Pipo Pegoraro para além da canção

Foto: José de Holanda

Foto: José de Holanda

Pipo Pegoraro está mudando de ares. Depois de seu terceiro disco solo, Mergulhar Mergulhei, o guitarrista saiu do grupo Aláfia e começou a enveredar mais a sério pela música instrumental: “Acredito que minha música sempre dialogou com a música instrumental, pois sempre procurei conceber os arranjos das bases – falando de canção – de um modo a contemplar as ligas sonoras que podem agregar desdobramentos para sopros, cordas, sessões ritmas, polifonias, etc.”, ele me explica, antecipando o segundo álbum, sem voz, que já tem data de lançamento marcada para o primeiro dia do ano que vem. Antropocósmico foi produzido por ele mesmo ao lado de uma banda composta por Beto Montag no vibrafone, Daniel Pinheiro na bateria, Ricardo Braga nas percussões e Vitor Fão no trombone, além do próprio Pipo na guitarra. “Minha vida mudou bastante desde o meu último álbum e acho que isso faz parte de como penso, faço e escuto música hoje”, explica, citando, como referências musicais os próprios discos que produziu, como os de Xênia França, Filipe Catto e do próprio Aláfia, “eles me ‘acordam’ para vários fluxos musicais e me orientam para a minha própria sonoridade. Sou muito mais ligado em sintetizadores e agregados do que antigamente”, conta – embora sejam perceptíveis influências de jazz funk, hip hop instrumental, trip hop e até chillwave. Ele antecipa o single “Montanha”, penúltima faixa do novo disco, que será lançada nesta sexta-feira nas plataformas digitas, em primeira mão para o Trabalho Sujo.

Você pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *