Vida Fodona #694: Festa-Solo (29.11.2020)

vf694

Mais uma edição ao vivo do Vida Fodona para acompanhar a apuração da eleição – mais um Festa-Solo lá no twitch.tv/trabalhosujo nesta tarde de domingo.

Kylie Minogue – “Magic”
Konk – “Your Life”
Talk Talk – “It’s My Life”
Criolo – “Bogotá”
Bixiga 70 – “Pedra de Raio”
Metá Metá – “Corpo Vão”
Letuce – “Quero Trabalhar Com Vidro”
Boogarins – “Foimal”
Rincon Sapiência – “Crime Bárbaro”
Stevie Wonder – “All Day Sucker”
Last Poets – “It’s a Trip”
Meters – “Tippi Toes”
Cymande – “Brothers On The Slide”
Curtis Mayfield – “Superfly”
Marvin Gaye – “I Heard It Through The Grapevine”
Creedence Clearwater Revival – “I Heard It Through The Grapevine”
Amy Winehouse + Paul Weller – “I Heard It Through The Grapevine”
Slits – “I Heard It Through The Grapevine”
Yoko Ono – “Walking On Thin Ice”
Waterboys – “The Whole Of The Moon”
Velvet Underground – “Foggy Notion”
Os Cascavellettes – “O Dotadão Deve Morrer”
Raul Seixas – “A Verdade Sobre A Nostalgia”
Hüsker Dü – “Pink Turns to Blue”
Sonic Youth – “Skip Tracer”
Buzzcocks – “What Do I Get?”
Sebadoh – “Pink Moon”
Pixies – “Monkey Gone To Heaven”
Neil Young & Crazy Horse – “Powderfinger”
Legião Urbana – “Heroes”
Lulina – “Birigui”
Pavement – “Gold Soundz”
Elastica – “Connection”
Olivia Tremor Control – “Hideaway”
Big Star – “Down the Stret”
Jimi Hendrix Experience – “Still Raining, Still Dreaming”
Bob Dylan – “Just Like Tom Thumb’s Blues”
Bárbara Eugenia – “Cama”
Pink Floyd – “San Tropez”
Beck – “So Long, Marianne”
Courtney Barnett & Kurt Vile – “Over Everything”
Blur – “End Of A Century”
Billie Eilish – “All The Good Girls Go To Hell”
Angel Olsen – “Too Easy”
PJ Harvey – “The Dancer”
Paulinho da Viola – “Dança da Solidão”
Beatles – “Cry Baby Cry”

Amy Winehouse em duas caixas de discos

amy-the-collection

A diva soul inglesa Amy Winehouse, que morreu há quase dez anos, ressurge no fim de 2020 em duas coleções póstumas, passando a limpa em toda sua discografia. São duas caixas, uma com cinco discos em vinil, outra com todos seus doze compactos. The Collection reúne toda sua discografia oficial – os três discos que lançou em vida (Frank, de 2003, e Back to Black, de 2006, e o ao vivo I Told You I Was Trouble: Live in London, de 2007), a coletânea póstuma Lioness: Hidden Treasures e um disco reunindo os principais remixes, reunindo nomes como Hot Chip, Harmonic 33, Kardinal Beats, Jay-Z, Mylo, entre outros.

amy-the-collection-lps

Já 12×7: The Singles Collection reúne tanto seus festejados singles “Rehab”, “You Know I’m No Good”, “Back To Black”, “Love Is A Losing Game” e “Tears Dry on Their Own” quanto faixas menores e o dueto que ela fez com Tony Bennett, “Body and Soul”.

amy-singles

A caixa de compactos chega antes, no dia 20 de novembro (aniversário do Trabalho Sujo), e a de álbuns chega no dia 4 de dezembro. As duas já estão em pré-venda (a de álbuns aqui, a de compactos aqui). Abaixo, a ordem das músicas das duas caixas:

12×7: The Singles Collection

Compacto 1
“Stronger Than Me”
“What It Is”

