Thiago Pethit entre o mundano e o mitológico

Foto: Rafael Barion

Foto: Rafael Barion

“Antes de tudo, eu queria que este disco chegasse às pessoas como um alento. Um alento sobre o luto, sobre a dor, o mal estar”, me conta por escrito Thiago Pethit, sobre seu recém-lançado quarto disco, Mal dos Trópicos (Queda e Ascensão de Orfeu da Consolação). “Não como uma bobagem tipo ‘calma gente, vai ficar tudo bem’. Mas o contrário. Um ‘talvez não fique tudo bem, e o que a gente vai fazer?’. É primeiro uma aceitação do luto, de que os pesadelos e todas as paranoias que pairaram sobre o nosso futuro podem se tornar concretas. E para que a gente possa refletir sobre tudo isso e a partir daí conseguir juntar forças, é necessário olhar para essas sombras.”

De certa forma é isso que ele traduz no clipe de “Orfeu”, lançado em primeira mão no Trabalho Sujo, descobrindo cenas bucólicas no pesadelo urbano paulistano através dos drones pilotados pela diretora Camila Cornelsen, adornado por traços e letras do próprio Thiago. “Então eu não quis fazer um disco escapista – para bater cabelo e fingir que ta tudo certo na sexta à noite. Não creio que seja um momento solar, de celebração. Se é para celebrar eu armaria uma festa fúnebre, distópica, empesteada. Mas a Mamba Negra e as músicas do Teto Preto por exemplo já fazem isso muito bem. E sob um ponto de vista bastante pessoal, também não creio que seja hora de meter o louco e botar pra quebrar tudo sem antes alguma reflexão, uma estrategia. Por isso, a dor, o abandono e destruição, e algum acolhimento nessas palavras e nesse mito que fala sobre luto e renascimento sob uma ótica pagã.”

“É um disco denso e mais maduro também. Sinto que é um disco adulto, sabe? Mais íntimo, mais ‘fora do palco’. E mais brasileiro também que os meus outros. Acredito que esse é o disco que eu sempre quis fazer mas não só eu não estava pronto pra ele como também o mundo ao redor não parecia pedir tanta densidade assim. A realidade está bastante densa”, continua. “A beleza há de salvar o mundo – essa ideia tem me acompanhado desde sempre. Onde tem luz tem sombra, é isso. O disco trabalha o tempo todo nestes paralelos: sujo e belo, tropical mas sombrio, mundano e mitológico. Queda e ascensão. O lirismo do disco talvez seja nessa crença, ainda que desesperançosa, de que o veneno da cobra ainda possa nos servir como cura. Uma crença nas Bacantes, no renascimento, na antropofagia.”

Ele segue explicando as inspirações do disco: “Foram muitas, na verdade. Meu processo criativo é sempre muito intuitivo, vou criando uns mosaicos malucos na minha cabeça com montes de peças que não parecem se encaixar a princípio. Olhando pra trás, eu diria que o primeiro ‘sintoma’ me ocorreu em 2016 e eu não o entendi. Deixei de canto até 2018, quando finalmente o mosaico parece que se formou e consegui enxergar o quadro que vinha pintando sem perceber. Estávamos passando pelo processo político de impeachment da Dilma. O Brasil já estava um caos, e eu tinha uma intuição de que minha turnê ‘Rock N Roll Sugar Darling’ já não correspondia às demandas de comunicação daquele momento. Não sabia dizer bem o por quê: mas de lá pra cá, havia uma sensação de mal estar geral sobre os rumos do país e uma turnê de um disco celebrativo e festivo, parecia fora de hora. Ainda tinham muitos pedidos de show e convites para tocar em festivais, mas pra mim era hora de encerrar esse projeto e começar outro. O nome Mal dos Trópicos por exemplo – a ideia desse mal estar, como uma peste tropical que nos assolava, surgiu nessa época. Tinha também saudade de cantar, como quem canta intimamente voz e violão, de voltar a escrever canções que pudessem flertar com poesia. Esse arquétipo do poeta, do Orfeu, eram coisas que já estavam lá na minha cabeça também. Mas parecia tudo muito precoce. Em 2017, eu encerrei a RnR Tour e decidi que não teria pressa. De lá pra cá, muita coisa aconteceu comigo e com o mundo em volta. Muitos desses signos pessoais e externos foram ganhando interpretação e tudo isso foi desenhando esse Orfeu da Consolação.”

