Como foi o Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!

Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!

trackers9fevereiro2016

As experiências psíquico-sônico-físicas proporcionadas pelo centro de pesquisas Noites Trabalho Sujo mais uma vez entram no módulo anual de exercícios e testes realizados em condições extremas de satisfação e prazer. O estudo antropológico-medicinal conduzido no laboratório psicodélico Trackertower desta vez recebe seus participantes depois de uma exposição intensa à noventa e seis horas de energia orgônica extravasada na cara. Depois de quatro dias de descoordenação motora e alucinações etílicas, que testam os limites da extroversão em nossos convidados, atravessamos a última madrugada do carnaval paulistano deste ano movimentando sistemas circulatórios, neurônios, quadris e espasmos de enzimas de estímulo e animação. Os experimentos começam logo à entrada, quando os convidados são recepcionados pelo pós-doutorado em expansão cerebral química Ricardo Spencer, que acelerará partículas sonoras buscando referências em suas raízes soteropolitanas. No pavilhão azul, o grupo de pesquisadoras Awe Mariah, formado pela antropóloga social Heloísa Lupinacci, a controladora psíquica Mariana Gouveia, a coreógrafa mental Fernada Pappalardo e a exploradora rítmica Luise Federman, testa os limites da compreensão e do ritmo submetendo os presentes a doses maciças de registros musicais ativadores do inconsciente. A pós-graduanda em comportamento digital Ana Paula Freitas junta-se à apresentação do grupo de pesquisadoras num encontro inédito neste lado do Equador. No outro auditório, dois dos três fundadores do instituto de pesquisas culturais Veneno Soundsystem desmancham preconceitos e desconcertam estereótipos ligados às civilizações latino-americanas, africanas, caribenhas e do oriente médio. O pesquisador de continentes Peba Tropikal traz sua coleção de registros raros em acetato enquanto o escritor Ronaldo Evangelista demonstra improvisos musicais de décadas passadas. Os dois recebem o renomado correspondente Ramiro Zwetsch, do laboratório Radiola Urbana, que hoje atua na indústria artesanal fonográfica em seu enclave Patuá Discos, que substitui a ausência do doutor arranjador Maurício Fleury, atualmente em excursão pela Europa com o coletivo psíquico-rítmico Bixiga 70. E encerrando as atividades, o centro de pesquisa realizador do encontro, o trio de cientistas intergaláticos intraplanetário Noites Trabalho Sujo, extrai a energia restante dos participantes, convertendo o desgaste físico em combustível para outras tantas horas de excitação e êxtase. Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral também fazem questão de frisar a importância da fantasia nesta madrugada, para que o experimento possa atravessar camadas cerebrais ativadas também pelo questionamento visual. Como de praxe, a participação no evento requer obrigatoriamente o envio dos nomes de quem quiser se submeter a tais experiências pelo correio eletrônico noitestrabalhosujo@gmail.com.

Baile de Carnaval Noites Trabalho Sujo 2016!
Terça, 9 de fevereiro de 2016
No som: Alexandre Matias, Luiz Pattoli e Danilo Cabral (Noites Trabalho Sujo), Helo Lupinacci, Fe Pappalardo, Mari Gouveia e Lu Federman(Awe Mariah), Ana Freitas, Ricardo Spencer, Ramiro Zwetsch, Ronaldo Evangelista e Peba Tropikal (Veneno Soundsystem)
A partir das 23h45
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email noitestrabalhosujo@gmail.com (e chegue cedo – os 100 que chegarem primeiro na Trackers pagam R$ 20 pra entrar)

Como foi a última Noite Trabalho Sujo de 2015

Como foi o Baile Analógicodigital de Carnaval 2015

baileanalogicodigital_150218-99

Que noite! Estávamos com saudades da Trackers, das Awe Mariah e de dividir a noite com os Veneno Soundsystem – e o Baile Analógicodigital deste carnaval foi inacreditável! As fotos da Natália contam melhor essa história. E nessa sexta quem segura a Noite Trabalho Sujo é o Danilo, que convocou a Ariane Freitas pra discotecar com ele. Prepare-se!