Compacto 2
“Take The Box”
“Round Midnight”

Compacto 3
“In My Bed”
“You Sent Me Flying”

Compacto 4
“Pumps”
“Help Yourself”

Compacto 5
“Rehab”
“Do Me Good”

Compacto 6
“You Know I’m No Good”
“Monkey Man”

Compacto 7
“Back To Black”
“Valerie (Jo Whiley Live Lounge)”

Compacto 8
“Tears Dry on Their Own”
“You’re Wondering Now”

Compacto 9
“Love Is A Losing Game”
“Love is a Losing Game (Kardinal Beats Remix)”

Compacto 10
“Body and Soul” (com Tony Bennett)
“A Song For You”

Compacto 11
“Our Day Will Come”
“Will You Still Love Me Tomorrow”

Compacto 12
“I Saw Mommy Kissing Santa Claus”

The Collection

Frank
“Intro / Stronger Than Me”
“You Sent Me Flying / Cherry”
“Know You Now”
“Fuck Me Pumps”
“I Heard Love Is Blind”
“Moody’s Mood For Love (Teo Licks)”
“(There Is) No Greater Love”
“In My Bed”
“Take The Box”
“October Song”
“What Is It About Men”
“Help Yourself”
“Amy Amy Amy (Outro)”

Back to Black
“Rehab”
“You Know I’m No Good”
“Me & Mr Jones”
“Just Friends”
“Back To Black”
“Love Is A Losing Game”
“Tears Dry On Their Own”
“Wake Up Alone”
“Some Unholy War”
“He Can Only Hold Her”
“Addicted”

Lioness: Hidden Treasures
“Our Day Will Come”
“Between The Cheats”
“Tears Dry (Original Version)”
“Will You Still Love Me Tomorrow?”
“Like Smoke”
“Valerie (’68 Version)”
vThe Girl From Ipanema”
“Half Time”
“Wake Up Alone (Original Recording)”
“Best Friends, Right?”
“Body And Soul”
“A Song For You”

Live in London (Live from Shepherd’s Bush Empire, 2007)
“Intro / Addicted”
“Just Friends”
“Cherry”
“Back To Black”
“Wake Up Alone”
“Tears Dry On Their Own”
“He Can Only Hold Her / Doo Wop (That Thing)”
“Fuck Me Pumps”
“Some Unholy War”
“Love Is A Losing Game”
“Valerie”
“Hey Little Rich Girl” (com Zalon & Ade)
“Rehab”
“You Know I’m No Good”
“Me & Mr Jones”
“Monkey Man”

Remixes
“Stronger Than Me (Harmonic 33 Remix)”
“Take The Box (Seijis Buggin’ Mix)v
“Fuck Me Pumps (MJ Cole Remix)”
“In My Bed (CJ Mix)”
“Rehab (Hot Chip Remix)”
“Back To Black (Mushtaq Vocal Remix)”
“You Know I’m No Good (Ghostface UK Version)”
“Tears Dry on Their Own (Al Usher Remix)”
“Love Is A Losing Game (Kardinal Beats Remix)”
“Rehab (Remix Featuring Jay-Z)”
“You Know I’m No Good (Skeewiff Mix)”
“Tears Dry on Their Own (Alix Alvarez Sole Channel Mix)”
“Fuck Me Pumps (Mylo Remix)”
“Back To Black (The Rumple Strips Remix)”
“Love Is A Losing Game (Truth & Soul Remix)”

Vida Fodona #674: Festa-Solo (7.9.2020)

vf674

Mais uma segunda, mais um Festa-Solo ao vivo na twitch.tv/trabalhosujo a partir das 21h – este foi o da semana passada. Quem vem hoje?

