A dura realidade que é ler um tweet sobre você mesmo

Link – 5 de março de 2012

Fora do funilContrato (da rede) socialHomem-objeto (Camilo Rocha) – Mobile World Congress: Sem crise, com protestoNo Arranque (Filipe Serrano): Depois do IPO, Facebook vai ter de provar se é inovadorImpressão Digital (Alexandre Matias): Existem mil maneiras de falar com alguém. Quero só umaContra propostaCampus Party em PE, SXSW, a rede social da Zynga e o Twitter vendendo tweets

Impressão digital #0094: Qual é a grande rede social de 2012?

Aproveitei o mote do Pinterest na capa do Link para falar da novidade que todos esperam na minha coluna.

Qual será a grande rede social de 2012?
Será o Pinterest? Creio que não…

Começou com o Orkut, aí veio o MySpace, depois o Twitter, Facebook, Tumblr, Google Plus e, em poucos anos, nos acostumamos à ideia de que periodicamente seremos apresentados a mais uma rede social que teremos de conhecer e habitar. A consequência natural desta lógica deixou de se materializar na forma de palpites ou achismos de analistas de mídia e consultores digitais para virar uma grande questão online, discutida por todos: “Qual é a próxima?”. Ou, mais especificamente, qual vai ser a grande rede social de 2012?

Daí o interesse no Pinterest, assunto da capa do Link desta edição, que, devido a seu veloz crescimento na virada do ano, vem liderando a bolsa de apostas como a principal resposta para a pergunta acima. Mas é bem pouco provável que as pessoas passem a usar o Pinterest em vez do Facebook, ameaçando o reinado digital de Mark Zuckerberg. Mesmo porque o Pinterest não é propriamente uma rede social.

É uma rede social de nicho – a maior delas hoje, em fevereiro de 2012, mas não a única. Compare com o Canv.as, que o criador do 4chan, Christopher “Moot” Poole, lançou no ano passado. Os sites são bem parecidos, inclusive estruturalmente – com o agravante do Canv.as ainda contar com um software online embutido que permite que as pessoas remixem as imagens ali postadas. O Chill.com também segue a mesma lógica, mas é voltado apenas para vídeos. Como os três, há inúmeras outras, que dão a impressão de ser redes sociais porque pressupõem a criação de um perfil online e a interação entre os usuários.

A ascensão do Pinterest tem mais a ver com outro assunto recorrente e que é paralelo ao crescimento das redes sociais: a “morte dos blogs”. Ponho entre aspas porque é um tema que volta à pauta sempre que uma nova plataforma permite a publicação de uma espécie de diário, seja em texto, vídeo ou fotos. Foi assim quando, por exemplo, o Facebook permitiu que as pessoas usassem suas “Notes” como área para blogar.

O próprio Twitter ainda é constantemente referido como “microblog”, mesmo que já tenhamos entendido que ele não funciona como um blog – e que ninguém abandonou seu próprio blog para dedicar-se apenas ao Twitter.
Outros termos ajudaram a criar essa expectativa, como o “life streaming” – de sites como Posterous e FriendFeed –, o “reblog” – popularizado pelo RT do Twitter e pelo Tumblr – e o “social bookmarking” – de sites como Digg, Reddit, Delicious e StumbleUpon.

Todos estes serviços têm, em comum, o fato de facilitar ainda mais a vida de quem quer postar algo online. Como aconteceu com o próprio conceito de blog, que, quando surgiu, vendia a possibilidade que qualquer um poderia publicar na web sem saber nada de programação ou de linguagem HTML.

Daí o Pinterest e outros integrantes desta tendência de rede social de nicho serem apenas mais um passo rumo à autopublicação para completos leigos digitais. E a notícia de que seu crescimento espetacular vem do fato de que seus primeiros usuários não pertencerem ao perfil tradicional dos early adopters (donas de casa do Meio-Oeste americano impulsionaram a ascensão do site) só comprova isso.

Não acho que o Pinterest será a grande rede social de 2012, pois creio que o site que cumprirá esta expectativa não será desenvolvido para desktop. Acredito que a próxima rede social realmente importante – aquela em que todos precisamos conhecer e habitar – será feita para funcionar a partir do celular.

E já há vários lutando por esse posto. Entre eles o californiano Path.com, fundada pelo criador do Napster Shawn Fenning e por um dos fundadores do Facebook, Dave Morin, mas que já enfrenta problemas graças a críticas sobre o uso que o serviço faz dos dados de seus usuários.

A próxima grande rede social deve funcionar mais ou menos como o Instagram do brasileiro Mike Krieger, senão for o próprio. Atualmente ele ainda é restrito a usuários de iPhone, mas há rumores sobre o lançamento de um aplicativo para Android em breve.

Vamos aguardar.

Tumblr do dia: Criminals Taking Advantage

Ou, como um mísero tweet…

…pode dar origem a um tumblr, veja abaixo:

Continue

Tumblr do dia: Sigapiovani

O Tumblr só compila pérolas ditas por Luana em sua conta no Twitter. Sente só:

Continue

11:11 do 11 do 11 do 11

Veja a chegada das 11:11 (e depois das 23:11) no dia 11 de novembro do ano passado, a partir de tweets que citavam os números 1.

Link – 12 de dezembro de 2011

Febre aviáriaAnálise: Console é coisa para os pais, crianças aprendem em tabletOs 15 melhores games do anoSaman Khan: simples como 2+2=4Memória externa: apps recontam o passadoE-books sob suspeita, Instagram no Android, iPapa, novo Twitter

A vida virou um reality show

Deve ser muito deprê terminar um relacionamento na mesa de um Burger King. Mais deprê ainda é saber que o povo ao redor está acompanhando tudo, embora disfarçando. E imagina se você descobre que uma dessas testemunhas está twittando tudo?

Culpa desse cara.

Louis C.K. e a mídia social

Feto da Wanessa – causando antes de nascer

E se um feto pode processar alguém, por que não pode ter um perfil no Twitter? Neguinho não perde tempo…