baileanalogicodigital_150218-1

baileanalogicodigital_150218-129

baileanalogicodigital_150218-128

baileanalogicodigital_150218-127

baileanalogicodigital_150218-126

baileanalogicodigital_150218-125

baileanalogicodigital_150218-124

baileanalogicodigital_150218-123

baileanalogicodigital_150218-122

baileanalogicodigital_150218-121

baileanalogicodigital_150218-120

baileanalogicodigital_150218-119

baileanalogicodigital_150218-118

baileanalogicodigital_150218-117

baileanalogicodigital_150218-116

baileanalogicodigital_150218-114

baileanalogicodigital_150218-113

baileanalogicodigital_150218-112

baileanalogicodigital_150218-111

baileanalogicodigital_150218-110

baileanalogicodigital_150218-108

baileanalogicodigital_150218-107

baileanalogicodigital_150218-106

baileanalogicodigital_150218-105

baileanalogicodigital_150218-104

baileanalogicodigital_150218-103

baileanalogicodigital_150218-102

baileanalogicodigital_150218-101

baileanalogicodigital_150218-100

baileanalogicodigital_150218-98

baileanalogicodigital_150218-97

baileanalogicodigital_150218-96

baileanalogicodigital_150218-95

baileanalogicodigital_150218-94

baileanalogicodigital_150218-93

baileanalogicodigital_150218-92

baileanalogicodigital_150218-91

baileanalogicodigital_150218-90

baileanalogicodigital_150218-86

baileanalogicodigital_150218-85

baileanalogicodigital_150218-84

baileanalogicodigital_150218-83

baileanalogicodigital_150218-82

baileanalogicodigital_150218-81

baileanalogicodigital_150218-80

baileanalogicodigital_150218-79

baileanalogicodigital_150218-78

baileanalogicodigital_150218-77

baileanalogicodigital_150218-76

baileanalogicodigital_150218-75

baileanalogicodigital_150218-74

baileanalogicodigital_150218-73

baileanalogicodigital_150218-72

baileanalogicodigital_150218-71

baileanalogicodigital_150218-70

baileanalogicodigital_150218-69

baileanalogicodigital_150218-68

baileanalogicodigital_150218-67

baileanalogicodigital_150218-66

baileanalogicodigital_150218-65

baileanalogicodigital_150218-64

baileanalogicodigital_150218-63

baileanalogicodigital_150218-62

baileanalogicodigital_150218-61

baileanalogicodigital_150218-60

baileanalogicodigital_150218-59

baileanalogicodigital_150218-58

baileanalogicodigital_150218-57

baileanalogicodigital_150218-56

baileanalogicodigital_150218-55

baileanalogicodigital_150218-54

baileanalogicodigital_150218-53

baileanalogicodigital_150218-52

baileanalogicodigital_150218-51

baileanalogicodigital_150218-50

baileanalogicodigital_150218-49

baileanalogicodigital_150218-48

baileanalogicodigital_150218-47

baileanalogicodigital_150218-46

baileanalogicodigital_150218-45

baileanalogicodigital_150218-44

baileanalogicodigital_150218-43

baileanalogicodigital_150218-42

baileanalogicodigital_150218-41

baileanalogicodigital_150218-40

baileanalogicodigital_150218-39

baileanalogicodigital_150218-38

baileanalogicodigital_150218-37

baileanalogicodigital_150218-36

baileanalogicodigital_150218-35

baileanalogicodigital_150218-34

baileanalogicodigital_150218-33

baileanalogicodigital_150218-32

baileanalogicodigital_150218-31

baileanalogicodigital_150218-30

baileanalogicodigital_150218-29

baileanalogicodigital_150218-28

baileanalogicodigital_150218-27

baileanalogicodigital_150218-26

baileanalogicodigital_150218-25

baileanalogicodigital_150218-24

baileanalogicodigital_150218-23

baileanalogicodigital_150218-20

baileanalogicodigital_150218-18

baileanalogicodigital_150218-17

baileanalogicodigital_150218-16

baileanalogicodigital_150218-15

baileanalogicodigital_150218-14

baileanalogicodigital_150218-13

baileanalogicodigital_150218-12

baileanalogicodigital_150218-11

baileanalogicodigital_150218-10

baileanalogicodigital_150218-9

baileanalogicodigital_150218-8

baileanalogicodigital_150218-7

baileanalogicodigital_150218-6

baileanalogicodigital_150218-5

baileanalogicodigital_150218-4

baileanalogicodigital_150218-3

baileanalogicodigital_150218-2

Baile ANALÓGICODIGITAL de Carnaval 2015

trackers17fevereiro2014