Haim – “Summer Girl (Amber Mark Remix)”
Dua Lipa – “Pretty Please”
Jessie Ware – “Spotlight”
Pet Shop Boys – “West End Girls”
Letrux – “Coisa Banho de Mar (Tin God Remix)”
Waterboys – “The Whole of the Moon”
Joe Goddard + Betsy – “Endless Love”
LA Priest – “What Moves (Soulwax Remix)”
New Order – “Bizarre Love Triangle”
Lizzo – “Juice”
Cut Copy – “Hearts on Fire (Holy Ghost Remix)”
Chaka Khan – “I Feel For You”
Curtis Mayfield – “Superfly”
Bixiga 70 – “100% 13”
Karina Buhr – “Conta-Gotas”
Rita Lee – “Ovelha Negra”
Ritchie – “Vôo de Coração”
Orange Juice – “Falling and Laughing”
Whitest Boy Alive – “1517”
Beta Band – “Dry the Rain”
Pink Floyd – “Free Four”
Cat Power – “The Greatest”
Van Morrison – “Astral Weeks”
Lana Del Rey – “Venice Bitch”
Weyes Blood – “Wild Time”
Angel Olsen – “(We Are All Mirrors)”
Stephen Malkmus – “Shadowbanned”
Ariel Pink’s Haunted Graffiti – “Round and Round”
Bárbara Eugênia – “Coração”
Amy Winehouse – “You Know I’m No Good”
Arctic Monkeys – “You Know I’m No Good”
Al Kooper + Shuggie Otis – “Lookin’ for a Home”
Beatles – “Happiness Is A Warm Gun”

Máquina do Tempo: 1° a 31 de dezembro

filth-fury
1° de dezembro – Os Sex Pistols falam “fuck” pela primeira vez na TV, Neil Young é processado pela gravadora por mudar seu som e Kenny G segura uma nota por 45 minutos

jjorgeben70
2 de dezembro – Rod Stewart chega ao topo plagiando Jorge Ben, Bowie lança seu primeiro single e o porco inflável do Pink Floyd escapa

brianepstein
3 de dezembro – Os Beatles conhecem Brian Epstein, é exibido o 1968 Comeback Special de Elvis e Bono recupera seu laptop perdido – com o disco novo do U2

deeppurple
4 de dezembro – Um incêndio inspira a faixa-símbolo do Deep Purple, o Led Zepellin anuncia seu fim e morre Frank Zappa

bobmarley
5 de dezembro – Bob Marley faz show dois dias depois de ser vítima de um atentado, Black Flag lança o primeiro disco e Adele ultrapassa Amy Winehouse

altamont
6 de dezembro – O festival de Altamont encerra os anos 60 de forma trágica, morre Leadbelly e Elvis Costello se casa com Diana Krall

otisredding
7 de dezembro – Otis Redding finaliza sua faixa-símbolo, os Beatles fecham sua Apple Store e Bowie aparece em público pela última vez

sargentelli
8 de dezembro – Nasce Sargentelli, morre John Lennon e o Metallica toca na Antártida

charlie-brown-natal
9 de dezembro – Vince Guaraldi põe jazz na trilha de Charlie Brown, o Chic chega ao topo das paradas e Ozzy sofre um acidente

cbgb
10 de dezembro – A fundação do CBGB’s, a morte de Otis Redding e a queda que quase matou Frank Zappa

velvet-underground-
11 de dezembro – O primeiro show do Velvet Underground, Jerry Lee Lewis casa-se com prima de 13 anos e Mariah Carey leva o ringtone de ouro

thedoors
12 de dezembro – O último show dos Doors, Ace Frehley quase morre eletrocutado num show e Mick Jagger vira Sir

pattismith
13 de dezembro – Patti Smith lança Horses, o semanário inglês Melody Maker acaba e Beyoncé lança um disco-surpresa

clash
14 de dezembro</strong> – O Clash lança London Calling, Os Embalos de Sábado à Noite estreia no cinema e morre Ahmet Ertegun


15 de dezembro – Dr. Dre lança The Chronic, morre Glenn Miller e Taylor Swift chega ao topo com seu 1989


16 de dezembro – O fim do The Who, o hit de Billy Paul e o seguro na língua de Miley Cyrus


