Como foi a edição de março das Noites Trabalho Sujo

Noites Trabalho Sujo | 12.03.2016

trackers12março2016

A missão do nosso simpósio semanal de experimentos psíquico-físicos é tão simples quanto ousada: afastar as más vibrações que pairam sobre a maior cidade da América do Sul. Para isso reunimos um já conhecido elenco de pesquisadores e fenomenólogos para reverter o quadro magnético pesado que paira sobre a cidade. O local do encontro novamente é a antena de concreto Trackertower, no coração histórico da metrópole, que estará em plena fotossíntese de astral para emitir ondas gravitacionais positivas para desintoxicar o domingo. O estudo central será conduzido pelo trio de pesquisadores Alexandre Matias, Danilo Cabral e Luiz Pattoli, do centro de estudos aplicados Noites Trabalho Sujo, que recebem o convidado PhD Fabio Bianchini diretamente de uma ilha mágica do Atlântico Sul. Os quatro residem no auditório azul, trabalhando os efeitos do som e da luz sobre indíviduos sãos e voluntários a partir da repetição do ritmo para despertar a atividade cerebral inconsciente que dispara enzimas que mexem no humor, na adrenalina e na libido dos candidatos ao êxtase. Na sala de pesquisas preta, a dupla Karen Ercolin e Acacio Mendes aplicam soluções sonoras de rápido engajamento psíquico para lentamente dominar todo o andar fazendo os presentes se mover. Outra dupla, do instituto de psicologia noturna Missin Link, formados pelos pós-graduados Daniel Prazeres e Vanessa Gusmão, mantém a velocidade da informação ativa para nunca desacelerar quadris e corações. A programação desta parte da madrugada encerra-se com a defesa de tese do doutorando Carlos Costa, dedicado a mostrar como a fusão entre diferentes frequências sonoras pode causar impactos em áreas ainda desconhecidas do córtex humano. Na área de entrada, a estudiosa de campo Ana Freitas assume o comando da improvável sala de experimentações na recepção do evento e chamou o estudioso Eric Coelho para ajudá-la na aplicação de suas teorias antropológicas. O exorcismo lógico começará a receber seus convidados a partir das 23h45 do dia 12 de março de 2013, mas apenas serão recebidos os que enviarem seus nomes para o endereço eletrônico [email protected] até quatro horas antes do início da sessão. O preço de admissão é de 30 reais mas os 100 primeiros voluntários a comparecerem pagam apenas 20 reais para submeter-se à experiência transformadora. Pede-se que o valor de entrada seja levado em espécie.

Noites Trabalho Sujo @ Trackers
Sábado, 12 de março de 2016
No som: Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Fabio Bianchini, Ana Freitas, Eric Coelho, Karen Ercolin, Acacio Mendes, Vanessa Gusmão e Daniel Prazeres (Missin Link)
A partir das 23h45
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email [email protected] (e chegue cedo – os 100 que chegarem primeiro na Trackers pagam R$ 20 pra entrar)

Como foi o Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!

Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!

