alexandre Matias, Danilo Cabral, Luiz Pattoli, Babee (Noites Trabalho Sujo), Mauricio Fleury, Peba Tropikal, Ronaldo Evangelista (Veneno Soundsystem) e Wilson Farina (Heatwave).
A partir das 23h45
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email [email protected] (e chegue cedo – os 100 que chegarem primeiro na Trackers pagam R$ 20 pra entrar)

Ave Mancha!

mancha-katiamello

Nós da trupe Sussa – eu, Danilo, Pattoli, Babee e Klaus – fomos chamados pra dar início aos trabalhos do Fora da Casinha, o festival de oito anos da Casa do Mancha, que consagra a atual cena independente brasileira com o primeiro festival de indie rock realizado em São Paulo neste século. Na real é uma desculpa pra aplaudirmos pessoalmente este sujeito incrível que, na raça, vem adubando cada vez mais uma cena local e autoral, além de criar uma das melhores bolhas de otimismo da cidade (a incrível foto acima, com Samurai e a Ana de papagaios de pirata, foi tirada pela Kátia e eu tunguei de uma ótima história oral do Mancha contada na Vice). São dez atrações – Twinpine(s), Gui Amabis, Carne Doce, Supercordas, Maurício Pereira, Holger, Soundscapes, Stela Campos, O Terno e Boogarins – que mostram a amplitude e especificidade deste gênero, que também reunirá um verdadeiro quem é quem do indie rock brasileiro nesta década – não apenas de São Paulo, pois tem gente vindo de tudo quanto é lugar. Pra comemorar, vamos tocar só música brasileira. O festival começa às 16h deste domingo no Centro Cultural Rio Verde e os ingressos estão quase no fim!

Fora da Casinha 2015

Fora da Casinha

Nem lembro há quanto tempo conheço o Mancha, mas lembro perfeitamente da minha felicidade quando ele aceitou dividir uma Noite Trabalho Sujo na Trackers na primeira vez que fizemos shows na festa (com Bonifrate e Soundscapes). A parceria seguiu logo depois quando o convidei para repetir a dose na festa de 18 anos do Trabalho Sujo (quando ele convocou o MZK e o Curumin) e saquei que havia uma preocupação: Mancha, que fez seu nome junto à cena independente brasileira ao transformar sua própria casa em um dos melhores (e menores) palcos da cidade, era refém de um local.

Havia uma preocupação de expandir os horizontes espaciais da Casa do Mancha para que seu trabalho não ficasse preso a uma coordenada geográfica e ele já tinha algumas ideias na manga. A primeira delas confirma-se hoje, quando ele chamou o Trabalho Sujo pra ser o veículo que anuncia o primeiro Fora da Casinha: um festival de música independente brasileira que acontece durante o primeiro domingo de outubro. São 10 bandas que já passaram pela Casinha se apresentando continuamente por honestos 60 reais (40 reais o primeiro lote, não dê mole) – talvez a melhor relação custo/benefício da noite paulistana. O festival acontece no Centro Cultural Rio Verde e reúne Holger, Gui Amabis, Mauricio Pereira, Twinpine(s), Stela Campos, O Terno, Carne Doce, Soundscapes, Supercordas e Boogarins. Eu, Danilo, Klaus, Luiz e Babee estaremos presentes recebendo o público com a tranquilésima volta das Tardes Trabalho Sujo – não, a Sussa não morreu.

“Faz uns anos que flerto com extrapolar o limite físico da casinha, não ficar refém de um modelo de trabalho singular”, me explica o Mancha. “Já temos essa preocupação de não estagnar numa situação confortável e nos últimos dois anos realizamos algumas produções fora com resultados muito bons. Conforme fomos amadurecendo ficou mais latente a relevância do que podemos apresentar, então fui moldando a idéia de um festival que mantivesse a narrativa que temos na Casa do Mancha só que numa proporção maior.”

Ele conta um pouco da história do lugar: “A Casa do Mancha surgiu de um estúdio caseiro na sala da casa onde eu morava. Basicamente minha intenção era gravar minhas idéias, músicas de amigos e eventualmente juntar todo mundo pra mostrar o que a gente tava fazendo. Aconteceu isso e muito mais. Aos poucos as gravações ganharam melhor qualidade, aprendemos a tirar um bom som da sala e as apresentações se tornaram mais frequentes, disputadas por um público que buscava conhecer novos artistas. Tive pessoas incríveis que passaram anos comigo ajudando a conduzir a casinha como o Tomaz Afs e o Rafael Crespo e isso me fez perceber que existia ali um potencial para ajudar a alicerçar uma fatia da produção musical independente.”

Ele reforça o acerto de opção: “Por estar numa posição privilegiada, em contato com muitos artistas constantemente, vejo coisas incríveis na produção atual. Não é a realidade do grande mercado pois esse ainda é pautado pela lógica do consumo fácil, sem muitas preocupações com referências ou evolução. Mas agora, passada a comoção do acesso à tecnologia que facilitou as gravações, voltamos ao ponto que o artista se destaca pelas apresentações. Isso necessariamente progride a música ao vivo, tanto pro lado dos artistas quanto dos locais de show.”

Pergunto se é uma só edição ou se teremos outros Fora da Casinha depois desse: “O festival nasce como comemoração dos 8 anos da casinha”, diz. “Minha maior preocupação foi costurar artistas que representam bem nosso trabalho durante esse tempo, todos tem um forte laço conosco, são parceiros de longa data e estão nesse festival muito mais pela relação que eles tem com a casa do que qualquer outro motivo. Então vai ser uma festa de aniversário com amigos. E aniversário a gente faz todo ano, se tivermos fôlego e amigos pra comemorar sempre… Por que não?”

Os ingressos começaram a ser vendidos hoje e o primeiro lote custa só R$ 40. Não dê mole.

Como foi a última Noite Trabalho Sujo no Alberta #3

noitestrabalhosujo150731-00

Fotos: Natália Pires

Noites Trabalho Sujo | 26.06.2015

noitestrabalhosujo150626-1

Fotos: Natália Pires

Noites Trabalho Sujo | 26.06.2015 | Despedida da Babee :~

noites26junho2015

Uma era chega ao fim. Nossa querida Babee está em um momento de transição – quer dedicar-se mais às artes plásticas (já viu? É demais e preferiu abandonar a melhor sexta-feira de São Paulo para repensar a vida. Mas ela não podia deixar as Noites Trabalho Sujo sem um último encontro conosco, por isso a edição dessa semana é a última oportunidade de ver nós quatro tocando ao mesmo tempo. A partir de julho as Noites Trabalho Sujo continuam comigo, Luiz Pattoli e Danilo Cabral num novo formato, por isso vamos celebrar a última edição do atual lotando a pistinha do Alberta #3! E dar um beijo de despedida na Babee – que volta, ah volta – tira um sabático da nossa bolha noturna de alto astral.

Noites Trabalho Sujo | Despedida da Babee :~
com Babee, Danilo Cabral, Luiz Pattoli e Alexandre Matias
Sexta-feira, 26 de junho de 2015
Alberta #3. Avenida São Luís, 272. Centro.
A partir das 22h.
R$ 35 / R$ 25 (com nome na lista pelo [email protected])