Impressão digital #0068: Kassin e o artista do século 21

Minha coluna no 2 de domingo foi sobre o papel contínuo – e não contido – do artista no século 21, tomando Kassin como exemplo.

A estreia de Kassin
O primeiro disco, depois de muitos

Sonhando Devagar é o primeiro disco solo do músico, cantor, compositor e produtor Alexandre Kassin. É um artista com mais de 15 anos de atuação, com participação em diferentes bandas, trilhas sonoras e que tem até CDs individuais no currículo. São quase duas dezenas de discos com a marca do artista. Então por que o disco de 2011, que pode ser ouvido no site da gravadora (www.coqueiroverderecords.com/kassin/) é considerado seu primeiro trabalho solo?

Talvez porque Kassin seja um dos melhores exemplos, no Brasil, de um novo tipo de artista. Alguém que já entendeu que música, no século digital, não é produto – é processo. Por isso disco, show e canção – antes fundamentos básicos de um músico no século 20 – tornaram-se apenas algumas das peças na construção de uma carreira.

Assim, antes de lançar seu primeiro disco solo, ele já tinha alguns discos no seu nome. O primeiro deles, composto apenas com bases eletrônicas produzidas num GameBoy, foi lançado sob o nome de Artificial. Outro foi lançado sob o nome Kassin + 2, mas que não poderia ser considerado um trabalho individual, e sim do trio + 2, formado por Kassin, Moreno Veloso e Rodrigo Domenico (cada um deles lançou um disco com seu próprio nome).

Também assinou a trilha sonora do anime Michiko e Hatchin, mas preferiu não tratá-la como disco solo. Fora os discos e espetáculos que produziu, de artistas como Caetano Veloso, Adriana Calcanhotto, Los Hermanos, Mallu Magalhães, Thalma de Freitas, Vanessa da Mata, Grupo Corpo e Terruá Pará.

O novo disco pode ser considerado sua estreia pois ele reúne os conceitos pelos quais passa desde que era só o baixista da banda Acabou La Tequila: rock e ritmos caribenhos, música eletrônica e arranjos sofisticados, ficção científica e timbres anos 80, vida doméstica e Japão. Por quase 15 anos, ele passou sua carreira reunindo referências para criar uma obra contínua, em movimento. Agora, as concentra todas em um mesmo disco, como se, só agora, começasse sua história. E talvez seja isso mesmo.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Alfredo disse:

    Mathias, sou muito fã do seu blog, e muito fã desta coluna no Caderno 2, por saber, na medida certa, unir o universo da tecnologia, com o do entretenimento. Agora… achei essa coluna sobre o KAssin um pouco sem sentido, quase uma “forçassão” de barra para falar do disco do dele. Até gosto do Kassin, mas não foi o melhor espaço escolhido para isso.
    Enfim… um abraço!

  2. Oi Alfredo, permita-me discordar: Kassin esta completamente dentro do contexto da coluna… Perceba q eu soh nao usei as palavras “tag” e “link”….

  1. 18/08/2011

    […] A internet é uma assassina de mídias, ou no mínimo uma diluidora de seus impactos e poderes (afinal, alguém ganha dinheiro com música hoje: provável até que mais gente trabalhe com música agora, mas com menos grana que antigamente – “Música, no século digital, não é produto – é processo.“). […]

  2. 19/08/2011

    […] A internet é uma assassina de mídias, ou no mínimo uma diluidora de seus impactos e poderes (afinal, alguém ganha dinheiro com música hoje: provável até que mais gente trabalhe com música agora, mas com menos grana do que antigamente – “Música, no século digital, não é produto – é processo.“). […]