trackers9fevereiro2016

As experiências psíquico-sônico-físicas proporcionadas pelo centro de pesquisas Noites Trabalho Sujo mais uma vez entram no módulo anual de exercícios e testes realizados em condições extremas de satisfação e prazer. O estudo antropológico-medicinal conduzido no laboratório psicodélico Trackertower desta vez recebe seus participantes depois de uma exposição intensa à noventa e seis horas de energia orgônica extravasada na cara. Depois de quatro dias de descoordenação motora e alucinações etílicas, que testam os limites da extroversão em nossos convidados, atravessamos a última madrugada do carnaval paulistano deste ano movimentando sistemas circulatórios, neurônios, quadris e espasmos de enzimas de estímulo e animação. Os experimentos começam logo à entrada, quando os convidados são recepcionados pelo pós-doutorado em expansão cerebral química Ricardo Spencer, que acelerará partículas sonoras buscando referências em suas raízes soteropolitanas. No pavilhão azul, o grupo de pesquisadoras Awe Mariah, formado pela antropóloga social Heloísa Lupinacci, a controladora psíquica Mariana Gouveia, a coreógrafa mental Fernada Pappalardo e a exploradora rítmica Luise Federman, testa os limites da compreensão e do ritmo submetendo os presentes a doses maciças de registros musicais ativadores do inconsciente. A pós-graduanda em comportamento digital Ana Paula Freitas junta-se à apresentação do grupo de pesquisadoras num encontro inédito neste lado do Equador. No outro auditório, dois dos três fundadores do instituto de pesquisas culturais Veneno Soundsystem desmancham preconceitos e desconcertam estereótipos ligados às civilizações latino-americanas, africanas, caribenhas e do oriente médio. O pesquisador de continentes Peba Tropikal traz sua coleção de registros raros em acetato enquanto o escritor Ronaldo Evangelista demonstra improvisos musicais de décadas passadas. Os dois recebem o renomado correspondente Ramiro Zwetsch, do laboratório Radiola Urbana, que hoje atua na indústria artesanal fonográfica em seu enclave Patuá Discos, que substitui a ausência do doutor arranjador Maurício Fleury, atualmente em excursão pela Europa com o coletivo psíquico-rítmico Bixiga 70. E encerrando as atividades, o centro de pesquisa realizador do encontro, o trio de cientistas intergaláticos intraplanetário Noites Trabalho Sujo, extrai a energia restante dos participantes, convertendo o desgaste físico em combustível para outras tantas horas de excitação e êxtase. Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral também fazem questão de frisar a importância da fantasia nesta madrugada, para que o experimento possa atravessar camadas cerebrais ativadas também pelo questionamento visual. Como de praxe, a participação no evento requer obrigatoriamente o envio dos nomes de quem quiser se submeter a tais experiências pelo correio eletrônico [email protected]

Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!
Terça, 9 de fevereiro de 2016
No som: Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Helo Lupinacci, Fe Pappalardo, Mari Gouveia e Lu Federman(Awe Mariah), Ana Freitas, Ricardo Spencer, Ramiro Zwetsch, Ronaldo Evangelista e Peba Tropikal (Veneno Soundsystem)
A partir das 23h45
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email [email protected] (e chegue cedo – os 100 que chegarem primeiro na Trackers pagam R$ 20 pra entrar)

Como foi a última Noite Trabalho Sujo de 2015

Você já ouviu falar no Codex Seraphinianus?

codex_seraphinianus_00

Atenção para estas imagens:

O Codex Seraphinianus foi concebido pelo artista italiano Luigi Serafini em 1981 e reúne 400 páginas de um gênese inexplicável escrito em uma linguagem indecifrável – segundo seu autor, transmitida psicograficamente por seu gato. A Ana explica isso melhor em matéria que escreveu no site da Galileu – e se a curiosidade atiçar ainda mais, saca só o vídeo abaixo feito apenas com páginas do livro (que volta a ser publicado este mês, na Itália).

 

Berlim: “The snake is gonna smoke”

the-snake-is-gonna-smoke

Aí embaixo tem mais fotos da manifestação a favor do protesto no Brasil que aconteceu neste domingo, feitas pela Ana. Alguém faz uma camiseta com essa frase, por favor!

 

Amy Cuddy: Fake it till you make it?

Amy-Cuddy-TED

Um TED sobre expressão corporal – e como seu corpo pode mudar sua mente, como sua mente pode mudar seu comportamento e como se comportamento pode mudar seus resultados.

Vi na Ana, que explica melhor porque você precisa ver este vídeo.

Impressão Digital #131: Saindo do Link Estadão


A última encarnação do Link que comandei (em sentido horário a partir da esquerda): eu, Camilo, Thiago, Murilo, Vinícius, Carol, Filipe e Tati. sdds glr :~

Minha coluna de despedida da edição do Link. A coluna segue no caderno, toda segunda, mas desde a sexta-feira passada eu não frequento mais os corredores do sexto andar do prédio ocre perto da ponte do Limão na Marginal Tietê. Foi foda – saio com dorzinha no peito por perder determinadas convivências diárias, mas com a sensação de dever cumprido. Depois eu escrevo mais sobre isso…

Jornalismo, tecnologia, web e o que eu tenho a ver com isso
Sou feliz de trabalhar com quem trabalhei

Foi num jornal diário que comecei minha carreira e tomei gosto pelo jornalismo. A redação em que diferentes egos e perspectivas conversam e se chocam é um ambiente fantástico, circo-hospício seríssimo. Os assuntos mais pedestres trombam com as Grandes Questões da Humanidade, tudo correndo contra o relógio do fechamento, segundos contados para terminar o texto, chegar a foto, tratar a imagem, exportar a arte, pensar na página.