17 de dezembro – Elvis Costello é banido do Saturday Night Live, Dylan chega à Inglaterra pela primeira vez e morre Captain Beefheart

keith-richards
18 de dezembro – Nasce Keith Richards, os Beatles iniciam sua última temporada em Hamburgo e Rod Stewart toca para 35 milhões de pessoas

madonna
19 de dezembro – Madonna ultrapassa Coldplay, Lady Gaga, Jay-Z e Kanye West, o roadie de Henry Rollins morre assassinado e Elton John emplaca seu primeiro hit nos EUA

adele
20 de dezembro – Adele chega ao topo de 2012, Joan Baez é presa por protestar contra a guerra e morre Reginaldo Rossi

psy
21 de dezembro – “Gangnam Style” é o primeiro clipe a bater um bilhão de views no YouTube, Elvis se encontra com Nixon e morre Júpiter Maçã

almirante
22 de dezembro – Morre o sambista e pesquisador Almirante, o pensamento vivo de Ronald Reagan em disco e a quase morte de um Motley Crue


23 de dezembro – É inaugurada a rádio pirata mais conhecida da história, Brian Wilson sofre um colapso nervoso e Ice Cube é expulso do N.W.A.


24 de dezembro – O último show dos Sex Pistols na Inglaterra, o primeiro show dos New York Dolls e o Nirvana começa a gravar seu primeiro disco

whitechristmas
25 de dezembro – “White Christmas”, o single mais vendido de todos os tempos volta ao topo das paradas e morrem Dean Martin, James Brown e George Michael


26 de dezembro – Paul McCartney “morre” em um acidente de carro e os Beatles o trocam por um sósia, The Wall chega ao topo das paradas de discos e morre Curtis Mayfield

showboat
27 de dezembro – Show Boat inaugura o musical moderno, Leonard Cohen lança seu primeiro álbum e o Led Zeppelin, seu segundo


28 de dezembro – Dennis Wilson, dos Beach Boys, morre afogado no mar, Elvis Presley toma LSD e um câncer violento mata Lemmy

cassia
29 de dezembro – Morre Cássia Eller, o casal do Jefferson Airplane se separa e Aimee Mann casa-se com Michael Penn

frank-sinatra
30 de dezembro – Sinatra torna-se o primeiro ícone adolescente do mundo, o fim do Emerson Lake & Palmer e George Harrison é esfaqueado

rodstewart
31 de dezembro – Rod Stewart faz o maior show ao ar livre do mundo, o fim do Max’s Kansas City e Paul McCartney torna-se Sir

Máquina do Tempo: 23 de outubro

ipod

Em outros 23 de outubro, a minha Máquina do Tempo nos leva para o lançamento do iPod, a primeira vez de Stevie Wonder, Sid Vicious tenta se matar e Amy Winehouse lança “Rehab” – veja mais lá no Reverb.

O primeiro trailer do documentário sobre Amy Winehouse

amy-poster

Mais um filme que tenta humanizar seu objeto de pesquisa, o documentário Amy lança seu primeiro trailer – e não consegue esconder a drástica decadência de uma cantora cuja queda veio mais rapidamente que o auge. Escrevi sobre o documentário lá no meu blog no UOL http://matias.blogosfera.uol.com.br/2015/05/22/amy-winehouse-eu-nao-acho-que-vou-me-tornar-famosa/

Um trechinho do documentário sobre Amy Winehouse

amy-winehouse

Apareceu online um trecho do documentário sobre Amy Winehouse que eu havia comentado aqui antes. Nele, o primeiro empresário da cantora, Nick Shymansky, comenta sobre como ela começou a compor suas canções.

Amy, Kurt e os ídolos do futuro

amywinehouse

Aproveitei o lançamento do trailer do documentário sobre Amy Winehouse – além do próximo documentário sobre Kurt Cobain – pra falar sobre como os ídolos do futuro serão construídos: http://matias.blogosfera.uol.com.br/2015/04/05/amy-winehouse-kurt-cobain-e-a-criacao-dos-idolos-do-futuro/.

