Vida Fodona #701: O início da fase imperial

Virando o disco, entrando em uma nova fase…

U2 – “Lemon”
Incredible Bongo Band – “Apache”
Kylie Minogue – “Where Does The DJ Go?”
Tame Impala – “Let It Happen”
Michael Jackson – “Billie Jean”
Talk Talk – “It’s My Life”
Thundercat – “Friend Zone”
Nelly Furtado + Timbaland – “Give It To Me”
Todd Terje – Preben Goes to Acapulco (Prins Thomas remix)
Ting Tings – “Shut Up And Let Me Go”
Primal Scream – “Kowalski”
Underworld – “Born Slippy”
Death in Vegas + Iggy Pop – “Aisha”

Vida Fodona #676: Festa-Solo (14.9.2020)

vf676

Começando mais uma semana, lembrando que segunda sempre nos encontramos online no Festa-Solo na twitch.tv/trabalhosujo a partir das 21h – o último foi assim…

Paul McCartney – “Hot as Sun”
David Bowie – “Speed of Light”
Walter Franco – “Mamãe D’Água”
Fabio Goes – “Amor na Laterna”
Letrux – “Ninguém Perguntou Por Você”
Daft Punk – “Get Lucky”
Daryl Hall & John Oates – “I Can’t Go For That (No Can Do)”
Depeche Mode – “Enjoy the Silence”
Roxy Music – “Love Is The Drug (Todd Terje Disco Dub)”
Chemical Brothers – “Hey Boy Hey Girl”
Salt-N-Pepa – “Push It”
Laid Back – “White Horse”
Talking Heads – “Crosseyed and Painless”
Rage Against the Machine – “Killing in the Name”
Smiths – “Heaven Knows I’m Miserable Now”
Duffy – “Mercy”
Radiohead – “Bodysnatchers”
Tulipa Ruiz + Lulu Santos – “Dois Cafés”
Spoon – “Do You”
Unknown Mortal Orchestra – “Ur Life One Night”
MC Carol + Karol Conka – “100% Feminista”
Flora Matos – “Preta de Quebrada”
Tim Maia – “Márcio Leonardo e Telmo”
Clarice Falcão – “Survivor”
Painel de Controle – “Black Coco”
Harmony Cats – “Margarida (Felicidade)”
Lincoln Olivetti & Robson Jorge – “Eva”
Gal Costa – “Meu Bem Meu Mal”
Djavan – “Samurai”
Stevie Wonder – “Isn’t She Lovely”
Luiza Lian – “Mira”
Quartabê – “Morena do Mar”
High Llamas – “The Sun Beats Down”
Beach Boys – “Surf’s Up”
Mutantes – “O Relógio”
Zombies – “Beechwood Park”
Beatles – “I’m Only Sleeping”

Vida Fodona #659: Festa-Solo Extra (24.7.2020)

vf659

Vida Fodona ao vivo numa sexta-feira? Sim, às 21h, no twitch.tv/trabalhosujo – e dá pra ouvir logo depois que a festa acabar… agora.

Arctic Monkeys – “Snap Out of It”
Deerhunter – “Breaker”
Angel Olsen – “Shut Up Kiss Me”
My Bloody Valentine – “New You”
Tame Impala – “Feels Like We Only Go Backwards”
Som Imaginário – “Cenouras”
Supercordas – “Ipupiara”
Mopho – “A Geladeira”
Boogarins – “Lucifernandis”
Mutantes – “Preciso Urgentemente Encontrar um Amigo”
Walter Franco – “Feito Gente”
Moby – “Honey”
Kanye West – “Goldigger”
Erasure – “Stop!”
Metronomy – “Love Letters (Soulwax Remix)”
Missy Elliott – “Lose Control”
Duffy – “Mercy”
Apples in Stereo – “Elevator”
Arcade Fire – “Afterlife”
Far East Movement – “Like A G6”
Chromeo – “Fancy Footwork”
Radiohead – “Idioteque”
Pulp – “Disco 2000”
Blur – “Girls & Boys”
Elastica – “Line Up”
Pink Floyd – “Interstellar Overdrive”
Roxy Music – “Love Is The Drug (Todd Terje Disco Dub)”
Lorde – “Royals (Tambozão Edit)”
Nego do Borel + Anitta + Wesley Safadão – “Você Partiu Meu Coração”
Anitta – “Paradinha”
Luis Fonsi + Daddy Yankee – “Despacito”
Justin Bieber – “Sorry (Pagode Remix)”
M.I.A. – “Paper Planes”
Rihanna – “Consideration”
Beyoncé – “Hold Up”
Katy Perry + Juicy J – “Dark Horse”
Santana + Rob Thomas – “Smooth”
Maroon 5 – “This Love”
Daniel Merriweather + Mark Ronson – “Stop Me”
Led Zeppelin – “Dancing Days”
Haim – “If I Could Change Your Mind”
Lauryn Hill – “Doo Wop (That Thing)”
TLC – “No Scrubs”
Taylor Swift – “Style”
Stevie Wonder – “I Wish”
Red Hot Chili Peppers – “Suck My Kiss”
Outkast – “Roses”
Modjo – “Lady (Hear Me Tonight)”
Michael Jackson – “Billie Jean”
Meghan Trainor – “All About That Bass”
Marvin Gaye & Tammi Terrell – “Ain’t No Mountain High Enough”
Wilco – “Someone to Lose”
Queen – “Don’t Stop Me Now”
Olivia Tremor Control – “Jumping Fences”
Nirvana – “Love Buzz”
Jamie xx + Young Thug + Popcaan- “I Know There’s Gonna Be (Good Times)”
Hanson – “Mmmbop”
Maglore – “Me Deixa Legal”
Paralamas do Sucesso – “Selvagem”
Céu – “Minhas Bics”
Rita Lee – “Tititi”
Metrô – “Cenas Obscenas”
Glue Trip – “Elbow Pain”
Lana Del Rey – “Ultraviolence”
Air – “Playground Love”
Negro Leo – “Outra Cidade”

