Impressão digital #0004: Eis o iPad

Minha coluna no Caderno 2 de domingo foi sobre o iPad.

Um player de notícias?
O que a Apple quer com o iPad

Começou. Mais uma vez a Apple se dispõe a reinventar um nicho do mercado digital a partir do lançamento de um aparelho. A empresa já fez isso com o MP3 player e com o telefone celular, ao apresentar os aparelhos ao mercado sob os nomes mágicos de iPod e iPhone.

O primeiro tornava fácil e prática a utilização de um tocador de MP3 portátil graças à interface sofisticada característica dos produtos da empresa. Mas a arma secreta do aparelho era uma loja virtual em que era possível comprar música digital às pencas – ou melhor, às faixas. A iTunes surgiu logo depois que a indústria do disco optou por lutar contra a internet em vez de abraçá-la, no início do século, quando processou seus clientes que baixavam discos de graça graças ao software Napster.

E ensinou ao mercado norte-americano – e, posteriormente, ao mundo – que música online não era sinônimo de pirataria. O que, logicamente, fez com se vendesse cada vez mais iPods.

O mesmo aconteceu com o iPhone, quando a Apple transformou o acesso à internet em um recurso básico para a telefonia móvel. E o iPhone não era apenas um BlackBerry para não-executivos – o aparelho também levava para as massas o conceito de aplicativos, pequenos softwares que fazem operações específicas usando a internet.

E assim o telefone virava um dispositivo que pode encontrar seu carro no estacionamento de um shopping, descobrir que música está tocando na estação do metrô ou quais restaurantes ficam mais próximos do hotel em que você está. Como com o iPod, a Apple também lançou um ambiente virtual para reunir estes aplicativos – a App Store.

E agora, com o iPad, lançado ontem nos Estados Unidos, espera-se que o mesmo aconteça com outros tipos de conteúdo, principalmente editorial. Mas não é uma briga com o Kindle, que segue exemplar para a leitura de livros monocromáticos. O novo aparelho da Apple quebra as barreiras entre livro, site, blog, revista, jornal, rádio e TV e propõe à geração produtora de conteúdo editorial – profissional e amadora – a repensar o ambiente em que nos informamos e nos entretemos. Se irão conseguir é outra história.

Alguém quer brincar de 2001?

O Google é conhecido por suas piadas de 1º de abril, mas elas são amadoras se comparadas às da loja online ThinkGeek.com, que todo ano lança produtos falsos para brincar com seus compradores. Este ano, além de um despertador inspirado na série Lost e de um porta iPad que lembra um fliperama, a loja anunciou este “bonequinho” ao lado – o monólito do filme 2001, de Stanley Kubrick, para colecionadores. Genial.

Você pode gostar...

Sem Resultados

  1. Tablets disse:

    O ipod e o iphone foram revolucionários, mas acho que a Apple deu um passo maior que as pernas com o iPad, com aqueles outros aparelhos, ela pegou uma coisa estabelecida e injetou criatividade e design no conceito, com o iPad ela tentou antever uma tendência, e CORREU pra lançar sua tablet no mercado antes que as concorrentes. Tanto correu que os primeiros iPad já estão apresentando problemas (wi-fi), e competidores como o HP Slate e o Gemini, que saem nos próximos meses, contam com mais recursos e preços menores (comparando as versões de 64 GB do slate e ipad). Não duvido que se ela tivesse lançado a tablet depois poderia oferecer um produto superior, mas perderia uma janela de oportunidade de marketing inestimável, de aparentar ser pioneira, mesmo a HP já tendo lançado uma tablet há anos, que não vingou. Me lembrou a Apple dos tempos em que roubou a interface de mouse da IBM. Mas… it’s a dog eat dog world.