***

amywinehouse

Comentei outro dia sobre o documentário sobre Amy Winehouse e o trailer dele apareceu logo em seguida. Vale ver ou rever:

Dirigido pela mesma equipe que produziu o documentário Senna, o filme sobre a cantora inglesa chama-se apenas Amy e carrega uma forte semelhança com outro documentário que mencionei aqui neste blog, Montage of Heck, sobre os anos de formação de Kurt Cobain.

Já escrevi aqui que a atual fase de ouro do cinema documental inevitavelmente nos trará para questionamentos mais frequentes sobre nosso cotidiano, em vez de remoer o passado. Mas os filmes Amy e Montage of Heck são os exemplos mais recentes de uma longa onda de reinvenção pública de personalidades pop, uma tendência que teve início durante os anos 80, quando novas tecnologias como o videocassete, a fita cassete e o compact disc possibilitaram que a indústria do entretenimento começasse a se reinventar a partir de relançamentos.

Foi quando artistas e autores começaram a entender o valor de suas personalidades públicas na hora de se vender um produto cultural. Os precursores desta tendência foram os Beatles, que aproveitaram a chegada do CD para oficializar sua discografia, determinando a versão britânica de seus discos como sendo o catálogo canônico da banda. Mas só foram os Beatles – e não, por exemplo, Elvis Presley, Miles Davis, Frank Sinatra ou o Led Zeppelin – porque durante os anos 80, o grupo completava aniversários de vinte anos de diferentes efemérides em sua carreira. E sempre que uma geração madura olha para sua adolescência, a diferença entre essas duas fases é de vinte anos, o que faz que ela tenha disposição financeira para gastar com produtos culturais dos tempos em que era jovem – e quase sempre não tinha dinheiro para comprar o que gostaria. A interseção entre as novas tecnologias de registro de áudio e vídeo e o início do revival dos anos 60 deu origem à mitificação de toda uma era, que não era tão gigante em seu próprio tempo.

Não é exagero dizer que todos os clássicos dos anos 60 – sejam bandas de rock, filmes emblemáticos, best-sellers, quadrinhos alternativos – são muito maiores atualmente do que em seu tempo. Daria pra dizer o mesmo sobre ícones de outras épocas, mas os anos 60 são uma década muito mais emblemática culturalmente do que as décadas anteriores. Todo o zeitgeist presente na época – a beatlemania, a literatura beat, o free jazz, a Invasão Britânica, a Jovem Guarda, a psicodelia, o black power, a Swinging London, o existencialismo, o feminismo, a nouvelle vague, a contracultura, os movimentos sociais, o situacionismo, o tropicalismo e qualquer outro movimento daquela época – conseguiu consolidar-se vinte anos depois graças a uma onda de relançamentos que só aconteceu graças ao advento das novas tecnologias, especialmente graças à popularização do CD e do VHS.

Como estas novas tecnologias não nos abandonaram – pelo contrário, foram sendo ampliadas as formas de se registrar e relançar produtos culturais -, a consolidação das décadas que vieram após os anos 60 em nosso imaginário aconteceu à medida em que passavam-se vinte anos de cada uma delas: os anos 90 ajudaram a consolidar os anos 70 (dos Beastie Boys a Quentin Tarantino, Boogie Nights e a disseminação da estética vintage) e a primeira década deste século moldou a imagem que temos dos anos 80 (plásticos, eletrônicos, urbanos e cheios de néon). Estamos, nos anos 10, em pleno período de reavaliação dos anos 90, consolidando a última década do século passado em nosso inconsciente coletivo atual, e prestes a começar a tentar a entender os anos 00, que nem sabemos como chamar.