Você se lembra da primeira vez? De enfrentar uma longa fila no centro de São Paulo madrugada adentro para chegar um prédio de esquina e subir uma escada em espiral que levava para um andar inteiro de experiências psicotrópicas alucinógenas rítmicas. Você se lembra de atravessar corredores coloridos e passar por um elevador que não funciona? De chegar em uma banheira perto de um cofre junto a um manequim em paredes desenhadas e iluminadas de acordo com a sua consciência? As varandas cheias de gente conversando sobre todo tipo de assunto, as pistas desvairadas com pessoas suadas ou seminuas se entregando a ritmos latinos, grooves sintéticos, hits do passado e pérolas desconhecidas. O grande laboratório hedonista criado a partir da fusão das festas Noites Trabalho Sujo e Veneno Soundsystem volta a acontecer na reabertura noturna da mítica Trackertower, que ainda conta com a reunião do agora quinteto Awe Mariah. Vamos matar a saudade da noite ANALÓGICODIGITAL no dia mais épico da folia brasileira: a terça-feira de carnaval. Venha fantasiado – e quem viver, sobreviverá!

CARNAVAL 2015 / VENHA FANTASIADO
Terça-feira, 17 de fevereiro de 2015
Trabalho Sujo + Awe Mariah + Veneno Soundsystem
Trackertower: R. Dom José de Barros, 337, Centro, São Paulo
Entrada: R$ 30 só com nome na lista pelo email noitestrabalhosujo@gmail.com
R$ 20 pra quem chegar antes da meia-noite

Impressão Digital #131: Saindo do Link Estadão


A última encarnação do Link que comandei (em sentido horário a partir da esquerda): eu, Camilo, Thiago, Murilo, Vinícius, Carol, Filipe e Tati. sdds glr :~

Minha coluna de despedida da edição do Link. A coluna segue no caderno, toda segunda, mas desde a sexta-feira passada eu não frequento mais os corredores do sexto andar do prédio ocre perto da ponte do Limão na Marginal Tietê. Foi foda – saio com dorzinha no peito por perder determinadas convivências diárias, mas com a sensação de dever cumprido. Depois eu escrevo mais sobre isso…

Jornalismo, tecnologia, web e o que eu tenho a ver com isso
Sou feliz de trabalhar com quem trabalhei

Foi num jornal diário que comecei minha carreira e tomei gosto pelo jornalismo. A redação em que diferentes egos e perspectivas conversam e se chocam é um ambiente fantástico, circo-hospício seríssimo. Os assuntos mais pedestres trombam com as Grandes Questões da Humanidade, tudo correndo contra o relógio do fechamento, segundos contados para terminar o texto, chegar a foto, tratar a imagem, exportar a arte, pensar na página.

A primeira redação em que trabalhei tinha acabado de aposentar as máquinas de escrever e as trocado por PCs, mas não havia e-mail nem internet. Filmes eram revelados. Fumava-se na redação. Parece Mad Men, mas era 1994.

Lembro do primeiro PC com acesso à internet na redação, abandonado na sala de produção, ao lado dos computadores com matérias das agências de notícias, faxes e até uma máquina de telex. Eu era o único jornalista que me dedicava mais do que meia hora online, fuçando sites, listas de discussão e e-zines, antes de ter acesso à web em casa. Não à toa instiguei o próprio jornal a ter sua própria página na rede, ainda em 1996.

Mudei para a redação do jornal concorrente e tornei-me editor do caderno de cultura no mesmo ano em que o Napster popularizou o MP3. Foi quando percebi que internet não era só tecnologia – era cultura. Que baixar MP3 era o primeiro indício da transformação que o meio digital trazia. Não era só uma forma nova de “consumir cultura”, mas uma nova camada de experiência que atravessaria nosso cotidiano em breve.

E aconteceu: vieram os blogs, o Google cresceu, depois o YouTube, as redes sociais e o celular passou a acessar a internet. Passei por outras redações e cheguei a esta do Estadão no mesmo ano em que Steve Jobs mostrou seu iPhone. Novamente num jornal diário, mas o digital se impunha: fatos podiam ser checados online, fontes e personagens podiam ser descobertos em redes sociais, repórteres mandavam informações por celulares, todo mundo tinha e-mail, uma parte (pequena) da redação tinha blog. Ainda havia a máquina de fax e não era possível fumar no computador, mas ainda havia o fumódromo.

Quando comecei no Link, ainda editor-assistente, era relativamente fácil separar quem cobria que área no caderno. Mas os assuntos se misturaram e, ao ser promovido a editor em 2009, implodimos essas barreiras. Como passamos a escrever tanto para um caderno semanal quanto para um site diário – em vez de separar quem é do impresso com quem é do online. A mesma equipe também assumia o caderno em outras plataformas, que experimentou com as redes sociais antes do próprio jornal ter suas contas. Falamos do Twitter, do Marco Civil, do Facebook, da pirataria política e de impressão 3D antes de esses assuntos entrarem na pauta brasileira.