Vida Fodona #656: Festa-Solo (6.7.2020)

vf656

Começando mais uma semana, não esqueça que segunda é dia de Vida Fodona ao vivo no twitch.tv/trabalhosujo, a partir das 21h – bora? Eis o da semana passada.

Max Romeo – “Chase the Devil”
Sister Nancy – “Bam Bam”
Santigold – “L.E.S. Artistes”
Drake – “Hotline Bling”
Tim Maia – “These Are The Songs (Esta É A Canção)”
Luiz Melodia – “Juventude Transviada”
Lana Del Rey – “Fuck It, I Love You”
JJ – “Ecstasy”
Beastie Boys – “I Don’t Know”
Jamie Lidell – “Multiply”
Mark Ronson + Alex Greenwald – “Just”
Jamiroquai – “Virtual Insanity”
Céu – “Varanda Suspensa”
BaianaSystem – “Playsom”
MC Beijinho – “Me Libera Nega”
Pepeu Gomes – “Raio Laser”
Tulipa Ruiz – “A Ordem das Árvores”
Curumin – “Selvage”
Letuce – “Arca de Noé”
Alessandra Leão – “Mofo”
João Bosco – “Cobra Criada”
Maria Bethania – “Festa”
Marcelo D2 – “Maldição do Samba”
Marcos Valle – “Mentira (Chega de Mentira)”
Rita Lee – “Agora é Moda”
Todd Terje – “Preben Goes to Acapulco”
Air – “Kelly Watch The Stars”
M83 – “Midnight City”
Lykke Li – “I Follow Rivers (The Magician Remix)”
Michael Jackson – “Billie Jean”
Earth, Wind & Fire – “Let’s Groove”
Giorgio Moroder + Kylie Minogue – “Right Here Right Now”
Scissor Sisters – “I Don’t Feel Like Dancing”
Arctic Monkeys – “Why’d You Only Call Me When You’re High”
Arcade Fire – “Porno”
Ana Frango Elétrico – “Torturadores”
Angel Olsen – “Spring”
Weyes Blood – “Andromeda”
Ennio Morricone – “Love Theme (Cinema Paradiso)”

Todd Terje rumo a 1982

toddterje-2

O mestre norueguês da space disco Todd Terje continua fazendo charme em relação ao seu próximo disco, atualmente batizado de Numero Twomero (ainda é um nome de trabalho), continuação de sua excelente estreia It’s Album Time. Depois de lançar duas versões remixadas pelos chapas Prins Thomas e Four Tet da inédita “Jungelknugen“, ele agora ressuscita um hit dance escandinavo dos tempos em que ele ainda usava fraldas. “Maskindans”, que a dupla conterrânea Det Gylne Triangel emplacou no ano em que Terje completava seu primeiro ano de vida (1982), é ressuscitado em dois momentos, numa versão modernizada feita por Terje ao lado do vocalista original da dupla, Ola Ødegård…

…bem como remixada por outro compadre de Todd, Erol Alkan, que dá uma turbinada ainda mais retrô em sua versão.

Colaborações, eletrônico retrô… Terje pode estar dando dicas do rumo de seu próximo disco. O single de “Maskindans” pode ser comprado no site da Piccadilly Records. E se você não conhece a versão original, ei-la:

Todd Terje convoca Prins Thomas e Four Tet

Jungelknugen

O mago norueguês da space disco Todd Terje ensaia o lançamento do novo disco para este ano e chama os dois velhos comparsas Prins Thoams e Four Tet para remixar a a inédita “Jungelknugen”, primeira música do sucessor do brilhante It’s Album Time, um dos grandes discos de 2014.

E pelo jeito o que vem por aí é TENSO.

Vai um remix do Todd Terje aí?

olakvernberg-toddterje

É sempre bom dar ouvidos ao mago norueguês da disco music, mesmo que ele esteja remixando alguém que você não conheça. O que deve ser o caso de seu conterrâneo violinista de jazz Ola Kvernberg, cujo álbum The Mechanical Fair está sendo lançado pelo selo de Terje. O produtor pegou a faixa-título do novo disco e deu aquele trato que a gente conhece e gosta…

Vida Fodona #534: Agosto em perspectiva

vf534

Tudo pode mudar.

Durutti Column – “Sketch for Dawn – I”
Warpaint – “New Song”
Tincoãs – “Deixa a Gira Girar”
Anelis Assumpção – “Song to Rosa”
Curtis Mayfield – “Move on Up”
Gil Scott-Heron – “Lady Day & John Coltrane”
Jorge Ben – “Brother”
Mundo Livre S/A – “O Mistério do Samba”
Curumin – “Samba Japa”
BNegão & Os Seletores de Frequência – “V.V.”
Instituto + Sabotage – “Dama Tereza”
Nightmares on Wax – “Les Nuits”
Massive Attack – “Inertia Creeps”
Elza Soares + Celso Sim – “Benedita”
David Bowie – “It’s Gonna Be Me (With Strings)”
Todd Terje + Bryan Ferry – “Johnny and Mary”
Spice Girls – “Too Much”
Eric Carmen – “All By Myself”
Johnny Thunders – “You Can’t Put Your Arms Round a Memory”
Can – “Vitamin C”
Broken Social Scene – “Cause = Time”
New Order – “Thieves Like Us”
Novos Baianos – “Mistério do Planeta”

Vida Fodona #513: Quebrando a maldição

vf513

E começo a anunciar as novidades dos 20 anos do Trabalho Sujo…

Iron Maiden – “Cross-Eyed Mary”
Jean-Luc Ponty – “Computer Incantations for World Peace”
Marina Lima – “Corações a Mil”
Meghan Trainor – “All About That Bass”
Todd Terje – “Preben Goes To Acapulco (Prins Thomas Remix)”
Bryan Ferry – “Don’t Stop The Dance (Idjut Boys Dub)”
Baiana System – “Playsom”
Groove Armada – “Superstylin'”
João Brasil – “Cheia de Dar”
Human League – “Don’t You Want Me”
Diogo Strausz + Ledjane Motta + Maria Pia – ‘Não Deixe De Alimentar”
Taylor Swift – “Style”
Tame Impala – “‘Cause I’m a Man”

Bora lá.

Como foi o Popload Festival 2015

belle-iggypop-audio

Fui aos dois dias do Popload Festival, o festival do Lucio que aos poucos se estabelece no calendário brasileiro como um dos principais eventos de música em São Paulo, e a melhor constatação foi ver, na prática, que “festival de música” não é sinônimo para perrengue, pé na lama, chuva, som ruim, shows à luz do dia, dezenas de milhares de pessoas, quinze mil bandas e a grande maioria delas ruim, comida tosca, banheiros imundos, gente passando mal. Tudo funcionava – e isso é ponto não só para a organização como também para o Audio Club.

Cheguei no primeiro dia no meio do ótimo show do Sondre Lerche e não dá pra entender porque o francês não estava abrindo para o Belle & Sebastian, que tocaria no dia seguinte – era uma situação que todos iriam ganhar, inclusive o festival. Depois foi a vez do Emicida, que optou por fazer um show mais pesado e dando uma geral em toda sua carreira, em vez de tocar apenas o show do disco novo – embora o melhor momento tenha sido “Madume”, em que ele chamou os rappers Drika Barbosa, Raphael Alafin, Muzzique e Coruja para quase nove minutos de dedo na cara. A única concessão ao peso da noite foi a radiofônica “Passarinhos”, deixando claro que o artista sabia que a grande maioria do público nunca tinha visto um de seus shows.