A primeira redação em que trabalhei tinha acabado de aposentar as máquinas de escrever e as trocado por PCs, mas não havia e-mail nem internet. Filmes eram revelados. Fumava-se na redação. Parece Mad Men, mas era 1994.

Lembro do primeiro PC com acesso à internet na redação, abandonado na sala de produção, ao lado dos computadores com matérias das agências de notícias, faxes e até uma máquina de telex. Eu era o único jornalista que me dedicava mais do que meia hora online, fuçando sites, listas de discussão e e-zines, antes de ter acesso à web em casa. Não à toa instiguei o próprio jornal a ter sua própria página na rede, ainda em 1996.

Mudei para a redação do jornal concorrente e tornei-me editor do caderno de cultura no mesmo ano em que o Napster popularizou o MP3. Foi quando percebi que internet não era só tecnologia – era cultura. Que baixar MP3 era o primeiro indício da transformação que o meio digital trazia. Não era só uma forma nova de “consumir cultura”, mas uma nova camada de experiência que atravessaria nosso cotidiano em breve.

E aconteceu: vieram os blogs, o Google cresceu, depois o YouTube, as redes sociais e o celular passou a acessar a internet. Passei por outras redações e cheguei a esta do Estadão no mesmo ano em que Steve Jobs mostrou seu iPhone. Novamente num jornal diário, mas o digital se impunha: fatos podiam ser checados online, fontes e personagens podiam ser descobertos em redes sociais, repórteres mandavam informações por celulares, todo mundo tinha e-mail, uma parte (pequena) da redação tinha blog. Ainda havia a máquina de fax e não era possível fumar no computador, mas ainda havia o fumódromo.

Quando comecei no Link, ainda editor-assistente, era relativamente fácil separar quem cobria que área no caderno. Mas os assuntos se misturaram e, ao ser promovido a editor em 2009, implodimos essas barreiras. Como passamos a escrever tanto para um caderno semanal quanto para um site diário – em vez de separar quem é do impresso com quem é do online. A mesma equipe também assumia o caderno em outras plataformas, que experimentou com as redes sociais antes do próprio jornal ter suas contas. Falamos do Twitter, do Marco Civil, do Facebook, da pirataria política e de impressão 3D antes de esses assuntos entrarem na pauta brasileira.

Mas a melhor coisa nestes cinco anos e meio de Link, que terminam nesta edição (estou deixando o Estadão esta semana) foi estar junto a pessoas ótimas, amigos dispostos a encarar desafios e a aprender, sempre de bom humor. Pessoalmente é a principal dívida que tenho com o jornal: ter trabalhado com pessoas tão fodas que vocês conhecem pelo nome e sobrenome, mas que me refiro como amigos – Filipe, Tati, Camilo, Murilo, Carol, Vinícius, Thiago, Helô, Carla, Rafa, Fernando, Ana, Fred, Rodrigo, Bruno, Ju, Lucas, Gustavo, Marcus. Juntos, transformamos não apenas o suplemento de tecnologia em um caderno central para o jornal como aceleramos a mudança na cobertura de tecnologia no Brasil. Além de termos aprendido e nos divertido muito, neste processo.

Quis o destino que meu último Link viesse na mesma semana em que o primeiro jornal que trabalhei acabou; o Diário do Povo, de Campinas, parou de circular no primeiro domingo deste mês. Mas isso não significa que o impresso irá acabar – estamos começando a ver uma transformação bem interessante no que diz respeito ao jornalismo, à tecnologia e, claro, à cultura humana. Vamos ver o que virá.

Saio da redação, mas sigo nestas páginas. A Impressão Digital segue aqui, toda segunda. Foi muito bom, aprendi muito. E não se esqueçam: só melhora.

Como foi a Noite Trabalho Sujo com a Ana Freitas

Ana me ajudou a destruir a pistinha da sexta passada no Alberta com estilo – como podem ver nas fotos que a querida Bárbara, de volta às lentes da festa, tirou durante a noite. E a próxima sexta-feira é com a Babee! Prepare-se!