Mas a melhor coisa nestes cinco anos e meio de Link, que terminam nesta edição (estou deixando o Estadão esta semana) foi estar junto a pessoas ótimas, amigos dispostos a encarar desafios e a aprender, sempre de bom humor. Pessoalmente é a principal dívida que tenho com o jornal: ter trabalhado com pessoas tão fodas que vocês conhecem pelo nome e sobrenome, mas que me refiro como amigos – Filipe, Tati, Camilo, Murilo, Carol, Vinícius, Thiago, Helô, Carla, Rafa, Fernando, Ana, Fred, Rodrigo, Bruno, Ju, Lucas, Gustavo, Marcus. Juntos, transformamos não apenas o suplemento de tecnologia em um caderno central para o jornal como aceleramos a mudança na cobertura de tecnologia no Brasil. Além de termos aprendido e nos divertido muito, neste processo.

Quis o destino que meu último Link viesse na mesma semana em que o primeiro jornal que trabalhei acabou; o Diário do Povo, de Campinas, parou de circular no primeiro domingo deste mês. Mas isso não significa que o impresso irá acabar – estamos começando a ver uma transformação bem interessante no que diz respeito ao jornalismo, à tecnologia e, claro, à cultura humana. Vamos ver o que virá.

Saio da redação, mas sigo nestas páginas. A Impressão Digital segue aqui, toda segunda. Foi muito bom, aprendi muito. E não se esqueçam: só melhora.

Como foi a ANALÓGICODIGITAL dos 5 anos do Veneno Soundsystem

Outra festa que perdi foi a ANALÓGICODIGITAL que comemorou o aniversário de cinco anos dos Veneno. Felizmente, a Bárbara estava lá e registrou o clima de perdição ensandecida já característico destas noitadas no centro abaixo. Na próxima eu reapareço!

Continue

ANALÓGICODIGITAL apresenta CINCO ANOS DE VENENO

Você sabe como são essas festas do VENENO com o TRABALHO SUJO na TRACKERS: quando você menos espera, pinta um sábado memorável do nada! E a festa de agosto promete ser épica como sempre – pra começar, o trio VENENO SOUNDYSTEM aproveita a oportunidade para festejar seus cinco anos de grooves analógicos sem fronteiras – sejam geográficas, históricas ou galáticas. E o convidado do PEBA TROPIKAL, RONALDO EVANGELISTA e MAURICIO FLEURY é o mestre DJ PAULÃO, com sua coleção impecável de pérolas negras em forma de LP. Na pista digital, o incansável ALEXANDRE MATIAS não comparece pessoalmente pois encontra-se em recuperação – mas suas vibrações se materializam em uma pista que começa com a dupla TAÍS TOTI e ANDRÉ PALUGAN desfilando hits modernos e clássicos dos anos 90, passa pela incendiária volta das AWE MARIAH (HELÔ LUPINACCI + MARI GOUVEIA + LOU FEDERMAN tocam sem a presença de SANTAROSA BARRETO, em temporada nova-iorquina) comandando uma micareta sexy iemanjá e termina com a dupla RAFA SPOLADORE + DANILO CABRAL, entre riffs de guitarra e baixos da pesada. Alguma dúvida de que vá ser histórico? Nenhuma!

VENENO 5 anos + TRABALHO SUJO
No som os DJs: Maurício Fleury, Ronaldo Evangelista, Peba Tropikal, Paulão, Helô Lupinacci, Mari Gouveia, Lou Federman, Rafa Spoladore, Danilo Cabral, Taís Toti e André Palugan. projeções: Várzea Ilustrada.

Trackertower
Rua Dom José de Barros 337, esquina com av. São João
$25 (só entra com nome na lista! baile@venenosoundsystem.com)

FYI: O vampiro europeu, o zumbi americano e o canibal brasileiro

Mais um texto meu e da Helô pro Blog do IMS:

“Fui a Garanhuns e não comi ninguém”, diria uma camiseta inventada em alguma conversa pela internet, mais uma piadinha infame em cima de um dos crimes mais chocantes e grotescos do século 21 brasileiro: um homem, sua mulher e sua amante mataram, mutilaram e comeram um número ainda não definido de mulheres, em Pernambuco. Os canibais preferiam o fígado, mas não desprezavam músculos. Foram encontrados pedaços de carne humana congelados no freezer da casa. E eles admitiram misturar carne humana ao recheio da coxinha (entre outros salgadinhos) que a mulher vendia pela cidade. E assim transformaram a vizinhança em canibais involuntários. Presos no dia 11 deste mês, os canibais de Garanhuns confessaram o crime, fizeram ressalva (comemos o fígado, não o coração – “ah bom!”) e despertaram a ira dos locais. Moradores da região invadiram a casa após a prisão do trio e puseram fogo em tudo.