E, como alguns, tive que fazer a escolha salomônica entre ver uma lenda viva do rock (ainda) em ação e um ás da atualidade em seu atual auge. Como aquela não era minha primeira vez com o velho Iggy e sabia que o show começava como uma memorável sequência “No Fun”, “I Wanna Be Your Dog”, “The Passenger” e “Lust for Life”, escolhi assistir ao início do show de roque para depois cair na pista do mago norueguês da disco music, Todd Terje, mas não sem antes assistir ao mosh que o quase centenário roqueiro deu sobre o público que nasceu depois que ele gravou “Candy”, nos anos 80. No clube do Audio, longe das guitarras, Terje determinava um transe rítmico em que timbres retrô pareciam ter nascido no século 20 – e até um velho hit da Whitney Houston não soava como mera citação, combinando perfeitamente com o repertório da noite, repleto de faixas de seu excelente It’s Album Time, do ano passado. O astral da apresentação do escandinavo estava tão bom que, mesmo com ele acabando antes do show do Iggy Pop terminar, bandeei pra casa.

No dia seguinte, consegui ver mais uma vez o Cidadão Instigado tocando seu tenso Fortaleza ao vivo e a banda de Fernando Catatau está imersa na alma pesada do disco – mesmo os momentos mais leves (como “Land of Light” ou “La La La La La La La”) soam bem mais intensos e elétricos do que gravados, mesmo sem sair de suas levadas originais. O Spoon fez um show quase às escuras e o intimismo dark da banda norte-americana não encontrou liga com o público do Belle & Sebastian. Foi um show preciso e empolgante, mas a grande parte do público apenas esperava a banda que encerraria o palco, como também aconteceu no show do Cidadão. Mas não era desânimo – o público estava atento e apreciou os dois shows, mas era uma abordagem muito cética perto do excesso de fofura do show Belle & Sebastian.

Não desgosto do Belle & Sebastian, mas estou longe de ser um fã. Contudo, é uma banda que pertence à minha geração e aquele era o quarto show do grupo escocês que assistia. O lado fofinho, sorridente e Hello Kitty da banda quase chega a me irritar – gosto deles quando esquecem o Nick Drake para revisitar o soul dos anos 80 via Inglaterra. O mais curioso, no entanto, foi a onda jovem que parece ter descoberto o grupo nos últimos anos. Quando assisti ao show que o grupo fez na saudosa Via Funchal há cinco anos, tive a clara sensação de que todos os presentes ali haviam assistido (ou queriam ter visto) o grupo em sua primeira passagem no Brasil, quando tocaram no também saudoso festival Free Jazz (o avô do igualmente saudoso Tim Festival). Eram os indies velhos (como eu), que voltavam para ver uma banda que foi importante para eles em suas juventudes. Mas no encerramento do festival do Lúcio havia muito gente no início dos 20 anos que com certeza não estava naquele show de 2010. A grande interrogação ficou pela forma como esse público descobriu a banda: foi trilha sonora de filme? Tocou na novela? Entrou em videogame? Descoberta semanal do Spotify?

O fato é que essa nova geração de fãs se entregou à fofura do Belle & Sebastian e o show foi muito mais passional que o de Iggy Pop, por incrível que pareça. A felicidade no ar era parecida com a do show que a banda fez em São Paulo no início do século, quase sem acreditar que não apenas tinham fãs no Brasil como eles sabiam cantar todas as músicas. Essa constatação guiou a apresentação da banda, que foi pouco a pouco hipnotizando o público em sua bolha de otimismo, o que também cativou os mais velhos presentes – tocaram até “Legal Man”, que é minha música favorita deles. Foi um show tão divertido quanto cativante e, ao contrário do Iggy Pop, não habita apenas o palco, como um deus do rock. O momento já clássico dos shows da banda é justamente quando trazem os fãs para o palco. Querem dizer que são pessoas como eles. Enquanto o mosh de Iggy Pop na galera é um elogio à saúde atual do roqueiro e uma honra para os pobres mortais que o seguraram antes que ele caísse no show, a subida ao palco do Belle & Sebastian é um abraço coletivo, um carinho de cena que funciona como um colo para pessoas que reconhecem mais as canções que os integrantes da banda.

E é essa dicotomia – entre o antigo rock clássico e o clássico indie rock – que precisa ser resolvida pelo Popload. Ao trazer Iggy Pop como uma das atrações em um festival essencialmente indie, ele abre a possibilidade de realizar shows de veteranos para poucos milhares de pessoas. Mesmo para uma banda como o Belle & Sebastian, o palco do Audio foi bem mais acolhedor e, na medida do possível, intimista do que os outros dois quando eles passaram por São Paulo (o clube da Água Branca deve ter menos que a metade do tamanho da Via Funchal). A escolha de Iggy Pop pode criar uma expectativa errada para o festival (o público da Kiss FM e do Café Piu Piu certamente iria em peso caso o show tivesse uma divulgação específica para canais não-indies, o que não aconteceu) ao mesmo tempo em que ele pode fugir da fórmula “o hype da vez” trazendo velhos de guerra e indies grandes para tocar num palco que os deixa quase em cima do público.

Abaixo, alguns vídeos que fiz no festival.