E é aí que entram os documentários sobre Kurt Cobain e Amy Winehouse. Cada vez mais vamos assistir à consolidação de biografias que moldaram suas reputações a partir de registros culturais – tanto ao ser inspirado por discos, livros e filmes quanto por usar gravadores, filmadoras, celulares, máquinas fotográficas e a internet como dispositivos para registrar suas próprias produções caseiras e, portanto, suas próprias vidas.

Em pouco tempo estaremos assistindo a documentários sobre pessoas que tiveram toda sua vida registrada – seja em milhões de fotos tiradas diariamente pelos pais quanto por registros em redes sociais, canais de compartilhamento de conteúdo digital, troca de mensagens instantâneas, cruzamento de contatos via internet. As infâncias de Kurt Cobain e de Amy Winehouse foram muito mais registradas do que as de John Lennon ou de Billie Holiday. Há um ar de mistério nos velhos ídolos justamente por não termos registros de tudo sobre eles.

Será que se tivéssemos redes sociais nos anos 60 assistiríamos aos shows dos Beatles em Hamburgo pelo YouTube? Ou o Velvet Underground poderia ser bem maior graças à máquina de hype de Andy Warhol? Quem sabe? O fato é que quem quiser conhecer melhor qualquer pessoa pública de nossos tempos antes da fama, basta usar a internet para fazer algumas buscas e descobrir fotos, vídeos e, dependendo da idade do artista, posts em redes sociais que podem revelar muito sobre sua produção atual e também sobre sua personalidade.

Cada vez mais os biógrafos do futuro terão menos dificuldade para acessar a acervos pessoais de seus biografados. Talvez a maior preocupação seja conseguir reunir e assistir a tudo – ver, ler, ouvir, catalogar – para chegar a um produto final.

E não acho que isso seja melhor ou pior do que o que tínhamos antes – é apenas como a cultura de nosso tempo se move.

Como olhar para o passado vai nos trazer de volta para o presente

amy-movie

A notícia de um documentário sobre Amy Winehouse pode ser só uma primeira mudança na tendência de olharmos para o passado. Falo mais sobre isso num post de hoje do meu blog no UOL: Documentários sobre o passado vão nos trazer de volta para o presente.

amy-movie

Quase toda semana há um novo documentário sobre algum artista, já percebeu? Quando não é um documentário é um filme inspirado na vida de algum nome célebre ligado à cultura. Ou uma peça. Ou um musical. Ou um seriado. Não importa o formato: o fato é que a história da cultura popular do século 20 tem servido continuamente como fonte de inspiração para novas obras – que, por mais que tentem se reinventar, apenas vendem o velho.

A novidade desta semana foi o anúncio do documentário Amy, sobre Amy Winehouse, dirigido pelo mesmo Asif Kapadia que há cinco anos dirigiu o ótimo Senna, sobre o piloto brasileiro. É mais um filme que se debruça sobre milhares de horas de imagens disponíveis sobre seu personagem, inclusive várias que nunca vieram a público, para tentar traçar um perfil psicológico de uma pessoa que vive uma vida comum e em pouco tempo torna-se uma celebridade de primeira grandeza. O filme foi anunciado apenas com um pôster e sua data de estreia foi marcada para julho deste ano. Um trailer aparecerá em breve.

Mas Amy Winehouse, por maior que tenha sido, não chegou ao status de estrela graças apenas à sua personalidade artística. Metade de sua fama veio com os paparazzi, o excesso de exposição e a overdose midiática que acompanha qualquer popstar atualmente. A forma como Amy lidou com esta fama acabou custando-lhe a vida – e até outro dia líamos sobre ela nas páginas dos jornais, das revistas e da internet.

Eis uma mudança neste cenário cultural que revisita ícones do passado com uma frequência cada vez maior: Amy Winehouse morreu há quatro anos. Um documentário sobre sua vida talvez fizesse sentido como item jornalístico logo após sua morte, mas esta velocidade para transformar-se em obra cinematográfica é uma tendência cada vez maior. Afinal, não é um caso isolado – aqui mesmo no Brasil a vida do vocalista do Charlie Brown Jr., Chorão, que morreu há dois anos, já virou o musical Dias de Luta, Dias de Glória.

