O que a Apple quer com o iCloud?

, por Alexandre Matias

Abaixo, uma análise sobre o que quer dizer esse iCloud que a Apple acabou de lançar, que fiz pro caderno de Economia do Estadão.

Apple quer dominar a internet como Google e Facebook

Em algum momento na virada do século, a Apple deixou de ser uma empresa que fabricava computadores para convencer seus consumidores a comprarem outras coisas. Tanto o iPod quanto a loja iTunes vieram no vácuo deixado pelas grandes gravadoras, que perderam o bonde da história ao processar quem baixava música de graça na internet. Steve Jobs percebeu a lacuna no mercado e correu para vender música via internet – e, de quebra, convencer as pessoas a comprar seu MP3 player.

Depois do iPod veio o iPhone, a App Store, o Macbook Air, a Apple TV e o iPad e, em menos de dez anos, a empresa tinha deixado de ser uma fábrica de computadores para criar sua estratégia digital que integra máquinas e rede num só ecossistema. Mas, comparando com seus dois maiores rivais neste universo – Google e Facebook –, a Apple ainda é uma empresa que fabrica aparelhos, mais do que uma marca que domina a internet propriamente dita. Nesse sentido, ela está mais próxima da Sony e da Microsoft (que dominam seus nacos de rede com suas máquinas de jogar – o PlayStation e o Xbox).
Por isso, o anúncio de ontem é um passo decisivo para a empresa. Afinal, o iCloud parece ser apenas um HD online em que você pode armazenar o que comprar via iTunes e acessar de qualquer aparelho, sem precisar carregar arquivos de um lado para o outro.

Mas é mais do que isso. É a tentativa da Apple de dominar a internet como nunca conseguiu – o jeito que fez Google e Facebook serem duas das maiores empresas do mundo hoje. Afinal, tudo que você precisa dessas duas marcas está online. Se você quer qualquer coisa dessas duas empresas, não importa em que computador ou celular você esteja – basta login e senha para ter acesso à grande parte dos serviços oferecidos pelas duas.

Para a Apple, o iCloud é um passo no escuro, pois quase tudo que a empresa propõe pressupõe dinheiro. Até criar uma conta para usar aplicativos gratuitos requer que você cadastre um número de cartão de crédito. Já Google e Facebook pedem, pelo menos a princípio, nome de login e e-mail para confirmação. Depois vão associar sua conta ao seu número de telefone, aos lugares de onde você acessa aqueles serviços, quem são seus contatos, com quais pessoas você se conecta com mais tempo… E, aos poucos, vamos “pagando” ambos com nossos dados. Será que a Apple conseguirá nos convencer disso? Resta acompanhar os próximos capítulos…

Tags: , , , ,