Deixo-o continuar escrevendo: “Foi um processo muito, muito diferente dos meus anteriores. A começar pelo fato de que fiquei de 2014 à 2017 sem escrever nenhuma música sequer. Cheguei a achar que era isso e que talvez eu não conseguisse ou não tivesse mais um barato em escrever. Quando criei aquele projeto sobre as obras da Patti Smith, eu dediquei muito tempo às pesquisas literárias: desde os poemas dela, do Burroughs, Rimbaud, coisas pelas quais ela é apaixonada e que pareciam necessárias para entender as letras dela e as referencias todas com mais autoridade. Me lembrei de quando eu era adolescente e escrevia poesias na maior ingenuidade sonhando com essa ideia romântica que eu tinha do que era ser poeta. Acho que por contato com essa literatura voltei a escrever textos, cronicas do meu dia a dia, alguns poemas. Nada que se pretendia ser música.”

“Então apareceu ‘Rio’ e logo depois ‘Orfeu'”, ele menciona duas faixas centrais de seu novo disco. “Eu escrevi as letras e automaticamente tive vontade de descobrir como seria cantá-las. Trabalhei essas músicas sozinho na minha sala, durante meses e meses e não conseguia imaginar que elas seriam parte do meu trabalho. Pareciam mais como se eu estivesse fazendo exercícios de composição. Mas estranhamente, era a primeira vez desde o Berlim, Texas que eu senti muito prazer nisso. No ato de fazer e completar cada música. Um prazer meio apaixonado pela coisa. Com o tempo, o mundo e o mercado vão deixando a gente mais cínico, eu acho. Dessa vez, como eu não pretendia exatamente chegar a lugar nenhum e nem mostrar aquilo pra ninguém, eu era só esse prazer mesmo. Então aconteceu: os temas desses poemas que eu vinha musicando começaram a girar em torno de assuntos similares, uma mesma sensação a ideia mitológica, épica. Algo que me fez lembrar daquele nome que surgiu na minha cabeça lá em 2016 ainda: Mal dos Trópicos. E então eu soube que eu tinha um disco em mente e isso seria inevitável. O desejo de voltar pra música já estava ali me devorando”, prossegue.

E conta como aconteceu seu encontro com o produtor Diogo Strausz, no início do ano passado. “Eu sabia que tinha um disco e sabia também que esse disco seria um desafio pra mim mesmo. Não queria fazer nada com pressa e nem uma dessas produções expressas e imediatistas, meio sons genéricos modernos que o mercado fica empurrado pros artistas naquele desejo de fazer sucesso. Não fazia também a menor ideia de como eu poderia juntar esses temas mitológicos, as referencias eruditas de Villa-Lobos e Bach, e uma sonoridade contemporânea e mais suja como o trip hop. Só chamei o Diogo, que eu conhecia pouco e admirava de longe, no momento em que eu entendi muito bem onde queria chegar e o porque estaria escolhendo ele para ser meu maior colaborador neste projeto. E de fato ele foi um grande parceiro. Difícil mesmo foi conseguir agrupar tantos conceitos, tantas mensagens e ideias e referencias numa identidade só. Acho que eu e o Diogo passamos mais tempo conversando do que de fato criando ao longo dos meses. Foi um processo muito íntimo. Entre eu e ele. E eu sozinho com essas músicas e ideias. Foram quase dois anos de processo criativo silencioso. Segurar essa onda toda e não pensar nos boletos, isso foi complicado.”

E conclui: “Pra mim, ser artista e comunicador implica em bastante responsabilidade, sabe? Me parece péssimo pensar que na quarta à noite eu poste nas minhas redes uma frase de indignação sobre alguma tragédia dentre as muitas que estamos vendo e já na quinta eu esteja divulgando uma música que não tem nada a ver com minha postura em relação ao momento. Não é sobre se posicionar politicamente, ou como se tivéssemos a obrigação de falar de todos os assuntos. Mas é sobre essas camadas mais sutis de leitura e comunicação com o público. Eu preciso, pois pra mim é muito importante, saber que estou gerando através do meu trabalho alguma inspiração que faça sentido rumo aquilo que eu acredito. Orfeu pode ser um mito sobre o fim do amor. Pode ser sobre o artista que perde a inspiração. O poeta que perde a musa. Um povo que perde a crença e a esperança. Pode ser sobre a usurpação das coisas belas, justas, proporcionais. A usurpação das leis e democracias, e as consequências de tudo isso.
Acredito que o álbum, assim como o mito, possa abrir diversas leituras e identificações.”

Você pode gostar...