Há uma variação, portanto, de uma tendência detectada pelo escritor e crítico inglês Simon Reynolds em seu já clássico livro Retromania: Pop Culture’s Addiction to its Own Past (Retrômania: O vício da cultura pop em seu próprio passado, ainda inédito no Brasil), de 2011. Nele o autor flagra uma obsessão com o passado recente da cultura popular em caixas de CD, reedições de luxo, shows que reproduzem discos antigos na íntegra, DVDs cheios de extras. Ele usa o excesso de produções que revivem diferentes épocas de ouro para dizer que a produção cultural do século 21 é vazia e que necessita de referências do passado para validar-se.

Retromania

Exagero. Há todo um espectro da cultura de nossos dias que, sim, cita, celebra e repete ícones do século passado, mas eles são quase sempre destinados a uma nova classe de consumidores adultos, que vive num mundo com uma produção cultural cada vez mais intensa e de oferta avassaladora de opções à venda – sem contar as gratuitas. Por isso usar de uma história já conhecida, falar de personagens que não precisam ser apresentados ao público ou recorrer a canções que todo mundo já conhece são recursos que facilitam a captura da atenção do consumidor.

Mas há uma classe de consumidores que nem percebe o que está nas capas de revista ou nas vitrines das megastores. Movimenta-se pela internet e consome conteúdo quase sempre de graça, trocando links, filmes, games, fotos e músicas com a mesma facilidade com que se trocam emails. O que essa nova juventude consome é irreconhecível a esse consumidor adulto que frequenta cinemas nos shoppings e lota shows de artistas que ganham mais dinheiro depois de terem saído da aposentadoria para fazer shows. São vídeos que ensinam a passar de fase em jogos eletrônicos, clipes caseiros que parecem superproduções graças a efeitos especiais, músicas de artistas cada vez mais jovens e desconhecidos, monólogos no YouTube. A “retrômania” detectada por Simon Reynolds diz respeito a uma geração nascida no século 20. Os que nasceram no século 21 – ou alguns anos antes – já estão em outra.

O que é perceptível dentro dessa onda de filmes, musicais, documentários é que por mais que a fonte de novidades a partir de clássicos ou raridades do passado pareça infindável, ela não é. E o fato de estarmos vendo este tipo de produção voltar-se para pessoas que até outro dia estavam nas manchetes dos jornais tentando vender sua própria originalidade mostra que em pouco tempo não precisaremos que estas celebridades morram para que possamos assistir às histórias de suas vidas contadas em grande escala.

Isso colide com uma tendência que tem misturado o jornalismo ao cinema documental, fazendo que profissionais que em outras épocas estavam em redações de jornais, revistas ou emissoras de TV se dediquem à produção de longas metragens de não-ficção. Como essa tendência também faz parte da reclamação sobre “retrômania” detectada por Simon Reynolds, muitos filmes estão sendo produzidos sobre o passado. Mas há uma parcela cada vez maior de documentários sobre o que acontece nos dias de hoje.

Isso pode responder a uma dúvida fundamental em qualquer indivíduo que tenha uma vida digital hoje em dia: o que fazer com tantos vídeos, fotos e gravações das nossas rotinas? Esse excesso de registros vai ajudar os jornalistas-cineastas de um futuro bem próximo a contar histórias de forma mais aprofundada, detectar perfis emocionais a partir de imagens caseiras, afundar-se em personalidades complexas a partir de milhões de registros sobre elas.
Talvez os documentários sejam as matérias de capa de revista no futuro próximo que extingue o consumo de informação através do papel.

Hits aos pedaços

tracks

A Ju lembrou daquele post com as faixas de cada instrumento do Led Zeppelin em separado quando trombou com este site. Basta escolher uma música, esperar carregar as faixas, dar play e perder algumas horas brincando com os pedaços dos hits que você conhece de cor. Valeu Ju!