Duas vezes

Segue lá!

Kony 2012: Vilão Viral

Escrevi o texto da capa do Link (sobre o Kony 2012, que ainda teve o vídeo dissecado pela Tati e uma extensa matéria feita a quatro mãos pelo Camilo e pelo Murilo) dessa semana junto com a Helô.

Vilão viral
A campanha Kony 2012 transformou-se no maior viral da história e leva política e informação para outro patamar

No dia 5 de março, entrou no ar, no canal da ONG Invisible Children, no YouTube, o vídeo Kony 2012. Em seis dias, ele já tinha sido visto 100 milhões de vezes. É o maior viral da história.

Com meia hora de duração (uma eternidade, se comparado à duração de outros virais), o curta apresenta uma campanha cujo objetivo é capturar e levar ao Tribunal Penal Internacional o criminoso de guerra ugandense Joseph Kony , líder do Exército de Resistência do Senhor, que há mais de vinte anos, sequestra crianças, transformando-as em escravas sexuais ou soldados.

O objetivo da campanha é fazer que o maior número de pessoas saiba quem é Joseph Kony e, a partir disso, cobre das autoridades medidas para capturá-lo e levá-lo a julgamento. Para tanto, propõe que o espectador peça a celebridades e autoridades que apoiem a causa, sugere a doação de “uns dólares” e a compra de um kit de mobilização, com pôsteres, adesivos e braceletes. Mas acima de tudo, pede a quem vê o filme que o mostre ao maior número de pessoas. Basta “compartilhar” no Facebook.

Além dos 100 milhões de visualizações em seis dias, esgotaram-se kits vendidos pela ONG a US$ 30 cada um. E, na mesma velocidade que se tornava popular, o vídeo recebia críticas.

Críticas de todos os lados: de questionamentos sobre os reais interesses da ONG a acusações de desinformação. E a cada nova crítica publicada, surgia uma nova defesa. A própria ONG, em seu canal no Vimeo, começou a responder aos questionamentos em vídeos conduzidos pelo CEO da organização, Ben Keesey, que termina o vídeo pedindo “pergunte qualquer coisa”. Basta twittar a pergunta, em inglês, com a hashtag #askICanything.

Além de artigos e ensaios escritos por jornalistas e intelectuais ocidentais, houve também forte reação vinda de Uganda, país escolhido pela ONG como área de atuação, embora Joseph Kony não esteja mais lá – o seu exército hoje encontra-se espalhado pelo Sudão do Sul e pela República Centro-Africana. Um vídeo da blogueira Rosebell Kagumire, postado no dia 7, foi visto mais de 500 mil vezes até sexta, 16 – mesma quantidade de views que a versão legendada em português do vídeo Kony 2012 teve.

Uma projeção ao ar livre em Lira, cidade na região norte de Uganda, gerou revolta entre as vítimas das atrocidades do Exército da Resistência do Senhor. “Se as pessoas lá fora realmente se preocupam com a gente, elas não deveriam usar camisetas do Joseph Kony em nenhuma hipótese. Isso é celebrar nosso sofrimento”, diz um homem que foi raptado pelas forças de Kony. A reportagem pode ser vista no canal da Al-Jazira no YouTube.

Pró. Em quase todas as críticas à campanha, no entanto, é feita uma ressalva: apesar de todos os problemas, uma coisa é fato, o vídeo trouxe à pauta global um assunto que é sempre deixado de lado. Em uma semana, o mundo tomou conhecimento da existência de Joseph Kony, que, enfraquecido ou não, em Uganda ou no Sudão do Sul, é acusado pelo Tribunal Penal Internacional de 12 crimes contra a humanidade e 21 crimes de guerra.

Contra. Por outro lado, é muito fácil confundir as pessoas online. Principalmente quando a forma usada para divulgar a causa simplifica questões sérias para ter maior alcance. Ainda não estão claros quais são os interesses da ONG, além de transformar Kony em celebridade. E tudo fica mais confuso depois da prisão do narrador do vídeo, Jason Russell na quinta-feira, durante um surto. É preciso ter calma e não se deixar levar pela emoção, que é o alvo deste tipo de campanha.